Comentário do livro O brinquedo raivoso de Roberto Arlt

Germana Monte-Mór (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por José Feres Sabino*

A linguagem revela que a posse é uma ilusão de posse e a literatura funciona como a chave de passagem para o outro lado.

O que se precisa ter para ser um escritor? O que se pode ter com a literatura? Duas perguntas entrelaçadas e uma obra atravessada por elas. Assim propõe Ricardo Piglia, em seu prefácio à edição argentina do livro O brinquedo raivoso (1926), um modo de ler não só este romance como toda obra de Roberto Arlt.

A ideia de posse presente nas perguntas indica a presença de dois mundos distintos e entremesclados: o espaço do mundo e um outro espaço. Ao longo de todo o romance, há uma espacialidade soberana – determinada pelo dinheiro e dominada pelo possuidor do dinheiro – contraposta a outra – determinada pelo desconhecido e que não é dominada por ninguém, mas entrevista pelo narrador.

O brinquedo raivoso é o romance de formação de um escritor, Sílvio Astier, ou de sua passagem de uma espacialidade a outra. Entre o espaço prefigurado pelo dinheiro e o espaço prefigurado pela literatura, dá-se a formação desse jovem escritor “laminado de angústia” (p. 66).

No primeiro capítulo, “Os ladrões”, o narrador se declara um leitor apaixonado pela literatura de aventura bandoleira. Quer ser como os personagens dessas histórias: ladrão, protetor de viúvas e amante de donzelas. Mas a mesma pessoa, um sapateiro espanhol, que o introduz nesse tipo de literatura, também cobra um aluguel para emprestar os livros.

A justaposição das espacialidades também está presente quando Sílvio, junto com dois amigos, assaltam a biblioteca da escola. O assalto é o gesto de realização das aventuras lidas no espaço prefigurado pelo dinheiro. Os livros servirão para fazer dinheiro ou leitura.

O segundo capítulo “Os trabalhos e os dias” abre com uma convocação para que Sílvio adentre plenamente no mundo do dinheiro. O imperativo materno, “Sílvio, você precisa trabalhar”, é enunciado justamente no momento em que ele lê um livro. Despede-se da aventura e passa ao trabalho. Começa como vendedor de livros num sebo e terminará seu percurso de aprendizagem mundana como vendedor de papel. Entre o trabalho como vendedor de livros usados e o de vendedor de papel, há uma breve tentativa de pertencer à Escola Militar de Aviação para trabalhar como inventor. (Sílvio era conhecido entre os amigos como inventor de um canhão.)

Em todas as atividades, Sílvio fracassa. Rouba a biblioteca, mas é descoberto; tenta incendiar o sebo em que trabalha, é descoberto; na escola militar, é dispensado; e, vendendo papel, não consegue ganhar muito dinheiro. Toda atividade acaba em nada. Eis o fracasso de Sílvio Astier: não consegue se estabelecer no espaço delimitado pelo dinheiro, mas também não consegue sair desse espaço. Neste o narrador apenas vislumbra, pressente, a presença de outro espaço. A leitura, o aparecimento em sonho de um amor numa noite, e a presença do céu azul contraposto à imundície da cidade e seus habitantes, fendem o espaço soberano do dinheiro, indicando a presença de outra espacialidade.

Como Sílvio faz a passagem de um espaço a outro? Como passa do dinheiro à vida? Como transpõe a linha que separa o espaço do dinheiro (o brinquedo raivoso) ao espaço da vida (o brinquedo alegre)?

Um companheiro, Manco, o convida a realizar um assalto na casa de um engenheiro. Sílvio aceita e combinam o assalto. Logo depois, decide delatá-lo. Vai à casa do engenheiro e lhe conta o plano do assalto. A delação é o gesto que lhe autoriza a passagem. Ao delatar Manco, dá o salto para o outro lado.

O engenheiro lhe oferece, como recompensa pela delação, dinheiro. Mas também quer entender por que, sem motivo algum, ele delata o amigo. “Não sente vergonha em ter tão pouca dignidade, na sua idade?”, pergunta o engenheiro a Sílvio Astier.

Sílvio recusa o dinheiro; as respostas que dá ao engenheiro são as confissões do nascimento do escritor: “Tudo me surpreende. Às vezes tenho a sensação de que faz uma hora que vim pra terra e de que tudo é novo, flamejante, encantador. Então eu abraçaria as pessoas pela rua, pararia no meio da calçada pra lhes dizer: ‘Mas vocês, por que andam com essas caras tristes? Se a vida é linda, linda…’” (p. 137).

A delação proporciona um afastamento do mundo criado pelo dinheiro. Ela abre um buraco na ficção do dinheiro para que o narrador possa passar para o outro lado. Só se pode sair do brinquedo raivoso quando o brinquedo é quebrado (comete-se um delito). Escrever é cometer o delito de recusar a linguagem soberana do dinheiro.

As duas perguntas que abriram este texto podem receber a mesma resposta: nada. Não se deve ter nada para ser escritor, porque o escritor é o recém-chegado ao mundo. Não traz nada. É ninguém. Sua tarefa é escrever para pagar a dívida não com o mundo, mas com o outro lado.

Também não se obtém nada ao se expressar a existência de duas espacialidades, ou seja, com a literatura não se ganhará o dinheiro para o pagamento das contas. No caso de Sílvio Astier, isso é verdade. A escrita ou a presença do espaço prefigurado pela literatura lhe é quase impossível. O único ganho da criação – invenção arrancada do nada – é o fato de a linguagem funcionar como um contrarrelato ao relato que o dinheiro institui. O dinheiro – a linguagem de nossa atividade cotidiana – dá ao proprietário o sentimento de posse sobre todas as coisas. A linguagem revela que a posse é uma ilusão de posse, já que se encontra arraigada no nada, e a literatura funciona como a chave de passagem para o outro lado, desconhecido pelos jogadores do brinquedo raivoso. Na literatura, a posse equivale à expressão dessa pobreza.

A escrita nasce para expressar a sensação de frescor, o transbordar de alegria pelo simples fato de estar vivo – sensações que o recém-chegado só pode comunicar escrevendo, do contrário, seria considerado louco. Por isso, o escritor estende aos jogadores do brinquedo raivoso (aos crentes da ficção do dinheiro) outra ficção: há outro espaço e outro jogo também.

*José Feres Sabino é doutorando no Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP).

Referência


Roberto Arlt. O brinquedo raivoso. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: Iluminuras, 2013. https://amzn.to/3RgSLmS

Ricardo Piglia. “Introducción”. In: El juguete rabioso. Edição de Ricardo Piglia. Buenos Aires: Espasa Calpe, 1993.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Remy José Fontana Michel Goulart da Silva Salem Nasser Leonardo Avritzer Leonardo Sacramento Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Pereira de Farias Denilson Cordeiro Érico Andrade Marcus Ianoni João Lanari Bo Marcelo Guimarães Lima Luis Felipe Miguel André Singer Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Lucas Fiaschetti Estevez Gabriel Cohn Marcelo Módolo Alysson Leandro Mascaro José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Celso Frederico Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Berenice Bento Luiz Roberto Alves José Machado Moita Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilena Chauí Antônio Sales Rios Neto Slavoj Žižek Michael Löwy Jean Marc Von Der Weid Caio Bugiato Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Freitas Barbosa Julian Rodrigues Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Henri Acselrad Bernardo Ricupero Marjorie C. Marona Everaldo de Oliveira Andrade Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Martins Paulo Capel Narvai Bento Prado Jr. Annateresa Fabris Afrânio Catani Renato Dagnino Valerio Arcary Airton Paschoa Alexandre de Lima Castro Tranjan Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Juarez Guimarães Ronald Rocha Leda Maria Paulani Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Bucci Milton Pinheiro Jorge Branco Ricardo Musse Daniel Afonso da Silva José Luís Fiori Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Antonio Martins Samuel Kilsztajn Carla Teixeira Priscila Figueiredo Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Andrés del Río Antonino Infranca Igor Felippe Santos Maria Rita Kehl Lorenzo Vitral Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett Carlos Tautz Eleutério F. S. Prado Dennis Oliveira Armando Boito Michael Roberts Ladislau Dowbor José Dirceu Gerson Almeida Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Eliziário Andrade Vladimir Safatle José Costa Júnior Paulo Fernandes Silveira Yuri Martins-Fontes Marcos Aurélio da Silva Vinício Carrilho Martinez Rodrigo de Faria Atilio A. Boron Chico Alencar Flávio Aguiar Luís Fernando Vitagliano Eleonora Albano Bruno Machado Ronald León Núñez Liszt Vieira Heraldo Campos Manchetômetro Luiz Renato Martins Ricardo Fabbrini Celso Favaretto Luciano Nascimento Eugênio Trivinho Marcos Silva João Feres Júnior Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares João Sette Whitaker Ferreira Tadeu Valadares Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Antunes Leonardo Boff Luiz Marques João Adolfo Hansen Claudio Katz Elias Jabbour Tarso Genro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt João Carlos Salles Paulo Sérgio Pinheiro Mário Maestri Jorge Luiz Souto Maior Rafael R. Ioris Daniel Costa José Raimundo Trindade Lincoln Secco José Geraldo Couto Daniel Brazil Kátia Gerab Baggio Matheus Silveira de Souza Valerio Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Abramovay Thomas Piketty João Carlos Loebens João Paulo Ayub Fonseca Eduardo Borges Mariarosaria Fabris Flávio R. Kothe Tales Ab'Sáber

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada