Abaixo-assinado: Anistia nunca mais

Imagem: Manifesto Coletivo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANIFESTO COLETIVO*

Movimento em favor da instalação de um tribunal popular e da desmilitarização do Estado brasileiro

O Brasil criou seus impasses por meio do esquecimento. Como se não falar, não julgar, não elaborar, pudesse nos garantir alguma forma de paz. Foi assim em vários momentos de sua história, criando uma verdadeira compulsão de repetição. As violências coloniais nunca foram objeto de elaboração devida. Da mesma forma, as violências da ditadura militar foram caladas através de uma anistia que, longe de ter sido resultado de algum “acordo nacional”, foi fruto de uma imposição dos próprios militares e da conveniência de seus aliados civis. Este é um país de silêncio.

Só que agora está claro para quem quiser ver que esse silêncio nos custa caro. Ele custa nosso futuro. Pois um país que ignora a força histórica, da justiça e da reparação condena-se a estar sempre acorrentado ao seu próprio passado. Ele não pode nunca ver o passado passar, porque aqui não há luto, não há dolo, não há responsabilização.

A partir do começo de 2023, o país ganhará tempo para se fortalecer diante dos embates que virão. A extrema direita brasileira, apoiada na ressurreição do fascismo nacional, demonstrou força enorme e, contrariamente ao pensamento mágico de alguns, não desaparecerá. Combatê-la passa por nomear seus crimes e exigir verdade e justiça. O país não aguenta mais um pacto extorquido e nem merece mais uma farsa dessa natureza.

Os mesmos que não foram responsabilizados pelos crimes perpetrados pela ditadura militar voltaram para “gerir” o país em um de seus momentos mais dramáticos, a saber, diante da pandemia mundial que levou ao menos 700 mil pessoas entre nós. Esse número aterrador não foi uma fatalidade, mas sim fruto da negligência criminosa e da indiferença atroz. O que ocorreu entre nós foi um crime de Estado e deve ser tratado como tal. Por isso, chamamos todes à luta pela instalação de um Tribunal Popular que tem como função forçar o debate público e a ação do novo governo.

Essa ação deve ser acompanhada de outra, tão urgente quanto necessária. Por isso, este chamado é também para juntarmos forças e exigirmos a desmilitarização imediata do Estado brasileiro. Isso significa tanto o afastamento dos militares das instâncias de decisão e administração do Estado quanto o afastamento de toda a cúpula do comando militar envolvida com o governo anterior. Que todos eles passem para a reserva. Nos últimos quatro anos, os militares chantagearam continuamente a sociedade brasileira, com ameaças de golpe e intervenções diretas nos processos políticos nacionais. Isso não pode passar impune. Em uma democracia, os militares não existem politicamente. Eles não falam, não agem e não intervêm sob circunstância alguma. Uma das maiores aberrações da Constituição de 1988 foi definir as forças armadas como “guardiãs da ordem”. Em uma democracia real, quem defende a sociedade é a própria sociedade e não necessita de qualquer força exterior a si mesma para tanto. Está na hora de nos defendermos de nossos “defensores”.

Convidamos a todes para essa dupla luta. Mostremos de forma clara o que não aceitamos mais e consolidemos uma força ofensiva que obrigue os que nos governam a terminar, de uma vez, com a espiral de silêncio que marcou até hoje nosso país.

 [CLIQUE AQUI PARA ASSINAR O MANIFESTO]
E veja também quem já o assinou

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan João Adolfo Hansen José Dirceu Ronald León Núñez Gilberto Lopes Elias Jabbour Leonardo Avritzer Marilia Pacheco Fiorillo Ronald Rocha Ricardo Musse Carlos Tautz Alysson Leandro Mascaro Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Eduardo Borges Bruno Machado Marcos Silva Alexandre de Freitas Barbosa Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento João Carlos Salles Mariarosaria Fabris José Geraldo Couto Priscila Figueiredo Heraldo Campos Leonardo Boff Celso Favaretto João Carlos Loebens Carla Teixeira Daniel Brazil Manchetômetro Thomas Piketty Remy José Fontana Alexandre Aragão de Albuquerque Liszt Vieira Renato Dagnino Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto Dennis Oliveira Francisco Pereira de Farias Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Matheus Silveira de Souza Armando Boito Rafael R. Ioris Osvaldo Coggiola João Lanari Bo Andrew Korybko Samuel Kilsztajn Tarso Genro Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos José Raimundo Trindade Slavoj Žižek Marcelo Módolo Bernardo Ricupero Afrânio Catani Michel Goulart da Silva Daniel Afonso da Silva Lincoln Secco Sandra Bitencourt Lorenzo Vitral Igor Felippe Santos Manuel Domingos Neto Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Antonino Infranca Gerson Almeida Ladislau Dowbor Luis Felipe Miguel João Paulo Ayub Fonseca Tadeu Valadares Annateresa Fabris Otaviano Helene Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Maria Rita Kehl Jean Pierre Chauvin José Costa Júnior Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira Luiz Werneck Vianna Francisco de Oliveira Barros Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Michael Roberts Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Luciano Nascimento Sergio Amadeu da Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Kátia Gerab Baggio Julian Rodrigues José Luís Fiori Celso Frederico Paulo Martins José Micaelson Lacerda Morais Marcos Aurélio da Silva Berenice Bento Eugênio Bucci Ricardo Abramovay Flávio Aguiar Gilberto Maringoni Vladimir Safatle Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira Érico Andrade José Machado Moita Neto Marcelo Guimarães Lima Rodrigo de Faria Fábio Konder Comparato Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Marcus Ianoni Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Denilson Cordeiro Walnice Nogueira Galvão João Feres Júnior Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Juarez Guimarães Henri Acselrad Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior Milton Pinheiro Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano Bento Prado Jr. Eleonora Albano Yuri Martins-Fontes Chico Alencar Leda Maria Paulani Ari Marcelo Solon Jorge Branco Paulo Capel Narvai Luiz Bernardo Pericás André Singer Paulo Nogueira Batista Jr Marilena Chauí Henry Burnett Atilio A. Boron Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Eduardo Soares Jean Marc Von Der Weid Andrés del Río Flávio R. Kothe Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Ricardo Antunes Vinício Carrilho Martinez Airton Paschoa André Márcio Neves Soares Salem Nasser Michael Löwy Luiz Marques Eugênio Trivinho Luiz Roberto Alves

NOVAS PUBLICAÇÕES