As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Dentro do texto, dentro da vida

Imagem: Michelangelo Pistoletto
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENTO PRADO JR.*

Introdução de Bento Prado à coletânea sobre Antonio Candido

O narcisismo é inimigo natural da inteligência; a simpatia pelo Outro, ao contrário, sendo condição de compreensão de si mesmo, é também regra de método nas ciências da cultura. Seguramente foi inspirada a escolha do título deste livro. Com ele, aponta-se para o centro mais vivo dos escritos de nosso autor e para o contraponto que fazem à obra inaugural de Sílvio Romero, que sempre ocupou lugar privilegiado na imaginação crítica de Antonio Candido, desde sua primeira tese até o ensaio “Fora do texto, dentro da vida”, publicado em A educação pela noite.

Detenhamo-nos, por um instante, nesta curiosa relação entre Antonio Candido e Sílvio Romero. Não posso, para descrevê-la, deixar de aludir a outro mestre e outro texto. Penso na monumental biografia de Gustave Flaubert, a que Jean-Paul Sartre consagrou suas últimas energias intelectuais, ajustando contas com uma obsessão que o acompanhou desde muito cedo.

Tudo se passa como se os cuidados que Antonio Candido e Sartre dedicam, cada um, a seu outro, tivessem a mesma forma, mas sentidos rigorosamente opostos. Para Jean-Paul Sartre, trata-se de entender como uma concepção essencialmente mistificada da literatura (arte absoluta, esteticismo paroxístico) pode, no entanto, dar lugar à iluminação da realidade, como que contra a vontade do autor. Para Antonio Candido, trata-se de explicar como uma certa cegueira para a dimensão textual ou estética da literatura não impede uma visão ampla e, no limite, verdadeira, das letras e da cultura brasileiras.

Num caso e no outro, as contradições exemplares da escrita e da existência funcionam como reveladoras de matrizes essenciais da sociedade e da literatura, num passado próximo da França e do Brasil, amparando nossa consciência contemporânea. Para além da intenção explícita ou da teoria de Flaubert e de Sílvio Romero, esses autores, tão desiguais, funcionam igualmente como, delicadíssimos sismógrafos, que é preciso consultar, no passado, para melhor diagnosticar o comportamento do subsolo de nossa experiência atual da literatura e da sociedade.

Texto e vida, forma literária e forma social não se opõem, aqui, como nos manuais de teoria literária. Foi Roberto Schwarz quem melhor descreveu a maneira sutil pela qual o método crítico de Antonio Candido foi capaz de incluir a análise imanente da obra literária no movimento geral da autocompreensão da cultura. Não cabe retomar, aqui, essa análise que revela, na obra do mestre, a importante operação de alargamento da idéia de forma, que felizmente deixa de ser compreendida de maneira estritamente técnica. Operação que não implica uma “sociologização” do literário; que permite, pelo contrário e ao arrepio de todos os reducionismos, que as ciências sociais possam ser guiadas e iluminadas pelo que se poderia chamar, na falta de melhor expressão, de “conhecimento literário”. Com Antonio Candido, enfim, descobrimos que a vida do espírito e a vida social são uma e a mesma vida.

É justamente esse alargamento da idéia de forma que explica o extraordinário alcance dos escritos de Antonio Candido, que percorrem todo o arco das ciências da cultura, da história literária à filosofia, passando pelas ciências sociais. Uma envergadura (como a de Sérgio Buarque de Holanda) que sempre foi rara em nosso país e que parece ser cada vez menos freqüente em nosso planeta. Reflexo dessa irradiação de interesses teóricos de ampla esfera é a própria composição deste livro. Nele se sucedem, como uma linha de crescente totalização, textos que vão dos depoimentos pessoais ao exame do pensamento de Antonio Candido, passando pelos diferentes vetores de sua pesquisa.

Não diria que esta coletânea de depoimentos de colegas, amigos, discípulos diretos ou indiretos, compõe uma cartografia completa da obra (e não apenas da obra escrita) de Antonio Candido. Temos, aqui, pelo menos, um primeiro traçado desse mapa indispensável.

Na primeira parte, um retrato do homem, do professor, e um registro do impacto que causou naqueles que tiveram a sorte de com ele conviver de mais ou menos perto. Na segunda, é a obra do sociólogo que é vincada em alguns de seus aspectos mais ricos, sobretudo naqueles em que a empresa sociológica converge com as da antropologia e da história – num estilo que, infelizmente, como há tempos observou Fernando Henrique Cardoso, não teve a posteridade que uma melhor compreensão do Brasil exigiria.

A terceira e quarta partes visam o historiador, o crítico e o teórico da literatura, no vai-e-vem incessante que Antonio Candido tece entre texto e vida, e que faz dele o mestre incomparável dessas áreas das letras no Brasil. Com a última parte, são os fins últimos da reflexão de nosso autor que ocupam o proscênio – é a figura do pensador que rumina, com os instrumentos que inventou e os resultados que obteve, a situação da cultura e da sociedade no Brasil e no mundo de hoje, animado pela esperança de uma sociedade mais justa e de uma cultura mais viva.

Numa palavra, digamos que a leitura deste livro nos ajuda a avaliar o que há de prodigioso na tática desta brigada ligeira, que é capaz de fazer incursões tão fundas em tantas frentes diferentes, sem perder de vista seu alvo final, mantendo sempre contacto com sua base, para onde tem de retornar a fim de refazer seu fôlego e suas energias. Base secreta que é o próprio Antonio Candido, ou o segredo de um caráter reto e inflexível, não obstante generosamente gentil e compreensivo. Segredo que explica o fascínio que exerce sobre todos nós e dá a razão pela qual todas as páginas deste livro estão tão impregnadas tanto de admiração como de afeto.

*Bento Prado Jr. (1937-2007) foi professor titular de filosofia na Universidade Federal de São Carlos. Autor, entre outros livros, de Erro, ilusão, loucura: ensaios (Editora 34).

 

Referência


Dentro do texto, dentro da vida – ensaios sobre Antonio Candido. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo, em 31 de maio de 1992.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Dênis de Moraes Michael Löwy Marjorie C. Marona Daniel Brazil Julian Rodrigues Renato Dagnino Denilson Cordeiro Ladislau Dowbor Jean Pierre Chauvin Paulo Sérgio Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Henri Acselrad Jorge Branco João Carlos Loebens Luiz Werneck Vianna Eugênio Bucci José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Lincoln Secco Chico Whitaker Leda Maria Paulani Juarez Guimarães Andrew Korybko Ricardo Antunes Michael Roberts José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Módolo Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Guimarães Lima Luis Felipe Miguel Eduardo Borges João Lanari Bo Thomas Piketty Eugênio Trivinho Ricardo Abramovay Gilberto Maringoni Paulo Martins Otaviano Helene Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Aurélio da Silva Bernardo Ricupero José Luís Fiori Ronald Rocha Ricardo Musse Luís Fernando Vitagliano Claudio Katz Maria Rita Kehl Airton Paschoa Eliziário Andrade Anderson Alves Esteves Érico Andrade Eleonora Albano Jean Marc Von Der Weid Chico Alencar Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Boff Vinício Carrilho Martinez Mário Maestri Valério Arcary Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Remy José Fontana Rubens Pinto Lyra Marcos Silva André Márcio Neves Soares Luiz Costa Lima Anselm Jappe Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai João Feres Júnior João Carlos Salles Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares José Machado Moita Neto Gerson Almeida Fábio Konder Comparato Luiz Renato Martins Leonardo Sacramento Roberto Noritomi Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon João Paulo Ayub Fonseca Igor Felippe Santos Walnice Nogueira Galvão Tadeu Valadares Heraldo Campos José Micaelson Lacerda Morais Annateresa Fabris Berenice Bento Rafael R. Ioris Lucas Fiaschetti Estevez Bruno Machado Gabriel Cohn Benicio Viero Schmidt Flávio R. Kothe João Adolfo Hansen Liszt Vieira Gilberto Lopes José Geraldo Couto Caio Bugiato Luiz Marques Daniel Afonso da Silva Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Paulo Fernandes Silveira Bento Prado Jr. Celso Favaretto Sandra Bitencourt Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira Carla Teixeira Afrânio Catani Ronald León Núñez Fernão Pessoa Ramos Samuel Kilsztajn Tarso Genro Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Osvaldo Coggiola Milton Pinheiro Tales Ab'Sáber Marcus Ianoni Francisco de Oliveira Barros Júnior José Costa Júnior Priscila Figueiredo Roberto Bueno Luciano Nascimento Elias Jabbour Francisco Fernandes Ladeira Henry Burnett Armando Boito Atilio A. Boron Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleutério F. S. Prado Carlos Tautz Leonardo Avritzer Vanderlei Tenório Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Ronaldo Tadeu de Souza Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Mariarosaria Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilena Chauí Salem Nasser Dennis Oliveira Sergio Amadeu da Silveira Rodrigo de Faria Valerio Arcary André Singer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada