As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Brasil e Covid, uma tragédia em imagens

Imagem_Colera Alegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Marcelo Eduardo Bigal*

A despeito da dor e da perda ocasionadas por essa epidemia, o que se nos apresenta é de decisão simples. Podemos proceder racionalmente e valorizar a vida, ou persistir em rota genocida, brigando por cloroquina, cânfora, ozônio intrarretal

A desconstrução da ciência se faz no Brasil de maneira tão brutal e articulada, que somos acometidos por um sentimento de desalento, de estarmos vivendo uma epidemia de cegueira, como escrevi recentemente neste site. Essa semana, ao ser perguntado ainda mais uma vez sobre a minha opinião sobre a cloroquina no tratamento do COVID-19, tive a impressão de viver em um universo paralelo, onde a voz da ciência não encontra ouvidos. Decidi, portanto, abster-me de argumentos científicos e decidi mostrar, por imagens, a surreal brutalidade da tragédia brasileira onde três epidemias se entrelaçam: a da COVID-19, da desinformação e, por fim, da ignorância, e falta de empatia/desprezo.

Visão Geral

Iniciando pelo básico. A população brasileira, atualmente estimada em 212,559,000 pessoas, responde por 2.7% da população mundial. Deveríamos, portanto, esperar que respondêssemos por 2.7% do número de casos e de mortes, e que, com eficiência e nos aproveitando do privilégio de termos um sistema único de saúde, estaríamos melhor que a média. Mas respondemos, no entanto, por 15.2% dos casos mundiais (5.6 vezes mais que a média mundial) e 13.8% das mortes (5.1 vezes maior que a média mundial).

A severidade da crise fica ainda mais evidente quando nos comparamos com os demais países da América do Sul, aonde somos o país mais importante economicamente. Respondemos por ao redor de 49% da população sul-americana, mas 63,8% dos casos e 63.7% das mortes (30% maior do que o esperado pela população apenas para esses dois parâmetros). Notemos que a América do Sul é uma das regiões mais acometidas, com 4 países entre os 10 mais afetados (Brasil, Peru, Chile e Colômbia) e, ainda assim, nossa performance é bem abaixo da média.

A mesma tendência é feita quando comparamos o Brasil, 9ª economia mundial, com países semelhantes, como França (7ª), Itália (8ª), Canadá (10ª) e Rússia (11ª).  Respondemos por 41% da população, mas 67% dos casos (63% acréscimo) e 53% dos óbitos (29% mais que o esperado).

Testes

Em epidemias, por vezes todos os melhores esforços são ainda insuficientes. Mas o Brasil falha no mais básico. Uma das melhores métricas de eficiência para o controle de uma epidemia foca no número de testes por caso diagnosticado (que mostra o esforço em se identificar contactantes). Os demais países com PIB semelhante (e também com serviço de saúde público, como o Brasil), fazem entre 5 vezes (França) a 7 vezes mais teste (Canadá) por pessoa diagnosticada que o Brasil.

E a situação é semelhante quando comparamos o Brasil com os 20 países com maiores números de casos. Em número de testes por casos confirmados ficamos abaixo, além dos óbvios países desenvolvidos, também de países como o Paquistão (69% a mais), Bangladesh (11% a mais), Peru (25% a mais). O gráfico a seguir mostra a proporção de testes por diagnóstico que cada um desses países fez em relação ao Brasil. Apenas dois fizeram menos, Argentina e México. A maioria fez muito mais. Alguns sequer cabem no gráfico, como a Inglaterra, que faz 1206% mais testes que o Brasil por caso diagnosticado.

Evolução da Epidemia

Os dois gráficos abaixo são emblemáticos. O Brasil acaba de atingir 3 milhões de casos. Foram necessários 112 dias para atingir o primeiro milhão, 30 dias para atingir o segundo milhão, e 23 dias para atingirmos o terceiro.

Parece ter se criado no Brasil o conceito de que a epidemia irá diminuir de intensidade naturalmente. Isso se baseia no fato de que outros países achataram a curva. Mas achataram por agirem. O que vemos no Brasil é o anti-achatamento da curva. Estamos adicionando casos com velocidade crescente, não decrescente. E também mortos. Aonde se vê melhora? Foram necessários 66 dias para que os primeiros 25 mil óbitos acontecessem, e desde então outros 25,000 acontecem cada 25 dias. A despeito da subnotificação, os dados oficiais mostram que no Brasil morre uma pessoa a cada 86 segundos pelo COVID.

Achatamento da Curva

O Brasil não passou de ano no curso “Economia dos Micróbios”. A desconstrução da informação levou ao conceito de que devemos retomar a atividade econômica a qualquer custo. Mas para retomarmos a atividade econômica (e isso se aplica também a volta as escolas e a normalidade em um sentido mais amplo), primeiro precisa-se debelar a epidemia. No gráfico abaixo apresento a experiência de Nova Iorque, Itália e Canadá, dois deles brutalmente afetados (Nova Iorque e Itália). Note-se que, a despeito do enorme sucesso, esses locais continuam tomando todas as precauções. Nova Iorque não reabriu teatros e muitas outras atividades. O Canadá não terá aulas presenciais plenas e tem suas fronteiras fechadas.

Mas o que acontece quando adicionamos o Brasil ao gráfico (abaixo, em verde)? Nada pode ser mais elucidativo. Esse, para mim, é o gráfico que melhor ilustra a mediocridade do nosso pensamento atual. Para se voltar a um mínimo de normalidade (comércio, escolas), há que primeiro controlar-se a epidemia. Podemos lutar contra isso até o fim dos tempos, e tomarmos todas as cloroquinas existentes no mundo (que, a propósito, se funcionassem, teriam melhorado as nossas curvas de mortalidade). Enquanto não agirmos com seriedade e decência, não existirá normalidade no nosso horizonte.

Liderança

Vale a pena refletir sobre a nossa própria culpa nessa situação. Trivializamos a dor, relativizamos a importância do conhecimento. Alguns exemplos para reflexão.

O Ministério da Saúde no Canadá é liderado por Dr. Theresa Tam, especialista em doenças infecciosas infantis. Nascida na China, foi co-líder de estudo em 2006 que focava nas preparações necessárias para se prevenir contra epidemias, após o SARS. Segundo a OMS, ela previu a epidemia do COVID com extraordinária precisão. Antes disso havia liderado esforços no Canadá para conter a epidemia de uso de narcóticos. Liderou a resposta contra o SARS, H1N1, Ebola, e representa o país na OMS. Alerta contra os riscos de se confiar na eficácia das vacinas em desenvolvimento, em detrimento de atuações mais óbvias.

Os EUA, que tem atuação tão desastrosa como o Brasil, só não está em situação pior graças a atuação do Dr Anthony Fauci, que tem coragem e credenciais para se opor a Donald Trump. É diretor da agência de Saúde desde 1984. Liderou a ação contra as epidemias de Ebola e Zika. Aconselhou seis presidentes e foi o principal arquiteto do plano de emergência para o combate a AIDS, que salvou milhões de vidas, e pela qual é considerado uma lenda pelos pacientes e organizações de suporte.

A coordenação de saúde brasileira é liderada pelo General Pazuello. De acordo com Wikipedia, o general atuou na coordenação das tropas do Exército nos Jogos Olímpicos de 2016 e, desde fevereiro de 2018, coordenou a Operação Acolhida, que cuida de refugiados da Venezuela em Roraima, além de servir previamente como Secretário da Fazenda no Governo do Estado de Roraima no período da intervenção federal. Em 8 de janeiro de 2020, deixou a coordenação da operação para comandar a 12ª Região Militar, em Manaus. Dotado de experiência logística e operacional, possui extenso treinamento militar e extensa inexperiência em saúde.

A despeito da dor e da perda ocasionadas por essa epidemia, o que se nos apresenta é de decisão simples. Podemos proceder racionalmente, a exemplo de vários países, e valorizar a vida, seja por humanismo ou por interesse econômico. Ou persistir em rota genocida, brigando por cloroquina, cânfora, ozônio intrarretal. Disputando o óbvio. Falando da gripinha. Não usando máscaras. Não fazendo um isolamento coordenado. E, paradoxalmente, esperando por uma vacina, um grande avanço da ciência. Que ainda não sabemos se funcionará bem e prolongadamente. Mas essa é outra história. Sempre dá para cloroquinizar uma vacina!

*Marcelo Eduardo Bigal é médico neurologista e pesquisador, com doutorado em neurociências pela USP. Possui 320 artigos publicados em revistas científicas internacionais, e publicou cinco livros médicos. É CEO de uma companhia de biotecnologia, com sede em Boston, dedicada ao desenvolvimento médico na área de imunologia.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Dennis Oliveira Julian Rodrigues Paulo Sérgio Pinheiro Eliziário Andrade Annateresa Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Costa Carlos Tautz Paulo Martins Marcos Aurélio da Silva Henry Burnett Gilberto Maringoni Leonardo Boff Yuri Martins-Fontes Luiz Eduardo Soares Elias Jabbour Ronaldo Tadeu de Souza Osvaldo Coggiola Marcos Silva Eugênio Trivinho Francisco Pereira de Farias Igor Felippe Santos Eleutério F. S. Prado Otaviano Helene Celso Frederico Salem Nasser Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Antônio Sales Rios Neto Eugênio Bucci Luiz Marques Celso Favaretto Tadeu Valadares Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro Ladislau Dowbor Jean Marc Von Der Weid Fernão Pessoa Ramos Antonino Infranca Luiz Costa Lima Thomas Piketty Antonio Martins Maria Rita Kehl Alexandre de Freitas Barbosa João Feres Júnior Lincoln Secco Francisco Fernandes Ladeira José Dirceu Slavoj Žižek Chico Whitaker Tales Ab'Sáber Rodrigo de Faria Carla Teixeira Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí Sandra Bitencourt Samuel Kilsztajn João Carlos Loebens Claudio Katz Remy José Fontana Dênis de Moraes Jorge Branco Luciano Nascimento Andrew Korybko Ricardo Musse Ronald Rocha Roberto Noritomi Anselm Jappe Boaventura de Sousa Santos Walnice Nogueira Galvão Anderson Alves Esteves João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Marcus Ianoni Luís Fernando Vitagliano Juarez Guimarães Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida Valério Arcary Daniel Brazil Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Löwy Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Sacramento Chico Alencar José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts José Costa Júnior Luiz Werneck Vianna Armando Boito João Lanari Bo Berenice Bento José Geraldo Couto Vinício Carrilho Martinez André Márcio Neves Soares Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Marjorie C. Marona Heraldo Campos Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris Mário Maestri Bernardo Ricupero Marcelo Módolo João Sette Whitaker Ferreira Bento Prado Jr. Luiz Roberto Alves Daniel Afonso da Silva Vladimir Safatle Ricardo Abramovay Leda Maria Paulani Ronald León Núñez Luiz Bernardo Pericás Fernando Nogueira da Costa Roberto Bueno Vanderlei Tenório Ricardo Fabbrini Afrânio Catani Paulo Nogueira Batista Jr Eduardo Borges Henri Acselrad Priscila Figueiredo Milton Pinheiro Ricardo Antunes Gilberto Lopes Plínio de Arruda Sampaio Jr. André Singer Paulo Fernandes Silveira Flávio R. Kothe Tarso Genro José Luís Fiori Caio Bugiato Airton Paschoa Érico Andrade Paulo Capel Narvai João Adolfo Hansen Mariarosaria Fabris Leonardo Avritzer Benicio Viero Schmidt Alysson Leandro Mascaro Eleonora Albano Flávio Aguiar Atilio A. Boron José Raimundo Trindade Renato Dagnino João Paulo Ayub Fonseca Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima Manchetômetro Luiz Renato Martins Bruno Machado Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada