Em destaque – XXI

Imagem: Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENICIO VIERO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes

O cenário agora é protagonizado pelas eleições municipais do segundo turno no próximo domingo, especialmente nos grandes centros, como Fortaleza, Recife, Belém, Porto Alegre, São Paulo e Rio. Essas cidades são objetos da atenção redobrada de todas as forças políticas. Os efeitos de uma eleição municipal são sempre os mesmos em relação às eleições que virão para os legislativos e para os executivos em todos os estados do Brasil e na União em 2022. O resultado da eleição municipal é uma variável relevante na predição de resultados e tendências do eleitorado para os próximos pleitos, ou seja, para 2022.

As novidades do primeiro turno foram o desempenho da centro-direita que parece reviver e a presença de uma oposição muito forte aos chamados exageros da linguagem contra-identitária do bolsonarismo em quase todo o Brasil. Isso não chega a confluir numa tendência de oposição nítida ao Governo Federal, mas significa, antes de mais nada, um grande desgaste, sobretudo quando se leva em conta que o governo ainda tem dois anos pela frente. Vamos ver o que acontece.

A questão racial, alçada ao primeiro plano com o assassinato de um negro no supermercado Carrefour em Porto Alegre, tornou-se relevante no processo de substituição do atual prefeito da capital gaúcha. Trata-se de um evento inesperado, mas da mesma espécie de acontecimentos passados que decidiram o resultado de eleições, como, por exemplo, a relação entre o assassinato de três trabalhadores da Companhia Siderúrgica Nacional e a eleição poucos dias depois de Luiza Erundina para prefeita de São Paulo. Evidentemente, a situação não é a mesma, mas espera-se que efeitos pertinentes dessa débâcle moral venham a acontecer.

A paralisia do Congresso Nacional afeta principalmente a questão fiscal, na medida em que a dívida pública interna do governo cresce e o déficit operacional se amplia. As tentativas de Paulo Guedes e sua equipe de tomar iniciativas no sentido de promover as “grandes reformas” – que segundo eles aproveitaria a situação para diminuir os déficits e os emperramentos do Governo Federal – não têm obtido êxitos.

Cabe lembrar ainda que, no âmbito da questão fiscal, tramita no Congresso Nacional a lei complementar de número 101 que trata das relações tributárias entre os estados e a União. Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Goiás e Ceará são os estados mais afetados, pois estão profundamente endividados em relação à União. O desenlace desse trâmite – por enquanto paralisado – pode sinalizar o que será determinado no bojo da própria reforma tributária que certamente virá em 2021.

Por último, convém destacar a grande movimentação de Rodrigo Maia, incentivada pelos resultados de seu partido nas eleições municipais, no sentido de capitalizar e catalisar o apoio das oposições e do centrão no Parlamento para a eleição do próximo Presidente da Câmara. Cargo que pode vir a ser ocupado por ele próprio, dependendo de uma decisão do STF agendada para o dia 4 de dezembro.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES