Contra as iniquidades da República

Imagem: Lucas Vinícius Pontes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

Os bolsonaristas têm armas e ódio, mas falta-lhes alma e empatia com o sofrimento do povo

O neoliberalismo estende a teia da economia a campos alternativos de atividade, feito as religiões pentecostais que medem a fé pela prosperidade. Até condutas não racionais, como torcer por um time de futebol, são decodificadas pela ideologia do homo economicus na forma de materiais com identificação dos clubes. Tudo é quantificado como mercadoria e catalogado para gerar rendimento com a venda. Os shopping centers equivalem às “novas cavernas”, do mito de Platão. São metáforas de uma modernidade que substitui os valores da cidadania em movimento pela cultura do consumo. A escolha estratégica de meios para atingir uma finalidade permeia as diferentes dimensões da vida social, sob a hegemonia sociopolítica do livre mercado.

A onipresença do homo economicus evoca a “mão invisível”, descrita pelo autor de A riqueza das nações. Mostra o sujeito num jogo cujo sentido lhe escapa e, os governos nacionais, incapazes de programar o bem da coletividade. O bem comum resultaria da soma de interesses individuais, e não de um planejamento seja tecnocrático, seja participativo. A visão da “totalidade” sobre os processos econômicos seria quimera, e o princípio do “direito” para mitigar as desigualdades uma besteira. As planificações apenas criariam obstáculos ao verdadeiro propulsor do desenvolvimento, o egoísmo, conforme a vetusta gramática liberal. Essa narrativa justifica a vagabundagem de jet ski durante o expediente, que deixa o Palácio do Planalto às moscas.

O neoliberalismo converte o preceito de não intervenção estatal / governamental em um dogma para, de um lado, acirrar a concorrência por empregos entre os próprios assalariados e, por outro, formar monopólios ou oligopólios. Como se, no berço da industrialização dada a máquina a vapor nas fábricas têxteis de Manchester, o laissez-faire trouxesse mais satisfação à população do que o Estado de Bem-Estar Social na Europa, do pós-Guerra.

Economistas (“fisiocratas”) recusam as regulações administrativas, mas reconhecem a soberania do Estado na condição de coproprietário das terras e coprodutor dos produtos para justificar a cobrança de tributos. Já os neoliberais são contra impostos em geral e, em particular, sobre grandes fortunas – afora criticar a autoridade do Estado. A “contribuição social das empresas está em buscar o lucro”, diz o pai do neoliberalismo estadunidense, Milton Friedman.

Aquele Chicago boy que galgou cargos na ditadura de Pinochet e responde pelo Posto Ipiranga, assim, pode dormir. O que tira o sono do atual ministro da Economia é a Constituição proibir a privatização das praias no litoral brasileiro, das universidades federais e do SUS. Não o recente escândalo de corrupção (mais um) praticado pelo presidente, em 5 de outubro de 2022, com o “emendão” que “desviou R$ 10,5 bilhões de verbas destinadas à saúde, à ciência e à educação para alimentar o orçamento secreto” (Diplomatique Online).

Tampouco causa insônia a fraude de mais de R$ 1 bilhão, apontada pelo TCU, em licitações da estatal Codevasf para o “bolsolão” do cartel de pavimentação do asfalto. O homo corruptus, que evoluiu das “rachadinhas” aos “rachadões”, e empresários do naipe do ridículo da Havan creem no slogan “o Brasil é nosso” (leia-se deles). Pena a imprensa passar pano no crime de lesa-pátria de falsos patriotas. Há coisas que não saem na Rede Globo.

Jair Bolsonaro esgaça as iniquidades da república, subtrai a sociabilidade plural da nação e torpedeia os pilares da civilização – os direitos humanos e a preservação ambiental. No plano externo, para lembrar o personagem infanto-juvenil apropriado pelos fascistas na Itália, a reeleição do Pinocchio fortalece a extrema direita global. No plano interno, plebiscita a superexploração do trabalho e um regime de exceção. É dever moral dos democratas impedir a instauração do autoritarismo e uma legitimação da necropolítica. Os bolsonaristas têm armas e ódio, mas falta-lhes alma e empatia com o sofrimento do povo – e um projeto de futuro para o país.

Em vez de o Estado de exclusão a serviço de 1% de privilegiados, urge um Estado democrático, republicano e com participação popular para atender as necessidades de 99% das pessoas. “A desigualdade é uma construção social, histórica e política”, aponta Thomas Piketty. Vale também para a utopia “rumo à igualdade e à justiça”. A vitória nas urnas do homo generosus – Lula – é fundamental à luta pela democracia na América Latina.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES