Caminhos da consciência

Imagem: Richard Bell
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

Os caminhos da consciência apontam múltiplas combinações entre a luta de classes, o nacionalismo e o internacionalismo

A essência reacionária do impeachment misógino de Dilma Rousseff está na reatualização dos valores do escravismo colonial (Novo Regime Fiscal com Teto de Gastos Públicos, 2016; Reforma Trabalhista e Previdenciária, 2017; Lei das Terceirizações, 2017; Autonomia do Banco Central, 2021). Arrocho salarial, precarização do trabalho, desindustrialização, negacionismo, cortes em pesquisas científicas, universidades públicas à míngua, desmonte das políticas sociais, descrédito das instituições do Estado de direito democrático fecharam o pacote do golpe neocolonialista.

A metáfora da obra magna de Gilberto Freyre, “casa grande” e “senzala”, amarrou com perfeição as relações sociais nos quase 350 anos de escravidão, de triste memória, que a historiografia facciosa pretendeu abrandar como fez em episódios sangrentos. No ínterim, os privilégios andaram a par com uma abstração dos direitos – de vida, propriedade e liberdade – para os escravizados. O gozo perverso na objetificação de seres humanos resistiu ao fim do Império Romano, onde escravos em trajes de gladiadores se mutilavam e matavam para divertir a plateia e o imperador, no Coliseu.

A abolição da escravatura no Brasil não altera o quadro, em profundidade. Faltou a indenização por gerações de atividades laborais, sob grilhões, e uma reforma agrária para absorver os alforriados no cultivo da terra, de acordo com a vocação das criaturas arrancadas da mãe-África. Sem um preparo para afazeres citadinos e sofrendo concorrência das etnias europeias, que dispunham de prebendas oficiais com vistas ao branqueamento, os afrodescendentes ficaram de fora do incipiente circuito produtivo. Começava a saga das comunidades de periferia. A gente periférica não participou do conceito de nação e foi acusada de “vagabundagem”. No Rio de Janeiro, se instalaram nos morros.

Ofendidos e humilhados foram alijados do processo político, em curso. A cosmovisão das elites foi verbalizada por Ruy Barbosa – escravos, mendigos e analfabetos não devem ter direito ao voto, por carecer de ilustração e não discernir o bem comum. Os regimes de exceção seguem na tentativa de invisibilizar o “bloco dos sujos”. As proclamadas virtudes mestiças e a dita democracia racial não levaram à união nacional. João Ubaldo Ribeiro, em Viva o povo brasileiro, descreve de maneira crua a origem da miscigenação no país – o estupro das negras e indígenas por proprietários brancos.

Pesadelo de volta

O patriotismo, transformado em uma emoção nacionalista, soldou a lealdade dos subalternos ao Estado via idioma, tradições populares e folclorização (alegre, sensual, musical) da raça – conceito recorrente na sociologia do século XIX, como o de classe social no século XX. A brasilidade, no caso, serviu de atalho redentor para a elevação da consciência dos excluídos até uma consciência brasilense – o sufixo “eiro” só é apropriado para ocupações, tipo sapateiro, daí o vocábulo “brasileiro” não ter tradução em inglês ou francês. O sonho de consumo se resumia a uma inclusão econômica.

As fases históricas desde então foram nuançadas pela cultura, os costumes e as crenças cotidianas: República Velha (1889-1930); Governo Provisório e Constitucional de Getúlio Vargas (1930-1937); Estado Novo (1937-1945); Quarta República (1945-1964); Ditadura Civil-Militar (1964-1985); Nova República, na expressão de Tancredo Neves (1985-2016); Estado de Exceção (2016-2022); Brasil União e Reconstrução (2022-…), na designação de Lula da Silva. As liberdades públicas estiveram em alta ou em baixa, ao longo desse tempo. No pesadelo escravocrata entre 1550-1888, a liberdade sequer era um critério de aferição sociopolítica, no pêndulo dominação / subordinação.

Com requintes de crueldade e safadeza, o bolsonarismo reafirmou o arbítrio dos primórdios. Tomou de empréstimo a hipocrisia das “elites”. Juras incondicionais à liberdade individual, predicado dos fortes, minaram a Constituição para favorecer os que tinham em quem pisar na hierarquia social, o policial que faz revista desmotivada no jovem ou o rufião que cobra a prostituta. A impunidade do antigo sinhô se estendeu aos sem-engenhos, no período miliciano do Palácio do Planalto. Cresceram as estatísticas de chacinas das “classes perigosas”, os crimes de racismo, feminicídio e homofobia. Os pequenos e sádicos aspirantes a ditadores foram empoderados e, aberta, a temporada de caça e perseguições covardes dos ressentidos aos vulneráveis de sempre – pobres, pretos, mulheres e gays.

Sequestrado pelos bolsonaristas nas redes sociais, o nacionalismo perdeu a aura de universalidade apesar de manter uma capacidade de aglutinação altaneira, em face da luta de classes de orientação igualitária e libertária. Perdeu também o conteúdo, mal compensado pelo uso retórico dos símbolos pátrios, para obscurecer o entreguismo de empresas sólidas e atender o ideário privatista. “Nossa bandeira jamais será vermelha”. O amarelo sinalizou uma politização supraclassista rasteira. Para a mentalidade paralela, os alienados da ocasião eram os opositores. “Por que não vão para Cuba?”

Palco para brilhar

Para Marilena Chaui, em Brasil: mito fundador e sociedade autoritária: “A explicação encontra-se na natureza do Estado moderno como espaço dos sentimentos políticos e das práticas políticas em que a consciência política do cidadão se forma referida à nação e ao civismo. Nada exprime melhor essa situação do que o nacionalismo das esquerdas nos anos 1950-1960, com os nomes de nacional-desenvolvimentismo, primeiro, e de nacional-popular, depois”. O trabalho encarnava a totalidade.

A dialética da conscientização crítica teve a porta da luta de classes bloqueada e, o nacionalismo, arrebatado pela extrema direita já em 1964. O renascimento institucional e extra-institucional da oposição foi forjado pelo sindicalismo autêntico, pela Teologia da Libertação e pelo Partido dos Trabalhadores (PT, 1980) ao inflexionarem o conflito fundamental, “peão não vota em patrão”. O decênio oitentista teve mobilizações colossais, registradas na biografia do gigante acordado. Seu emblema (o Sistema Único de Saúde / SUS) foi aprovado na Constituinte, graças às mobilizações.

A década noventista muda o cenário com a hegemonia do neoliberalismo, de um lado e, de outro, a experiência do Orçamento Participativo (OP), em Porto Alegre, sob administrações petistas (1989-2005). Mesmo sob o cerco dos governichos de Fernando Collor de Melo e Fernando Henrique Cardoso, a Prefeitura da capital gaúcha acumulou prêmios em transporte, saúde e meio ambiente, e foi eleita na Organização das Nações Unidas (ONU) a metrópole número um em qualidade de vida, no Brasil. Em 1998, foi reconhecida pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e pelo Índice de Condição de Vida (ICV) que medem longevidade, renda, educação, infância e habitação; títulos repetidos em 2001 e 2003, na ONU. Situada entre os quarenta municípios com melhores práticas de gestão, no globo terrestre, a cidade sediou o Fórum Social Mundial (FSM) por sugestão da equipe de jornalistas do Le Monde Diplomatique, acatada por lideranças dos hemisférios Norte e Sul.

O Orçamento Participativo se alinhou à perspectiva nacionalista, com um alcance local. Suas realizações focaram em uma categoria de unificação, a melhoria da vida individual e coletiva em cidade. O Plano Plurianual (PPA) Participativo, do presidente Lula da Silva busca o bem-estar na conjunção geral. Ambas as iniciativas destacam o valor supremo do pertencimento a entidades de uma envergadura conceitual que transcende as classes sociais, stricto sensu. Mostram a importância e a extraordinária força centrípeta exercida pela ideia-guia de civilização. A luta de classes não evapora. Manifesta-se com roupagens diferentes, enquanto protagonistas genéricos e progressistas sobem ao palco para brilhar.

Tríade estratégica

Feito o revolucionário do poema de Bertolt Brecht, partícipes das assembleias (ágoras) aprendem a perguntar à propriedade, “de onde vens?” e indagam às opiniões, “a quem serves?” Mecanismos de deliberação social interferem na esfera do político para ensaiar uma convergência entre os polos nacionalista e classista, além de contribuir para a formação político-intelectual de um contingente numeroso de vanguarda, nas classes laboriosas. Cidadãs e cidadãos comuns olham diretamente para o funcionamento do Estado-Medusa, sem medo de ser transfigurados em pedra ou torturados e desaparecidos, como em priscas eras. A ação deliberativa converte os lutadores sociais em sujeitos políticos, com organização e programa. O aparelho burocrático tem o corpo funcional dissecado.

É difícil avaliar o que, no futuro, vai prevalecer – a dinâmica nacional ou de classes. Em 1943, a dissolução do Communist International (Comintern) decretou o fim da revolução internacional. No momento, porém, outras variáveis intervenientes entram em cena. As desigualdades sociais, a ameaça à democracia e a crise climática re-internacionalizaram a discussão sobre a superação do capitalismo, controlado pela cobiça das finanças. Catástrofes em série se anunciam e desabam sobre a humanidade. Há pressa nos passos da emancipação para vencer a apatia política das multidões.

É errado ignorar as questões nacionais. Ao ler no ainda atual Manifesto Comunista de 1848 que trabalhadores não tinham pátria, não raros dirigentes concluíram que a tarefa era recuperar o seu lugar na moldura nacional. Passados cem anos, em um Manifesto à Nação (1945), de afirmação da negritude, Abdias Nascimento alegou ditames da “consciência nacional” para que a Constituição de 1946 admitisse um composto no povo, de três raças: negra, indígena e branca. “Seja cada qual um soldado contra a decadência de nossos costumes, contra a ignorância e contra os preconceitos, que muitos querem negar, na guerra pela identidade de um destino que se funde com o da própria nacionalidade”.

Oprimidos e explorados desejam o reconhecimento com traços não folclorizados, artificialmente, ou eclipsados ideologicamente. Os caminhos da consciência apontam múltiplas combinações entre a luta de classes, o nacionalismo e o internacionalismo. Tais dimensões possuem concreticidade. Na literatura, “a vida como ela é” estampa tragicomédias urbanas e suburbanas, relatadas pelo talento do cronista. No realismo político, la verità effettuale della cosa interpela a contra-hegemonia para condensar a tríade de lutas plurais numa síntese superior: a utopia socialista e democrática. Esse é o desafio dos partidos e movimentos – ambientalista, antirracista, LGBTQIA+ e feminista. O dínamo está na resiliência, lucidez e companheirismo daquelas pessoas transformadoras. Nalu, presente.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Andrew Korybko Leonardo Avritzer Alysson Leandro Mascaro João Lanari Bo João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Osvaldo Coggiola Luiz Bernardo Pericás Vladimir Safatle Carlos Tautz Mariarosaria Fabris Flávio Aguiar João Feres Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Eleonora Albano Otaviano Helene Celso Favaretto Ronald León Núñez Marcelo Módolo Celso Frederico Anselm Jappe José Raimundo Trindade Luiz Eduardo Soares Heraldo Campos Matheus Silveira de Souza André Singer Gerson Almeida Paulo Fernandes Silveira Antônio Sales Rios Neto Henry Burnett Marilia Pacheco Fiorillo Renato Dagnino Francisco Pereira de Farias Alexandre Aragão de Albuquerque Manchetômetro Juarez Guimarães Thomas Piketty Bento Prado Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Mário Maestri Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Marcus Ianoni Bruno Machado Ricardo Abramovay Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Eliziário Andrade Leda Maria Paulani Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano Rubens Pinto Lyra Daniel Brazil Ricardo Fabbrini Ricardo Musse Annateresa Fabris Leonardo Sacramento Flávio R. Kothe Remy José Fontana Yuri Martins-Fontes Francisco Fernandes Ladeira Fernando Nogueira da Costa Armando Boito Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Capel Narvai Eduardo Borges Luciano Nascimento Bernardo Ricupero José Micaelson Lacerda Morais Eugênio Trivinho Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Roberto Alves João Sette Whitaker Ferreira Dennis Oliveira Denilson Cordeiro André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto Luiz Renato Martins Igor Felippe Santos Marcelo Guimarães Lima Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Lincoln Secco Érico Andrade Eugênio Bucci Paulo Nogueira Batista Jr Michael Löwy Elias Jabbour Fábio Konder Comparato Caio Bugiato José Luís Fiori Marjorie C. Marona Slavoj Žižek Luiz Werneck Vianna Ladislau Dowbor Rafael R. Ioris Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Airton Paschoa Luiz Carlos Bresser-Pereira Lorenzo Vitral Salem Nasser Andrés del Río Gabriel Cohn Chico Alencar Gilberto Maringoni Tadeu Valadares Walnice Nogueira Galvão Berenice Bento Paulo Martins Tarso Genro Marilena Chauí Luis Felipe Miguel Everaldo de Oliveira Andrade Michael Roberts Vanderlei Tenório Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Eleutério F. S. Prado Antonino Infranca José Geraldo Couto Tales Ab'Sáber Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Afrânio Catani Daniel Costa Valerio Arcary Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Maria Rita Kehl João Carlos Loebens Kátia Gerab Baggio Milton Pinheiro Samuel Kilsztajn Jorge Branco José Dirceu Sergio Amadeu da Silveira Dênis de Moraes Antonio Martins José Costa Júnior Carla Teixeira Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Michel Goulart da Silva Anderson Alves Esteves Ari Marcelo Solon Liszt Vieira Sandra Bitencourt Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary Leonardo Boff Rodrigo de Faria

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada