O presente nos clama!

Clara Figueiredo_sem título_ensaio Filmes Vencidos_Fotografia analógica digitalizada_México_2019
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE LUIZ SOUTO MAIOR*

É preciso enfrentar o desafio de formular pensamentos que ultrapassem o cálculo do pragmatismo político imediato

Considerando que muitos se disseram surpreendidos com os atos terroristas de 08 de janeiro de 2023 que atingiram as instalações dos três Poderes e afrontaram as instituições democráticas brasileiras; e vendo a enorme, necessária e oportuna reação de indignação promovida contra esses mesmos atos, é oportuno lembrar que, na verdade, estamos diante de um processo histórico cujo curso há muito foi iniciado, ou que, até mesmo, se olhamos para a completude da história do Brasil, nunca foi, de fato, interrompido; um processo que, inclusive, perpassa pela ausência de uma igual reação diante do genocídio que se operou durante a pandemia.

É somente esta visualização mais estendida dos atos terroristas que nos permitirá extrair aprendizados e fornecer o direcionamento para um agir que efetivamente seja capaz de nos legar um futuro em direção diversa. Caso contrário, ainda que com algumas aparas, seguiremos o mesmo rumo, estimulando a irracionalidade e as bases sociais e econômicas que dela se alimentam.

Concretamente, vivenciamos, por assim dizer, o acúmulo de: (a) ausência de uma vontade verdadeira para promover um efetivo enfrentamento dos problemas estruturais e humanos brasileiros, sempre assombrados que fomos pela lógica do mal menor e pelas chantagens do poder econômico multinacional; (b) mudanças de períodos históricos sem cortes mais profundos, fazendo com que, por exemplo, estruturas, inclusive jurídicas, escravistas, antirrepublicanas e antidemocráticas persistam vigentes em nossa realidade, as quais, quando admitidas e aplicadas em suposta defesa da ordem, fornecem, em processo linguístico de uma comparação mesmo que esdrúxula, noção de plausibilidade lógica ao conservadorismo que, inclusive, fazendo-se de vítima, atinge o estágio de uma espécie de “fascismo esclarecido”; (c) uma recorrente tentativa de chegar ao ambiente de estabilidade política e social por meio de uma conciliação com as forças que só existem em razão das desigualdades, da exploração e das opressões e que, assim, se legitimam e se perpetuam.

Neste contexto de percepções históricas dos fatores que militam contra os avanços sociais, sobretudo quando temos em mente o que se deu no dia 08 de janeiro, é importante lembrar a forma nada amistosa com que atuam as forças policiais quando o assunto é manifestação social pela preservação da vida, a melhoria das condições sociais e humanas e a conquista, efetivação ou preservação de direitos!

É preciso, pois, enfrentar o desafio de formular pensamentos que ultrapassem o cálculo do pragmatismo político imediato, o qual, rivalizando-se com o fascismo, naturaliza-o e, tantas vezes, gera inércia, com ares de “cautela”, “ponderação” e “razoabilidade”.

Com efeito, desde antes da eleição, o ainda candidato Jair Bolsonaro preconizava, expressamente, como, por meio do armamento e da disseminação da contracultura, se daria o processo de destruição da democracia e de todo o aparato jurídico de proteção dos direitos sociais e humanos, tudo em prol do atendimento dos interesses do poder econômico internacional e sua aliança com pequenos setores da classe dominante interna.

No período da pandemia, levando a efeito essa cartilha, por meio, inclusive, de diárias divulgações públicas de falas direcionadas à produção de uma inversão racional e lógica da realidade, promoveu-se um autêntico genocídio, que atingiu, sobretudo, a população periférica, economicamente excluída ou superexplorada e, na quase totalidade, negra.

No entanto, imperando os acúmulos históricos mencionados, o que se viu foi uma total ausência de reação institucional efetiva às atrocidades e violências cometidas e, até mesmo, a partir do cálculo da oportunidade política, que quase sempre vem representada pela expressão, “não é o momento oportuno”, se estabeleceu uma espécie de impunidade admitida. Ademais, sequer os aprendizados em torno do valor da vida e do trabalho humano restaram integrados à nossa cultura. Aliás, comparando a indignação havida diante da criminosa destruição do patrimônio físico dos prédios dos Poderes da República com aquela que se produziu perante 700 mil mortes, uma grande parte fruto de um autêntico assassinato institucionalizado, urge indagar quanto, afinal, consideramos que vale uma vida.

Viu-se, também, a forte conciliação da racionalidade progressista com as grandes corporações que se apropriaram economicamente da “ciência” e com os prepostos das forças dominantes que sobrevivem do sofrimento humano.

Dito isto, penso que seja bastante pertinente reler duas pequenas obras de ficção escritas em março de 2021,[1] que retratam providências futuras que, no entanto, são requeridas no momento presente e não em 2026 e 2031, como preconizado, pois, dada a precipitação do processo histórico, ou se reage com efetividade e completude agora ou só nos restará entrar para a história como uma geração que não soube enfrentar os desafios do seu tempo!

*Jorge Luiz Souto Maior é professor de direito trabalhista na Faculdade de Direito da USP e presidente da Associação Americana de Juristas – AAJ-Rama Brasil. Autor, entre outros livros, de Dano moral nas relações de emprego (Estúdio editores).

Nota


[1] https://www.jorgesoutomaior.com/blog/uma-noticia-vinda-do-futuro.

      https://www.jorgesoutomaior.com/blog/nova-noticia-vinda-do-futuro

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Módolo Marcos Silva Antônio Sales Rios Neto Julian Rodrigues Maria Rita Kehl Manchetômetro João Adolfo Hansen Lincoln Secco Marilia Pacheco Fiorillo Boaventura de Sousa Santos Érico Andrade Michael Löwy Heraldo Campos Luciano Nascimento Paulo Capel Narvai Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico Manuel Domingos Neto Leonardo Avritzer Marilena Chauí André Singer Michel Goulart da Silva Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Jorge Branco Bernardo Ricupero Anselm Jappe Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Gilberto Maringoni José Dirceu João Carlos Loebens Gabriel Cohn Atilio A. Boron João Feres Júnior Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Jean Marc Von Der Weid Samuel Kilsztajn Priscila Figueiredo Luiz Bernardo Pericás Mário Maestri Berenice Bento Marjorie C. Marona Claudio Katz Luís Fernando Vitagliano José Micaelson Lacerda Morais Yuri Martins-Fontes Gerson Almeida Airton Paschoa Leonardo Sacramento Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Igor Felippe Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Bucci Bruno Machado Chico Whitaker Carlos Tautz Ricardo Antunes Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dênis de Moraes Celso Favaretto Paulo Fernandes Silveira Jorge Luiz Souto Maior Rubens Pinto Lyra José Machado Moita Neto Matheus Silveira de Souza Vanderlei Tenório João Paulo Ayub Fonseca Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Brazil Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel Luiz Marques Denilson Cordeiro João Carlos Salles Everaldo de Oliveira Andrade José Raimundo Trindade Chico Alencar Milton Pinheiro André Márcio Neves Soares Sergio Amadeu da Silveira Henri Acselrad José Geraldo Couto Francisco Pereira de Farias Elias Jabbour Ricardo Abramovay Tarso Genro Michael Roberts Andrew Korybko Leonardo Boff Flávio R. Kothe Kátia Gerab Baggio Alysson Leandro Mascaro Renato Dagnino Ladislau Dowbor Francisco Fernandes Ladeira Osvaldo Coggiola Rodrigo de Faria Marcos Aurélio da Silva Vinício Carrilho Martinez Daniel Afonso da Silva Ari Marcelo Solon Marcelo Guimarães Lima Juarez Guimarães Paulo Martins Carla Teixeira Remy José Fontana Eleutério F. S. Prado Antonino Infranca Eleonora Albano João Lanari Bo Eliziário Andrade Tadeu Valadares Mariarosaria Fabris Vladimir Safatle Fernando Nogueira da Costa Valerio Arcary Caio Bugiato Andrés del Río Slavoj Žižek Marcus Ianoni Leda Maria Paulani Flávio Aguiar Valerio Arcary Bento Prado Jr. José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse Tales Ab'Sáber Luiz Renato Martins Ronald Rocha Daniel Costa Dennis Oliveira Thomas Piketty Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Paulo Sérgio Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Eduardo Borges Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque Henry Burnett Salem Nasser Lorenzo Vitral Gilberto Lopes Armando Boito Luiz Roberto Alves

NOVAS PUBLICAÇÕES