As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Violência e greve na Unicamp

Imagem: Jan Koetsier
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FREDERICO DE ALMEIDA*

A reitoria da Unicamp cria uma equivalência falsa e perigosa para esconder sua própria intolerância em relação a movimentos legítimos de estudantes e servidores

Na noite desta terça-feira, 3 de outubro, assembleia dos estudantes da Unicamp decidiu pela greve, após um dia de paralisação em apoio à greve dos trabalhadores técnico-administrativos da universidade, à greve da USP e às paralisações promovidas pelos trabalhadores do Metrô, da CPTM e da Sabesp. O dia também foi marcado pelo ataque armado de um professor da Unicamp a estudantes em greve.

Como argumentei em artigo publicado no site A Terra é Redonda, a greve da USP trouxe à tona conflitos latentes desde pelo menos 2016, quando as expectativas criadas pelas políticas redistributivas e de acesso ao ensino superior dos governos do PT foram confrontadas por um golpe atípico e pelas experiências neoliberais e autoritárias dos governos de Michel Temer e Jair Bolsonaro. E, por isso, o movimento iniciado na USP poderia facilmente alcançar as outras duas universidades paulistas.

O ataque violento de um professor a estudantes da Unicamp que participavam de uma manifestação política legítima, porém, acelerou o processo e escalou os conflitos. Além disso, tornou evidente que não é possível, nesse contexto, condenar a violência em abstrato e, muito menos, equivaler a repulsa moral a atos tão distintos quanto piquetes grevistas e ataques armados.

Após o ocorrido houve diversas manifestações e mobilizações em solidariedade aos estudantes e de condenação do ataque violento, por parte de docentes e trabalhadores técnico-administrativos, entidades representativas e órgãos da universidade. A reitoria, porém, manifestou sinais preocupantes diante da gravidade da situação.

Em nota, após condenar superficialmente o ataque violento de um docente contra estudantes, a administração da Unicamp afirmou que “vem alertando que a proliferação de atos de violência com justificativa ou motivação política não é salutar para a convivência entre diferentes”. Ao dizer isso, a reitoria da universidade está criando uma equivalência falsa e perigosa para esconder sua própria intolerância em relação a movimentos legítimos de estudantes e servidores.

A nota faz referência indireta aos protestos contra a feira de universidades israelenses que aconteceria na Unicamp em abril deste ano, liderados pelo movimento estudantil e pela Frente Árabe Palestina Brasileira. Antes dos protestos, a reitoria já havia recebido várias moções de repúdio e apelos pelo cancelamento da feira, de entidades internas e externas à universidade, todas elas se baseando no histórico de violações de direitos dos palestinos nos territórios ocupados por Israel e no agravamento da situação atual na Palestina.

A reitoria tratou com desdém essas manifestações, às quais respondeu com acusações de intolerância, apelos genéricos pela paz no Oriente Médio e com o fato de que a Unicamp teria o mesmo número de convênios com universidades árabes e israelenses – o que não faz sentido nenhum do ponto de vista da denúncia da ocupação ilegal da Palestina, além de ser uma generalização indevida do mundo árabe.

No dia da abertura da feira, um tumulto envolvendo manifestantes e seguranças foi pretexto para que a reitoria pedisse abertura de inquérito policial para apuração de supostos danos ao patrimônio e lesão corporal. Nos documentos apresentados pela reitoria à Polícia Civil há relatos genéricos de pequenos danos e de confrontações físicas entre pessoas, mas o que mais chama a atenção é que a Secretaria de Vivência no Campus (SVC), que faz a segurança da universidade, identificou veículos presentes no protesto, procurou o serviço de inteligência da Guarda Municipal de Campinas, acessou dados dos proprietários e os entregou à polícia.

O crime? Segundo o relatório da SVC, em um dos carros era distribuída água para os manifestantes, e em outro o motorista usava um boné escrito Palestina. Nenhuma relação com os supostos danos e lesões, muito menos com o ataque hacker que o reitor e os sistemas da Unicamp sofreram naquele dia; apenas uma insinuação genericamente irresponsável feita pela Procuradoria Geral da universidade, dizendo que os fatos e pessoas envolvidas teriam conexão.

Nem mesmo na greve da Unicamp de 2016, que teve conflitos intensos e gerou mais de vinte processos administrativos internos, a reitoria pediu abertura de inquérito policial, muito menos entregou dados (obtidos de maneira questionável) à polícia.

A postura de intolerância da reitoria da Unicamp se manifestou novamente com a greve dos servidores da universidade, que antecedeu a decretação da greve pelos estudantes e já dura mais de um mês. O motivo da greve é a implementação do ponto eletrônico para controle da jornada dos servidores, a partir de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado pela administração da universidade com o Ministério Público estadual.

Embora a reitoria alegue que a implementação é uma determinação legal, a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta é uma decisão discricionária que, dada a sensibilidade da questão, demandaria debates e negociações mais aprofundadas. Baseada em um parecer formalista da Procuradoria Geral da Unicamp, a reitoria tem atropelado procedimentos e instâncias internas de discussão, e tratado a questão como se fosse de mera execução de obrigação legal, fugindo da sua responsabilidade de condução de um processo que é essencialmente político, na medida que envolve a configuração das relações de trabalho e convivência na universidade.

Recentemente, em reunião do Conselho Universitário, o reitor equiparou um recurso administrativo da bancada de servidores contra a implementação do ponto eletrônico a estratégias antidemocráticas do bolsonarismo, simplesmente porque o recurso pretendido não tinha previsão regimental, de acordo com mais um parecer formalista da Procuradoria Geral.

O representante dos servidores insistiu que o Conselho Universitário é órgão máximo da universidade e que a questão era política, e não regimental, no que foi desafiado pelo reitor, com desdém e ironia, a procurar a justiça. Nesse episódio, o reitor ainda reivindicou Alexandre de Moraes como símbolo do respeito às formalidades em defesa da democracia.

Menos de uma semana depois dessa manifestação autoritária do reitor contra servidores em greve, o ataque de um professor – que logo descobrimos ser praticante de tiro esportivo, colecionador de armas, manifestante verde-e-amarelo em defesa da “liberdade” – mostra que não há qualquer equivalência possível entre uma estratégia política de contestação dos servidores em greve legítima, dentro das instâncias universitárias, e o bolsonarismo.

Da mesma forma, não é possível equivaler a “violência” abstrata de uma greve legítima (atribuída à interrupção das atividades da universidade por estudantes e servidores) à violência de extrema direita (ilegal, ilegítima, real, armada e potencialmente letal) presente na atitude do professor responsável pelo ataque a estudantes.

Esse é o raciocínio dos falsos democratas e oportunistas que surgiram da oposição geral ao bolsonarismo: equiparar o que não tem comparação, silenciar a divergência, apelar à letra fria da lei e à supremacia da autoridade judicial para se isentar de responsabilidade política e transformar a democracia em um cartório. Por isso, todos aqueles verdadeiramente comprometidos com a democracia e a liberdade de manifestação devem apoiar a greve dos estudantes e servidores das universidades estaduais paulistas e condenar a violência e a intolerância que efetivamente ameaçam a universidade pública.

*Frederico de Almeida é professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Brazil Fábio Konder Comparato Antonio Martins Chico Whitaker Alysson Leandro Mascaro Henri Acselrad Roberto Bueno Eugênio Bucci Rodrigo de Faria Kátia Gerab Baggio Antonino Infranca Luiz Werneck Vianna Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges João Carlos Salles Marcos Aurélio da Silva Lincoln Secco João Lanari Bo José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt Luiz Eduardo Soares Marilena Chauí Vinício Carrilho Martinez Flávio Aguiar Marcos Silva Marjorie C. Marona Paulo Fernandes Silveira Renato Dagnino Daniel Afonso da Silva Eleutério F. S. Prado Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Paulo Martins José Raimundo Trindade Leda Maria Paulani Vladimir Safatle José Micaelson Lacerda Morais Claudio Katz Ricardo Abramovay Berenice Bento Henry Burnett Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos Mário Maestri Anderson Alves Esteves Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Marcelo Guimarães Lima Flávio R. Kothe Tarso Genro Samuel Kilsztajn Ricardo Fabbrini Lucas Fiaschetti Estevez José Costa Júnior Eleonora Albano Luiz Renato Martins Celso Frederico Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Luiz Carlos Bresser-Pereira Denilson Cordeiro Carla Teixeira João Carlos Loebens Dennis Oliveira Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz José Dirceu Luiz Costa Lima Ari Marcelo Solon Leonardo Boff Elias Jabbour Julian Rodrigues Ronaldo Tadeu de Souza Armando Boito Gilberto Lopes Paulo Capel Narvai Luís Fernando Vitagliano Annateresa Fabris Ricardo Musse Alexandre de Freitas Barbosa André Márcio Neves Soares Ladislau Dowbor Maria Rita Kehl Francisco de Oliveira Barros Júnior Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Remy José Fontana João Feres Júnior Fernando Nogueira da Costa Michael Roberts Roberto Noritomi Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Ronald Rocha Paulo Nogueira Batista Jr Tadeu Valadares Lorenzo Vitral Gilberto Maringoni Andrew Korybko Michael Löwy Alexandre de Lima Castro Tranjan Airton Paschoa Luiz Bernardo Pericás Jorge Branco Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto Osvaldo Coggiola Alexandre Aragão de Albuquerque Luciano Nascimento Érico Andrade Milton Pinheiro Tales Ab'Sáber Gerson Almeida Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Otaviano Helene Francisco Pereira de Farias Daniel Costa Ronald León Núñez Bernardo Ricupero Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anselm Jappe Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Trivinho Chico Alencar Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Valério Arcary Marcelo Módolo Ricardo Antunes Juarez Guimarães Thomas Piketty Manuel Domingos Neto Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Leonardo Sacramento Eliziário Andrade Slavoj Žižek José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Francisco Fernandes Ladeira João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato André Singer Priscila Figueiredo Luiz Marques Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Salem Nasser Bruno Machado Dênis de Moraes João Adolfo Hansen Fernão Pessoa Ramos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada