O capitalismo é para poucos

Dora Longo Bahia. Revoluções (projeto para calendário), 2016 Acrílica, caneta à base de água e aquarela sobre papel (12 peças) 23 x 30.5 cm cada
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MICHAEL ROBERTS*

Um número minúsculo de pessoas (menos de 0,1%) possuem 25% da riqueza mundial

Apenas 1% do topo das famílias possui 43% da riqueza global, os 10% seguintes possuem 81%, enquanto os 50% da base têm apenas 1%. Este 1% é formado por multimilionários em riqueza líquida (descontadas já as dívidas); há apenas 52 milhões deles. Dentro desse 1%, há 175.000 pessoas ultraricas que abocanham mais de $50 milhões de dólares em riqueza líquida. Ou seja, um número minúsculo de pessoas (menos de 0,1%) possuem 25% da riqueza mundial!

A informação vem do relatório de 2020 produzido pela organização Credit Suisse Global Wealth, que acaba de ser divulgado. O relatório continua sendo a análise mais abrangente e explicativa da riqueza global (não confundir com a renda), assim como da desigualdade da riqueza pessoal no mundo. Todos os anos, esse relatório de analisa a riqueza de 5,2 bilhões de pessoas em todo o mundo. A riqueza é composta pelos ativos financeiros (ações, obrigações, dinheiro, fundos de pensões etc.) e propriedades (casas etc.) possuídas. O relatório apresenta a riqueza descontando já as dívidas. Os autores do relatório são James Davies, Rodrigo Lluberas e Anthony Shorrocks.

De acordo com o relatório de 2020, a riqueza familiar total global aumentou US$ 36,3 trilhões durante 2019. Mas a pandemia de COVD-19 cortou esse aumento de 2019 quase pela metade (US$ 17,5 trilhões) entre janeiro e março de 2020. No entanto, como os mercados de ações e os preços das propriedades se recuperaram celeremente, graças às injeções de crédito do governo e do banco central, os pesquisadores do Credit Suisse avaliam que a riqueza total das famílias ainda estava ligeiramente acima em meados de 2020 em comparação com o nível no final do ano passado, embora a riqueza por adultos tenha caído.

Em meados de 2020, a riqueza das famílias globais era de US$ 1 trilhão acima do nível de janeiro, um aumento de 0,25%. Como isso é menos do que o aumento no número de adultos no mesmo período, a riqueza global média caiu 0,4% para US$ 76.984. Em comparação com o que seria esperado antes do surto de COVID-19, a riqueza global caiu US$ 7,2 trilhões, ou US$ 1.391 por adulto, em todo o mundo.

A região mais afetada foi a América Latina, onde as desvalorizações cambiais reforçaram as reduções do PIB em dólares, resultando em uma redução de 12,8% na riqueza total em dólares. A pandemia também erradicou o crescimento esperado na América do Norte e causou perdas em todas as outras regiões, exceto China e Índia. Entre as principais economias globais, o Reino Unido testemunhou a maior erosão relativa da riqueza.

O mais chocante é a ainda enorme desigualdade de riqueza das famílias em todo o mundo. Conforme mostrado pelo gráfico da pirâmide de riqueza abaixo, a desigualdade permanece gritante, tanto geograficamente entre o “norte rico” e o “sul pobre”, assim como entre famílias dentro dos países.

No final de 2019, a América do Norte e a Europa respondiam por 55% da riqueza global total, com apenas 17% da população mundial adulta. Em contraste, a parcela da população era três vezes maior do que a parcela da riqueza na América Latina, quatro vezes a parcela da riqueza na Índia e quase dez vezes a parcela da riqueza na África.

As diferenças de riqueza dentro dos países são ainda mais pronunciadas. O 1% do topo dos detentores de riqueza em um país normalmente possui entre 25% e 40% de toda a sua riqueza; os 10% seguintes geralmente respondem por montantes que ficam entre 55% e 75%. No final de 2019, os milionários em todo o mundo – que somam exatamente 1% da população adulta – representavam 43,4% do patrimônio líquido global. Em contraste, 54% dos adultos com riqueza abaixo de US$ 10.000 (ou seja, praticamente nada) juntos reuniram menos de 2% da riqueza global.

Os pesquisadores avaliam que o impacto mundial sobre a distribuição da riqueza dentro dos países tem sido notavelmente pequeno, dadas as perdas substanciais do PIB relacionadas à pandemia. Na verdade, não há evidências sólidas de que a pandemia tenha sistematicamente favorecido os grupos de maior riqueza em relação aos grupos de menor riqueza ou vice-versa. Em 2019, o número de milionários em todo o mundo disparou para 51,9 milhões, mas mudou muito pouco no geral durante o primeiro semestre de 2020.

No ápice da pirâmide da riqueza, o relatório estima que, no início deste ano, havia 175.690 adultos com patrimônio líquido super alto no mundo com patrimônio líquido superior a US $ 50 milhões. O número total de tais adultos aumentou 16.760 (11%) em 2019, mas 120 membros foram perdidos durante o primeiro semestre de 2020, deixando um ganho líquido de 16.640, desde o início de 2019.

Durante o primeiro semestre de 2020, o número de milionários diminuiu em 56.000 no geral, apenas 1% dos 5,7 milhões adicionados em 2019. O número de membros aumentou em alguns países e alguns perderam números significativos. O Reino Unido (queda de 241.000), Brasil (queda de 116.000), Austrália (queda de 83.000) e Canadá (queda de 72.000) eliminaram mais milionários do que o mundo como um todo.

Parece que a desigualdade de riqueza diminuiu na maioria dos países durante o início dos anos 2000. A queda na desigualdade dentro dos países foi reforçada por uma queda na desigualdade “entre os países”, alimentada por rápidos aumentos na riqueza média nos mercados emergentes. A tendência tornou-se mista após a crise financeira de2008, quando os ativos financeiros cresceram rapidamente em resposta à flexibilização quantitativa e às taxas de juros artificialmente baixas. Esses fatores aumentaram a participação do 1% do topo dos detentores de riqueza, mas a desigualdade continuou a diminuir para aqueles abaixo da cauda superior. Hoje, os 90% da base representam 19% da riqueza global, em comparação com 11% no ano 2000. Em outras palavras, houve uma concentração da riqueza para o 1% do topo (e ainda mais para 0,1%), mas com alguns dispersão entre os 99% restantes.

Os pesquisadores concluíram que o pequeno declínio na desigualdade de riqueza no mundo como um todo “reflete a redução dos diferenciais de riqueza entre os países, visto que as economias emergentes, particularmente China e Índia, cresceram a taxas acima da média. Esta é a principal razão pela qual a desigualdade de riqueza global caiu nos primeiros anos do século e, embora tenha aumentado durante a década que vai de 2007 a 2016, acreditamos que a desigualdade de riqueza global voltou a entrar em uma fase de queda após 2016”.

Em suma, o que o relatório mostra é que bilhões de pessoas não têm riqueza líquida nenhuma e que a distribuição da riqueza pessoal global reflete um mundo em que há alguns gigantes tais como Gulliver da fábula estão agora olhando para baixo e contemplando uma massa imensa de liliputianos.

*Michael Roberts é economista. Autor, entre outros livros, de The Great Recession: a Marxist View.

Tradução: Eleutério F. S. Prado

Publicado originalmente em The next recession blog

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Luiz Marques Francisco de Oliveira Barros Júnior Julian Rodrigues Heraldo Campos Luiz Eduardo Soares Chico Alencar Luís Fernando Vitagliano Jorge Luiz Souto Maior Afrânio Catani Ricardo Musse Boaventura de Sousa Santos Dênis de Moraes Ari Marcelo Solon Priscila Figueiredo Leonardo Sacramento Lorenzo Vitral Marcelo Módolo Luiz Renato Martins Remy José Fontana José Machado Moita Neto Marilia Pacheco Fiorillo Renato Dagnino Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Bento Prado Jr. Leda Maria Paulani Yuri Martins-Fontes Michel Goulart da Silva Marcus Ianoni Bruno Machado Sergio Amadeu da Silveira Anderson Alves Esteves Daniel Afonso da Silva Matheus Silveira de Souza Henry Burnett Michael Löwy João Feres Júnior Caio Bugiato José Geraldo Couto João Adolfo Hansen Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Luiz Bernardo Pericás João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Armando Boito Denilson Cordeiro Leonardo Boff Valerio Arcary Henri Acselrad Samuel Kilsztajn José Costa Júnior André Singer José Dirceu Igor Felippe Santos Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Brazil Gerson Almeida Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Anselm Jappe Gilberto Maringoni Flávio R. Kothe Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Marjorie C. Marona Carla Teixeira Mário Maestri Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Werneck Vianna Marcelo Guimarães Lima Paulo Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade José Micaelson Lacerda Morais Daniel Costa Celso Frederico Airton Paschoa Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Kátia Gerab Baggio Eduardo Borges Leonardo Avritzer Eugênio Bucci Paulo Fernandes Silveira Marcos Silva Ronald Rocha Francisco Fernandes Ladeira João Carlos Loebens Elias Jabbour Tales Ab'Sáber Osvaldo Coggiola Juarez Guimarães Ricardo Antunes Antonino Infranca Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Michael Roberts Alysson Leandro Mascaro Andrés del Río Carlos Tautz Chico Whitaker Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Ronald León Núñez Rubens Pinto Lyra Slavoj Žižek Alexandre Aragão de Albuquerque Vanderlei Tenório Bruno Fabricio Alcebino da Silva Otaviano Helene Flávio Aguiar Vladimir Safatle Rodrigo de Faria Thomas Piketty Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Salem Nasser Maria Rita Kehl José Luís Fiori Eleonora Albano Rafael R. Ioris Liszt Vieira Mariarosaria Fabris Fábio Konder Comparato Ricardo Fabbrini Tarso Genro Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Jorge Branco Antonio Martins Claudio Katz Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade Annateresa Fabris Vinício Carrilho Martinez Marilena Chauí Manchetômetro Berenice Bento Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Roberto Alves João Lanari Bo Marcos Aurélio da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares Fernão Pessoa Ramos Luis Felipe Miguel João Carlos Salles Andrew Korybko Dennis Oliveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada