Brasil 2023 – reflexões sobre a reconstrução

Jeppe Hein, Espaço em círculos, 2022
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉS DEL RÍO & ANDRÉ RODRIGUES*

O país deu seu recado nas urnas. Disse não. Mas ainda é preciso dizer: Nunca mais

Passaram as eleições. Mas não passou o bolsonarismo. Uma sociedade atravessada pelo trauma de mais de seis anos de ataques autoritários à democracia, deu seu recado nas urnas. Disse não! Mas ainda é preciso dizer: Nunca mais! A violência política e simbólica nas eleições atentando contra a democracia se enraizou e devemos reconstruir os horizontes da Constituição de 1988, a partir das ruínas. Uma das saídas, parece óbvia, mas não foi nestes anos: é enfrentar a ilegalidade com a lei. A restituição da lei e sua consequente confiança social é essencial para que o Brasil volte aos trilhos do desenvolvimento, do Estado de direito e da justiça social.

O filme, Argentina, 1985, recentemente lançado, coloca na mesa uma dívida brasileira. Toca nossa ferida: O desfilar dos agentes do estado responsáveis pelas violações massivas aos direitos humanos pelos tribunais. O filme trata do “Juicio a las Juntas”, a causa mais importante desde Nuremberg, mas feita por um tribunal civil. Depois de sete anos de uma ditadura feroz, clandestina e covarde, Argentina voltava ao regime democrático.

Claro, não se volta à democracia ou se deixa um regime autoritário sem continuidades, legados, pressões e interesses contrários vivos nas instituições. Nesse cenário, numa Argentina devastada economicamente, pela implementação de um neoliberalismo destrutivo da própria matriz econômica; com uma sociedade ferida profundamente e com o desejo de reconstrução institucional e democrática, nasceu a oportunidade da causa contra os altos comandos militares das três forças, responsáveis pela utilização do aparelho estatal, de forma ilegal e arbitraria, resultando no genocídio argentino.

No Brasil de Jair Bolsonaro vivemos o reposicionamento dos sentidos dos militares. O revivalismo de uma história não encerrada. Anistiada e cultuada no meio castrense, que segue refratário e sabotador da construção de uma sociedade democrática. E com essa restituição dos sentidos autoritários impunes na caserna, torna-se, mais do que nunca, urgente e necessária a disputa da memória sobre o papel desses setores nas violações aos direitos humanos durante a última ditadura.

Durante o governo da extrema direita, ideologicamente fascista, a militarização e o militarismo tiveram sua vez, demostrando pouco apelo aos sentidos democráticos, mas respaldando a defesa dos interesses corporativos. Uma festança de Viagra, picanha e leite condensado. A gestão pífia nas mãos dos militares nesses anos, reforça a necessidade de redirecionar e canalizar esse setor para o regime democrático, para o espírito democrático.

Talvez a figura do militar Eduardo Pazuello seja o símbolo de incompetência, da falta de humanidade e da falta de transparência, numa gramática de racionalidade militar numa instituição democrática. Em entrevista recente, sua ex-mulher afirma ter telefonado para o general da ativa, então, ministro da saúde, para cobrá-lo sobre medidas urgentes para a falta de oxigênio em Manaus, em um dos momentos mais dramáticos da pandemia no Brasil, recebendo como resposta: “Estou preocupado em comprar os sacos pretos”. Tudo errado. Potentemente desumano.

À diferença do filme e da história argentina, no Brasil foi a Comissão Nacional da Verdade, com suas luzes e sombras, trouxe o esforço da procura da verdade, justiça e memoria ao país. Mas a reação a ela foi letal. O meio militar ileso dos crimes cometidos, passou a conspirar ativamente para o processo golpista que culminou na eleição de Jair Bolsonaro. Ainda temos muito a avançar para encerrar este processo.

Sem existir a responsabilização e restituição da igualdade perante a lei, o Brasil prosseguiu negando sua necessidade estrutural, numa disputa da memória cada vez mais intensa, agora, a partir das próprias instituições democráticas, lideradas pelo executivo nacional. Um paradoxo institucional e um discurso militar: salvemos a democracia golpeando-a. Resulta dos processos de negação da verdade uma desorientação completa dos sentidos sociais e políticos. Os sinais estão trocados.

As forças democráticas, que em sua maioria se organizam no campo da esquerda, são permanentemente postas sob suspeição pela imprensa e pela opinião pública. Enquanto a direita democrática pouco presta contas de seus flertes com forças corrisivas à democracia, apaga-se da história o fato de que foi a esquerda e os movimentos sociais que lutaram e resistiram contra a ditadura e restabeleceram a democracia a partir de 1988. E é à esquerda, através de seu maior partido, que se encarrega agora de reorganizar o campo democrático, abrigando setores da direita que permaneceram, durante mais tempo que o aceitável, omissos ou impassíveis diante da degradação democrática promovida pelos militares no governo de Jair Bolsonaro.

No filme e na história argentina, mesmo numa situação de fragilidade institucional, com perspectivas incertas, se aproveitou uma oportunidade, da forma que se conseguiu restituir a ordem e os valores democráticos, apesar das dificuldades. Neste sentido, num cenário brasileiro com parte da sociedade esgarçando as fronteiras dos sentidos da democracia, a oportunidade existe. Deve ser implementado um processo de enquadramento dos delinquentes e usurpadores da vez, de forma rápida, no calor da mini lua de mel que uma eleição outorga. Parte desse movimento é a restruturação da arquitetura jurídica nacional, reorientando o norte institucional com vistas à defesa dos direitos humanos e restituição da humanidade coletiva.

E dentro deste processo, difícil, lutar pela investigação dos abusos e excessos, que superaram os limites da legalidade, que trazem consequências enormes para o presente e futuro.

Neste desafio, nada estaria mais longe de se estabelecer uma nova Lava Jato, mas uma reconstrução do Judiciário, materializando as finalidades estabelecidas pela Carta Magna. Um dos objetivos dessa reconstrução é garantir a ordem social e econômica do país, e preencher de valores e sentidos aos poderes do Estado, atualmente desnutridos. O Judiciário é, talvez, um dos espaços fundamentais que devem ser reconfigurados, depois da última década, na qual passou de ser um ativo personagem do desequilíbrio a se tornar um mini freio em alguns ataques contra a democracia.

Como no filme Argentina, 1985, a restituição da igualdade diante da lei e defender os valores de justiça na sociedade, são desafios para erguer a democracia brasileira. E nesse movimento, o desfile nos tribunais, de todos aqueles que violentaram as instituições e excederam os limites da legalidade, desviando todas as finalidades institucionais. Com respeito ao devido processo legal e demais garantias judicias, os responsáveis devem pagar, e evitar que a impunidade seja o grande ganhador dos anos das sombras.

O julgamento dos crimes contra a humanidade cometidos pela gestão da pandemia por Jair Bolsonaro e seus ministros civis e militares pode ser um bom começo. Os crimes são contundentes e sua responsabilização teria caráter exemplar. Esse julgamento pode abrir as portas para que se leve aos bancos dos tribunais a profusão de crimes contra a ordem democrática promovida por um governo que pretendeu abrigar os fascismos no Palácio do Planalto.

Não existe a possibilidade de pensar erguer a democracia das ruínas, sem o preencher de valores de verdade, memória e justiça. A presidência de Jair Bolsonaro nos mostrou o quanto custa não investigar e punir aqueles que cometem violações massivas de direitos humanos, aceitando ter no Planalto o retrocesso e descaracterização do Brasil. A memória é hoje, disputada, e defendida por todos. O governo Jair Bolsonaro (o pior de nós), pode retornar com diferente vestimenta sem a existência de um enfretamento a impunidade.

Não é tempo de ter medo, é tempo de coragem. Sem respeito à lei e à dignidade humana, daremos voltas num labirinto onde somente ganham os mesmos de sempre.

*Andrés Del Río é professor de ciência política na Universidade Federal Fluminense (UFF).

*André Rodrigues é professor de ciência política na Universidade Federal Fluminense (UFF).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre Aragão de Albuquerque Tadeu Valadares Chico Alencar Carlos Tautz Gilberto Maringoni Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Luiz Carlos Bresser-Pereira Walnice Nogueira Galvão Matheus Silveira de Souza Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Fernandes Ladeira José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto José Machado Moita Neto Leonardo Avritzer Luiz Bernardo Pericás Luciano Nascimento Yuri Martins-Fontes Paulo Martins Marcelo Guimarães Lima Eugênio Bucci Thomas Piketty Luiz Renato Martins Michel Goulart da Silva Francisco Pereira de Farias Everaldo de Oliveira Andrade José Luís Fiori Valerio Arcary Bento Prado Jr. João Lanari Bo Eleonora Albano Leonardo Boff Gilberto Lopes Dennis Oliveira Paulo Sérgio Pinheiro Gerson Almeida Tarso Genro Eleutério F. S. Prado Berenice Bento Boaventura de Sousa Santos Vladimir Safatle Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Ricardo Abramovay Luís Fernando Vitagliano Vinício Carrilho Martinez Julian Rodrigues João Carlos Salles Claudio Katz Mário Maestri Ricardo Antunes Leda Maria Paulani Otaviano Helene Rodrigo de Faria Alexandre de Freitas Barbosa Sergio Amadeu da Silveira Juarez Guimarães Armando Boito Ricardo Musse Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Flávio Aguiar Denilson Cordeiro João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva Manchetômetro Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Flávio R. Kothe Afrânio Catani João Adolfo Hansen Daniel Costa Marilena Chauí Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto Heraldo Campos Salem Nasser Annateresa Fabris José Costa Júnior Rubens Pinto Lyra Luis Felipe Miguel Valerio Arcary Elias Jabbour João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Lucas Fiaschetti Estevez Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Antonino Infranca Chico Whitaker Anselm Jappe Ladislau Dowbor Atilio A. Boron Caio Bugiato Manuel Domingos Neto Marjorie C. Marona Ronald León Núñez Anderson Alves Esteves Ronald Rocha Ronaldo Tadeu de Souza José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Leonardo Sacramento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vanderlei Tenório Airton Paschoa Carla Teixeira Luiz Roberto Alves Andrew Korybko Michael Löwy Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Samuel Kilsztajn Eliziário Andrade Dênis de Moraes Ari Marcelo Solon Lorenzo Vitral Luiz Werneck Vianna Milton Pinheiro Luiz Eduardo Soares Jorge Branco Mariarosaria Fabris Paulo Fernandes Silveira André Márcio Neves Soares Henri Acselrad Bernardo Ricupero Luiz Marques Renato Dagnino Rafael R. Ioris Jean Marc Von Der Weid Liszt Vieira Alexandre de Lima Castro Tranjan Kátia Gerab Baggio Daniel Brazil Slavoj Žižek João Feres Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior Eduardo Borges Bruno Machado Michael Roberts Andrés del Río Maria Rita Kehl Antonio Martins Paulo Capel Narvai André Singer Marcus Ianoni Paulo Nogueira Batista Jr Remy José Fontana Priscila Figueiredo Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Daniel Afonso da Silva Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Fábio Konder Comparato Jorge Luiz Souto Maior Érico Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada