As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A privatização da água

Imagem: Pille Kirsi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO BENEDITO MACIEL NETO*

Privatizar a Sabesp é um crime, como foi privatizar a Eletrobrás, a BR Distribuidora e outras tantas empresas públicas ou sociedades de economia mista

“O acesso à água é um direito vital para a dignidade de todos os seres humanos” (Audrey Azoulay).

O governador bolso-paraquedista Tarcísio de Freitas retomou o tema da privatização da Sabesp, na contramão do que ocorre no mundo. Honestamente, o que esse cidadão está fazendo em São Paulo? Como foi possível que o interior de São Paulo tenha dado a vitória a uma pessoa que jamais residiu no nosso estado e que não conhece nada da história do nosso povo?

Privatizar a Sabesp é um crime, como foi privatizar a Eletrobrás, a BR Distribuidora e outras tantas empresas públicas ou sociedades de economia mista, as quais tem função estratégica inegável.

Alguns registros: (i) três entre cada dez pessoas não têm acesso a água potável segura no mundo; (ii) quase a metade das pessoas que consome água potável de fontes desprotegidas vivem na África Subsaariana; (iii) seis entre cada dez pessoas não têm acesso a serviços de saneamento gerenciados de forma segura, e (iv) uma em cada nove pratica a defecação ao ar livre. Esses números mundiais revelam as desigualdades significativas que há entre e dentro de regiões, países, comunidades e até mesmo bairros. Mas não será a iniciativa privada que irá resolver essa tragédia.

Estudos mundiais de custo-benefício demonstraram que os serviços de água, saneamento e higiene da Water, Sanitation and Hygien, fornecem retornos sociais espetaculares, além dos econômicos quando comparados a seus custos, com proporções médias mundiais de benefício-custo de 5,5 para serviços de saneamento melhorados e de 2,0 para água potável melhorada. É provável que os benefícios de melhores serviços de WASH para grupos vulneráveis alterariam o equilíbrio de qualquer análise de custo-benefício que considere mudanças na autopercepção do status social e da dignidade desses grupos.

Essa realidade não é objeto de atenção ou preocupação das companhias interessadas na privatização dos serviços de água, saneamento e higiene, o foco delas é o lucro, o que não é pecado, mas aqueles que defendem com argumentos rasos e sedutores a transferência desses serviços para a iniciativa privada são agentes de seus interesses e não do interesse público.

Seria o bolso-paraquedista Tarcísio de Freitas apenas mais um agente de interesses privados?

Será que o forasteiro sabe que, de acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), com base nos dados de 2020, dos 46,2 milhões de moradores do estado, 96,5% tinham acesso ao sistema de rede de água, 90,6% habitavam em residências com sistema de rede de coleta de esgoto, 69,6% do volume de esgoto gerado no estado era tratado, ou seja, ele pretende entregar a Sabesp por quê?

E mais, o acesso à água e ao saneamento é reconhecido internacionalmente como um direito humano e os direitos humanos não podem ser privatizados, ainda mais quando mais de 2 bilhões de pessoas no mundo não dispõem dos serviços mais básicos e no Brasil cerca de 100 milhões de pessoas.

Bem, vamos em frente.

De acordo com o Transnational Institute (TNI), organismo internacional de pesquisa e financiamento que há mais de 40 anos atua ao lado de movimentos sociais, sindicais e acadêmicos, há em todo o mundo 835 casos de retomada do controle sobre serviços públicos por governos locais, dos quais 267 na gestão da água.

No período de 2000 a 2017 – com número de “reestatização” cinco vezes maior a partir de 2009 – a remunicipalização dos serviços de saneamento ocorreu sobretudo na França, onde há 106 casos.

Segundo a TNI a remunicipalização ou reestatização vem sendo conduzida por políticos de todas as tendências político-partidárias, o que revela que, na privatização, ao contrário de suas promessas, as parcerias público-privadas são benéficas apenas para advogados e auditores e não para os cidadãos, que acabam pagando mais caro pelo mais essencial recurso natural à vida.

Para se ter uma ideia, quando Paris remunicipalizou a água, em 2010, os custos foram reduzidos de imediato em 40 milhões de euros, montante obtido anualmente pelas empresas do operador privado.

O TNI destaca ainda que a visão municipalista, cada vez mais forte em todo o mundo, proporciona janela de oportunidades para cidadãos e os trabalhadores recuperarem o controle democrático corroído pela lógica das privatizações ao longo das últimas décadas na Europa. Não precisamos passar por isso.

Curiosamente no 8º Fórum Mundial da Água, observou-se empresários defendendo soluções que não lograram sucesso em outros países onde o modelo já opera há mais tempo.

Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos, intitulado “Não deixar ninguém para trás”, explora os sinais de exclusão e investiga formas de superar as desigualdades. O documento foi lançado em Genebra, na Suíça, durante a 40ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos.

Em 2010, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou uma resolução que reconheceu “o direito à água potável segura e limpa e ao saneamento como um direito humano” e, em 2015, o direito humano ao saneamento foi reconhecido de forma explícita como um direito distinto.

Esses direitos obrigam os Estados a agirem rumo à obtenção do acesso universal à água e ao saneamento para todos, sem discriminação, ao mesmo tempo em que devem dar prioridade às pessoas mais necessitadas.

Água potável e saneamento seguros são direitos humanos básicos, uma vez que eles são indispensáveis para sustentar meios de subsistência saudáveis e fundamentais para manter a dignidade de todos os seres humanos.

A legislação internacional em matéria de direitos humanos compele os Estados a trabalharem para alcançar o acesso universal à água e ao saneamento para todos, sem discriminação, priorizando ao mesmo tempo as pessoas mais necessitadas. A realização dos direitos humanos à água e ao saneamento exige que os serviços sejam disponíveis, física e financeiramente acessíveis, seguros e culturalmente aceitáveis. “Não deixar ninguém para trás” está no coração do compromisso da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que visa a permitir que todas as pessoas em todos os países se beneficiem do desenvolvimento socioeconômico e atinjam a plena realização dos direitos humanos.

Deve-se tomar cuidado para diferenciar de forma clara os “direitos de uso da água” dos direitos humanos à água e ao saneamento. Os direitos de uso da água, que normalmente são regulados por leis nacionais, são atribuídos a um indivíduo ou organização por meio de direitos de propriedade ou direitos fundiários, ou por meio de um acordo negociado entre o Estado e um ou mais proprietários de terras. Muitas vezes, tais direitos são temporários e podem ser retirados em certas circunstâncias. Diferentemente desses, os direitos humanos de acesso à água e ao saneamento não são temporários, não estão sujeitos à aprovação estatal, nem podem ser retirados.

Os governos não podem, portanto, transformar um direito humano em mercadoria, sob nenhum argumento. Quando afirma que vai privatizar a Sabesp Tarcísio de Freitas se apresenta como um vassalo dos interesses privados.

*Pedro Benedito Maciel Neto é advogado e mestre em processo civil pela PUC SP. Autor de Reflexões sobre o estudo do direito (Komedi).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos Michael Löwy Osvaldo Coggiola Yuri Martins-Fontes Fernão Pessoa Ramos Eleutério F. S. Prado Marcelo Módolo João Paulo Ayub Fonseca Paulo Fernandes Silveira Jean Pierre Chauvin Henri Acselrad Juarez Guimarães Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Armando Boito Flávio Aguiar Daniel Costa Marcos Aurélio da Silva André Márcio Neves Soares Gilberto Lopes Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Roberto Noritomi Airton Paschoa João Carlos Salles Mário Maestri Marcelo Guimarães Lima Alysson Leandro Mascaro Michael Roberts Chico Alencar Roberto Bueno Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Renato Dagnino Vanderlei Tenório Ricardo Abramovay Chico Whitaker Everaldo de Oliveira Andrade Carlos Tautz Fernando Nogueira da Costa Jean Marc Von Der Weid Marcus Ianoni Kátia Gerab Baggio Anderson Alves Esteves Luís Fernando Vitagliano André Singer Celso Frederico Antonino Infranca Luiz Renato Martins Bernardo Ricupero Valério Arcary Ricardo Musse Eleonora Albano José Geraldo Couto Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Eduardo Soares Luciano Nascimento Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Salem Nasser Afrânio Catani Eduardo Borges Érico Andrade Dênis de Moraes Bruno Machado Tarso Genro Valerio Arcary Manchetômetro Jorge Branco Leonardo Boff Luiz Costa Lima Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Marcos Silva Igor Felippe Santos Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Caio Bugiato Berenice Bento Julian Rodrigues Milton Pinheiro Antonio Martins Paulo Capel Narvai Marilena Chauí Elias Jabbour Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Ricardo Antunes Sergio Amadeu da Silveira Heraldo Campos José Luís Fiori Leonardo Sacramento Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Rafael R. Ioris Leonardo Avritzer Paulo Martins Henry Burnett Lincoln Secco Ladislau Dowbor Manuel Domingos Neto Vinício Carrilho Martinez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Celso Favaretto Luiz Werneck Vianna Francisco Pereira de Farias Luiz Marques Antônio Sales Rios Neto Eugênio Bucci Gabriel Cohn Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marjorie C. Marona Liszt Vieira Lucas Fiaschetti Estevez Denilson Cordeiro João Sette Whitaker Ferreira Otaviano Helene Claudio Katz Francisco Fernandes Ladeira Andrew Korybko José Dirceu Lorenzo Vitral Daniel Afonso da Silva João Adolfo Hansen Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Eliziário Andrade Thomas Piketty Daniel Brazil João Lanari Bo Ronald Rocha Rodrigo de Faria José Machado Moita Neto Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho Tales Ab'Sáber José Raimundo Trindade Luiz Bernardo Pericás Walnice Nogueira Galvão João Feres Júnior Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Francisco de Oliveira Barros Júnior Vladimir Safatle Tadeu Valadares João Carlos Loebens Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Alexandre de Lima Castro Tranjan

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada