Carta à Palestina

Imagem: Leon Ferrari
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Poema dedicado às heroínas e heróis do Fatah e Hamas

corpos agora neste momento de novo esvaem-se
(fenecem)
a poesia não está em nenhum dos seus jornais
covarde ocultamento
cínico-sorridente apoio
às orgias regadas de cadáveres
vísceras – com finos talheres degustadas

mas saber que resiste, Gaza
enquanto repetimos nossas esdrúxulas rotinas
que quando ligamos nas tevês de notícias
aparecem as imagens de suas mortas
mas resilientes ruas

não existem mais jornais
só tevês e redes virtuais
unidas
querem tirar todas esperanças dos justos

sem míssil sem tanque sem fuzil
às vezes sem nem velhos estilingues
mártires de todas idades
teimam teimam teimam

so callled terroristas
persistem insistem resistem
respiram (não sei como)
subalternos podem vencer!

um dia depois do outro dia e depois do outro dia e da outra noite
fumaça, lixo, restos, entulhos pútridos chovem sobre eles
não avistamos (nosso bom Carlos)
qualquer sinal
de tímida flor nascendo no asfalto
ou em canos fumegantes de tanques

sionistas asquerosos
lacaios ridículos
crudelíssimos
regurgitemo-los!

ratazanas bubônicas
hipocritamente evocam deuses patriarcais
perseguições bárbaras de antanho
assim justificam
o direito de replicá-las sobre outros
salivam excitados

certo tal deus deles lá
teria concedido-lhes
escritura atemporal inconteste
mais um bônus
o direito de ter sempre razão
e de matar
quem lhes aprouver (em qualquer tempo ou lugar)

esse barbudo amigo imaginário dos caras
(o misógino lá de cima)
além de tudo
fê-los – os sionistas –
uma gente tão especialíssima
saturados de privilégios e poderes
basta um estalar de dedinhos
caem mortos milhares
mas sempre os mesmos
os vizinhos diferentes

não obstante
em outras eras
enxurradas de sangue imperialista-sionista-burguês
já fizemos justamente jorrar
(é possível não perecer)

feitos de rochas
coube aquele pequeno povo
a desventura amarga de guerrear
por toda eternidade

um povo que não quer morrer
combate
me sob tantos escombros
mas os caras temem
que medo eles têm de vocês

lutar então do apocalipse ao gênese
pelo banal direito trivialíssimo
de continuar onde sempre estiveram
e plantar, copular, rezar, gozar, criar
fazer poesia
trabalhar

um dia (talvez)
o justo, o bom e o belo 
hão de aparecer
redimir tantos corpos
marcados por indescritíveis cicatrizes

homenagear-se-ão nesses dias
cada perna arrancada
cada braço faltante
e todos olhos brutalmente cegados
junto com aas pilhas de corpos incinerados

nesses tempos
as bombas de ricos
e artefatos que machucam
se quedarão danificados definitivamente
os bodoques dominarão esse mundo novo

but now
maintenant
presentemente a hora
cabe-me constatar a desgraça
e chorar

 meu peito inteiro se aperta
coisa esquisita
angústia

respiro fundo
uma vez mais busco entrincheirar-me

observo ternamente meus companheiros
alguns mais , outros pouco menos cansados

lembro-me quão agridoce é
a cada segundo
lutar pelo bom
pelo belo
e pelo justo

os palestinos não desistem – não se vergam.
emocionam-me
pois eles sabem que nenhum ser vivente
tem o direito
de passar por aqui somente acumulando moedinhas
conformados com tal vidinha a nós destinada

só minimamente vale a pena viver
(cecilianamente falando)
se for todos os dias reinventarmo-nos

 Free Palestine!
Palestina Libre!
Palestine Libre!
Palestina Livre!

*Julian Rodrigues, jornalista e professor, é militante do PT e ativista do movimento LGBTI e de Direitos Humanos.

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Nordeste — um novo cenáriovermelho ddddddddddd 10/07/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O Nordeste passará a ser visto como exemplo para o Brasil, da mesma forma que escolas públicas do Ceará são referência em qualidade de ensino
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES