As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Como vai o planeta?

Imagem: Syed Qaarif Andrabi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDA FIGUEIREDO*

Antigamente falava-se de proteção ao meio ambiente para futuras gerações, parecia algo distante do nosso presente. Porém, a atual geração já vive sob os efeitos da destruição

Com as mudanças climáticas, a Terra tem sofrido alterações drásticas. Ainda, vamos ouvir falar muito de uma sigla — o IPCC. É o painel intergovernamental sobre mudanças climáticas, que reúne cientistas e países. Cada vez mais, vamos ouvir falar dessas alterações climáticas, aquecimento global, emissões de gases de efeito estufa e o Acordo de Paris, de onde pode sair alguma salvação.

O Acordo de Paris é um compromisso firmado entre 195 países, em 2015, durante a COP 21 (21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima), para reduzir emissão de gases do efeito estufa. Entrou em vigor em 2016, e a principal meta é manter o aumento da temperatura do planeta abaixo dos 2º C.

É quase certo que, o presidente Lula deverá comparecer à 28ª Conferencia das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (Cop 28), que acontecerá de 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. O governo levará um plano de ações sustentáveis que prevê a recuperação e conversão de pastagens degradadas. Haja vista, que a pecuária e a agricultura são vilões na emissão de gases de efeito estufa.

O Brasil se esforça para cumprir meta do Acordo de Paris, de recuperar 12 milhões de hectares de áreas desmatadas até 2030. O presidente Lula mostra otimismo afirmando que o Brasil chegará a 2030 com desmatamento zero na Amazônia. Até lá, teremos à Cop 30, que o Brasil vai sediar, em Belém, em 2025. Será uma prévia para esses esforços concentrados e revisão de meta. Além disso, teremos a Cúpula do G-20 no Rio de Janeiro.

Há uma pergunta no ar. E o planeta está chegando ao fim? Com certeza, ficará mais insuportável. Com tantas mudanças, temos que ver algo de positivo nisso tudo. Quem sabe: “O sertão vai virar mar…” como na música. Talvez, num sonho lunático, à aurora boreal se deslocar do eixo polar e cobrir o planeta. Com certeza, um “gran finale…” À aurora boreal é ligada ao eixo magnético da Terra e cercada de mitologias.

De fato, está tudo muito alterado, não conseguimos mais distinguir às quatro estações.

Segundo o Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus, órgão da União Europeia – o ano de 2023 – será o mais quente da história em 125 mil anos. Na mesma linha, a revista The Lancet alerta para grave perigo da humanidade, com aumento de mortes de idosos devido ao calor extremo. Um número que pode aumentar nas próximas décadas, algo em ate torno de 370% até 2050, segundo cientistas.

No Brasil, as enchentes estão mais frequentes, inundando cidades de vários estados como Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Maranhão entre outras, deixando muitos sem casa e pior, com muitas vítimas, infelizmente.

E, ainda, ondas de calor atingiram grande parte do Brasil. Temperaturas altas, com sensação térmica de 59,3 graus. Ocorreu um tsunami meteorológico em Santa Catarina. E do mar veio um ciclone arrastando banhistas na praia de Copacabana. Na Amazônia, os rios secaram de forma quase sincronizada. E Manaus foi encoberta por densa fumaça. O Rio Grande do Sul sofre com extremos climáticos. É o planeta respondendo que não vai bem.

Por isso, os olhos dos poderosos, estão voltados para a maior floresta tropical do mundo. À Amazônia é central no equilíbrio, na manutenção do clima do planeta.

Segundo o INPE, a área desmatada na Amazônia é de 9.001 km², período de agosto de 2022 a julho de 2023. Esse resultado concentra cinco meses do governo anterior e sete do governo atual. Houve uma queda de 22,3% do total de área desmatada no atual governo. Os números são do Relatório anual do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia legal por satélite – Prodes – sistema do próprio INPE.

Segundo o Greenpeace “Apesar da boa notícia, a redução ainda é insuficiente para que o Brasil cumpra a meta de NDC (Contribuição Nacionalmente determinada) assumida junto a Organização das Nações Unidas (ONU), de reduzir em 48% de suas emissões até 2025 e 53% até 2030, valores comparados aos níveis de 2005”.

Todavia, o IMAZON – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia afirma que “À área desmatada nos primeiros dez meses de 2023 chegou a 3.806 km². O desmatamento cai 6% de janeiro a outubro, mas ainda é o 6º maior em 16 anos. O ritmo de desmatamento segue em queda”.

O assassinato do líder seringueiro Chico Mendes, em 22 de dezembro de 1988, teve repercussão mundial. Chico Mendes é o símbolo da preservação da Amazônia. Defendia os seringais. E todo ecossistema da região de forma sustentável. Pela defesa da Amazônia outros líderes ambientalistas foram brutalmente assassinados. Tivemos a felicidade de conviver com Chico Mendes, no Rio de Janeiro. E dessa parceria de luta foi possível publicar artigos sobre esse convívio. No “I Encontro dos povos da Floresta”, em Altamira, pudemos presenciar a índia Tuíra com seu facão defender seu povo e a floresta amazônica, o cacique Raoni e o cantor Sting. São vozes que ecoam no mundo.

Na época que participávamos do Comitê de Defesa da Amazônia (CDA), época da ditadura militar, o foco era lutar contra os projetos faraônicos na Amazônia, implantados pelas multinacionais. Na atual conjuntura, o olhar sob a Amazônia é outro. É de salvação do planeta, na defesa dos povos originários, de todos os povos da floresta, guardiães desse patrimônio natural. Sem esquecer, principalmente, os yanomamis, vítimas do garimpo ilegal.

Os EUA sofreram com a nevasca do século, com registro de 78 graus c negativos em 3/2/2023, causando uma tragédia, com corpos encontrados dentro dos veículos, debaixo de toda àquela neve. O Canadá também sofreu essa massa de frio vindo de regiões polares. São efeitos diretos das mudanças climáticas.

Outro fenômeno causado pelo aquecimento global é o derretimento das calotas polares, que aumenta o nível das águas dos oceanos. O degelo é sempre observado pelos cientistas, por se tratar de um alerta importante.

Você já foi a Maldivas? Não. Então, vá. Segundo dados do IPCC há um alerta para essa região. O paraíso corre o risco de desaparecer em 2050. O governo iniciou a construção de uma cidade flutuante com previsão de ficar pronta até 2027, e tentar sobrevivência dos seus moradores.

Segundo o IPCC, sendo muito pessimista o nível do mar pode subir cerca de 2 metros 2100, chegar a 5metros em 2150, num cenário de 2º C. No cenário catastrófico de 3º C outras cidades no mundo seriam atingidas, podendo submergir parcialmente ou totalmente.

Em razão da gravidade das transformações que o planeta passa, Tuvalu é uma nação do Oceano Pacífico que se prepara para desaparecer com elevação do mar. Já existe um acordo com a Austrália para receber esses refugiados climáticos. O aumento médio da temperatura do planeta superior a 1,5º C será um alerta vermelho para sobrevivência de muitos lugares.

Com mais frequência, temos observado o aumento dos terremotos. Um de grande impacto ocorreu na Turquia, no Equador e em outros países, como a Síria e no Marrocos. Os cientistas já associam essas ocorrências às mudanças climáticas, que podem potencializar o movimento das placas tectônicas. Esses tremores agitam águas oceânicas, são os tsunamis ondas gigantes. Vejam como está tudo ligado.

Antigamente, falávamos de ecologia, de proteção ao meio ambiente para futuras gerações, parecia algo distante do nosso presente. Sempre afirmando em deixar um planeta melhor no futuro. Que futuro? Nossa própria geração sofre os efeitos da destruição. Da falta de cuidado com a nossa mãe Terra (Gaia). Salvemo-nos todos!

*Fernanda Figueiredo é ativista em defesa do meio-ambiente.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Otaviano Helene Carlos Tautz Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Caio Bugiato Annateresa Fabris Luiz Costa Lima Ricardo Antunes Lincoln Secco Daniel Costa Fábio Konder Comparato Alexandre de Lima Castro Tranjan Fernando Nogueira da Costa Elias Jabbour Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Maringoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ladislau Dowbor Michael Roberts Eugênio Bucci Salem Nasser Valerio Arcary Marcos Silva Eleutério F. S. Prado Liszt Vieira Ricardo Abramovay Carla Teixeira Henri Acselrad Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Sandra Bitencourt Marjorie C. Marona Rubens Pinto Lyra Leonardo Boff Francisco Pereira de Farias Dênis de Moraes Eduardo Borges Jean Pierre Chauvin Vanderlei Tenório Daniel Afonso da Silva João Carlos Loebens Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Michael Löwy Leonardo Sacramento Kátia Gerab Baggio José Luís Fiori Roberto Bueno José Machado Moita Neto Airton Paschoa Igor Felippe Santos Anderson Alves Esteves Priscila Figueiredo Fernão Pessoa Ramos Sergio Amadeu da Silveira André Márcio Neves Soares Andrew Korybko Leonardo Avritzer Celso Favaretto Gabriel Cohn Manchetômetro Marcelo Módolo Ricardo Musse Julian Rodrigues Tadeu Valadares Henry Burnett Flávio R. Kothe André Singer Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid Flávio Aguiar João Adolfo Hansen Thomas Piketty Armando Boito Paulo Nogueira Batista Jr Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Lorenzo Vitral Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald León Núñez Claudio Katz Marcos Aurélio da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Gerson Almeida Denilson Cordeiro Luiz Werneck Vianna Slavoj Žižek Paulo Martins João Sette Whitaker Ferreira Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Fernandes Silveira Tarso Genro João Lanari Bo Leda Maria Paulani Ricardo Fabbrini Daniel Brazil Antonio Martins Jorge Branco Celso Frederico Luciano Nascimento José Costa Júnior Boaventura de Sousa Santos Luis Felipe Miguel Luiz Roberto Alves Eliziário Andrade Bento Prado Jr. Valério Arcary Manuel Domingos Neto João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Osvaldo Coggiola Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Mário Maestri Bruno Machado Dennis Oliveira Mariarosaria Fabris Luís Fernando Vitagliano Renato Dagnino Yuri Martins-Fontes Tales Ab'Sáber Milton Pinheiro José Dirceu José Raimundo Trindade Berenice Bento Juarez Guimarães Rodrigo de Faria Ronald Rocha Marilena Chauí Luiz Renato Martins Marcelo Guimarães Lima Chico Alencar Marcus Ianoni Ari Marcelo Solon Bernardo Ricupero Afrânio Catani Antonino Infranca Jorge Luiz Souto Maior Remy José Fontana Gilberto Lopes Rafael R. Ioris José Geraldo Couto João Carlos Salles Eleonora Albano Luiz Eduardo Soares Chico Whitaker Vladimir Safatle Roberto Noritomi Maria Rita Kehl Antônio Sales Rios Neto Benicio Viero Schmidt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada