Contra o imobilismo

Foto de Hamilton Grimaldi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO GALO, HUGO OTTATI & VINICIUS SOUZA*

É necessário um chamado da esquerda às ruas

Em meio a uma grave crise sanitária, com uma média de mais de mil óbitos diários no país e situações como a do colapso na saúde em Manaus, a postura de Bolsonaro, ora de omissão, ora de medidas antipopulares, evidencia o seu caráter genocida e o seu projeto da morte. Não se trata de incompetência; mas de escolha política.

Não bastasse a defesa de uma agenda econômica ultraliberal, que, por si só, abre terreno para a precarização e espoliação generalizada da vida e do trabalho do povo brasileiro, a postura assumida por seu governo frente a pandemia é traduzida na ausência de um plano efetivo de vacinação em massa; na recusa em relação à continuidade do auxílio emergencial; no discurso contra a ciência e na campanha anti vacinação; na omissão proposital  diante do colapso anunciado no sistema de saúde de Manaus; e reflete sua responsabilidade direta pela morte evitável de centenas de milhares de pessoas.

Na esfera da disputa institucional, desconsiderando o seu discurso de aparência anti sistêmica, Bolsonaro fez o que há de mais antigo na política e aquilo que já se imaginava: o toma-lá-dá-cá e a compra de votos de deputados e partidos fisiológicos com representação no Congresso Nacional para garantir a vitória de seu candidato à presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP).

Mas não surpreende essa movimentação e nem a indiferença de Bolsonaro em relação à morte em massa; ou ao desemprego que atinge mais de 14 milhões de pessoas e ao desalento que alcança mais de 5 milhões; ou ainda ao índice crescente de brasileiros e brasileiras em situação de miséria no país. Na verdade, o desprezo pela vida sempre foi marca de sua história e parte integrante de seu projeto político.
O que é, no mínimo, preocupante é a falta de ação; um certo “imobilismo”. Sem a intenção de diminuir os panelaços e carreatas que se intensificam pelo Brasil, que, sem dúvidas, constituem manifestações legítimas, é preciso dizer que são evidentemente insuficientes para derrubar Bolsonaro. Neste contexto de barbárie, no centro do debate político durante o mês de janeiro esteve uma disputa institucional na Câmara dos Deputados, polarizada entre duas candidaturas liberais, conservadores e que em nada contemplam a classe trabalhadora. Lados que até ontem estavam trabalhando juntos no golpe de 2016; na aprovação da reforma trabalhista, da terceirização total, da PEC do Teto de Gastos, da reforma da previdência e no desmonte do tímido arcabouço de proteção social existente.

Preocupa observar que partidos e organizações socialistas, de esquerda, tenham tido suas discussões e seus esforços durante o último mês direcionados para tal disputa entre Baleia Rossi (MDB) e Arthur Lira (PP); e que, inclusive, tenha perdido a oportunidade de, nos limites da institucionalidade, endossar uma candidatura independente e radical da esquerda, carregando em seu programa pautas que atendam às necessidades urgentes da classe trabalhadora. Definitivamente “o anzol da direita fez a esquerda virar peixe” como disse Criolo, durante a maior parte dos últimos dois meses a esquerda e o campo progressista esteve presa nesse debate entre dois lados da mesma moeda.

No fim, venceu Arthur Lira, candidato apoiado por Bolsonaro, e a política do “quem paga mais, leva” com a liberação de bilhões em emendas – e vale dizer: contando com apoio de parlamentares ditos “do campo progressista”, escondidos no voto secreto.

A derrota de Bolsonaro passa necessariamente pela construção de um projeto de país, de um programa, e de muito trabalho de base e mobilização popular; e não de um espantalho engravatado, nos corredores do Parlamento, que contemple de Dória à Luciano Huck; de Maia à Baleia Rossi; do MDB ao DEM. Esses personagens e partidos nunca se preocuparam verdadeiramente, para além de discursos vazios, com as nossas vidas.

A manutenção da mobilização da extrema direita estadunidense mesmo com a derrota eleitoral de Trump nos dá a chave para entendermos que esses fenômenos da nova extrema direita não podem ser derrotados apenas nas urnas. É preciso que abandonemos às ilusões puramente institucionais como a que colocou no centro do debate político do país essa eleição da Câmara, ao mesmo tempo em que o Brasil é varrido por um tsunami de mortes, sem aqui retomar os impactos diretos que a crise tem nos setores explorados e oprimidos do Brasil. É necessário romper com os limites impostos pela visão puramente institucional da política (o que não quer dizer abandonar a luta institucional), que nos coloca dentro de um jogo onde não importando o resultado o trabalhador sai derrotado.

Por isso, se faz urgente que a esquerda, que saiu às ruas para pedir voto durante o processo eleitoral, entendendo as contradições e os desafios colocados naquele momento, não tenha medo de fazer um chamado urgente pelo Fora Bolsonaro, pela vacinação de todos e pelo direito a quarentena com renda digna; através da construção de uma frente de luta nas ruas, desde a base, para derrubar o projeto genocida em curso no país.

*Paulo Galo é entregador.

*Hugo Ottati é advogado sindical.

*Vinicius Souza é militante do PSol.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lincoln Secco Annateresa Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Caio Bugiato Walnice Nogueira Galvão Andrew Korybko Liszt Vieira Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque Antonio Martins José Luís Fiori André Márcio Neves Soares Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco Flávio Aguiar Valerio Arcary Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad Rubens Pinto Lyra Eliziário Andrade Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer Eugênio Trivinho Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon Matheus Silveira de Souza Vanderlei Tenório Gerson Almeida Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Renato Martins Daniel Brazil Daniel Afonso da Silva Otaviano Helene Thomas Piketty Marcelo Guimarães Lima Luiz Marques Bruno Machado Carla Teixeira Leonardo Boff Marilena Chauí Yuri Martins-Fontes José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Módolo Henry Burnett João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Everaldo de Oliveira Andrade Fábio Konder Comparato Gilberto Lopes Tarso Genro Francisco Pereira de Farias Mariarosaria Fabris Leonardo Sacramento Dênis de Moraes Benicio Viero Schmidt Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Luciano Nascimento Ricardo Fabbrini Rafael R. Ioris Lorenzo Vitral João Adolfo Hansen Marcos Silva Antonino Infranca Eduardo Borges Samuel Kilsztajn Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Michael Roberts Julian Rodrigues Maria Rita Kehl Érico Andrade Ronald León Núñez Tadeu Valadares Marjorie C. Marona Ricardo Abramovay Eleonora Albano Daniel Costa Anderson Alves Esteves Atilio A. Boron Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Bernardo Ricupero Juarez Guimarães Luiz Eduardo Soares José Geraldo Couto André Singer Ricardo Musse Michael Löwy Afrânio Catani Paulo Martins João Carlos Salles Luiz Carlos Bresser-Pereira Celso Frederico João Feres Júnior Luís Fernando Vitagliano Anselm Jappe Sandra Bitencourt Osvaldo Coggiola Fernão Pessoa Ramos João Sette Whitaker Ferreira Vinício Carrilho Martinez Ladislau Dowbor Rodrigo de Faria Marcus Ianoni Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Sérgio Pinheiro Manchetômetro Airton Paschoa Paulo Capel Narvai Armando Boito Boaventura de Sousa Santos Claudio Katz Ronald Rocha Chico Whitaker Francisco de Oliveira Barros Júnior Leda Maria Paulani Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira José Costa Júnior Igor Felippe Santos Gilberto Maringoni Alysson Leandro Mascaro Gabriel Cohn Milton Pinheiro Denilson Cordeiro Flávio R. Kothe João Lanari Bo Chico Alencar José Raimundo Trindade Antônio Sales Rios Neto Michel Goulart da Silva Luis Felipe Miguel José Dirceu Heraldo Campos Andrés del Río Valerio Arcary Eugênio Bucci Renato Dagnino Kátia Gerab Baggio Tales Ab'Sáber Berenice Bento Celso Favaretto Luiz Roberto Alves Slavoj Žižek Remy José Fontana Carlos Tautz Elias Jabbour Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada