A linha golpista

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

Ofício do ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, endossa as ameaças de Jair Bolsonaro

Há meses pairam dúvidas sobre a posição das forças armadas diante de eventual golpe ou tumulto antes ou depois das eleições. Agora, todas as dúvidas se dissiparam. Se levarmos em conta recente manifestação do ministro da Defesa ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o alinhamento daquelas com a linha golpista do presidente parece ter se consolidado.

Durante a Cúpula das Américas, em Los Angeles, no encontro com o presidente Joe Biden, o presidente brasileiro, com colinha na mão, clamava “queremos eleições limpas, confiáveis e auditáveis para que não sobre nenhuma dúvida depois sobre o pleito. Tenho certeza que ele será realizado nesse espírito democrático”.

Quase ao mesmo tempo, em Brasília, em ofício ao ministro presidente do TSE, Edson Fachin, o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, endossava as ameaças de Bolsonaro dizendo: “não nos interessa concluir o pleito eleitoral sob a sombra da desconfiança dos eleitores”. Essa desconfiança está somente na cabeça do presidente, do ministro e dos extremistas de direita, pois a maioria esmagadora das eleitoras e dos eleitores confiam nas urnas eletrônicas.

No ofício “técnico”, o general afirma “que até o momento, reitero, as Forças Armadas não se sentem devidamente prestigiadas por atenderem ao honroso convite do TSE para integrar a CTE (Comissão de Transparência das Eleições)”. Sob a alegação de que o TSE não promoveu uma discussão “técnica” das propostas dos militares. Nunca vi, em toda história da República desde 1988, ministros militares expressarem dor de cotovelo por não serem “prestigiados” por um tribunal superior. O papel precípuo do TSE não é de prestigiar qualquer segmento, a não ser o eleitorado.

E se o general achar que o ministro Edson Fachin não prestigia suficientemente o ego das Forças Armadas, o que vai fazer o ministro da Defesa? Cassar os ministros? Fechar o TSE? Na realidade, ao assumir todas as bandeiras negacionistas do presidente em relação às urnas eletrônicas, o ministro, numa linguagem melíflua, ensaia um “pronunciamento” bem no estilo das banana republics do continente em que militares dão ultimatos a cortes supremas.

Depois de ter voado 4034 quilômetros de Los Angeles a Orlando para uma motociata, retornado ao Brasil, o presidente dá imediatamente um reforço ao “pronunciamento” do ministro da Defesa. Bolsonaro atesta que o ofício da Defesa é “técnico”, que “não podemos ter eleição sob desconfiança” e que a Defesa levantou “centenas de vulnerabilidades” sobre a eleição.

Na especificação das propostas militares o ministro se alinha ainda mais com a desqualificação do TSE em curso pelo presidente da República ao pedir que o órgão facilite a auditoria das urnas pelos partidos políticos. Aliás, como defende o presidente: “o que completaria um rol de medidas aptas a aumentar a transparência do processo”. É exatamente o que se propõe o Instituto Voto Legal, uma empresa indicada pelo PL, partido de Bolsonaro, que para fiscalizar e auditar as eleições pretende alterar as regras do TSE.

No final do ultimato é invocado o mesmo trololó da necessidade do aprimoramento das urnas eletrônicas, “implicando, assim, que (sic) a adoção de medidas de aperfeiçoamento seja permanente e feita com máxima segurança, transparência e confiabilidade e possa ser auditável em todas as suas fases”. Evidentemente, com a implementação de todas as propostas feitas pelas Forças Armadas. O presidente ele mesmo não teria encontrado melhor formulação da linha golpista contra as eleições que, agora sabemos, as forças armadas aderem com entusiasmo.

Assustador, obsceno, patético. Pelo menos deve servir como alerta para que a OAB, ABI, ABC, SBPC, organizações da sociedade civil, sindicatos e centrais de trabalhadores, universidades, centros de pesquisa, associações patronais, candidaturas democráticas de todos os partidos à presidência e aos governos estaduais, abandonem a fantasia que as eleições de outubro vão transcorrer com tranquilidade e que as instituições vão funcionar. Ledo engano, não vão mesmo, a não ser provavelmente o Ministério Público Federal nos estados, o TSE, STF, alguns governos estaduais não bolsonaristas, o Senado talvez. Melhor todas e todos começarem a construir a resistência pacífica e competente ao golpe em preparação à vista de toda a sociedade.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP; ex-ministro dos Direitos Humanos; relator especial da ONU para a Síria e membro da Comissão Arns. Autor, entre outros livros, de Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935 (Companhia das Letras).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Juarez Guimarães Remy José Fontana Érico Andrade Jorge Branco Gilberto Lopes José Luís Fiori Eugênio Bucci Mário Maestri Caio Bugiato Tales Ab'Sáber Samuel Kilsztajn Daniel Brazil João Paulo Ayub Fonseca Carla Teixeira Marcus Ianoni Luiz Roberto Alves Antônio Sales Rios Neto Henry Burnett Andrew Korybko Celso Favaretto Flávio R. Kothe Julian Rodrigues Anselm Jappe Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Marcelo Módolo Elias Jabbour Antonino Infranca Bento Prado Jr. Fábio Konder Comparato Rodrigo de Faria Alysson Leandro Mascaro João Carlos Loebens Leonardo Avritzer Leda Maria Paulani Eduardo Borges Heraldo Campos Thomas Piketty Gilberto Maringoni Henri Acselrad Boaventura de Sousa Santos José Geraldo Couto Denilson Cordeiro Sergio Amadeu da Silveira Carlos Tautz Luciano Nascimento Ricardo Abramovay Marcos Aurélio da Silva Igor Felippe Santos Flávio Aguiar Dennis Oliveira Marcos Silva Antonio Martins Paulo Martins João Adolfo Hansen Paulo Nogueira Batista Jr Berenice Bento Osvaldo Coggiola Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Ari Marcelo Solon Milton Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Afrânio Catani Renato Dagnino Ronald Rocha João Carlos Salles Marcelo Guimarães Lima Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Luiz Souto Maior Jean Pierre Chauvin Claudio Katz Paulo Sérgio Pinheiro José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary José Raimundo Trindade Mariarosaria Fabris João Lanari Bo Bernardo Ricupero Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Armando Boito Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Priscila Figueiredo Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior Rafael R. Ioris Michael Löwy Anderson Alves Esteves Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra José Dirceu Luís Fernando Vitagliano Slavoj Žižek Dênis de Moraes Alexandre de Freitas Barbosa Vinício Carrilho Martinez Luiz Werneck Vianna Tadeu Valadares Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Luis Felipe Miguel José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona Everaldo de Oliveira Andrade Celso Frederico Manchetômetro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Annateresa Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Eleutério F. S. Prado Eliziário Andrade José Micaelson Lacerda Morais Luiz Renato Martins Atilio A. Boron Jean Marc Von Der Weid Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior André Singer André Márcio Neves Soares Eleonora Albano Francisco Fernandes Ladeira Andrés del Río Gabriel Cohn Chico Whitaker Leonardo Boff João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro Daniel Costa Michel Goulart da Silva Chico Alencar Vanderlei Tenório Matheus Silveira de Souza Salem Nasser Fernão Pessoa Ramos Vladimir Safatle Lucas Fiaschetti Estevez Kátia Gerab Baggio Otaviano Helene Alexandre de Lima Castro Tranjan Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Antunes Ricardo Musse Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado Luiz Marques Francisco Pereira de Farias Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Roberts Airton Paschoa Liszt Vieira Yuri Martins-Fontes Daniel Afonso da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada