As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Deus e o sofrimento humano

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Considerações sobre uma questão nunca resolvida

A catástrofe ecológica ocorrida em Petrópolis no mês de fevereiro de 2022 com chuvas diluvianas, imensos deslizamentos de encostas, inundações de regiões inteiras, destruição de centenas de casas, caminhos e ruas e com quase 300 vítimas entre mortos e desaparecidos, coloca questões políticas, ecológicas, de responsabilidade dos poderes públicos e de consequências devidas à nova fase da Terra sob o acelerado aquecimento global.

Houve irresponsabilidade dos poderes públicos por não terem cuidado das populações pobres, empurradas para as escarpas da cidade. Há o fato geofísico da serra com densas matas sustentadas sobre rochas e solos encharcados pelas chuvas que ocasiona deslizamentos. Há a própria população que, por falta para onde ir, se instalou em lugares perigosos. Há o alarme ecológico-climático que desequilibra o regime das chuvas que se manifestou em várias regiões do país e agora na serra de Petrópolis, mas de modo geral em todo o planeta, e outras razões que não cabe aqui arrolar. Todos estes dados mereceriam ser aprofundados e até apontar culpados.

Mas junto a isso, emerge uma questão existencial e teológica incontornável: Muitos se perguntam: Onde estava Deus nestes momentos dramáticos em Petrópolis, causadores de tantas vítimas, muitas delas inocentes? Por que Ele não interveio se, por ser Deus, poderia tê-lo feito? A mesma pergunta continua a reboar: onde estava Deus quando os colonizadores cristãos cometeram bárbaros genocídios de indígenas ao ocuparem suas terras nas Américas? Por que Deus se calou diante da Shoá, o extermínio de seis milhões de judeus enviados às câmaras de gás pelos nazistas ou os mortos nos Gulags soviéticos? Onde Ele estava?

Esta lancinante questão não é de hoje. Possui uma longa história, desde o filósofo grego Epicuro (341-327aC) que por primeiro a formulou, chamada de “o dilema de Epicuro”. É a irrevogável relação de Deus com o mal. Epicuro assim argumentava: “Ou Deus quer eliminar o mal e não pode, portanto, não é onipotente e deixa de ser Deus. Ou Deus pode suprimir o mal e não o quer, por isso não é bom e deixa de ser Deus”.

Num ambiente cristão, ganhou uma formulação semelhante: Ou Deus poderia ter evitado o pecado de Adão e Eva, base de nossa maldade, e não o quis, então não é bom para nós humanos ou Deus não pôde de por isso não quis, não sendo, portanto, onipotente e, por isso, não é também bom para nós. Em ambos os casos, deixa de comparecer como o Deus verdadeiro. Esse dilema permanece aberto até hoje, sem ser respondido adequadamente com os recursos da razão humana.

As eco-feministas, com razão, sustentam que essa visão de um Deus onipotente e senhor absoluto é uma representação da cultura patriarcal que se estrutura ao redor de categorias de poder. A leitura eco-feminista se orienta por outra representação de um Deus-Mãe, ligado à vida, solidário com o sofrimento humano e profundamente misericordioso. Ele está sempre junto do sofredor.

Independente desta discussão de gênero, há que se afirmar que o Deus bíblico não se mostra indiferente ao sofrimento humano. Face à opressão no Egito de todo o povo hebreu, Deus escutou o grito dos oprimidos, deixou sua transcendência, entrou na história humana para libertá-los (Ex 3,7). Os profetas que inauguraram uma religião, baseada na ética, ao invés de nos cultos e nos sacrifícios, testemunham a palavra de Deus: “estou cansado e não suporto vossas festas…procurai o direito, corrigi o opressor, julgai a causa do órfão e defendei a viúva” (Is 1, 14.17). Quero misericórdia e não sacrifícios!

À base desta visão bíblica houve teólogos como Bonhöfer e Moltman que falam de “um Deus impotente e débil no mundo”, de um “Deus crucificado” e que somente este Deus que assume o sofrimento humano nos pode ajudar. O exemplo maior nos teria sido dado por Jesus, Filho de Deus encarnado que se deixou crucificar e que, no limite do desespero, grita: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste” (Mc 15,34)?

Essa visão nos mostra que Deus nunca nos abandona e que participa da paixão humana. O fiel pode superar o sentimento de abandono e de desamparo e sentir-se acompanhado. Pois, o terrível do sofrimento não é apenas o sofrimento, mas a solidão no sofrimento, quando não há ninguém que lhe diga uma palavra de consolo e dê um abraço de solidariedade. Então, o sofrimento não desaparece, mas se torna mais suportável.

Entretanto, a questão fica em aberto: por que Deus tem que sofrer também, mesmo estabelecendo um laço profundamente humano com o sofredor, aliviando sua dor? Por que o sofrimento no mundo e até em Deus?

Não cala nosso questionamento a constatação de que o sofrimento pertence à vida e que o caos é da estrutura do próprio universo (uma galáxia engolindo outra com uma inimaginável destruição de corpos celestes).

O que sensatamente podemos dizer é que o sofrimento pertence à ordem do mistério do ser. Não há uma resposta ao porquê de sua existência. Se houvesse, ele desapareceria. Mas ele continua como uma chaga aberta em qualquer direção para onde dirigirmos o olhar.

*Leonardo Boff é teólogo. Autor, entre outros livros, de Como pregar a cruz hoje num mundo de crucificados (Vozes).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lucas Fiaschetti Estevez Tadeu Valadares Eleonora Albano Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Marjorie C. Marona Gabriel Cohn Luiz Marques Carlos Tautz Anselm Jappe Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Manuel Domingos Neto Airton Paschoa Eugênio Bucci Antonino Infranca Ricardo Abramovay Liszt Vieira José Costa Júnior Berenice Bento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Daniel Costa Flávio Aguiar Julian Rodrigues Denilson Cordeiro Roberto Bueno Lorenzo Vitral Chico Whitaker Salem Nasser Rafael R. Ioris Henry Burnett Leonardo Boff José Geraldo Couto Luiz Werneck Vianna Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Francisco Fernandes Ladeira Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Bruno Machado Luis Felipe Miguel Maria Rita Kehl Luciano Nascimento Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Musse Ronald León Núñez Eduardo Borges Alexandre de Freitas Barbosa Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Érico Andrade João Carlos Salles Francisco Pereira de Farias Ladislau Dowbor Juarez Guimarães Sandra Bitencourt Henri Acselrad Marcus Ianoni Paulo Capel Narvai Antônio Sales Rios Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Antunes Ricardo Fabbrini José Luís Fiori Paulo Nogueira Batista Jr Dennis Oliveira Dênis de Moraes Jorge Branco Marcos Aurélio da Silva Claudio Katz Michael Löwy Leonardo Avritzer Marcelo Módolo Ronald Rocha Paulo Martins João Feres Júnior Celso Favaretto Gilberto Lopes Vinício Carrilho Martinez Rubens Pinto Lyra Valerio Arcary Fábio Konder Comparato Vanderlei Tenório Heraldo Campos Marilena Chauí José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Daniel Afonso da Silva Andrew Korybko Eugênio Trivinho Elias Jabbour Everaldo de Oliveira Andrade Walnice Nogueira Galvão Antonio Martins Otaviano Helene Igor Felippe Santos Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares João Carlos Loebens Sergio Amadeu da Silveira João Sette Whitaker Ferreira Bruno Fabricio Alcebino da Silva André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Luiz Costa Lima Tarso Genro Armando Boito Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid Bento Prado Jr. Luís Fernando Vitagliano Osvaldo Coggiola Carla Teixeira Alysson Leandro Mascaro Mariarosaria Fabris Ronaldo Tadeu de Souza José Machado Moita Neto André Singer João Lanari Bo Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás José Raimundo Trindade Lincoln Secco Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Sacramento Manchetômetro Mário Maestri Marcelo Guimarães Lima João Adolfo Hansen Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Celso Frederico Caio Bugiato Ari Marcelo Solon Gilberto Maringoni Marcos Silva Gerson Almeida Rodrigo de Faria José Dirceu Flávio R. Kothe Daniel Brazil Valério Arcary Kátia Gerab Baggio Fernando Nogueira da Costa Chico Alencar Renato Dagnino Afrânio Catani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada