Quem ofende as fileiras

Imagem: Engin Akyurt
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Quem ofende as Corporações militares brasileiras são seus comandantes

A ser verdade que tenham “consultado” oficiais sobre o acatamento do resultado das urnas, Lula e Nelson Jobim agrediram as Forças Armadas: admitiram que os comandantes poderiam atuar à margem da lei. Não cabe a generais manifestação a respeito do gosto do eleitor, que materializa o princípio constitucional da soberania popular.

Ao que eu saiba, nem Lula nem Jobim confirmaram o que a imprensa noticiou. Os comandantes não reagiram. Fosse verdade, perceberiam a agressão?

Eis que, no dia 24 de abril, o Ministro da Defesa acusa um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) de ofender seriamente as Forças Armadas. Luís Barroso disse que as fileiras estariam sendo orientadas para atacar o sistema eleitoral.

Neste caso, o Ministro da Defesa reage rapidamente. Declara que as corporações seguem o padrão republicano e que o Ministro teria afetado “a ética, a harmonia e o respeito as instituições”.

Como explicar reações tão distintas?

A política sempre conviveu com a hipocrisia e os militares com a dissimulação. Quem melhor camufla intenções leva vantagem na guerra. Dissimulação e camuflagem são matérias obrigatórias no aprendizado militar. Nestes tempos tormentosos, a cidadania sofre para entender o que se passa.

Luís Barroso, na verdade, prestou grande serviço às fileiras. Ao dizer que estariam sendo orientadas, eliminou a alternativa de os comandantes serem orientadores; reforçou a versão que os isenta de responsabilidade pela tragédia brasileira. Essa versão pretende ignorar que o atual presidente foi formado no quartel e dele recebeu apoio. Ignora também que, em seu governo, os militares, em consorcio com outros atores, firmam diretrizes perversas e administram sua implementação.

Fingindo advertir as fileiras, Barroso ajudou a limpar a farda suja. O que pretende o Ministro falando sobre o que não lhe compete? A cumplicidade do Supremo com a degradação institucional é histórica. O mesmo se pode dizer de comandantes militares que insistem em posar de imaculados após secular e tenebrosa trajetória de interferências na vida brasileira.

O general Paulo Sérgio diz que as Forças Armadas atenderam “republicanamente” ao convite para integrar a Comissão de Transparência das Eleições. Esquecidos do preparo para enfrentar estrangeiros cobiçosos, os militares se meteram onde não deviam. O general disse: “eleições são questão de soberania e segurança nacional”. Tanto tempo de escola cara e não aprendeu a distinguir conceitos elementares!

No clima de desmoralização acentuada das fileiras, o Ministro assegurou que as Forças Armadas contam com o respeito da população e martelou: “desde o seu nascedouro, (as FFAA) têm uma história de séculos de dedicação a bem servir à Pátria e ao Povo brasileiro, quer na defesa do País, quer na contribuição para o desenvolvimento nacional e para o bem-estar dos brasileiros”.

Por que as maiúsculas nos termos pátria, povo e país? Seriam instituições? Como identificá-las? O cacoete castrense das maiúsculas exibe noções confusas e indigência intelectual.

A nota assinada pelo general Paulo Sérgio amplia a barafunda, agrava o clima de incerteza e expõe a crise de identidade das fileiras: é uma pretensa permissão para que continuem interferindo no processo político.

Quem ofende as Corporações militares brasileiras são seus comandantes que, dilapidando recursos públicos, descuidam da defesa nacional, perdidos entre funções incompatíveis. Duzentos anos após a Independência, os comandantes ainda não resolveram o que pretendem ser na vida, se militares, políticos, policiais ou administradores públicos.

Sugestão aos generais: recolham-se, aguardem as determinações do comandante supremo que será definido nas urnas. Enquanto isso, reflitam sobre o seu fracasso em dotar o país de autonomia básica em armas e equipamentos para encarar o estrangeiro que não desiste de levar nossas riquezas e se beneficiar com nosso suor.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC/UFF, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Francisco Pereira de Farias Flávio R. Kothe Leonardo Sacramento Luiz Eduardo Soares Andrés del Río Jorge Branco Valerio Arcary Rodrigo de Faria Otaviano Helene Leonardo Avritzer André Singer Mário Maestri José Raimundo Trindade Marcos Aurélio da Silva Eleutério F. S. Prado Michael Roberts Érico Andrade Armando Boito Eduardo Borges João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Lopes José Machado Moita Neto Rubens Pinto Lyra João Carlos Salles Remy José Fontana Renato Dagnino Afrânio Catani Atilio A. Boron Caio Bugiato Liszt Vieira Valerio Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Henry Burnett Maria Rita Kehl Elias Jabbour Michael Löwy Annateresa Fabris Bruno Machado Airton Paschoa Marjorie C. Marona João Sette Whitaker Ferreira Sandra Bitencourt Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai Antonino Infranca Luiz Roberto Alves Ladislau Dowbor Vanderlei Tenório Eugênio Bucci Juarez Guimarães Berenice Bento Carla Teixeira Michel Goulart da Silva Carlos Tautz Chico Whitaker Flávio Aguiar Luís Fernando Vitagliano Lucas Fiaschetti Estevez Marilena Chauí Fernando Nogueira da Costa Henri Acselrad Marcos Silva Ronaldo Tadeu de Souza Dennis Oliveira Daniel Brazil Celso Frederico Leonardo Boff Slavoj Žižek Salem Nasser Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Rafael R. Ioris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon Eleonora Albano Jean Marc Von Der Weid Lincoln Secco Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Jorge Luiz Souto Maior Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Luiz Renato Martins Paulo Martins Everaldo de Oliveira Andrade Manchetômetro Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Loebens Lorenzo Vitral Ricardo Musse Paulo Sérgio Pinheiro Antonio Martins Tarso Genro Walnice Nogueira Galvão Eugênio Trivinho Marcelo Módolo Celso Favaretto Luis Felipe Miguel Luiz Marques Marilia Pacheco Fiorillo André Márcio Neves Soares João Lanari Bo Vladimir Safatle Dênis de Moraes Benicio Viero Schmidt Luiz Carlos Bresser-Pereira Igor Felippe Santos Marcus Ianoni Marcelo Guimarães Lima Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gabriel Cohn José Dirceu Bento Prado Jr. João Adolfo Hansen Gerson Almeida Thomas Piketty Chico Alencar Alexandre de Lima Castro Tranjan Luciano Nascimento Andrew Korybko Bernardo Ricupero José Costa Júnior Eliziário Andrade José Luís Fiori Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Osvaldo Coggiola Sergio Amadeu da Silveira Daniel Costa Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Alexandre Aragão de Albuquerque Kátia Gerab Baggio Leda Maria Paulani Fernão Pessoa Ramos Samuel Kilsztajn Ronald León Núñez Luiz Bernardo Pericás Matheus Silveira de Souza Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha João Feres Júnior Claudio Katz Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Mariarosaria Fabris Denilson Cordeiro Fábio Konder Comparato Tadeu Valadares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada