As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

América Latina – perspectivas para 2022

Imagem: Clive Kim
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO EDUARDO DE OLIVEIRA CUNHA*

Estamos num momento chave para o continente tomar um rumo próprio ou permanecer dependente do centro

As discussões que têm sido travadas por intelectuais latino-americanos instigadas pelo livro Dialética da dependência de Ruy Mauri Marini têm deixado patente nossa condição de região de capitalismo dependente. Com efeito, a América Latina tem vivido hegemonicamente em função do que ocorre nas regiões de capitalismo avançado a partir de uma interação desigual. Por conta dessa desigualdade, a crise quando abala o centro, deságua de forma mais intensa em nosso continente.

A partir de um breve contexto político da América Latina no atual século, com algumas exceções como Venezuela, Cuba, Bolívia, bem como as recentes vitórias da esquerda na Argentina, Peru e Chile, percebe-se que a região tem experimentado movimentos pendulares em que, parte dos países alcançaram governos mais democráticos, alguns mais progressistas; e governos de direita, mais conservadores e/ou de agenda neoliberal no campo econômico.

Uma questão importante nesse cenário inicial é perceber que em ondas progressistas, a oportunidade de importantes reformas populares escorregaram por entre os dedos. Sejam nos governos reformistas ou aqueles considerados até como mais revolucionários, ficou lúcido que os atuais modelos tidos como democráticos, não se apresentaram como aptos ou capazes o suficiente para promoverem mudanças estruturais, mas ao contrário, favoreceram a manutenção das estruturas colonialistas de dependência e dominação, embora possamos reconhecer avanços sociais importantes nos governos de esquerda, principalmente no Brasil.

Daí o problema parece se perpetuar. A América Latina continua ocupando esse papel estratégico para o capitalismo, ou seja, continua na condição de abastecedora de matérias-primas, de mão-de-obra barata e de espaço socioprodutivo propício para a intensificação da superexploração da força de trabalho. Do ponto vista mais político, um local absurdamente fértil às empreitadas das políticas neoliberais.

O caso venezuelano, como exemplo contra hegemônico do que temos visto na América Latina, se apresenta como uma interessante ilustração de avanços populares, como foi o caso da construção de uma constituição mais democrática, bem como com a discussão e a decisão de questões importantes consultando a população, e ainda, com o processo de estatização da renda petrolífera em favor do povo. Da mesma forma podemos citar os bolivianos com o pluri-nacionalismo, os conflitos da água, a estatização do gás natural e do petróleo. Referidas experiências sinalizam à América Latina a necessidade de rumos soberanos e a superação de uma letargia política que a deixa nosso continente à mercê do ocorre no mundo central.

Adentrando-se em aspectos da crise cíclica do capitalismo, importa perceber que ela impacta desigualmente as camadas sociais, sobretudo em nossa região. Isso fica muito patente nos veículos de comunicação, onde é muito comum vê-se os lucros exorbitantes dos grandes empresários e dos banqueiros sendo noticiados, bem como o próprio preço do dólar que faz com que produções destinadas a abastecer demandas internas sejam transferidas para exportação na ânsia por lucros maiores, o que acaba em alguma medida corroborando para os índices inflacionários que recai sobre a população de mais baixa renda. Enfim, a crise impacta de forma desigual ricos e pobres, estes últimos, mais desapiedadamente.

É exatamente nestes ciclos de crises que há o acirramento da luta de classes. A onda conservadora, o fascismo, o militarismo, se apresentam como características mais visíveis desse acirramento. É portanto necessário, dentro dessa luta, recuperar algumas ações importantes como por exemplo, os trabalhos de base, a formação política, a conscientização de um projeto de ruptura em favor dos trabalhadores, camponeses, indígenas e demais classes oprimidas pelo poder econômico em nossa região.

Diante do exposto, torna-se necessária uma reflexão mais urgente ao continente, considerando que ondas de esquerdas são incertas e consequentemente, oportunidades de rupturas se tornam mais escassas, ao passo que também mais complexas, embora não impossíveis. Dessa forma, importa provocar acerca do atual papel da América Latina nesse contexto e nesses ventos que sopram para o continente em 2022. É mister se perceber e se reconhecer o cenário crucial para o continente, diante da ofensiva fascista assanhada que tem promovido estragos sociais de complexa reversão, pelo menos em perspectiva temporal mais curta.

Por fim, adentramos em um ano histórico de lutas e de derrubada de projetos fascistas no continente. Trata-se de um momento chave para, ou mantermos nossa condição de subdesenvolvidos, dependentes, consequentemente, de um espaço socioeconômico propício às políticas neoliberais antipovo, de precarização das condições de trabalho, de superexploração da força de trabalho – que são políticas necessárias para a manutenção dos lucros do capital em ciclos de crise; ou se nos mobilizamos no sentido de um projeto de ruptura, com conscientização popular, das massas e, em conseguindo uma retomada de governos progressistas no continente, não sossegar com as mobilizações para que de fato as reformas estruturais necessárias sejam realizadas, a fim de tomarmos um rumo próprio para a América Latina.

A transição é possível ao continente. Uma revolução é urgente e necessária.

*Francisco Eduardo de Oliveira Cunha é professor do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon Chico Alencar Leonardo Sacramento Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino Ricardo Musse Atilio A. Boron José Geraldo Couto Marcelo Guimarães Lima Luiz Marques Celso Favaretto Bento Prado Jr. João Carlos Loebens Afrânio Catani Luis Felipe Miguel Manchetômetro Lincoln Secco Ladislau Dowbor Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris Leonardo Avritzer Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Branco Osvaldo Coggiola Eliziário Andrade Valerio Arcary Kátia Gerab Baggio Sergio Amadeu da Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Micaelson Lacerda Morais Remy José Fontana Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Marjorie C. Marona Airton Paschoa Luiz Roberto Alves Eugênio Bucci Carla Teixeira Eugênio Trivinho João Paulo Ayub Fonseca Luiz Eduardo Soares Berenice Bento Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Werneck Vianna Heraldo Campos Tales Ab'Sáber André Márcio Neves Soares Henri Acselrad Alexandre Aragão de Albuquerque Walnice Nogueira Galvão João Sette Whitaker Ferreira Chico Whitaker Luís Fernando Vitagliano Michael Löwy Luiz Bernardo Pericás Liszt Vieira Jorge Luiz Souto Maior João Feres Júnior Armando Boito Otaviano Helene José Costa Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Lopes Gabriel Cohn Vinício Carrilho Martinez Salem Nasser Ricardo Antunes Julian Rodrigues José Dirceu José Raimundo Trindade Annateresa Fabris Rubens Pinto Lyra Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Maringoni Luiz Renato Martins Bruno Machado Luciano Nascimento Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Fernandes Ladeira Everaldo de Oliveira Andrade Igor Felippe Santos Anselm Jappe Ricardo Fabbrini Marcelo Módolo Lorenzo Vitral João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Henry Burnett Eleonora Albano Paulo Martins Slavoj Žižek Leda Maria Paulani Sandra Bitencourt João Adolfo Hansen Roberto Bueno Jean Marc Von Der Weid Caio Bugiato Marcus Ianoni Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos André Singer Denilson Cordeiro Leonardo Boff Elias Jabbour Tadeu Valadares Érico Andrade Alysson Leandro Mascaro Marcos Silva Flávio Aguiar Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza Juarez Guimarães Milton Pinheiro Eleutério F. S. Prado Eduardo Borges Daniel Brazil Fábio Konder Comparato Claudio Katz Dennis Oliveira Paulo Fernandes Silveira Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos Paulo Sérgio Pinheiro Rafael R. Ioris Ricardo Abramovay Ronald Rocha Bernardo Ricupero Valério Arcary Tarso Genro Rodrigo de Faria Celso Frederico Marilena Chauí Paulo Capel Narvai Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Flávio R. Kothe Samuel Kilsztajn Fernando Nogueira da Costa Anderson Alves Esteves Maria Rita Kehl Priscila Figueiredo Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori Marcos Aurélio da Silva Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida Antonio Martins José Machado Moita Neto Mário Maestri Michael Roberts Daniel Costa João Carlos Salles Roberto Noritomi Andrew Korybko Manuel Domingos Neto Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Costa Lima Benicio Viero Schmidt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada