Brasil e China – entre o dólar e o Pentágono

Imagem: Reynaldo Brigantty
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO MACHADO*

A soberania global do dólar e o superpoder regulador do sistema financeiro estadunidense podem estar com seus dias contados

A predominância tecnológica dos EUA sobre a economia produtiva mundial levou a existência de tal poder econômico dessa potência que a deu poder para ditar a sua moeda ao mundo como a moeda internacional. Tendo a moeda que seu Banco Central imprime como a moeda de trocas no mundo, os EUA passaram também a ter seu sistema financeiro como o dono das regras das finanças no planeta. Entretanto, com o avanço tecnológico chinês, o poder econômico dos EUA se vê em risco e a soberania global do dólar e o superpoder regulador do sistema financeiro estadunidense podem estar com seus dias contados.

É evidente que tal dominação econômica depende de um respaldo no poderio militar. As bases estadunidenses espalhadas pelo mundo e seu superpoderoso exército nacional garantem, sempre que algum país tenta sair da linha imposta pelo imperialismo, a dominação econômica através da força, sem intermediários. Acontece que, ao mesmo tempo em que detém o poder sobre a moeda que serve de reserva de valor internacional, os EUA possibilitam o financiamento de sua economia, e particularmente do Pentágono, através das reservas em dólar de todos os países do mundo que detém reservas em tal moeda. Dessa maneira, os países periféricos do capitalismo não apenas são subordinados ao poderio econômico e militar dos EUA, como também os financiam.

O rápido aumento da capacidade militar da China, no âmbito da defesa do seu território, impede, até certo ponto, o uso do poder militar dos EUA para garantir a soberania do dólar em território chinês. Além disso, uma aliança entre China e Rússia coloca em risco essa imposição do dólar e das regras do sistema financeiro estadunidense em diversos países do mundo que venham a se aliar militarmente com Rússia e China. Sem poder utilizar suas bases militares para garantir seu poder econômico desigual no mundo, o imperialismo se vê obrigado a tentar enfraquecer seus rivais russos e chineses através de guerras por procuração e operações de desestabilização política contra esses dois países.

Se não for interrompida por uma guerra, a ultrapassagem do poder econômico chinês sobre o estadunidense inevitavelmente terminará com a hegemonia do dólar em âmbito global, o que enfraquecerá também o sistema financeiro estadunidense e o próprio orçamento do Pentágono. Sem esse forte poder econômico, o poder militar dos EUA será desfinanciado e provavelmente regredirá ao tamanho de um Exército de um país desenvolvido qualquer. Uma economia fortemente dependente do privilégio do dólar e de guerras incessantes não poderá se manter como superpotência por muitas décadas.

Uma nova moeda global, possivelmente lastreada em uma cesta de moedas e em preços de commodities, possibilitará também que países periféricos entrem em rotas de desenvolvimento econômico. Ainda que as potências emergentes da Rússia e da China venham a tentar impedir o desenvolvimento tecnológico dos países periféricos, não terão a mesma capacidade econômica e militar que os EUA tem hoje para impor sua vontade. Isso ocorre porque a Rússia não tem o número de bases militares espalhadas pelo mundo como os EUA tem e a China, sem ser capaz de imprimir a moeda global, não terá o poder econômico e, particularmente financeiro, que os EUA têm atualmente.

Dessa maneira, o processo de substituição dos EUA por China e Rússia como maior potência na geopolítica pode favorecer os países periféricos do mundo, como o Brasil. Principalmente durante o período de disputa por hegemonia entre novos e antigos imperialismos, que poderá servir de brecha diplomática para países emergentes negociarem maiores diretos de fazerem política industrial e financiarem seu desenvolvimento tecnológico sem sofrerem retaliações e até mesmo recebendo transferência de tecnologia e investimentos produtivos dos polos em conflito.

*Bruno Machado é engenheiro.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Freitas Barbosa Marcus Ianoni José Dirceu André Márcio Neves Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento João Feres Júnior Michael Roberts José Machado Moita Neto Carla Teixeira Érico Andrade Marcos Silva João Adolfo Hansen Leonardo Boff João Carlos Loebens Slavoj Žižek Luiz Marques Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Daniel Afonso da Silva Bruno Machado José Costa Júnior Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko Vladimir Safatle Celso Frederico Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonino Infranca Gilberto Maringoni Marcos Aurélio da Silva Berenice Bento Ricardo Antunes Marcelo Guimarães Lima Marcelo Módolo Chico Whitaker Daniel Costa Fábio Konder Comparato Eugênio Trivinho Armando Boito Ricardo Abramovay Dênis de Moraes Walnice Nogueira Galvão Rubens Pinto Lyra Paulo Fernandes Silveira Matheus Silveira de Souza Sandra Bitencourt Celso Favaretto Manuel Domingos Neto André Singer Juarez Guimarães Tarso Genro Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Luiz Carlos Bresser-Pereira Dennis Oliveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Denilson Cordeiro Eugênio Bucci Anselm Jappe Elias Jabbour Mário Maestri Henry Burnett José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Jean Pierre Chauvin Lucas Fiaschetti Estevez Ladislau Dowbor Ronald Rocha João Paulo Ayub Fonseca Eduardo Borges Samuel Kilsztajn Gerson Almeida Annateresa Fabris Valerio Arcary Milton Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Luiz Renato Martins Leonardo Avritzer Ricardo Musse Airton Paschoa Manchetômetro Leda Maria Paulani Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto João Carlos Salles Afrânio Catani José Raimundo Trindade Eliziário Andrade Vanderlei Tenório Priscila Figueiredo Yuri Martins-Fontes Lincoln Secco Thomas Piketty João Lanari Bo Renato Dagnino Luis Felipe Miguel Ari Marcelo Solon Caio Bugiato Eleonora Albano Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Atilio A. Boron Jorge Branco Salem Nasser Ronald León Núñez João Sette Whitaker Ferreira Alysson Leandro Mascaro Osvaldo Coggiola Daniel Brazil Heraldo Campos Ronaldo Tadeu de Souza Chico Alencar Tadeu Valadares Francisco Pereira de Farias Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrés del Río Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Tales Ab'Sáber Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Luiz Werneck Vianna Luiz Bernardo Pericás Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Sacramento Liszt Vieira Jean Marc Von Der Weid Fernando Nogueira da Costa Rafael R. Ioris Everaldo de Oliveira Andrade Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves José Geraldo Couto Carlos Tautz Mariarosaria Fabris José Micaelson Lacerda Morais Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Flávio R. Kothe Antonio Martins Benicio Viero Schmidt Michael Löwy Luiz Eduardo Soares Paulo Martins Eleutério F. S. Prado Michel Goulart da Silva Claudio Katz Bento Prado Jr. Maria Rita Kehl

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada