As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

29M: Fora Bolsonaro!

Imagem: Grupo de Ação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLA TEIXEIRA*

Não venceremos o vírus sem vencer o verme

“É preciso que haja algum respeito, / ao menos um esboço / Ou a dignidade humana se afirmará / a machadadas” (Torquato Neto em “Poema do Aviso Final”).

Estão previstas para hoje, 29 de maio, manifestações populares em todo o país para conter a sanha daqueles que querem ganhar dinheiro enquanto o povo morre da peste e de fome. Depois dos fascistas sentirem-se à vontade para irem às ruas reivindicando pautas autoritárias – como o fechamento do STF e do Congresso Nacional, e mais poderes ao capitão presidente –, as esquerdas, partidos, sindicatos e movimentos sociais decidiram sair do zoom e do streamyard para fazer coro aos indignados e vilipendiados pela política de morte do atual governo militar.

Historicamente, foram as inúmeras manifestações populares que garantiram os serviços públicos que o povo brasileiro hoje dispõe e também as conquistas alcançadas pelos trabalhadores. Imaginem: o que seria do nosso país, nesta pandemia, sem o SUS, as universidades e instituições públicas de pesquisa? Certamente teríamos uma pilha ainda maior de cadáveres e mesmo a vacina, a conta-gotas, não estaria pingando no braço dos brasileiros. Se a coisa parece ruim, a história mostra que só não esteve pior porque a organização popular, nas ruas, garantiu saída para as inúmeras tragédias pelas quais passamos.

O golpe militar de 1964 se deu num contexto de amplas manifestações populares que pediam a urgente democratização da sociedade com a ampliação de direitos e cidadania. Mais uma vez, as forças armadas, a mídia elitista, as igrejas conservadoras, a classe média excludente e os oligarcas escravocratas se juntaram para jogar o país no caos de 21 anos de ditadura militar que sequestrou, torturou, matou e fez desaparecer os seus opositores.

Nos anos 1970 e 1980, foram as gigantescas greves dos trabalhadores do ABC paulista e a massiva campanha pelas “Diretas já!” que botaram os milicos pra correr do governo e permitiram o retorno dos civis, referendado pela Constituição Cidadã de 1988. A Nova República trouxe a ampliação da cidadania e a esperança de um aprofundamento democrático que se fez crer durante o ciclo dos governos petistas, mas logo foi interrompido pelo golpe de 2016, protagonizado por personagens que ecoavam a violência institucional de 1964, nos fazendo viver a recidiva de um passado que não passa.

A ascensão de Bolsonaro ao poder, em 2018, se deu num contexto de comprovada fraude eleitoral que hoje nos custa o pior governo que a República já teve. A pandemia do novo coronavírus fez explodir na cara da sociedade brasileira todas as chagas que insistia em ignorar: desigualdade social, racismo, patrimonialismo, corrupção, patriarcalismo, machismo, intolerância e um chocante desprezo pela vida humana.

A situação atual pode ser resumida na frase que chama as manifestações de sábado: “o governo é mais perigoso que o vírus”. Isso conclui que não haverá saída para esta pandemia sob o governo Bolsonaro pelo simples fato de que o presidente da República é o principal ponto de desagregação em qualquer tentativa das forças e instituições políticas para conter a disseminação do vírus e o agravamento da pandemia. Bolsonaro e a sua corja de fanáticos apoiam-se na teoria da “imunidade de rebanho”, boicotam as vacinas e qualquer medida de proteção individual e coletiva.

Não venceremos o vírus sem vencer o verme.

Dia 29 de maio será apenas a primeira de muitas manifestações. O caminho será árduo, mas a história nos mostra que a vitória é certa. Todas as chamadas insistem que os presentes utilizem máscara do tipo PFF2 (N95), levem álcool em gel e procurem manter distância física de outras pessoas: cuidando de si e de todos. Muitas cidades planejam formar “comissões de segurança” para contribuir com a organização sanitária da manifestação, inclusive com a distribuição de máscaras. A mobilização popular é o primeiro passo de um largo caminho até que a justiça social e a dignidade, para todos, sejam reestabelecidas neste país.

29M: Fora Bolsonaro! Por um auxílio emergencial digno e vacina para todos já!

*Carla Teixeira é doutoranda em história na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Walnice Nogueira Galvão Jean Pierre Chauvin Otaviano Helene Remy José Fontana Antonio Martins Henry Burnett Tadeu Valadares Bernardo Ricupero Denilson Cordeiro Berenice Bento Paulo Nogueira Batista Jr Vinício Carrilho Martinez Tales Ab'Sáber Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai José Raimundo Trindade Bento Prado Jr. Kátia Gerab Baggio Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Priscila Figueiredo Alexandre de Freitas Barbosa Renato Dagnino Rodrigo de Faria Maria Rita Kehl Mariarosaria Fabris Carla Teixeira Marjorie C. Marona Ronald León Núñez Eugênio Bucci Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Michael Löwy Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Roberto Bueno Luiz Marques Daniel Brazil Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos André Márcio Neves Soares Lorenzo Vitral Marilena Chauí Rubens Pinto Lyra Francisco de Oliveira Barros Júnior Bruno Machado Eleonora Albano Gilberto Maringoni Flávio R. Kothe Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Slavoj Žižek Manchetômetro Francisco Pereira de Farias Roberto Noritomi Leda Maria Paulani Gabriel Cohn André Singer Luciano Nascimento Airton Paschoa Rafael R. Ioris Heraldo Campos João Carlos Loebens Anselm Jappe José Costa Júnior Armando Boito Antônio Sales Rios Neto João Sette Whitaker Ferreira Carlos Tautz Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares Claudio Katz Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes Jorge Branco José Luís Fiori João Adolfo Hansen Osvaldo Coggiola Ronald Rocha Juarez Guimarães Valério Arcary Atilio A. Boron João Carlos Salles Fábio Konder Comparato Henri Acselrad Paulo Fernandes Silveira Lincoln Secco Eliziário Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Salem Nasser Liszt Vieira Samuel Kilsztajn Ricardo Antunes Marcos Aurélio da Silva Dennis Oliveira José Geraldo Couto Eduardo Borges Francisco Fernandes Ladeira Ari Marcelo Solon Michael Roberts Érico Andrade José Micaelson Lacerda Morais Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Andrew Korybko Ricardo Musse Luís Fernando Vitagliano Luiz Costa Lima Marcus Ianoni Manuel Domingos Neto Tarso Genro Luis Felipe Miguel Gerson Almeida Ricardo Abramovay Annateresa Fabris Paulo Martins Leonardo Boff Igor Felippe Santos Alysson Leandro Mascaro Elias Jabbour Marcelo Módolo Julian Rodrigues João Lanari Bo José Machado Moita Neto Afrânio Catani Jean Marc Von Der Weid Daniel Afonso da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Costa Leonardo Sacramento Chico Whitaker Celso Favaretto Lucas Fiaschetti Estevez Ladislau Dowbor Sergio Amadeu da Silveira Luiz Roberto Alves Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Milton Pinheiro Eugênio Trivinho Dênis de Moraes Gilberto Lopes João Feres Júnior Chico Alencar Mário Maestri Luiz Werneck Vianna

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada