As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A patologia brasileira e seus remédios

Imagem: Ferran Perez
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ WERNECK VIANNA*

O fascismo e sua pregação neoliberal das hostes bolsonaristas só admitiam o indivíduo isolado, mônada de interesses privados

Sem doutrina, sem partido e com aversão à política, aí está o fascismo à brasileira dando as caras nesse infausto 08 de janeiro com seus personagens decaídos, vindos de acampamentos nas proximidades de quartéis militares confiando que contariam com sua adesão ao seu movimento. Convictos em suas crenças mágicas, acreditavam que a promoção do caos com a tomada pela força da praça dos Três Poderes e das instalações físicas do poder republicano bastariam, mesmo que sem plano, aos seus propósitos de instalar um governo de exceção, que lhes cairia nas mãos por efeitos do jogo de dominó em que o caos se difundiria irresistivelmente até a ascensão ao poder do personagem a quem atribuíam qualidades míticas, que, aliás, não deu as caras nesse levante de pátio dos milagres.

Tais eventos, inéditos aqui e em toda parte do mundo conhecido, não duraram mais que poucas horas, contidos os tresloucados, homens e mulheres de todas as idades, vindos de todos os cantos do território nacional, conduzidos à prisão sem maiores resistências, mas deixando em seus rastros uma ação destrutiva que segue doendo na autoestima dos brasileiros com a profanação de obras da sua cultura e da sua civilização.

Resta desse desastre humano um patrimônio a ser penosamente reconstruído, e bem mais que isso, identificar as raízes imediatas e as profundas a que se prendem a fim de remover a insânia e as marcas e do mal que se abriga em nossa sociedade que ainda conserva as marcas quasímodas da nossa formação a partir da grande propriedade rural escravista.

Os acontecimentos extraordinários que nos abalaram, e ainda abalam, devem ser estudados pela ciência social, brasileira e estrangeira, para o que se conta não só com abundante material, mas também por uma detida investigação nas motivações dos autores, boa parte nas prisões, que se enredaram em suas práticas.

Como se diz, não se deve passar um pano nesse tétrico episódio e seguir adiante. A história do país doravante, para seguir seu curso ou decifra corretamente o que acaba de lhe ocorrer ou sucumbirá às flores do mal que germinam em seu ventre. Apuração implacável de suas causas, responsabilização dos que insuflam por palavras e atos a pregação fascista e a recusa da democracia como projeto de país, deve ser o compromisso inegociável de todos os que se opõem à barbárie que ronda a nossa vida em comum.

As altas cortes do Judiciário têm dado respostas adequadas aos crimes que foram praticados, mas isso não basta, somente da política podem proceder as ações que tenham em mira o ovo da serpente que se esconde numa sociedade de massas fragmentária, desorganizada e com seus integrantes isolados uns dos outros. A ênfase na questão social que tem caracterizado os inícios do governo Lula-Alkmin certamente é positiva, mas não pode, como se tem reparado até aqui, permanecer restrita a intenções reparadoras do Estado diante de uma sociedade absenteísta, esperando de cima que seus direitos lhe sejam concedidos.

Sem partidos que a representem, sem sindicatos e movimentos sociais ativos, sem lugar e meios por onde possa experimentar seus atos de fala, arriscamo-nos a reiterar o perverso itinerário que foi a base de partida para a tragédia política que ora temos de superar.

Durante quatro anos, dia a dia, fomos testemunhas de ações liberticidas que intencionavam abater quaisquer laços orgânicos em nossa vida comum, negando-se realidade fática à existência dessa coisa chamada de sociedade. O fascismo e sua pregação neoliberal das hostes bolsonaristas só admitiam o indivíduo isolado, mônada de interesses privados somente postos em ordem pela intervenção mítica do chefe da nação. Nesse sentido, havia algo de misticismo no chienlit brasileiro de 8 de janeiro, em que uma massa de indivíduos ignaros, à falta física do seu chefe, tentou baixar o seu espírito como num culto religioso a fim de realizar a obra que lhe cabia no sentimento de todos. Bolsonaro encarnou, assim em unção mística, a depredação em que cada manifestante em êxtase destruía um ícone nacional.

Os alemães, depois de 1945, solenemente prometeram que sua tragédia nacional não mais se repetiria, e conseguiram. Seremos capazes do mesmo?

*Luiz Werneck Vianna é professor do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio. Autor, entre outros livros, de A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Revan).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco de Oliveira Barros Júnior Salem Nasser Roberto Bueno Manuel Domingos Neto Caio Bugiato Jorge Branco Antônio Sales Rios Neto Airton Paschoa Chico Whitaker Ronald Rocha Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Luís Fernando Vitagliano João Lanari Bo Igor Felippe Santos Anderson Alves Esteves Érico Andrade Luiz Bernardo Pericás José Costa Júnior Sandra Bitencourt Fernão Pessoa Ramos Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro Ari Marcelo Solon Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Marilena Chauí Rafael R. Ioris Marcos Aurélio da Silva Claudio Katz Celso Favaretto Leda Maria Paulani Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Paulo Capel Narvai Andrew Korybko Paulo Sérgio Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Valério Arcary Alysson Leandro Mascaro Yuri Martins-Fontes José Dirceu Luiz Eduardo Soares Alexandre Aragão de Albuquerque Remy José Fontana Luiz Costa Lima Daniel Afonso da Silva Michael Löwy João Carlos Salles Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse Berenice Bento André Márcio Neves Soares Ronald León Núñez Eleonora Albano Lucas Fiaschetti Estevez João Paulo Ayub Fonseca Marcus Ianoni Gilberto Lopes Leonardo Avritzer Afrânio Catani Fábio Konder Comparato Luciano Nascimento Eliziário Andrade José Geraldo Couto Antonino Infranca Luis Felipe Miguel Luiz Marques Priscila Figueiredo Kátia Gerab Baggio Dênis de Moraes Mariarosaria Fabris Henri Acselrad Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Módolo Thomas Piketty Otaviano Helene Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tadeu Valadares Julian Rodrigues Osvaldo Coggiola Denilson Cordeiro Rodrigo de Faria Walnice Nogueira Galvão Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Boff Carla Teixeira Rubens Pinto Lyra Boaventura de Sousa Santos Daniel Costa Samuel Kilsztajn Michael Roberts Milton Pinheiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Leonardo Sacramento Marcelo Guimarães Lima Jean Pierre Chauvin Flávio Aguiar João Sette Whitaker Ferreira Ronaldo Tadeu de Souza Vinício Carrilho Martinez Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Ricardo Abramovay Mário Maestri Maria Rita Kehl Roberto Noritomi Lorenzo Vitral João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Marjorie C. Marona Manchetômetro Slavoj Žižek Jean Marc Von Der Weid João Feres Júnior Heraldo Campos Eduardo Borges Elias Jabbour Vanderlei Tenório Carlos Tautz Francisco Pereira de Farias Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Machado Bento Prado Jr. Anselm Jappe Luiz Renato Martins Celso Frederico Daniel Brazil Gerson Almeida Tales Ab'Sáber Armando Boito Luiz Roberto Alves Liszt Vieira José Raimundo Trindade Antonio Martins Ricardo Antunes Gabriel Cohn Eugênio Trivinho André Singer Renato Dagnino José Machado Moita Neto Marcos Silva Juarez Guimarães Annateresa Fabris Gilberto Maringoni José Luís Fiori Paulo Fernandes Silveira Atilio A. Boron Paulo Martins Bernardo Ricupero Ladislau Dowbor Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada