Desemprego na economia em compasso de espera

Norman Adams (1927-2005), O Todo (O Sonho I), Tinta a óleo sobre tela, 864 × 914 mm, 1964. (acervo Tate)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALDO PAVIANI*

Deve-se olhar atentamente para a economia com visão de totalidade

O noticiário da mídia em geral vem informando que o Brasil está quase batendo nos 15 milhões de desempregados. O número chegou a 14,761 milhões ou 14,6% da população economicamente ativa (PEA). Com a crise da pandemia, preocupam os quase 600 mil mortos pela covid-19. O desarranjo da economia produtiva e de serviços vem acumulando problemas sociais não apenas no que se refere à ocupação dos trabalhadores, mas atinge também a tudo o que gira em torno do trabalho humano: habitação, consumo alimentar, circulação, consumo de bens duráveis etc.

No caso do consumo de alimentos, a mídia divulga as estratégias de pessoas pobres para fazer frente à erosão salarial e o aumento dos alimentos básicos – feijão e arroz. Nesse aspecto, o futuro das crianças de hoje fica ameaçado porque a alimentação fraca pode levar à má formação dos ossos e do cérebro comprometendo o desempenho escolar e retardando ou cortando a escolaridade e não favorecendo o harmonioso crescimento físico das crianças. Um problema social e de saúde pública digno de preocupação e de tomada de ações saneadoras.

Por isso, se faz necessário urgentemente, incrementar os ganhos dos trabalhadores e o auxílio para a cesta básica dos que perderam o emprego, brancos ou negros, homens ou mulheres trabalhadoras. Assegurar que as famílias tenham acesso às fontes de proteínas e calorias para que as crianças tenham desenvolvimento físico e mental em condições de chegar ao fim do ensino fundamental e possam ir em frente até, se desejarem completar curso superior. Um país que nega essas possibilidades se destina ao atraso humano – seja ele de ordem coletiva ou individual (mas em montantes que passam a prejudicar o avanço da economia e dos próprios cidadãos, individualmente).

Leva-se em conta a alimentação e o desenvolvimento humano, mas deve-se olhar atentamente para a economia com visão de totalidade, como sugeria o grande geógrafo e humanista Milton Santos. Com visão global evita-se futuras ações parciais ou pontuais que possam deteriorar a saúde e o desempenho dos cidadãos. E, nesse aspecto, é bom lembrar que se o trabalhador não se desenvolveu a contento para produzir, ele terá poucas condições de consumir, o que pode levar ao círculo vicioso que se nota hoje no Brasil: o baixo consumo fez reduzir o PIB nacional.

Os apreciadores do PIB devem estar em alerta para as demais ocorrências factíveis, entre elas o abaixamento da competitividade em âmbito internacional. Isso nos tem levado até à importação de alimentos. Lembre-se que o Brasil foi, em certa época, tido como o “celeiro do mundo”. E essa classificação perdeu o sentido? O fato de importarmos alimentos indicam essa informação como verdadeira. Mas, a devastação da floresta Amazônica para o avanço do agronegócio (criação e gado e lavouras extensivas) como aparecem na mídia diária. Mas, é produção voltada para a exportação. Não para alimentar brasileiros famintos.

Assim, brancos e negros – como produtores/consumidores – devem merecer tratamento idêntico desde a infância para que tenha desenvolvimento físico e mental para se tornaremefetivos na formação da sociedadebrasileira. Esta sociedade será o que cada um dos brasileiros for desde o berço. É por isto que não poderemos esperar que o desemprego atinja, discriminadamente, o negro, como já foi no passado. Na pesquisa do Dieese/Codeplan/Setrab, de junho último mostra que o desemprego, em geral, teve uma taxa de 18,7%, enquanto a dos negros havia tingido 21,4%, (em junho declinando para 19,7% (em julho).

Mas, é sobre os jovens, que procuram o primeiro emprego é que as taxas dão um alerta: em junho, a taxa de desemprego dessa classificação era de 24,3%, elevando-se, em julho para 28,6% de desocupados. Quer-se pensar no futuro dos jovens que não produzem porque não têm ganhos para comprar nem o essencial da vida cotidiana, que acaba impactando na retração da produção de bens e serviços.

Indício de que a economia poderia estar se aquecendo, superando os anos de compasso de espera, é a reduçãodonúmero de desempregados no Distrito Federal: em junho de 2020 eram 327 mil desempregados e, em junho de 2021, 308 mil. São números ainda elevados, mas se paulatinamente for se reduzindo, é de se esperar que esse quadro possa ser mais alentador de 2021 para 2022. A aposta mais otimista é de que a economia volte a se aquecer e, em decorrência, os jovens voltem ao mercado de trabalho ou iniciem a jornada de ganhos salariais e de experiência de trabalho. Voltando a ser ativa, a economia agrega novos formatos de trabalho, embora alguns queiram que se suprimam direitos primordiais. Sem direitos básicos, a superação do marasmo atual da economia não se terá o desenvolvimento esperado para a economia do país. É a previsão possível.

*Aldo Paviani, geógrafo, é Professor Emérito da Universidade de Brasília (UnB).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcelo Módolo Alexandre de Lima Castro Tranjan Eduardo Borges Carla Teixeira Leda Maria Paulani Tadeu Valadares Antonino Infranca Juarez Guimarães Bento Prado Jr. João Carlos Loebens Annateresa Fabris Marcos Aurélio da Silva Luiz Marques Armando Boito João Sette Whitaker Ferreira João Lanari Bo Jorge Branco Claudio Katz Ricardo Antunes Leonardo Boff Chico Alencar Paulo Nogueira Batista Jr Lucas Fiaschetti Estevez João Paulo Ayub Fonseca Chico Whitaker Sandra Bitencourt Ronaldo Tadeu de Souza André Singer Andrés del Río Paulo Martins Mário Maestri Sergio Amadeu da Silveira João Adolfo Hansen Elias Jabbour Marcos Silva Jorge Luiz Souto Maior Eliziário Andrade Fábio Konder Comparato Heraldo Campos Luiz Renato Martins Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Lopes Vladimir Safatle Andrew Korybko José Dirceu Marcus Ianoni Luiz Eduardo Soares Renato Dagnino Antônio Sales Rios Neto Jean Pierre Chauvin Kátia Gerab Baggio Henri Acselrad Daniel Afonso da Silva Vanderlei Tenório Alexandre de Freitas Barbosa Remy José Fontana Ronald Rocha Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Ricardo Musse Yuri Martins-Fontes Leonardo Sacramento Gabriel Cohn Liszt Vieira Denilson Cordeiro Michel Goulart da Silva Henry Burnett Flávio Aguiar Milton Pinheiro Mariarosaria Fabris André Márcio Neves Soares Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira Atilio A. Boron Salem Nasser Caio Bugiato Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Boaventura de Sousa Santos Berenice Bento Lorenzo Vitral Tales Ab'Sáber Marilena Chauí Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer Francisco Pereira de Farias Maria Rita Kehl Matheus Silveira de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Guimarães Lima Marjorie C. Marona Benicio Viero Schmidt Walnice Nogueira Galvão Eugênio Trivinho Francisco Fernandes Ladeira Rubens Pinto Lyra Érico Andrade Rafael R. Ioris Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez Priscila Figueiredo Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Bernardo Pericás José Raimundo Trindade Manchetômetro Luis Felipe Miguel Tarso Genro José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn Bernardo Ricupero Airton Paschoa Carlos Tautz Eugênio Bucci Eleutério F. S. Prado Luiz Werneck Vianna Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Eleonora Albano Igor Felippe Santos Dennis Oliveira Daniel Brazil Ladislau Dowbor Dênis de Moraes Everaldo de Oliveira Andrade Ronald León Núñez Slavoj Žižek Michael Löwy Michael Roberts Paulo Capel Narvai Manuel Domingos Neto Bruno Machado Ricardo Abramovay Gilberto Maringoni João Carlos Salles Celso Frederico Lincoln Secco Gerson Almeida Daniel Costa Osvaldo Coggiola José Machado Moita Neto Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto José Luís Fiori Ricardo Fabbrini Fernando Nogueira da Costa Rodrigo de Faria Alexandre Aragão de Albuquerque Antonio Martins João Feres Júnior Julian Rodrigues Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Thomas Piketty José Geraldo Couto Luís Fernando Vitagliano

NOVAS PUBLICAÇÕES