As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Comunicado claro como água da fonte

Marcelo Guimarães Lima, Red Forest - Future Paradise II, 2020
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

A comunicação oligopolizada no Brasil foi sempre instrumento dos golpes e ditaduras, garantia da vigência e poder de influência dos interesses anti-povo e anti-nação no debate público

Devido à chamada globalização, é muito importante hoje em dia a comunicação na língua do Uncle Sam (Tio Sam). Baseando-me na escola carioca de tradução, cujo patrono é Millor Fernandes, saudoso autor de The Cow Went to the Swamp and other very instructive tales (A vaca foi pro brejo e outros contos muito educativos), vou fazer de tudo para que este comunicado faça justiça ao título e seja, de fato, clear like mountain water (claro como água da nascente na montanha), e instrutivo to whom it may concern (aos eventuais interessados), principalmente neste momento de negociações entre o partido do líder popular eleito, Lula, e os oportunistas de vários matizes da centenária, melhor dizendo, a jurássica (Jurassic) direita brasileira.

A questão premente é a entrega do Ministério das comunicações ao partido do Sr. Sérgio Moro. Seguramente os brilhantes estrategistas do núcleo dirigente do PT devem ter alguma carta na manga para tão surpreendente proposta e negociação e revelarão sua brilhante estratégia ao mesmo tempo, defensiva e ofensiva, digna de um Clausewitz caboclo, no devido tempo e no lugar propício.

Só pode ser isso, penso eu, descartada a falta de inteligência, a prudência excessiva que abre as portas e convida o adversário ao ataque, o ceticismo a priori (precedendo os fatos), a falta de experiência ou, digamos assim, a timidez excessiva, triste apanágio dos indecisos e dos que por princípio duvidam sempre das próprias forças. Estes, sem dúvida, podem caridosamente merecer alguma compreensão e talvez solidariedade, mas nunca servir de modelo para coisa alguma.

Mas enquanto aguardamos o combate efetivo contra a dobradinha golpista direita-ultradireita, que foi o alvo dos nossos (eu e a galera, eu modestamente, é claro) esforços na resistência e na eleição de Lula, seria preciso lembrar aos implicados na iniciativa algumas questões interessantes: nunca na história deste país, a direita (anti) nacional, digníssima representante da Brazilian dominant class (classe dominante do Brazil), fez qualquer concessão duradoura às forças populares.

Basta lembrar a sucessão de golpes na história moderna do país: golpe contra Getúlio, golpe contra Jango e Ditadura Militar, golpe contra Dilma, prisão de Lula e eleição administrada de Jair Bolsonaro. Em todos estes episódios, sempre com a cumplicidade implícita e explícita de conhecida potência estrangeira, o avanço mesmo tímido de uma agenda popular na política e na economia foi o mote para a reação violenta dos donos da nação (owners of the country). Em todos estes episódios os movimentos subversivos iniciais partiram de políticos da direita (right-wing politicians) e seus meios de comunicação associados: Carlos Lacerda contra Getúlio e contra Jango, Aécio Neves contra a eleição de Dilma, entre outros.

Se os fatos dizem algo de certeiro, é possível concluir com alguma segurança que os partidos da direita (anti) brasileira são associações de salteadores profissionais ou semi-profissionalizados, bancadas para negociatas das mais diversas formas. Isso foi escancarado, para quem ainda tinha dúvidas sobre o tema, por Jair Bolsonaro e seus ministros na saúde, na educação, na crise da pandemia, nas privatizações, etc., etc. Nunca o modus operandi (do latim: modo de fazer as coisas) da direita na política brasileira foi tão escandalosamente explícito como no desgoverno do Palhaço Golpista. E as chamadas “instituições do Estado nacional” judiciário, polícias, parlamento não impediram os desmandos e os ataques aos cofres públicos.

A autoglorificada “grande imprensa” brasileira passou pano até que o descontrole e as alucinações fascistas se voltaram conta a Rede Globo (Globo Network), o comando oficial e oficioso da desinformação programada no Brasil. Devido à natureza oligopolista do negócio das comunicações, arrivistas como o Capitão do Caos e seus associados fatalmente teriam que ser eliminados, cedo ou tarde. E estão sendo, pois a data de validade (leia-se: utilidade) do bolsonarismo para os donos do país já se esgotou.

Tudo isso é amplamente conhecido e difícil de contestar. Assim, alguns dirão que até aqui este autointitulado claro comunicado (na verdade, uma digressão ad libitum, ao vagar das ideias) está chovendo no molhado. Mas é justamente no molhado que a gente pode escorregar, e é preciso insistir que o tempo é instável até que alguém traga um ou mais umbrellas (guarda-chuvas) para aliviar a nossa situação.

Para as forças populares. a política no Brasil é sempre terra non firma (do latim: terreno nada firme). Para o contínuo direita-ultradireita é business as usual (negócios como sempre). Tanto antes do golpe de 2016, durante os governos golpistas de Michel Temer e Jair Bolsonaro, e agora no que se poderia pensar como construção do pós-golpe, retomada (?) da democracia e designações semelhantes: business as usual (negócios acima de tudo) para os políticos conservadores. Uma espécie de convescote entre amigos e conhecidos para o qual não fomos convidados: eu, você, o povão e o povinho.

Nosso papel é assistir ao espetáculo e bater palmas ensaiadas de aprovação quando solicitados tal qual os chamados programas de auditório da televisão brasileira, verdadeiras metáforas ruidosas da nossa democracia pós-moderna. Lula é hoje o comandante de uma “frente ampla” que derrotou Jair Bolsonaro. É claro que nós, o povão e o povinho, respiramos aliviados. Mas é igualmente claro que na resistência e nas eleições o povão e o povinho tiveram papel fundamental para a derrota do campo fascista.

Eu não deixo de lembrar aquela anedota do bode colocado na sala de estar da família que vivia em conflito. Quando por fim retiraram o bode, a família respirou aliviada e reunida! Até quando, a anedota não diz. A volta ao status quo ante (do latim: estado anterior), quer dizer, antes do bode, mudaram de fato as relações familiares? Pergunta que claramente não é uma pergunta, mas, como dizem os falantes da língua inglesa, uma rhetorical question (“pergunta retórica” ou formal, quer dizer, com uma resposta já implícita, uma afirmação em forma de questão). A questão é: quem colocou o bode Bolsonaro na sala de estar?

Muita gente contribuiu para o golpe e o regime golpista de Michel Temer e Jair Bolsonaro. Muitos que hoje fazem parte da “frente ampla” e pleiteiam partes da máquina estatal, cargos, etc. Também a Rede Globo (Globo Network) e a chamada grande imprensa em geral. Todos querem “sua” parte do dinheiro público. Tudo business as usual, ou seja, em tradução livre, a mamata (breast feeding, ou sucking milk for free) que lhes cabe por direito divino e tradição consagrada desde os tempos das capitanias hereditárias.

A comunicação oligopolizada no Brasil, país daquilo que designei num texto anterior de “golpismo estrutural”,[1] foi sempre instrumento fundamental dos golpes e ditaduras, garantia da vigência e poder de influência dos interesses anti-povo e anti-nação no debate público. E pelo visto, deve continuar sendo. Nossos democratas de ocasião, seus escribas e roteiristas já estão hoje brainstorming (bolando novas ideias e estratégias para) os golpes futuros. O mínimo que se poderia pedir é que não lhes facilitemos a tarefa.

*Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

Nota


[1] https://aterraeredonda.com.br/como-dois-e-dois-sao-cinco/

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Remy José Fontana Atilio A. Boron Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Ricardo Abramovay Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Löwy Luiz Bernardo Pericás Marilena Chauí Tarso Genro Érico Andrade Henri Acselrad Paulo Capel Narvai João Sette Whitaker Ferreira Denilson Cordeiro Daniel Afonso da Silva Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Airton Paschoa João Lanari Bo Carlos Tautz José Raimundo Trindade João Feres Júnior Antônio Sales Rios Neto Ronald Rocha Dênis de Moraes Tadeu Valadares André Márcio Neves Soares Ari Marcelo Solon Luiz Renato Martins Bernardo Ricupero Luis Felipe Miguel Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Kátia Gerab Baggio Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Jorge Luiz Souto Maior Rodrigo de Faria Milton Pinheiro Rafael R. Ioris Anselm Jappe Benicio Viero Schmidt Marcos Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Luciano Nascimento Lorenzo Vitral Marcus Ianoni Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Costa Lima Roberto Noritomi Jean Pierre Chauvin Chico Alencar Ronaldo Tadeu de Souza Valério Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eduardo Borges Marcelo Módolo Elias Jabbour Bruno Machado Ricardo Musse Armando Boito João Carlos Salles Luiz Eduardo Soares Ricardo Fabbrini Gerson Almeida Marcelo Guimarães Lima Ricardo Antunes Paulo Martins Vanderlei Tenório Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Loebens Jean Marc Von Der Weid Salem Nasser Mariarosaria Fabris Roberto Bueno Daniel Costa Flávio R. Kothe Eugênio Trivinho Marcos Aurélio da Silva Walnice Nogueira Galvão Michael Roberts Antonino Infranca Ronald León Núñez Chico Whitaker Liszt Vieira Leda Maria Paulani Fernando Nogueira da Costa João Adolfo Hansen Eliziário Andrade Eleonora Albano Jorge Branco Afrânio Catani Eugênio Bucci Annateresa Fabris Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Henry Burnett Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Brazil Gilberto Lopes Thomas Piketty Francisco Pereira de Farias José Costa Júnior Leonardo Boff Antonio Martins Sandra Bitencourt José Geraldo Couto José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Ladislau Dowbor André Singer Lincoln Secco Andrew Korybko Osvaldo Coggiola Luiz Marques Flávio Aguiar Carla Teixeira Berenice Bento Dennis Oliveira Gabriel Cohn Manchetômetro Boaventura de Sousa Santos Renato Dagnino Manuel Domingos Neto José Machado Moita Neto Mário Maestri Alysson Leandro Mascaro Celso Frederico Gilberto Maringoni Bento Prado Jr. Fábio Konder Comparato Claudio Katz Priscila Figueiredo José Micaelson Lacerda Morais Eleutério F. S. Prado Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Sacramento Tales Ab'Sáber Sergio Amadeu da Silveira Vladimir Safatle Paulo Fernandes Silveira Anderson Alves Esteves Samuel Kilsztajn Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Roberto Alves Julian Rodrigues Marjorie C. Marona Otaviano Helene Celso Favaretto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada