Ditadores mentem

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

A manipulação de dados estatísticos sobre a pandemia pelo general Eduardo Pazuello, ainda no serviço ativo do Exército, alimenta os argumentos dos que avaliam que já estamos sob um regime ditatorial.

Os brasileiros assistem incrédulos à manipulação de dados estatísticos sobre a pandemia. Trata-se de crime inominável: impede o planejamento eficaz das medidas de defesa da sociedade, afetando diretamente a saúde planetária. Conturba a programação de retorno das atividades econômicas. Resulta em mais sofrimentos para o povo e amplia a desmoralização mundial do governo brasileiro.

O executor desta operação criminosa é um general do Exército. Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde, é do serviço de Intendência, responsável pela logística da Corporação. Todos os oficiais entendem de estatísticas, sobretudo os intendentes. Generais também conhecem a gravidade das pandemias e a complexidade das iniciativas necessárias para o seu enfrentamento.

Pazuello alimenta a desinformação sabendo que impõe agruras aos que garantiram seus estudos, pagam seu salário e assegurarão sua aposentadoria. O General engana quem lhe trata bem, que coisa feia!

Mas não inaugura procedimento governamental escuso. O jornal O Estado de São Paulo republicou uma matéria de Clovis Rossi, “A Epidemia do Silêncio”, escrita em 1974, em plena epidemia de meningite. A Ditadura estabelecia descaradamente a censura sobre as condições sanitárias e alimentava potente rede de mentiras através de propagandas fantasiosas. Rossi resume inacreditável lista de temas censurados: perigo de arrombamento de barragens, número de mortos em decorrência de incêndio num edifício, o saldo de vítimas na construção da ponte Rio-Niterói e na Transamazônica, os custos das obras públicas…

Nesta época, inquéritos sobre desvios de recursos praticados por militares, nem pensar! O Serviço de Imprensa da Ditadura tinha apenas uma missão: enganar o povo. Enquanto escondia notícias que poderiam desfavorecer o regime, super-dimensionava as  realizações governamentais.

Neste momento em que tanto se discute a possibilidade de uma ruptura no já esbagaçado arcabouço institucional, a postura do general Pazuello, ainda no serviço ativo do Exército, alimenta os argumentos dos que acham que já estamos sob um regime ditatorial.

Militares são preparados para cumprir missão. No cumprimento de missões, escrúpulos que atrapalham são postos de banda. Feio é não cumprir a missão e perder a “batalha”. Quanto mais os militares demorarem ocupando o lugar dos políticos, funcionários, técnicos especializados e cientistas, mais o povo sofrerá. Iludem-se os brasileiros que aguardam do quartel padrões de racionalidade política para os quais não foram preparados.

Bolsonaro não quer ser presidente, quer ser ditador. Ditadores mentem antes, durante e depois de arrebatar o mando.

Um mínimo de bom senso bastaria para os comandantes compreenderem que, em plena pandemia, o último lugar para militar “cumprir missão” é o Ministério da Saúde. Pazuello conquistou seu lugar no folclore político brasileiro ao incluir o Norte e o Nordeste no espaço afetado pelos países frios do hemisfério norte. Multiplicam-se os memes de cearenses limpando a neve nas calçadas de Fortaleza. A conta da desgraceira resultante da condução amalucada da luta contra a pandemia não recairá apenas sobre Bolsonaro, mas sobre corporações que, levadas ao descrédito, deixarão o Brasil ainda mais indefeso.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC. Foi presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e vice-presidente do CNPq.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES