As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Desde o tempo das cruzadas

Imagem: Paulinho Fluxuz_
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO BEAKLINI*

O movimento nacional árabe, o nacionalismo árabe e a defesa intransigente da Palestina livre são ideias visceralmente ligadas às lideranças de origens cristãs do Oriente Médio

O fantasma do pogrom de cristãos do Oriente Médio é um argumento usado com muita frequência para manobrar lealdades de populações inteiras. Desde os tempos das cruzadas romanas e bizantinas, passando pelas investidas francesa, austríaca e britânica no século XIX, até a forma contemporânea de discurso sionista neopentecostal, a suposta “defesa da cristandade” vem sendo evocada. A formação do Líbano, da Síria e a própria invasão sionista da Palestina implicam nessa manobra. Particularmente, assim como milhões de árabe-brasileiros, cresci ouvindo um mito falsificado. Por parte de pai venho de família libanesa (maronita) e mesmo tendo sido formado politicamente por um avô pan-arabista e pró-Palestina, o discurso da chancelaria francesa entrava no imaginário dos filhos, netos e bisnetos dos mascates da primeira leva que desembarcou do navio imigrante.

Na maturidade (etária ao menos), quando retomo a pesquisa das raízes e da formação do Líbano moderno, redescobri o óbvio. Além do sectarismo, houve uma luta camponesa de proporções épicas no Monte Líbano. Antes, uma revolta árabe na Palestina protagonizada por camponeses (fellahs) sela o destino dos povos até a conspiração Sykes-Picot-Sazanov (https://www.riuni.unisul.br/handle/12345/11878).Vejamos a confluência da conspiração europeia, a incompleta modernização otomana e a luta justa das famílias camponesas árabe-libanesas.

Sectarismo, revolta camponesa e intervenção europeia

Em 1842, os representantes europeus junto ao Império Otomano convenceram ao sultanato de Abdulmejid I sobre a necessidade da divisão da parte central e norte do território que forma o Líbano moderno em dois governos locais. O duplo governo, Qaimaqamate, na denominação das autoridades otomanas, antecede o conceito de Mutasarrifate (equivalente ao governo de um conjunto de distritos). Este seria subordinado a um governo mais amplo, de uma região inteira (como o Levante), denominado de Vilayet (segundo nível mais importante da administração otomana). Esta denominação, iniciada na reforma administrativa de 1861, marca uma das fases do período Tanzimat – o da modernização otomana (http://www.revista.pucminas.br/materia/os-cem-anos-do-fim-do-imperio-otomano/) – onde já havia uma idealização eurocêntrica nas estruturas decisórias.

O governo de uma microrregião (de distritos) costumava atender tanto o perfil demográfico como a permanência das estruturas de poder territorial, em que a população camponesa garantia obediência aos senhores de terra locais, sob a liderança de uma espécie de consórcio de sheikhs proprietários. Dois governos locais foram estabelecidos. Um na parcela norte do antigo Emirado do Monte Líbano, sob um Qaimaqam (governador) maronita e aliado de melquitas. Outro, mais ao sul, de maioria druza. Ambos subordinados formalmente ao governo de Sidon, mas na prática sob a tutela militar de Damasco.

Com a divisão em dois governos sectários de estruturas oligárquicas e concentradoras de renda, o campesinato não apenas era explorado na sua força de trabalho, como também devia “obediência” a quem lhe oprimia. Em 1834, a grande revolta árabe na Palestina, protagonizada por fellahs e alguns chefes de clãs revoltosos gerou o exemplo que a Cananeia e o Levante necessitavam (DOI:10.5743/cairo/9789774162473.003.0005). Em 1858, o impacto dessa grande rebelião se materializa sob a liderança de Tanyus Shahin, um condutor de mulas e líder nato dos pagadores de tributos aos “nobres Khazen” (https://medium.com/@rasha.elhallak/the-1858-tanios-shahin-revolt-and-its-implications-on-lebanons-pluralistic-society-10a6d187b301). A massa camponesa e suas guerrilhas irregulares conseguiram estabelecer uma República no Distrito de Kersewan (capital Jounieh), de maioria maronita. Quando a luta se expande para o território de maioria druza, a lealdade sectária supera o interesse de classe.

Não para aí. No início dos dois Qaimaqam, o governo de maioria maronita tinha relações privilegiadas com a França. Já o governo druzo era bem relacionado com o Império Britânico e também tinha melhores conexões em Damasco e Istambul. Desde 1523 havia um “acordo” que assegurava a França como potência “protetora das populações cristãs do Monte Líbano”. Como afirmado acima, a revolta camponesa quando chegou ao território da “montanha druza” aumentou a tensão sectária e acionou as lealdades externas. No ano de 1860, uma correlação de forças sectárias desfavorável levou ao grande massacre de 1860, tendo como alvo a população cristã. A França foi vista como a única saída dos “católicos do Oriente”. No século XIX, Napoleão III fez a mesma demanda, deixando evidente que o tratado informal de proteção assegurava garantias para a população maronita e suas estruturas de poder. Resultado: em agosto de 1860 mais de 12 mil soldados europeus invadem o Levante, sob o aval do 31º sultão otomano.

Vale observar um “detalhe”. Quem mais incentivou a divisão do Emirado do Monte Líbano em dois governos sectários foi o ministro de relações exteriores do Império Austríaco (casa dos Habsburgos), o chanceler Klemensvon Metternich. O sectarismo prevaleceu, além da injustiça no controle de terra, tributação e alistamento para campanhas de guerra ou defesa dos nobres Khazens. A revolta camponesa é derrotada em 1861, mas deixa o seu exemplo. Já o fantasma da intervenção de cruzados no Levante permanece operando como um estúpido discurso de legitimação do imperialismo. O Emirado do Monte Líbano, dissolvido para dar lugar aos qaimaqan maronita e druzo, embora mantivesse o poder da “nobreza levantina”, tinha relações de suserania com Istambul e na última fase, era regida pela dinastia Shihab, clã não sectário. Como sempre a manobra se repete. Quando as tropas de Bush Jr. entraram em Bagdá, no ano de 2003, uma das primeiras metas era romper o tecido social composto de mais de um milhão de famílias com credo religioso plural.

Estimular o sectarismo e tentar a vinculação dos cristãos de origem árabe como apoiadores dos invasores europeus é parte da linha do inimigo imperialista.

A população de credo cristão no Líbano, Síria e Palestina é fundamental na resistência

Não podemos negar a história do Grande Oriente Médio, Levante e Palestina. Seria incorreto afirmar que jamais houve conflito sectário, assim como é um absurdo o argumento sionista de que a Palestina seria “uma terra despovoada”. O mesmo se dá na pertença dos ritos e comunidades cristãs do Oriente. Data do ano 1000 após o assassinato por Roma do profeta Issa (o brimo Jesus, palestino), logo nem a ortodoxia bizantina e nem o apostolado romano são mais antigos do que a cristandade que depois se torna arabizada.

A imensa maioria da colônia árabe no Brasil tem origens levantinas e cristãs, e o mesmo se dá na América Latina, incluindo a vigorosa comunidade palestina no Chile. Este baluarte palestino ao sul do mundo, carinhosamente chamada de “losbaisanos”, igual apelido do glorioso Club Deportivo Palestino (https://palestino.cl/), é alvo de permanente campanha externa tentando associar as famílias imigrantes da Palestina exclusivamente às fugas da perseguição e dos pogroms sectários. Como já afirmado em artigos anteriores, o movimento nacional árabe, o nacionalismo árabe e a defesa intransigente da Palestina livre são ideias visceralmente ligadas às lideranças de origens cristãs do Oriente Médio. Ser de origem cristã não é sinônimo de apoiador do imperialismo europeu, embora, infelizmente, exista uma relação histórica do falangismo libanês com a potência francesa e, em tempos recentes, com os anglo-saxões.

P.S.: Antes de terminar esse texto descobri a série libanesa Tharwat Al Fallahin (Rebelião Camponesa ou Peasants Rebellion, https://www.lbcgroup.tv/episodes/1154/thawrat-alfalahin/en) da produtora Eagle Films, disponível em algumas plataformas de conteúdo, incluindo o You Tube aberto. A obra de 2018, da autora Claudia Marchalian, é uma dramatização da luta camponesa no Monte Líbano da década de 1850 e deveria ser assistida por toda a descendência árabe latino-americana.

*Bruno Beaklini é militante socialista libertário de origem árabe-brasileira e editor do canal Estratégia & Análise, a análise política para a esquerda mais à esquerda.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Costa José Geraldo Couto Luciano Nascimento Eduardo Borges Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Yuri Martins-Fontes Walnice Nogueira Galvão Anderson Alves Esteves Jorge Luiz Souto Maior Marjorie C. Marona Francisco Pereira de Farias Gabriel Cohn Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai José Machado Moita Neto Luiz Roberto Alves Lorenzo Vitral Valério Arcary Tarso Genro Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Jean Marc Von Der Weid Caio Bugiato Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima Paulo Sérgio Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Érico Andrade José Micaelson Lacerda Morais Luiz Costa Lima Fernão Pessoa Ramos Jorge Branco Marcelo Módolo Armando Boito Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcos Aurélio da Silva João Carlos Loebens Roberto Noritomi Valerio Arcary Leonardo Avritzer Luis Felipe Miguel Vinício Carrilho Martinez Bruno Machado Luiz Renato Martins Eleutério F. S. Prado Luís Fernando Vitagliano Slavoj Žižek Paulo Nogueira Batista Jr Andrew Korybko Gilberto Maringoni Eliziário Andrade José Costa Júnior Ladislau Dowbor Fernando Nogueira da Costa Antonio Martins Ronald León Núñez João Adolfo Hansen João Paulo Ayub Fonseca José Dirceu Chico Alencar Paulo Martins Liszt Vieira Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro Berenice Bento Marcus Ianoni Leda Maria Paulani Kátia Gerab Baggio Eleonora Albano Eugênio Trivinho Ricardo Antunes Ricardo Abramovay Marcos Silva Daniel Brazil Eugênio Bucci Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Marilena Chauí Rubens Pinto Lyra Carla Teixeira Salem Nasser Julian Rodrigues Juarez Guimarães Elias Jabbour Dênis de Moraes João Carlos Salles Henri Acselrad Thomas Piketty Rafael R. Ioris Renato Dagnino Henry Burnett Celso Favaretto Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Fernandes Silveira Mariarosaria Fabris Tadeu Valadares Milton Pinheiro Antonino Infranca Antônio Sales Rios Neto Flávio Aguiar Remy José Fontana Maria Rita Kehl Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Mário Maestri Luiz Eduardo Soares Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Luiz Marques Vanderlei Tenório Benicio Viero Schmidt José Raimundo Trindade Roberto Bueno André Márcio Neves Soares Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Löwy Afrânio Catani Ricardo Musse Ronald Rocha Claudio Katz Ari Marcelo Solon Vladimir Safatle Bento Prado Jr. André Singer José Luís Fiori Rodrigo de Faria Ricardo Fabbrini Alexandre Aragão de Albuquerque Celso Frederico Bernardo Ricupero Gerson Almeida Chico Whitaker Samuel Kilsztajn Manchetômetro Annateresa Fabris Igor Felippe Santos Atilio A. Boron Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Otaviano Helene Dennis Oliveira Luiz Werneck Vianna Lucas Fiaschetti Estevez Lincoln Secco Osvaldo Coggiola Boaventura de Sousa Santos Gilberto Lopes Flávio R. Kothe Michael Roberts

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada