A revolução dos Cravos faz 47 anos

Imagem: Anderson Antonangelo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Sobrou um cheirinho de alecrim

Eu sei, eu sei.. a Revolução Russa é o paradigma-mor, a Chinesa algo extraordinário, a Cubana, a coisa mais linda que fala tanto aos nossos corações latino-americanos. Porém, todavia, entretanto, contudo confesso: a Revolução dos Cravos , ah a Revolução portuguesa…

O salazarismo, esse fascismo tão singular, quatro décadas de uma ditadura bem ibérica, reacionária e católica. Liderada por um intelectual, manteve alguma distância da radicalidade de Hitlter e Mussolini – Portugal se manteve “neutra” na Segunda Guerra , e não conheceu uma guerra civil  sangrenta como a vizinha Espanha.

Um pequeno país, ainda metrópole colonial, atrasada e pobre, entretanto. O salazarismo não estimulava milícias , mas reprimia brutalmente. A virulência das guerras coloniais na África…

Saber que o Brasil é África, é indígena, mas é  muito Portugal demais. A língua que é um “código secreto”, a herança colonial e suas tensões. E se lá houve aquele bas-fond todo, aqui também talvez role também.

Essa metrópole de  segundo escalão,  sempre a esperar  Dom Sebastião. A aposta no futuro pelo regresso redentor. E não somos nós também desde sempre o país do futuro?

Nem Camões ou Pessoa, claro, puderam estancar a  decadência – uma nação (europeia pero no mucho), encurralada entre  certo passado distante glorioso e remanescências de poderes coloniais.

O velho do Restelo  (Os Lusíadas) teria acertado ? A vaidade e  a cobiça daquela nação quinhetista  que se queria império e se pôs a conquistar o mundo  trariam   fama e glória mas junto com desastres, perigos, tormentas?

Portugalzão. Portugalzinha. Tão pequenina e tão predestinada à grandeza?  Fernando Pessoa  aposta na reconstrução da história e da mitologia da pequena nação heroica (ou será que não?) –  Mensagem foi publicada em 1934, já com Salazar no poder (!)

Ponta da península ibérica, saramagueanamente  jangada pedrogosa –   europeia descolada da Europa. Longe e pertim das américas, ásias e áfricas. Tanto mar, tanto mar. Nossa mãe escravocrata, cruel e espoliadora essa  Portugal.

E  aconteceu a Revolução dos Cravos,  o MFA.. os capitães de abril. O furacão e  posterior derrota (que,  ainda assim, moldou uma nova nação muito mais socialmente justa e moderna).

Por isso tudo que em todo 25 de abril  faço meu ritual: ouvir Grandola Vila Morena milhões de vezes (e muito José Afonso), visitar os sites do PCP, ler algo sobre a história da revolução dos cravos, ouvir  muito Chico cantando as duas versões de Tanto Mar. Segue por aí. Algumas amigas amadas são é minhas cúmplice nessa celebração íntima, ano após ano. (Quem disse que os ateus não tem suas cerimônias e rituais?)

Para entrar no clima, a canção-senha, Grândola Vila Morena:

O nosso Valerio Arcary esteve lá. Um artigo introdutório dele:  “A revolução portuguesa 1974/75: uma revolução solitária”

https://esquerdaonline.com.br/2018/04/25/a-revolucao-portuguesa-197475-uma-revolucao-solitaria/

Depois, é só ver o filme da Maria Medeiros, de 2000 já clássico: “Capitães de Abril”.

https://www.youtube.com/watch?v=M7oeAH1Rj3I

A aula de Rosa Gomes, do GMARX/USP, no curso da Fundação Perseu Abramo (Fascismo, ontem e hoje, façam!)

https://www.youtube.com/watch?v=z0WIhUd86gk&list=PLtsJqckMj3D54LC_yuqUAqn-L8HQ5uC6G&index=9

Gosto muito  também do livro do  Lincoln Secco: “A Revolução dos Cravos: e a Crise do Império Colonial Português “.

https://www.estantevirtual.com.br/livros/lincoln-secco/a-revolucao-dos-cravos/2444154355

Chico (refiro-me à Francisco Buarque de Holanda, nascido em 1944, filho de Sérgio Buarque de Holanda e  Maria Amélia Buarque de Holanda,  o maior artista vivo do país)  em plena ditadura compôs uma música reverenciando  a revolução dos cravos. Queria ele estar naquela festa do povo   português, torcendo para que algo assim aqui.

https://www.youtube.com/watch?v=hdvheuHhF2U

Depois da derrota do impulso revolucionário original, Chico refez a canção, com pequenas e genais adaptações (foi bonita a festa, mas esqueceram uma semente em algum canto)  conservando a beleza estética-política da obra.

https://www.youtube.com/watch?v=ST30-i7cZJk

Estou sentindo algum cheirinho de alecrim, fraquinho.  Escuto sinais, todavia.  Tem flores vindo aí, muitas flores.

Tou vendo uma esperança (viva Henfil)!

Lula Presidente em 2022 é a campanha das nossas vidas.  Não tem nada a ver com uma eleição comum. Trata-se de um tsnunami cultural, político e social. A superação de um ciclo de trevas. O marco de um novo tempo:  vida x morte, civilização x barbárie. O enterro do bolsonarismo e do neoliberalismo!

Mas tudo começa agora. Estamos desafiados a instituir uma disrupção político-cultural-ideológica-programática-ética-estética.

E viva a revolução dos cravos!

*Julian Rodrigues é professor e jornalista, ativista LGBTI e de Direitos Humanos.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Márcio Neves Soares Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Daniel Brazil Tarso Genro José Micaelson Lacerda Morais Maria Rita Kehl Luiz Renato Martins Leonardo Sacramento Mariarosaria Fabris Sergio Amadeu da Silveira Flávio R. Kothe Eduardo Borges Airton Paschoa Paulo Fernandes Silveira Otaviano Helene Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Ari Marcelo Solon Tadeu Valadares Leonardo Boff Vanderlei Tenório Milton Pinheiro Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani Celso Frederico Vladimir Safatle Igor Felippe Santos Caio Bugiato José Machado Moita Neto Rodrigo de Faria Bernardo Ricupero Andrés del Río Bruno Machado Anselm Jappe Marilia Pacheco Fiorillo Samuel Kilsztajn Michel Goulart da Silva Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Rafael R. Ioris André Singer Luis Felipe Miguel João Adolfo Hansen Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Daniel Afonso da Silva João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Elias Jabbour Dênis de Moraes Marilena Chauí Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Marques Luiz Carlos Bresser-Pereira João Lanari Bo José Costa Júnior Marcos Silva Thomas Piketty Jorge Branco Flávio Aguiar Mário Maestri Fábio Konder Comparato Gabriel Cohn Luiz Eduardo Soares Jean Marc Von Der Weid Luiz Bernardo Pericás Paulo Nogueira Batista Jr Fernão Pessoa Ramos Fernando Nogueira da Costa Carla Teixeira Sandra Bitencourt Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Costa Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque Gerson Almeida Chico Alencar Vinício Carrilho Martinez Tales Ab'Sáber Gilberto Maringoni Bento Prado Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan José Raimundo Trindade Slavoj Žižek Manchetômetro Paulo Sérgio Pinheiro Claudio Katz João Feres Júnior José Dirceu Andrew Korybko Eugênio Bucci Antonino Infranca Salem Nasser Henri Acselrad Ricardo Abramovay Chico Whitaker Celso Favaretto Érico Andrade Paulo Capel Narvai Manuel Domingos Neto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carlos Tautz Denilson Cordeiro Marcelo Guimarães Lima João Carlos Loebens Rubens Pinto Lyra Ronald León Núñez Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos Jorge Luiz Souto Maior Michael Löwy Yuri Martins-Fontes Leda Maria Paulani Valerio Arcary João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori Eleonora Albano Lincoln Secco Alysson Leandro Mascaro Ricardo Antunes Luiz Werneck Vianna Julian Rodrigues Marcus Ianoni Antônio Sales Rios Neto Francisco Pereira de Farias Juarez Guimarães Matheus Silveira de Souza Eugênio Trivinho Dennis Oliveira Osvaldo Coggiola Henry Burnett Gilberto Lopes Antonio Martins Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse João Carlos Salles Annateresa Fabris Renato Dagnino Ladislau Dowbor Leonardo Avritzer Eleutério F. S. Prado Valerio Arcary Lorenzo Vitral Francisco Fernandes Ladeira Berenice Bento José Geraldo Couto Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Marjorie C. Marona Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Everaldo de Oliveira Andrade Luciano Nascimento Eliziário Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada