As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Até a apuração: nessun dorma

Dora Longo Bahia. Revoluções (projeto para calendário), 2016 Acrílica, caneta à base de água e aquarela sobre papel (12 peças). 23 x 30.5 cm cada
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LISZT VIEIRA*

Ninguém durma, para convencer mais gente a votar na democracia contra a ditadura, na civilização contra a barbárie

Lula venceu o debate. Na realidade, trata-se mais de um duelo em que o conteúdo das intervenções não importa muito. Pesa mais a atitude, a disposição guerreira de enfrentar o adversário e derrotá-lo com gestos, críticas e argumentos impactantes. Nesse duelo, se o candidato atacado for se defender e dizer que não é bem assim, não é verdade, perde pontos. É como esgrima: uma vez atacado, tem que contra-atacar imediatamente. Lembremo-nos da sabedoria antiga: Quem se defende, já perdeu!

Para a grande mídia – Globo, Globonews, Folha, Estadão, CNN, Lula venceu por pontos, e não por nocaute. Mas para as pesquisas da Quaest e Atlas, a vitória de Lula foi mais expressiva. Alguns comentaram que no final ele parecia cansado. Não é para menos, debateu com um mentiroso contumaz que só fez provocações. Mas manteve até o fim uma postura e compostura de estadista e não caiu nas provocações do adversário, que se comportou como um deputado do baixo clero, o que foi confirmado por ele mesmo em seu ato falho no final.

Lula teve momentos magníficos no debate. Outros, nem tanto. Por exemplo, a resposta no tema meio ambiente. Ele poderia destruir o adversário, o que não ocorreu. Jair Bolsonaro repetiu sua informação mentirosa sobre desmatamento que já havia dado no debate anterior e não recebeu resposta contundente. Lula nem precisaria citar dados, bastava falar no “passou a boiada” do Ricardo Salles, em desmantelamento do Ibama e do CNBio, dos incêndios na floresta, o Brasil é hoje vilão mundial em matéria de clima, algo dramático. Enfim, bola pra frente.

O debate, ou melhor, o duelo, não deve ter impacto no resultado eleitoral. Mas os vídeos com falas dos candidatos vão circular nas redes. E também com a entrevista, após o debate, quando Jair Bolsonaro deu um soco na mesa e foi afastado pelos assessores. Antes disso, porém, ele disse que vai respeitar o resultado das urnas. Foi uma confissão de que não tem força para dar o golpe.

Em textos anteriores, critiquei vários artigos que defendiam o cenário único do golpe, dado como certo. Trabalhei com a possibilidade de diversos cenários e considerei o golpe um cenário possível, mas improvável, por falta de apoio político/militar nacional e apoio diplomático internacional. É bom não esquecer que o presidente dos EUA mandou três diplomatas ao Brasil com a missão de dizer que o sistema eleitoral brasileiro é confiável e dar um recado aos militares: Nada de golpe! O Senado americano chegou a recomendar rompimento de relações diplomáticas com o Brasil em caso de golpe. Afinal, Jair Bolsonaro apoia Donald Trump e Vladimir Putin, dois inimigos de Joe Biden.

Forçoso é reconhecer que devemos 7dófilo informações importantes. Uma delas é que os conservadores dispostos a apoiar uma ditadura não são apenas 30%, como sempre imaginei. Podemos dizer que 40% do eleitorado apoiariam hoje uma ditadura que viria combinada com um modelo econômico neoliberal, embora nem todos tenham noção disso.

O eleitorado de Jair Bolsonaro não se constitui apenas de empresários, militares e evangélicos. A grande maioria de seus eleitores é formada por conservadores que rejeitam, assustados, o empoderamento das mulheres que não aceitam mais o seu papel tradicional como mãe de família e dona de casa. Nostálgicos da Casa Grande e da Senzala, ficam intimidados com a luta dos negros pela igualdade e escandalizados com a luta dos gays ( LGBTQIA+) pelo reconhecimento de seus direitos. Por exemplo, casamento entre pessoas do mesmo sexo é visto como algo vergonhoso. Além disso, associam desmatamento a progresso.

Assim, no eleitorado de B. não existem apenas interesses econômicos do empresariado capitalista, interesses corporativos dos militares, ou interesses de uma grande massa de evangélicos ludibriados em sua boa-fé por pastores corruptos. A grande maioria é mesmo composta por conservadores que introjetaram os valores da sociedade patriarcal, ignorados durante muito tempo pela esquerda como assunto secundário, fora do foco da luta de classes. Após a vitória de Lula, por margem mais apertada do que imaginávamos, a luta contra os valores conservadores da sociedade patriarcal será inadiável. Em vez de desprezar a “pauta identitária”, teremos de articular essas lutas por direitos com as lutas econômicas dos trabalhadores.

Mas nos últimos metros da reta final, a prioridade deve ser buscar indecisos. Na semana que antecede a eleição, foi importante procurar os que ainda estavam em dúvida. Para minha surpresa, eram muitos. Entrei num shopping e conversei com vendedores de várias lojas. Encontrei indecisos, eleitores de Lula e de Jair Bolsonaro sem muita convicção, os que vão se abster ou votar nulo. Distribuí um panfletinho personalizado. É uma atuação no plano microssocial complementar à atuação nas redes onde, aliás, predominam os gigantes da comunicação digital: André Janones, Felipe Neto e outros.

Essa correria às vésperas da eleição me fez lembrar a ária Nessun Dorma – Que Ninguém Durma – da ópera Turandot, de Puccini, quando a princesa manda todo mundo ficar acordado de noite para descobrir o verdadeiro nome de seu pretendente. No nosso caso, o nome nós conhecemos. Mas que ninguém durma, para convencer mais gente a votar na democracia contra a ditadura, na civilização contra a barbárie.

*Liszt Vieira é professor de sociologia aposentado da PUC-Rio. Foi deputado (PT-RJ) e Coordenador do Fórum Global da Conferência Rio 92. Autor, entre outros livros, de A democracia reage (Garamond).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Carlos Bresser-Pereira Luís Fernando Vitagliano Yuri Martins-Fontes Rafael R. Ioris Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio R. Kothe Luiz Werneck Vianna Jorge Luiz Souto Maior Tales Ab'Sáber Antônio Sales Rios Neto Rubens Pinto Lyra Michael Löwy Airton Paschoa João Adolfo Hansen Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Manuel Domingos Neto Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Ricardo Antunes Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Chico Whitaker Ronald Rocha Andrew Korybko José Dirceu José Costa Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonino Infranca Gilberto Lopes Flávio Aguiar Salem Nasser Bruno Machado Caio Bugiato Osvaldo Coggiola João Lanari Bo Valerio Arcary João Feres Júnior João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Ricardo Abramovay Michael Roberts Lorenzo Vitral Dênis de Moraes Denilson Cordeiro Ari Marcelo Solon Manchetômetro Gilberto Maringoni Ronald León Núñez Dennis Oliveira Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira Vinício Carrilho Martinez Ricardo Musse Marcos Silva Jorge Branco Priscila Figueiredo Renato Dagnino Henri Acselrad Marilena Chauí Mariarosaria Fabris Roberto Bueno Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Capel Narvai Daniel Brazil Vladimir Safatle Daniel Costa Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Celso Favaretto Leonardo Boff Fernando Nogueira da Costa Leda Maria Paulani Fábio Konder Comparato Francisco Pereira de Farias Atilio A. Boron Carlos Tautz Luiz Eduardo Soares Benicio Viero Schmidt Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jean Pierre Chauvin Marcelo Guimarães Lima Milton Pinheiro Gabriel Cohn Elias Jabbour Lincoln Secco Maria Rita Kehl Anderson Alves Esteves Jean Marc Von Der Weid Claudio Katz Alexandre de Lima Castro Tranjan José Machado Moita Neto Paulo Fernandes Silveira Valério Arcary Liszt Vieira Slavoj Žižek Fernão Pessoa Ramos Paulo Nogueira Batista Jr Eleonora Albano Mário Maestri Annateresa Fabris Otaviano Helene Carla Teixeira Luiz Roberto Alves Paulo Martins Tadeu Valadares Armando Boito Lucas Fiaschetti Estevez Eliziário Andrade José Geraldo Couto Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Trivinho Roberto Noritomi Afrânio Catani Gerson Almeida Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Eugênio Bucci Luiz Renato Martins Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Sandra Bitencourt João Sette Whitaker Ferreira Eduardo Borges Rodrigo de Faria Marilia Pacheco Fiorillo Remy José Fontana Ladislau Dowbor Luiz Bernardo Pericás José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos André Márcio Neves Soares Leonardo Sacramento Alysson Leandro Mascaro Ronaldo Tadeu de Souza Anselm Jappe Henry Burnett Luiz Costa Lima Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Vanderlei Tenório Luiz Marques Celso Frederico André Singer Tarso Genro Alexandre de Freitas Barbosa Antonio Martins José Luís Fiori Daniel Afonso da Silva Bernardo Ricupero Boaventura de Sousa Santos Leonardo Avritzer Thomas Piketty Luis Felipe Miguel Marjorie C. Marona João Carlos Loebens Julian Rodrigues

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada