As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Catástrofe ambiental e humanitária

Imagem: Blue Ox Studio
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por NILCE ARAVECCHIA, EDUARDO COSTA & RAUL VENTURA NETO*

Não é por falta de pesquisa ou aviso que as catástrofes ambientais acontecem e vitimam populações pobres

“Em resumo, a pesquisa do urbano e das relações entre o Estado e o urbano requer uma pesquisa essencial sobre essas relações entre Estado e sociedade civil e sobre as contradições de interesses que formam agora dois blocos, a meu ver, que, além dos antagonismos do ponto de vista da produção social da riqueza, apresentam um antagonismo de como direcionar e utilizar o aparelho de Estado” (Francisco de Oliveira. O Estado e o urbano no Brasil, 1982).

A reação dos arquitetos e urbanistas frente à catástrofe decorrente das fortes chuvas no Litoral Norte do Estado de São Paulo demonstra bem a importância de reflexões elaboradas ao longo de décadas. Desde os anos 1970, com a explosão de crescimentos dos principais centros urbanos do Brasil, debate-se a espoliação urbana, a segregação socioespacial, além de tantos outros temas relacionados às desigualdades socioespaciais nas cidades brasileiras.[1]

Mais recentemente, estudos incorporaram os chamados “marcadores sociais da diferença”, para evidenciar como questões de gênero e raça interferem nos processos urbanos, para destinar os lugares mais precários às mulheres pobres e à população negra.[2] São incontáveis os textos, livros, pesquisas acadêmicas e grupos de pesquisa que se debruçam há décadas sobre esses temas. Os que se dedicaram a debater as contradições do campo do planejamento, em marcada oposição aos planos urbanos de perspectiva reformista, buscaram evidenciar seu caráter ideológico apoiados em grande parte na crítica marxista.

Mas fato é que, mesmo com a acentuada crítica no seio do próprio campo disciplinar, arquitetos e urbanistas tiveram grande influência no debate público, sobretudo a partir da Constituição de 1988. É verdade que nessa altura, já não mais sob a égide do modernismo, e dos grandes planos totalizantes, mas depositando grande expectativa nos movimentos sociais e em processos chamados “participativos”.

Instrumentos como o Estatuto das Cidades e o Plano Diretor – que passou a ser obrigatório para cidades de mais de 20 mil habitantes – ou as incontáveis leis complementares, tiveram cada vez mais a colaboração ou o envolvimento direto de estudiosos e profissionais dos temas urbanos e ambientais, e são prova irrefutável de sua incansável dedicação. Deve-se lembrar também da presença permanente de professores e pesquisadores em órgãos públicos de habitação e planejamento urbano. Estamos bem servidos e somos também referência mundial no debate.

Como já atestou a crítica desde os anos de 1970, não é, portanto, por falta de pesquisa ou aviso que as catástrofes ambientais acontecem e vitimam populações pobres. Mas é importante, sim, compreender por que, diante de uma tradição de estudos e instrumentos tão avançados, as tragédias acontecem cada vez com maior recorrência e gravidade? Como falar do papel decisivo dos profissionais de arquitetura e urbanismo, se enchentes – como as que assolam anualmente o Jardim Pantanal na cidade de São Paulo –, engarrafamentos – cada vez mais rotineiros inclusive em cidades do interior do país –, ou até incêndios – como o que fez colapsar o edifício Wilton Paes, no Largo do Paissandu em São Paulo –, deixaram de ser eventos esporádicos?

Com a pandemia de Covid-19, médicos e epidemiologistas dedicados ao bem público foram fundamentais para a defesa da vida e, no limite, da nossa espécie; e mesmo com as dificuldades políticas seu trabalho mostrou-se essencial. Com os abusos de radicais golpistas, procura-se apontar a relevância de juristas e advogados para a manutenção da democracia tão violentada, cujos termos formais acabam por assegurar, em alguma medida, a legitimidade da luta por direitos. Nesses termos, qual o lugar de arquitetos e urbanistas? Como incidem pela reversão das desigualdades territoriais? E no caso do acesso ao que é o mínimo para a vida em ambientes urbanos – como saneamento básico ou acesso à moradia, direitos assegurados pela Constituição Federal de 1988?

Por um lado, o debate público os coloca em evidência nas questões da regulação urbanística, com presença mais acentuada nas elaborações e revisões dos planos diretores das grandes cidades. Quando surgem os eventos catastróficos também é recorrente abrir-se espaço para a opinião de urbanistas nos principais meios de comunicação. Por outro lado, o papel desses profissionais não parece alcançar grande relevância nas decisões políticas que possam representar efeitos realmente transformadores.

É fato que parte das pesquisas e dos modelos urbanísticos e arquitetônicos desenvolvidos acabam tendo alcance restrito, sobretudo pelo descompasso existente entre o planejamento urbano e as decisões econômicas. Como bem atestou Flávio Villaça quanto à questão intraurbana, os planos diretores, descolados da aplicação dos recursos públicos, têm pouca efetividade, funcionando mais como aparato ideológico.[3] Acreditamos, portanto, que é fundamental recuperar alguns termos da literatura mais crítica dos anos 1970 para avaliar o momento atual, propondo uma reflexão que também reposicione e atualize a própria crítica.

O Estado e o urbano

Da perspectiva que aqui se coloca, o texto “O Estado e o urbano” de Francisco de Oliveira no início da década de 1980, aponta um possível caminho. Na esteira da já amadurecida reflexão que iluminou o caráter estrutural das desigualdades brasileiras,[4] trazia então sua dimensão especificamente urbana. Mostrava que nas condições do capitalismo periférico, o Estado jamais assumiu por completo a provisão de serviços essenciais como educação, saúde e moradia digna. Mais do que isso, ao não enfrentar questões estruturais do subdesenvolvimento, como a concentração fundiária sob domínio das elites, o planejamento urbano estaria sempre fadado a se converter em letra morta, enquanto os problemas se avolumavam com a avassaladora urbanização daquelas décadas, ao ponto de se converterem nos grandes impasses nacionais.[5]

Chico de Oliveira nos antecipa também que a relação entre o capital monopolista e a ação estatal havia contribuído mais para a formação e consolidação de classes médias urbanas, do que para universalizar direitos e serviços públicos que respondessem às necessidades de reprodução da força de trabalho. Responsáveis por um tipo de trabalho improdutivo intelectualizado, e privilegiadas por terem assegurados novos padrões de consumo, essas classes médias passam a ter peso político e social desproporcional, com ampliação extraordinária do setor terciário. Destacava que o Estado, do ponto de vista de sua relação com o urbano, era em grade maioria determinado pela demanda das classes médias dentro das cidades.[6]

No caso da última tragédia, não parece casual que antigos moradores, os caiçaras, tenham sido desalojados de suas posses, desistindo da pesca ou de suas bases de subsistência, e atraídos por empregos precários de serviço inicialmente vistos como vantajosos, para reproduzir nos mesmos termos a segregação anteriormente desenhada.

Se o planejamento urbano do século XX havia sido pensado nos termos de um Estado de bem-estar social, como implementado nos países ditos centrais, era coerente criticar sua dimensão ideológica num país em que essa construção não se completara, e parece ainda mais evidente fazê-lo agora em termos inclusive globais.

Se essa crítica demonstrou que a oscilação entre a presença e a ausência do Estado na questão urbana configurava-se como parte do jogo estrutural de um “desenvolvimento desigual e combinado”, a situação ainda foi agravada pela desregulação econômica do neoliberalismo, que transformou parte considerável dessas classes médias urbanas em bases de sustentação de uma economia financeirizada e rentista. O constrangimento do Estado e uma gradual privatização dos serviços públicos na ordem neoliberal deram-se simultaneamente ao reconhecimento dos direitos sociais promulgados na Constituição de 1988, com algum respiro nos governos petistas, e um desmonte mais acelerado após o golpe de 2016 com a destituição de Dilma Rousseff. Desenha-se o paradoxo: vimos desmoronar-se aquele Estado de bem-estar incompleto.

Por fim, ainda em “O Estado e o urbano”, Chico de Oliveira destacava que setores do próprio seguimento médio sofriam, em maior ou menor grau que os mais pobres, com as consequências advindas da urbanização desigual. A partir dessa constatação indicava a necessidade de um pacto que reconhecesse a proximidade entre trabalhadores e setores médios no que esperavam da atuação do Estado, como estratégia para disputá-lo nesses termos, conforme epígrafe desse texto.[7]

Em dados recém-publicados pelo IBGE, o número de empregados sem carteira assinada no Brasil atingiu um patamar histórico, de 12,9 milhões de pessoas em 2022. O avanço na Reforma da Previdência Social e a maior insuficiência de serviços públicos atingem cada vez mais as camadas médias urbanas, que se alinham a práticas rentistas típicas do capitalismo financeirizado, frente a intensificação da precariedade no mercado de trabalho.

Representativo desse novo contexto são as “segundas residências” nas praias e nas montanhas do Litoral Norte de São Paulo que, se na década de 1970 respondiam ao padrão de conforto exigido para as férias, tornam-se agora fonte de renda em vínculo com as plataformas de locação de imóveis, como a airbnb. Ao recorrer ao subterfúgio para complementar a renda mensal ou provisionar segurança na aposentadoria que a previdência social já não cobre, incrementam o rentismo, pressionam para cima os valores imobiliários, tornando-os impraticáveis aos trabalhadores pobres e precarizados. Esse é um dos nós estruturais que condenam milhares à pobreza e às áreas de risco.

Parece haver nesse processo não exatamente um aspecto de irrelevância da regulação urbanística e ambiental, mas um vínculo implícito com a estrutura neoliberal vigente. Na aparente falta de poder político para implementação de propostas inovadoras, encontra-se o domínio de uma agenda econômica que segue subjugando o conhecimento científico elaborado por profissionais da arquitetura e do urbanismo.

Arquitetos e urbanistas e as (im)possibilidades de um pacto social de desenvolvimento

O padrão do desenvolvimento desigual, que foi o motivo da crítica da década de 1970 e 1980, esteve fundado numa tradição calcada na construção e no avanço da ocupação do território. Fez-se a partir de um movimento expansivo-centralizador, que concentrou riquezas no Sudeste e tornou a urbanização mais densa na costa leste do país. Em que pese as tentativas de imprimir um modelo distinto apostando no desenvolvimento industrial e no avanço para o Centro Oeste, cujo paradigma foi a construção da capital do país, inaugurada na década anterior.

Por outro lado, foi exatamente aquele modelo que possibilitou a conformação de lutas sociais que, em um dado momento histórico, aproximou as classes médias dos trabalhadores, fazendo-os confluir numa luta que derrotou o regime militar e avançou nos termos da Constituição de 1988. Em alguma medida, efetivou-se a agenda proposta por Chico de Oliveira não obstante sempre afetada pelos movimentos do capital internacional, e profundamente abalada com o Golpe de 2016.

Com o rearranjo neoliberal que marcou as duas últimas décadas, a concentração populacional nas metrópoles e regiões litorâneas fez-se acompanhar do esvaziamento de áreas inteiras para a expansão de monoculturas, enquanto algumas outras foram adensadas para a exploração ambiental predatória, no movimento global que redefiniu o Brasil como fornecedor de matérias-primas com baixíssimo valor agregado.

Na escala nacional, esse padrão apenas amplificou as tragédias humanitárias decorrentes das mudanças climáticas globais. A pergunta é: diante do abismo de miséria que se abre à frente, de que maneira olhar para o legado do campo do planejamento e também da crítica feita desde os anos 1970. De modo mais direto, o que as classes médias intelectualizadas, particularmente os arquitetos e urbanistas, terão a oferecer?

Se o Estado de bem-estar restrito promoveu a separação artificial das classes trabalhadoras no âmbito da expansão do capitalismo monopolista, como bem observou Chico de Oliveira, a economia neoliberal e rentista só tem feito aprofundar as contradições ainda mais diante da emergência climática. Não à toa, assistiu-se também – ainda que em muito menor grau – a famílias de maior renda serem acometidas pela intensidade das chuvas em São Sebastião, com alagamento de suas casas de veraneio, e expostas a situações de perigo.

Na sequência dos desastres das cidades do Litoral Norte de São Paulo, do ponto de vista da regulação, passou-se a debater a criação de novos marcos legais para as áreas de turismo do litoral, a intensificação das capacidades de fiscalização e de prevenção por parte do poder público, a construção de moradias para os trabalhadores em áreas ambientalmente adequadas, e obrigatoriedade de percentuais dos empreendimentos de turismo para habitação de interesse social. Ora, o que se oferece às populações pobres é, assim, o direito de continuar no lugar historicamente a elas destinados pela estrutura de classes que definiu a expansão do capitalismo para esse lugar do globo.

O trabalho da arquitetura e do urbanismo tem um sentido histórico. Projeta-se uma cidade, constrói-se uma habitação, ocupa-se um território. Trata-se de uma disciplina calcada essencialmente no futuro, e esse futuro se apresenta na forma de espaço a ser ocupado pelo homem. Entretanto, as respostas inequívocas aos desastres têm sido às demandas imediatas das ocupações já constituídas, e direcionadas pelo capital, sejam elas espaciais ou sociais. Correspondem à mesma lógica de uma redundância intelectual que acometeu as classes médias, como bem apontou Chico de Oliveira. Ou seja: a abordagem dos arquitetos e urbanistas está predominantemente no âmbito do consumo, para mitigar os danos de eventos extremos.

Ao se dedicarem ativamente aos debates das formas, e das normas para trechos do território, arquitetos e urbanistas deixam de refletir sobre as causas da crise ambiental e humanitária. Com poucas exceções, exclui-se do horizonte de ensino nas faculdades e, consequentemente, da prática nos escritórios e canteiros, uma crítica sobre materiais, meios e relações de trabalho contidos na produção e reprodução de áreas de consumo. Não se contabiliza, em termos econômicos mais abrangentes e relacionados, a extração e deslocamento de materiais, e nem o quanto incrementam o projeto de uma ordem mundial que impõe o retorno do país a um lugar de exportador de commodities. Menos ainda se considera o deslocamento de massas populacionais direcionadas a cumprir as ordens de serviço da burguesia e das classes médias a ela vinculadas.

Desse ponto de vista, o que significa desinteressar-se de um programa territorial mais completo e complexo, para defender o “direito” de morar perto do emprego, um trabalhador ou trabalhadora que realiza tarefas domésticas a baixíssimos salários? Apenas para ficar no exemplo na última tragédia, muitas áreas de risco afetadas são habitadas por retirantes que saíram de suas cidades no Nordeste, para exercer atividade precária e mal paga numa casa de veraneio em condomínio de São Sebastião.[8]

A essa parte da classe média intelectualizada, estrangulada pelo rentismo, pelo trabalho precário e intermitente, o que poderia caber? Embalada por programas de auxílio ao ingresso no ensino superior promovidos pelos governos do PT, seu poder de decisão hoje é inversamente proporcional ao seu crescimento enquanto classe profissional. Considerando sua nova composição gênero-racial, talvez, mais do que vocalizar as demandas dos movimentos sociais, devesse assumir o papel de agente específico na quadra histórica que atravessamos. É necessário reconhecer seu lugar privilegiado nas disputas políticas, que lhe permite, ao menos por enquanto, pensar para além da necessidade de sobrevivência imediata.

Diante da emergência climática e humanitária, os desafios são gigantescos e exigem a concepção de um projeto de transformação sócio territorial estrutural. No caso de um pacto de aproximação com os trabalhadores para traçar uma estratégia de disputa da sociedade e do Estado, é preciso que o campo da arquitetura e do urbanismo tenha mais a oferecer do que o “direito” ao exercício de um trabalho precário e mal pago.

*Nilce Aravecchia é professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

*Eduardo Costa é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

*Raul Ventura é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Pará.

Notas


[1] Entre os já clássicos trabalhos, em suas distintas abordagens, são inescapáveis títulos como: KOWARICK, Lúcio. Espoliação Urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980; SINGER, Paul. Economia Política da Urbanização. Editora Contexto, 1998; OLIVEIRA, Francisco de.“O Estado e o urbano no Brasil”. Revista Espaço & Debates, n.6, 1982, p.43; MARICATO, Ermínia. Metrópole na periferia do capitalismo. São Paulo: Hucitec/Série Estudos Urbanos, 1996; SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo. Ed. Universidade de São Paulo, 2005.

[2] Para aprofundamento desses aspectos ver PACHECO, Tania; FAUSTINO, Cristiane. “A iniludível e desumana prevalência do racismo ambiental nos conflitos do mapa”. In: PORTO, Marcelo Firpo; PACHECO, Tania; LEROY, Jean Pierre (Orgs.). Injustiça ambiental e saúde no Brasil. Rio de Janeiro, FIOCRUZ, 2013, pp. 73-114. SILVA, Joseli M. Gênero e sexualidade na análise do espaço urbano. In: Geosul, n. 44, 2007, 117-134.

[3] VILLAÇA, Flávio. As ilusões do plano diretor. São Paulo, edição do autor, 2005 <https://bit.ly/39l6oND>.

[4] Ver: OLIVEIRA, Francisco de. “Crítica à razão dualista”. In: Estudos Cebrap, n.2, 1972;

[5] OLIVEIRA, F. Acumulação monopolista, Estado e urbanização: a nova qualidade do conflito de classes. In: MOISÉS, J. Á. et al. Contradições urbanas e movimentos sociais. Rio de Janeiro: Paz e Terra/CEDEC , 1978.

[6] OLIVEIRA, Francisco. O Estado e o urbano no Brasil. Revista Espaço & Debates. São Paulo: Neru, n.6, 1982, pp. 36-54.

[7] OLIVEIRA, Francisco. O Estado e o urbano…op. cit., p. 54.

[8] É o caso da Vila Baiana, Favela na Barra do Sahy em São Sebastião, que recebeu esse nome pela origem baiana de um grande número de seus moradores.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Pereira de Farias Gilberto Maringoni João Feres Júnior Salem Nasser Eduardo Borges Remy José Fontana Otaviano Helene Maria Rita Kehl Daniel Costa Paulo Fernandes Silveira Marcos Aurélio da Silva Anderson Alves Esteves João Carlos Loebens Luiz Renato Martins Antonino Infranca Paulo Martins João Lanari Bo Alysson Leandro Mascaro Atilio A. Boron Lucas Fiaschetti Estevez Ronald Rocha Michael Roberts Kátia Gerab Baggio Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Sandra Bitencourt Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior Ronaldo Tadeu de Souza Jean Marc Von Der Weid Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca Eleonora Albano Chico Whitaker Carlos Tautz Alexandre de Freitas Barbosa Michael Löwy Plínio de Arruda Sampaio Jr. Juarez Guimarães Ladislau Dowbor Fernão Pessoa Ramos Jorge Branco Marcos Silva Priscila Figueiredo José Geraldo Couto Henri Acselrad Heraldo Campos Marjorie C. Marona José Dirceu Celso Frederico Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Werneck Vianna Ronald León Núñez Rodrigo de Faria Lincoln Secco Luís Fernando Vitagliano Slavoj Žižek Dênis de Moraes Eugênio Trivinho Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Luiz Bernardo Pericás Annateresa Fabris Bruno Machado Eliziário Andrade Renato Dagnino Fernando Nogueira da Costa Armando Boito Roberto Bueno Julian Rodrigues Valerio Arcary Boaventura de Sousa Santos Airton Paschoa Marilena Chauí André Singer Andrew Korybko Luis Felipe Miguel Valério Arcary Osvaldo Coggiola Mário Maestri Rafael R. Ioris João Adolfo Hansen Vladimir Safatle Daniel Afonso da Silva Carla Teixeira Celso Favaretto Alexandre de Lima Castro Tranjan Benicio Viero Schmidt Luiz Eduardo Soares Gabriel Cohn Walnice Nogueira Galvão Paulo Capel Narvai José Luís Fiori Vinício Carrilho Martinez Ari Marcelo Solon Luiz Costa Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Lopes Leonardo Boff José Machado Moita Neto Gerson Almeida Igor Felippe Santos Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Leonardo Avritzer Paulo Sérgio Pinheiro Érico Andrade Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Eugênio Bucci Ricardo Fabbrini Thomas Piketty Ricardo Antunes João Carlos Salles Bento Prado Jr. Flávio Aguiar Manchetômetro Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Roberto Noritomi Marcelo Guimarães Lima Fábio Konder Comparato Luciano Nascimento Vanderlei Tenório Antônio Sales Rios Neto Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes José Micaelson Lacerda Morais Flávio R. Kothe Luiz Marques Elias Jabbour André Márcio Neves Soares Tales Ab'Sáber Samuel Kilsztajn Henry Burnett Marcus Ianoni Bernardo Ricupero José Costa Júnior Leda Maria Paulani Eleutério F. S. Prado Caio Bugiato Chico Alencar Lorenzo Vitral Dennis Oliveira Marcelo Módolo Berenice Bento Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Sacramento Antonio Martins Rubens Pinto Lyra Mariarosaria Fabris Liszt Vieira José Raimundo Trindade Francisco Fernandes Ladeira Jean Pierre Chauvin Sergio Amadeu da Silveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada