Os órfãos de Canudos

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por IVO BRANCO*

Considerações do diretor sobre o documentário de longa-metragem

A atualidade da guerra de Canudos

No dia 5 de outubro de 1897, terminava a guerra de Canudos. O conflito que durou de novembro de 1896 a outubro de 1897, movimentou um contingente de cerca de 12 mil homens do Exército e das polícias de 17 estados brasileiros. Mais de 50% do efetivo do Exército brasileiro existente na época. As baixas foram de cerca de cinco mil homens. Dos canudenses estima-se que 25 mil foram mortos.

Os defensores da recém-proclamada República do Brasil viam em Canudos um perigoso foco monarquista, liderado pelo beato Antônio Conselheiro e que, portanto, deveria ser exterminado.

Desde a chegada do Conselheiro, em 1893, às terras do Belo Monte, assim por ele batizadas, Canudos se transformara, em quatro anos, na segunda maior cidade da Bahia, depois de Salvador.

Após três expedições malogradas e vergonhosamente derrotadas pelos conselheiristas, aniquilar Canudos tornou-se uma questão de honra para o Exército e o governo do Brasil. Assim, uma quarta expedição foi preparada pelo próprio ministro da Guerra, composta por seis mil homens e chefiada pelo general Artur Oscar.

Fortemente armados, os soldados cercaram por três meses o arraial de Canudos, que sofreu violento bombardeio e depois foi queimado com querosene e dinamitado. Os casebres foram incendiados juntamente com os corpos insepultos dos sertanejos. Homens, mulheres, velhos e crianças, foram massacrados pelos soldados, que tinham ordens para não fazer nenhum prisioneiro. Os homens, principalmente, foram vítimas da “gravata vermelha”, como era conhecida a degola.

Ao contrário das palavras de Euclides da Cunha em sua obra prima Os sertões, ao descrever o quadro final da resistência canudense – “Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente cinco mil soldados ” – cerca de 200 pessoas restavam com vida, ainda que em condições precárias, após o massacre. Esses sobreviventes, mulheres e crianças em estado físico deplorável, que haviam perdido pai, mãe e parentes próximos, eram agora prisioneiros de guerra.

O documentário Os órfãos de Canudos propõe uma revisão e uma reflexão sobre a Guerra de Canudos através de um fato muito pouco conhecido, o de um grupo de mulheres e crianças sobreviventes.

 

Novas leituras

Um dos episódios mais sangrentos da história do Brasil, a Guerra de Canudos é tema cuja bibliografia alcança um grande número de títulos lançados até hoje. José Calasans, um dos maiores estudiosos sobre o assunto, coloca Canudos entre os mais importantes acontecimentos da nossa história, o que teve maior repercussão do que outros movimentos congêneres, particularmente pela multiplicidade de versões que pesquisadores representaram a figura do Conselheiro e seus adeptos.

Há algumas décadas a nova historiografia vem fazendo uma revisão sobre a guerra, a partir de novas pesquisas de documentos e manuscritos, resultando numa nova leitura que se afastou da interpretação euclidiana.

Dada a sua complexidade, com variantes sociais e históricas que apontam questões ainda não estudadas em detalhes, e que não serão esgotados, Canudos continua a desafiar historiadores e pesquisadores para a compreensão da sua curta, porém conturbada existência.

 

Abandonadas à própria sorte

Dizimada Canudos, cerca de 200 mulheres e crianças sobreviventes, em andrajos e até nuas, desnutridas, muitas com ferimentos expostos, ficaram à mercê da própria sorte. As que estavam em melhores condições de saúde foram negociadas por oficiais do Exército que as vendiam para “coronéis” e até prostíbulos. Muitas dessas meninas foram estupradas por soldados nos momentos finais da guerra e depois pelos que as compravam. Muitas foram transformadas em escravas por aqueles que as abrigavam.

Foi formado então, em Salvador, o Comitê Patriótico da Bahia, um grupo de cidadãos de bem – médicos, comerciantes, professores, jornalistas, etc. – que, preocupados com a situação daquelas crianças, resolveram se dirigir a Canudos para recolhê-las e encaminhá-las para asilos e Santas Casas da capital baiana.

O Comitê procurava também por pais e parentes para levá-las de volta às suas famílias. Ao final de seu trabalho o Comitê publicou um relatório que informava o que fora possível fazer pelas crianças onde descrevia a situação em que muitas delas foram encontradas: “E, pesa-nos dizê-lo, que grande parte dos menores reunidos pela comissão, dentre eles meninas púberes e mocinhas, se achavam em casa de quitandeiras e prostitutas. Foi, pois, para lamentar a distribuição indevida das crianças, sendo muitas remetidas para vários pontos do estado e para a capital, como uma lembrança viva de Canudos ou como um presente, sem que parentes ou o governo lhes conheça o paradeiro”.

Passado mais de um século, as crianças sobreviventes da guerra de Canudos, que foram distribuídas e levadas por soldados são as mesmas meninas prostituídas no Brasil de hoje, vítimas da pobreza e da ignorância.

O filme Os órfãos de Canudos é um recorte documental desse amplo, complexo e apaixonante tema. A sua relevância está em que, ainda hoje, Canudos suscita interrogações sobre a República que construímos e que, 124 anos depois convive com a mesma desigualdade social da época da guerra. Se para entender a Canudos da época do Conselheiro é preciso voltar no tempo, esse exercício nos coloca de imediato em confronto com a contradição de dois Brasis: o Brasil moderno contra o Brasil arcaico, o de ontem e o de hoje.

Ivo Branco é cineasta, roteirista e, às vezes, professor de cinema. Dirigiu, entre outros filmes, o documentário EH PAGU, EH!.

 

Referência


Os órfãos de Canudos
Brasil, documentário, 2017, 56 minutos
Direção e roteiro: Ivo Branco
Disponível na íntegra em
https://www.youtube.com/watch?v=-U-gH9zjBdA

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Dennis Oliveira Alysson Leandro Mascaro Paulo Martins Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes Manuel Domingos Neto Leda Maria Paulani João Carlos Salles Armando Boito Luiz Eduardo Soares Luiz Renato Martins Atilio A. Boron Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Tales Ab'Sáber Luís Fernando Vitagliano Ricardo Abramovay Marcos Aurélio da Silva Elias Jabbour Flávio Aguiar José Costa Júnior Julian Rodrigues Rafael R. Ioris Francisco Pereira de Farias José Geraldo Couto Vinício Carrilho Martinez Valerio Arcary Antônio Sales Rios Neto Ricardo Musse Gabriel Cohn Eliziário Andrade Sandra Bitencourt Daniel Afonso da Silva José Machado Moita Neto Ronaldo Tadeu de Souza Ladislau Dowbor Renato Dagnino Carla Teixeira Flávio R. Kothe Marcelo Guimarães Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco Marcus Ianoni Michael Roberts Bernardo Ricupero Paulo Sérgio Pinheiro Rubens Pinto Lyra Claudio Katz Maria Rita Kehl Luiz Bernardo Pericás Matheus Silveira de Souza Rodrigo de Faria Marilena Chauí Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira Chico Alencar Celso Frederico Eleonora Albano Daniel Brazil Fernando Nogueira da Costa Luciano Nascimento Eugênio Trivinho Lucas Fiaschetti Estevez Tarso Genro Francisco de Oliveira Barros Júnior Boaventura de Sousa Santos Gilberto Maringoni Antonio Martins Gerson Almeida Vladimir Safatle Daniel Costa Heraldo Campos Eduardo Borges Luiz Werneck Vianna Michael Löwy Vanderlei Tenório João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Bucci Juarez Guimarães Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Caio Bugiato Priscila Figueiredo Michel Goulart da Silva Ari Marcelo Solon Manchetômetro Bruno Machado João Lanari Bo José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos Mário Maestri Valerio Arcary João Feres Júnior Tadeu Valadares Leonardo Boff Slavoj Žižek José Luís Fiori Mariarosaria Fabris Carlos Tautz André Singer Annateresa Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Anderson Alves Esteves Andrew Korybko Luis Felipe Miguel Luiz Roberto Alves João Paulo Ayub Fonseca Celso Favaretto Andrés del Río Ronald León Núñez Salem Nasser Marcos Silva André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Benicio Viero Schmidt Sergio Amadeu da Silveira Berenice Bento Otaviano Helene Airton Paschoa José Micaelson Lacerda Morais Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Sacramento Ronald Rocha Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Ricardo Fabbrini Liszt Vieira Thomas Piketty Lincoln Secco Henry Burnett Jean Marc Von Der Weid Ricardo Antunes Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Whitaker Luiz Marques João Adolfo Hansen Bento Prado Jr. Kátia Gerab Baggio Remy José Fontana Henri Acselrad Lorenzo Vitral Osvaldo Coggiola Marilia Pacheco Fiorillo Samuel Kilsztajn Marcelo Módolo Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Avritzer Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Marjorie C. Marona Gilberto Lopes João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada