Assassinos da lua das flores

Anna Boghiguian, A Myth , 1994
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o filme de Martin Scorsese, em exibição nos cinemas.

Para quem gosta de cinema e se interessa pela história das sociedades, Assassinos da lua das flores, de Martin Scorsese, é possivelmente o grande filme do ano. Ambientado nos anos 1920, na terra da nação indígena Osage, traz uma carga tão grande de informação, ação eletrizante e drama humano que suas três horas e meia passam num instante.

Resumindo uma história complexa: no início do século XX, os osages encontram petróleo no território estéril para onde tinham sido empurrados pelos colonizadores europeus, no estado de Oklahoma. A situação então se inverte. São os brancos que passam a cobiçar a riqueza obtida pelos indígenas, tentando chegar a ela por uma via dupla: casando-se com mulheres osages e matando quem estivesse na linha de sucessão na posse do patrimônio. No entretempo, eles se submetem a trabalhar para os abonados indígenas como motoristas, garçons, marceneiros, etc.

É nesse contexto que chega à região, voltando da Primeira Guerra, o matuto de poucas luzes Ernest Burkhart (Leonardo DiCaprio), que fica sob a guarda do tio, o poderoso latifundiário Willam Hale (Robert De Niro). Acontece que o astucioso Hale pretende se servir do sobrinho para aumentar o patrimônio da família, e para isso o incentiva a casar-se com a osage Mollie (Lily Gladstone). Começam então a ocorrer diversos assassinatos de parentes de Mollie, motivando o envio para a região de agentes do então nascente FBI.

Épico sem glória

A partir do livro de não-ficção de David Grann Killers of the Flower Moon, onde essa história é contada, Martin Scorsese construiu um épico sem glória que mistura faroeste, filme de gângster, policial e drama de tribunal. Aos 80 anos, ele exibe um vigor invejável e o pleno domínio dos recursos narrativos e expressivos que o transformaram no último grande cineasta clássico dos Estados Unidos, sem a irregularidade de um Coppola e o sentimentalismo tantas vezes tolo de um Spielberg.

Em última instância, Assassinos da lua das flores pode ser visto como uma parábola sobre a ideia de que, no capitalismo, o dinheiro não tem cor, raça ou ideologia. Esse mito é testado em seu limite no filme: os osages têm os dólares do petróleo, mas continuam sendo indígenas, isto é, um povo discriminado, sitiado e, na “solução final”, exterminado. Não sob tiros e clarins da cavalaria, como em tantos westerns, mas por caminhos mais insidiosos e traiçoeiros, como nos filmes de máfia.

Martin Scorsese transita de modo desenvolto e soberano pelos códigos de todos os gêneros, aparentemente à vontade nesse ambiente que mistura o rural e o urbano. Uma corrida de automóveis pelas ruas de terra da cidadezinha osage atesta a euforia quase juvenil com que esse veterano nos dá a ver imagens inusitadas.

Tudo é entretenimento

Merece atenção especial o olhar poético e respeitoso que esse artista branco, católico, descendente de italianos, criado nas ruas perigosas de Nova York, dedica ao povo osage e sua cultura. A morte da mãe de Mollie, Lizzie (Tantoo Cardinal), por exemplo, é apresentada numa visão dupla, a da ascensão de seu espírito segundo a mitologia indígena e a crua, prosaica, de um velório rotineiro. Em outra passagem, o bobalhão Ernest diz a Mollie, pensando estar sendo galanteador: “A cor da sua pele é bonita. Como você chama essa cor?” Ela responde: “A minha cor”.

Por fim, sem que vá aqui nenhum spoiler, a aparição do próprio Martin Scorsese, no papel de um produtor de programa de rádio, reforça e atualiza uma ideia recorrente na obra do diretor (vide O rei da comédia e mesmo o final de Taxi driver): a de que na cultura industrial norte-americana tudo vira entretenimento comercial e catarse de massa. Seu próprio filme não escapa disso, claro, mas pelo menos tem o mérito nada pequeno de chamar a atenção para a armadilha. Nos embala e nos belisca ao mesmo tempo.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no site do Instituto Moreira Salles

Referência


Assassinos da lua das flores (Killers of the Flower Moon)
EUA, 2023, 3h 26 min.
Direção: Martin Scorsese
Roteiro: Eric Roth, Martin Scorsese
Elenco: Leonardo DiCaprio, Lily Gladstone, Robert De Niro


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Eliziário Andrade Marilena Chauí João Paulo Ayub Fonseca Eleonora Albano Jorge Luiz Souto Maior José Luís Fiori Gabriel Cohn Michael Roberts Slavoj Žižek Chico Alencar Otaviano Helene Heraldo Campos Elias Jabbour Osvaldo Coggiola Henry Burnett Luiz Marques Luiz Roberto Alves Rafael R. Ioris Valerio Arcary Henri Acselrad Marcelo Módolo Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Ricardo Antunes Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais José Costa Júnior Gilberto Maringoni Airton Paschoa Renato Dagnino José Dirceu Marcos Aurélio da Silva Eduardo Borges Afrânio Catani Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vanderlei Tenório Julian Rodrigues Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luis Felipe Miguel Valerio Arcary Dênis de Moraes João Carlos Salles Tales Ab'Sáber Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza José Machado Moita Neto Luís Fernando Vitagliano Paulo Nogueira Batista Jr Ari Marcelo Solon Ronald Rocha Thomas Piketty André Singer Michel Goulart da Silva João Adolfo Hansen Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima Bento Prado Jr. Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho Claudio Katz Armando Boito Ricardo Abramovay Samuel Kilsztajn Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque Liszt Vieira Annateresa Fabris Bernardo Ricupero Celso Favaretto Alysson Leandro Mascaro Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva João Feres Júnior Marcos Silva Kátia Gerab Baggio Tarso Genro Gilberto Lopes Celso Frederico Leda Maria Paulani Chico Whitaker Francisco Pereira de Farias Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria Igor Felippe Santos Antonino Infranca Berenice Bento Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Costa Anselm Jappe Leonardo Boff Vladimir Safatle Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Brazil Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Luiz Werneck Vianna João Lanari Bo Gerson Almeida Matheus Silveira de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Mário Maestri Anderson Alves Esteves Lincoln Secco Lucas Fiaschetti Estevez Flávio Aguiar Ricardo Musse Michael Löwy Bruno Machado Dennis Oliveira Luiz Eduardo Soares Andrew Korybko Ladislau Dowbor Eugênio Bucci João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Fernão Pessoa Ramos Paulo Sérgio Pinheiro Juarez Guimarães Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Francisco Fernandes Ladeira Atilio A. Boron Ronald León Núñez Marcus Ianoni Carla Teixeira Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez Sandra Bitencourt Paulo Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleutério F. S. Prado Remy José Fontana Flávio R. Kothe Luiz Bernardo Pericás José Raimundo Trindade Manchetômetro João Carlos Loebens Jorge Branco Fernando Nogueira da Costa Andrés del Río Manuel Domingos Neto Salem Nasser André Márcio Neves Soares Boaventura de Sousa Santos Luiz Renato Martins Jean Pierre Chauvin Érico Andrade Fábio Konder Comparato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada