É neonazismo, estúpido!

Imagem: Neosiam
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO SACRAMENTO*

Grupos neonazistas trabalham com jovens em darkweb, deepweb, mundo gamers e em redes sociais

O assassino que esfaqueou a professora em São Paulo brigou na semana anterior e apanhou dos alunos porque havia chamado um deles de macaco. Algo para ser mais bem elucidado, se a mídia e a polícia permitirem, pois sempre tratam esses ataques como se fossem suicídio. Reina a lógica do silêncio para enfatizar aspectos psicologizantes, deslocando o debate para um mero casuísmo da psiquê.

Em seu celular, foram encontrados exemplos de invasão e chacina em escolas. A estética de suas vestimentas segue padrão dos ataques anteriores, com referências explícitas.[i] O twitter trouxe, minutos depois, informações valiosas, como a existência de um subgrupo neonazista no qual fazia parte, cujo nome escolhido foi o mesmo do terrorista de Suzano (SP). Ali, foi encorajado e sugestionado a se vingar da sociedade que o teria retirado de seu devido e histórico lugar. Com essa narrativa, grupos neonazistas trabalham com jovens em darkweb, deepweb, mundo gamers e, agora e inclusive, em redes sociais, indicando a existência de uma considerável aceitação social.

As instituições e principalmente a esquerda não entenderam o que está acontecendo entre os jovens. Desenhemos o processo em 10 fatos geralmente silenciados, os quais, por óbvio, não excluem mais minudências: (i) Esses ataques têm sugestionamento e direção de grupos neonazistas na web, inclusive em redes sociais abertas. Isso indica que o trabalho realizado por anos a fios em sítios e jogos que ocultavam paradeiros e emissários deu certo; (ii) Os grupos prioritários são jovens brancos empobrecidos que pertenceriam a uma espécie de classe média baixa – há exceções, como o terrorista de Realengo, que matou dez mulheres em um total de doze jovens, quase todos negros.[ii] Esses jovens se transformam em guardiões do Tradicionalismo por terem, segundo narrativa conservadora, perdido espaços em frentes outrora monopolizados em um mundo mais reto e tranquilo. Agora, disputariam de vaga em ensino superior a vaga de trabalho, inclusive a própria representação estética, com negros, indígenas, mulheres e LGBTQIA+;

(iii) O ataque ocorrido em Barreiras, na Bahia, por um branco de Brasília, filho de policial (o maior salário de polícias do Brasil), é o caso mais exemplar. Chamava os habitantes de inferiores.[iii] Matou uma cadeirante, também negra. Ele tinha contato com o assassino de Aracruz (ES), que matou quatro mulheres (apenas mulheres);[iv] (iv) O celular do assassino de Saudades (Santa Catarina), aquele que matou bebês e professoras (mulheres), ligou-o a grupos neonazistas do Rio de Janeiro.[v] Talvez tenha sido o caso tratado de forma mais absurda, pois a hipótese inicial foi a de bullying. O que os bebês fizeram ao terrorista é um mistério.[vi]

(v) Os dados desse grupo do Rio de Janeiro ligaram-no ao assassino de Suzano (São Paulo). Logo, é uma rede sem medo de aparecer. Quem faz questão de escondê-la é a polícia, a mídia, os governos, a burguesia e a classe média, inclusive a autoproclamada progressista. Em Monte Mor, a bomba falhou e o terrorista foi preso com machadinha. Em Suzano um tinha arma de fogo, outro uma machadinha. Outros ataques são a faca. Priorizam arma de fogo, mas quando não conseguem, existe um roteiro com inspiração em certos jogos com facas e machadinhas.

(vi) Os grupos neonazistas procuram jovens que já ganham ou ganharão menos que os pais, sem perspectiva de qualquer sorte diferente. Culpam as mulheres por entrarem no mercado de trabalho e não se resumirem ao exercício do papel de mães e esposas, imigrantes (nordestinos no Sul e Sudeste, latinos nos EUA e africanos e árabes na Europa) e negros (entrada no mercado de trabalho e cotas). Esses jovens são, sem exceção, supremacistas, mesmo que não militem formalmente em uma célula neonazista.

(vii) No caso das mulheres, defendem, ao lado das Igrejas Neopentecostais, a mulher tradicional e submissa. Entendem que a nova mulher é fruto de uma espécie de confusão sexual da modernidade, cujas sexualidades são atacadas como quebra do Tradicionalismo no qual o homem branco é a ponta da pirâmide. Portanto, defendem um retorno ao que era seguro aos homens brancos. Redpills e incels são expressões e objetos de interesse de grupos neonazistas na deepweb, darkweb, gamers e plataformas e redes sociais, como Youtube, Telegram e Twitter. Basta acompanhar subgrupos e comentários em canais vinculados à direita e ao universo jovem.

(viii) Bullying não provoca os ataques. Quem acha isso, é porque se identifica com os autores, identificando-se socialmente e racialmente – uma espécie de supremacismo velado. Não ocorre o mesmo com os jovens pretos em comunidades ou com as mães que roubam comida; (ix) essa geração é mais afeita ao neonazismo porque ela é o produto mais bem acabado do neoliberalismo. Fragmentada, é a geração sem trabalho porque o trabalho foi destruído pelo neoliberalismo. A garantia social que possuía para reproduzir o status quo familiar foi junto. Como resposta, essa geração volta-se contra as famigeradas minorias, que estariam ocupando o lugar que tradicionalmente lhe seria cativa. Ou seja, o neoliberalismo destrói a realização da expectativa de reprodução de classe e raça, mas fomenta o sectarismo neonazista para preservar a fragmentação na classe por meio da reafirmação da superioridade racial. Por isso não é possível separar fascismo de neoliberalismo. São siameses.

(x) Por que apenas escolas públicas? Porque os intrusos estão lá. Porque os escolhidos, os brancos empobrecidos de classe média baixa também estão lá, sendo contaminados, como lembrou o assassino de Barreiras (BA). O assassino de Suzano atacou apenas negros. Estamos sob ataque! Trabalhadoras e trabalhadores negros precisam aprender a se defender e reagir preventivamente a grupos neonazistas, de forma organizada e violenta.

Parece que tanto a institucionalidade quanto a esquerda não entenderam o fenômeno, mais ou menos quando da ascensão do neofascismo nas Igrejas Evangélicas a partir de 2013 – não percamos tempo com a direita. Em essência, não é problema de estrutura escolar (embora não tenha investimento e precise ser feito), bullying e falta de cultura de paz. É fascismo e neonazismo.

Não há relação de causa e efeito entre estrutura escolar, bullying e ausência de cultura da paz. Não foi mero racismo, em que o pobre jovem branco seria vítima do famigerado “racismo estrutural”, conceito que foi transformado em pó de pirlimpimpim na mídia e grupos voltados a oferta de uma “educação antirracista”. Foi neonazismo, com forte, evidente e explícita atuação de grupos neonazistas. Todos os ataques em escolas nos últimos anos têm assinatura de grupos neonazistas. Se Umberto Eco atentava que “o fascismo eterno ainda está ao nosso redor, às vezes em trajes civis”, os ataques em escolas públicas mostram que os trajes civis foram abandonados. Os trajes são militares. É preciso “golpear de morte a besta fascista em seu próprio covil”.

O ataque a escolas por neonazistas,[vii] independentemente da idade, deve ser tipificado como terrorismo. As investigações devem ser federalizadas com a formação de um grupo de combate ao neonazismo, incluindo Polícia Federal e Ministério Público Federal. Deixar para as polícias estaduais, sem compreender a concatenação de todos os ataques, é contribuir para a profusão do neonazismo e naturalizar os ataques coordenados e planejados em escolas.

Quanto aos jovens objetos dos ataques, é prudente se formarem para agir preventivamente, de forma violenta e organizada. Vai ter que ter ação preventiva e reação justa de movimentos populares, sobretudo negros e mulheres (a grandíssima maioria das vítimas é a mulher negra e pobre). Não vai dar para terceirizar tudo para o governo. Ele tem a sua cota, mas sem movimento popular conscientemente violento, como indica Fanon em Os Condenados da Terra, chegará o dia em que naturalizaremos os grupos neonazistas como fizemos com o bolsonarismo. Fora disto, é só confete.

Assim, é inadmissível a defesa de cursinhos antirracistas para neonazistas (sic!) porque seriam vítimas do discurso de ódio. A questão é: materialmente, por que o discurso neonazista tem aderência a esses jovens brancos pertencentes a uma espécie de classe média empobrecida? A resposta é desconfortante para quem acredita que os problemas brasileiros poderão ser resolvidos com diálogo. Perguntar abstratamente o que aconteceu a esses jovens neonazistas e relacioná-los a meras vítimas do “discurso do ódio” é inverter quem é a vítima. O padrão é ataque a escolas públicas para matar negros, cadeirantes, mulheres e pobres. Matar professoras é outra constante de todos os ataques. Eis o busílis.

*Leonardo Sacramento é pedagogo no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Autor do livro A Universidade mercantil: um estudo sobre a Universidade pública e o capital privado (Appris).

Notas


[i] Em seguida ao assassinato, o terrorista publicou carta aos familiares, com evidente objetivo vitimizante. Disponível em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2023/03/29/autor-de-ataque-a-escola-ameacou-adolescente-por-mensagem.htm. Desconhece-se casos de assassinatos em que o assassino se autopsicologiza logo em seguida, salvo para intenções penais, o que demonstra um planejamento que englobou, inclusive, uma justificativa para a sociedade com um discurso pronto, notadamente para grupos sociais no qual esse discurso psicologizante tem forte apelo.

[ii] Lista de vítimas disponível em https://g1.globo.com/Tragedia-em-Realengo/noticia/2011/04/policia-divulga-nome-e-idade-de-oito-vitimas-do-tiroteio-em-escola-do-rio.html.

[iii] Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2023/03/colega-de-escola-diz-que-adolescente-proferiu-xingamentos-racistas-e-avisou-que-faria-ataque.shtml. Também disponível em https://oglobo.globo.com/brasil/noticia/2022/09/me-misturar-com-eles-e-nojento-policia-acredita-que-atirador-de-14-anos-que-matou-aluna-cadeirante-anunciou-massacre-em-perfil-extremista.ghtml.

[iv] Disponível em https://g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2022/11/25/quem-sao-as-vitimas-do-ataque-a-escolas-em-aracruz-es.ghtml.

[v] Disponível em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2021/12/16/investigacao-de-massacre-em-creche-de-sc-revelou-celulas-nazistas-no-rio.htm.

[vi] Para uma análise da vinculação entre o ataque à creche e o neonazismo, ver https://aterraeredonda.com.br/as-motivacoes-do-ataque/.

[vii] Agradeço a leitura, crítica e a proposição da inclusão de fotos ao Prof. Jefferson Nascimento (IFSP).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Machado Moita Neto Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Slavoj Žižek Eleutério F. S. Prado Luiz Marques Carlos Tautz Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Favaretto Ronald León Núñez Jean Pierre Chauvin Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Walnice Nogueira Galvão Ricardo Abramovay Michael Roberts Claudio Katz Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Pereira de Farias Valerio Arcary João Lanari Bo Milton Pinheiro José Geraldo Couto Caio Bugiato Chico Alencar Yuri Martins-Fontes Vanderlei Tenório Marcus Ianoni Gilberto Lopes Ricardo Antunes Lincoln Secco Rodrigo de Faria Luiz Renato Martins Dênis de Moraes Fábio Konder Comparato Alysson Leandro Mascaro Marilia Pacheco Fiorillo Rafael R. Ioris Fernando Nogueira da Costa Gerson Almeida Benicio Viero Schmidt Luiz Eduardo Soares Igor Felippe Santos Andrés del Río Kátia Gerab Baggio Marcos Silva Dennis Oliveira Lorenzo Vitral Eleonora Albano Ronald Rocha Andrew Korybko Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Daniel Costa João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Trivinho Marjorie C. Marona Renato Dagnino Henri Acselrad Boaventura de Sousa Santos Érico Andrade Otaviano Helene Bruno Machado Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Vladimir Safatle Plínio de Arruda Sampaio Jr. Heraldo Campos Michel Goulart da Silva João Paulo Ayub Fonseca José Costa Júnior Francisco Fernandes Ladeira Denilson Cordeiro Jorge Branco Antonino Infranca Julian Rodrigues Michael Löwy Chico Whitaker Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Capel Narvai João Carlos Salles Samuel Kilsztajn Alexandre Aragão de Albuquerque Bernardo Ricupero Priscila Figueiredo Osvaldo Coggiola José Micaelson Lacerda Morais Berenice Bento Manchetômetro Leonardo Boff Vinício Carrilho Martinez Sandra Bitencourt André Singer Leonardo Avritzer Annateresa Fabris Atilio A. Boron Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Mariarosaria Fabris Ladislau Dowbor João Carlos Loebens Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Henry Burnett Celso Frederico Eliziário Andrade Anderson Alves Esteves Carla Teixeira Luciano Nascimento Juarez Guimarães Airton Paschoa Eduardo Borges Salem Nasser Antonio Martins Luis Felipe Miguel Luiz Werneck Vianna Fernão Pessoa Ramos Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Afonso da Silva João Feres Júnior Eugênio Bucci Marcos Aurélio da Silva Leda Maria Paulani Bento Prado Jr. Daniel Brazil Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Módolo Thomas Piketty Luís Fernando Vitagliano Armando Boito Paulo Fernandes Silveira João Adolfo Hansen Afrânio Catani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antônio Sales Rios Neto Ari Marcelo Solon José Dirceu Mário Maestri Manuel Domingos Neto Maria Rita Kehl Paulo Martins Remy José Fontana Tarso Genro Liszt Vieira Gilberto Maringoni Marilena Chauí Anselm Jappe José Raimundo Trindade Ricardo Musse André Márcio Neves Soares Tales Ab'Sáber Elias Jabbour Gabriel Cohn Matheus Silveira de Souza Tadeu Valadares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada