As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Fascismos ou fascismo?

Imagem: Plato Terentev
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SERGIO SCHARGEL*

Considerações acerca das divergências interpretativas sobre o conceito histórico

Com quase 100 anos de historiografia e fortuna crítica, há diversas correntes interpretativas sobre o fascismo, seja como conceito, seja como o movimento de Mussolini. Algumas são contraditórias entre si, mas outras se contaminam, possuem pontos de consenso. Entre as principais correntes que se opõe, vale chamar a atenção para duas em particular: fascismo hermético e fascismo maleável.

O nome em si já indica o que esperar. Uma corrente que interpreta o fascismo como um movimento limitado a sua manifestação italiana com Mussolini (ou, se muito, a Europa de entreguerras), o outro que o entende como um conceito mais amplo, passível de deslocamento no tempo-espaço. Isto é, um fascismo x vários fascismos. O movimento se forma a partir do conceito, ou o conceito se forma a partir do movimento? Como o dilema do ovo e a galinha, transposto à teoria política.

Para os adeptos do fascismo hermético, o fascismo deve ser congelado em sua versão italiana, e qualquer outro movimento posterior, por mais semelhante que seja, não será reconhecido dentro do mesmo conceito. Ou seja, o conceito não deve absorver características novas. Por mais parecido que seja, é algo novo. Ou, como diz Michael Mann, “o fascismo de entreguerras não é um fenômeno genérico, mas de um período específico da Europa. Seu legado sobrevive, hoje, sobretudo num tipo diferente de movimento social: os etnonacionalistas”. Ignora Michael Mann, porém, que o fascismo sempre foi justamente uma forma de etnonacionalismo, um nacionalismo populista de massas.

Essa corrente também convenientemente ignora um aspecto chave: qualquer conceito político se reconstrói. A democracia brasileira é a mesma em 2022 que era em 2002? Ou a democracia estadunidense é igual a democracia francesa em 2022? Por certo que não. O conceito é o mesmo, mas os adjetivos sobre democracia beiram o infinito: procedimental, liberal, agonística, minimalista… Liberais do laissez-faire franceses olhariam horrorizados para os estadunidenses que se denominam liberais e, no entanto, o conceito é o mesmo. Se falamos em várias democracias, vários autoritarismos, vários nacionalismos, vários populismos, vários conservadorismos, por que não falamos em vários fascismos? Ou aceitamos o fascismo como um conceito elástico, ou teremos que empregar adjetivações consecutivas sempre que nos referirmos a democracias, conservadorismos, e outras noções políticas.

Outro ponto: como podemos falar em fascismo ou Fascismo, quando foram muitos fascismos? Lembremos que o Fascismo de Mussolini sobreviveu por mais de 20 anos, e certamente não foi estanque. Foram muitos movimentos, dentro de uma matriz. O fascismo italiano se reinventou, perpassou distintos estágios, evoluiu, retrocedeu em alguns momentos, intensificou em outros. Teve uma experiência liberal, no início, surgiu como uma dissidência do Partido Socialista Italiano (e em seus primeiros momentos ainda mantinha preocupações sociais semelhantes), um período de ditadura declarada após o assassinato de Giacomo Matteotti, as campanhas coloniais na década de 1930 e a tentativa de institucionalização com a publicação da Doutrina, e, por fim, a fusão com o nazismo durante a Guerra. Como falar, então, que o movimento de Mussolini foi uno? Sobre qual fascismo nos referimos quando falamos de Mussolini?

Se tomarmos a interpretação de Robert Paxton, de um fascismo “elástico”, ou “etapista”, então não há nada sobre o conceito que o impeça de se espalhar para além da Itália ou da Europa entre 1919 e 1945. Em outras palavras, movimentos equivalentes do mesmo período, como o Integralismo, poderiam ser considerados como fascistas. É evidente que quando se desloca um conceito da Europa para o Brasil diferenças significativas aparecerão. Todavia, pontos básicos de consenso permanecem, de forma que nos permitem chamar uma versão brasileira de liberalismo como tal, e o mesmo com fascismo. Em outras palavras, é preciso trabalhar os pontos de consenso e dissenso, quando da política comparada, para apreender essas reconstruções.

Dado esses argumentos, o que impediria que fascismos aparecessem no contemporâneo? Se o Integralismo foi uma versão de fascismo brasileiro, por exemplo, por que o bolsonarismo não o poderia? O argumento da política econômica é insuficiente, considerando que o próprio fascismo de Mussolini perpassou um período liberal. Como sugere Paxton em seu livro, é preciso resgatar o conceito da má utilização que sofreu desde a III Internacional, quando foi alargado a ponto de classificar os sociais-democratas como “sociais-fascistas”, mas não descartá-lo completamente. Pois é preciso um conceito que dê conta de englobar a forma de política inédita que surge no alvorecer do século XX, uma política de massas, populista, reacionária, autoritária e profundamente nacionalista, distinto de tudo que se via até então. Um movimento que mescla características simultâneas, condensadas dentro desses outros conceitos, como messianismo, rejeição da democracia agonística, desejo de retorno a um passado idealizado, inimigos objetivos desumanizados por terem imposto suposta degenerescência à nação, conspiracionismo paranoico e base de massas. Na falta de um conceito melhor, usa-se fascismo.

Em um artigo sem tradução para o português, mas depois condensado em seu livro, Paxton destaca que todo fascismo obedece a uma lógica pautada por cinco estágios, que vão da criação dos movimentos a entropia ou radicalização. O que impede que vejamos novos Hitlers e Mussolinis surgindo todos os dias, da mesma forma que impediu que o fascismo chegasse ao Executivo Federal no Brasil em 1938, não é um milagre, mas a junção de variáveis como resiliência democrática, cultura política, disposição do establishment em abraçar o movimento, o sentimento de crise, entre outros. A maior parte dos fascismos, como ressalta o autor, morrem ainda no primeiro ou no segundo estágio, sem conseguir adquirir relevância política suficiente. Alguns, como o Integralismo ou o Falangismo, vão além, e chegam ao poder. Mas falham no terceiro estágio, pois chegam como participantes secundários, forçados a obedecer a um movimento protagonista paralelo como o Franquismo ou o Varguismo.

Importante sempre lembrar, todavia, que conceitos como reacionarismo e autoritarismo por óbvio existem de forma independente, não sendo necessariamente fascismos. Mas quando aparecem em simultâneo, cresce o aroma.

*Sergio Schargel é doutorando em ciência política na Universidade Federal Fluminense (UFF). Autor de O fascismo eterno, na ficção e no real (Bestiário).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Roberto Bueno Érico Andrade Remy José Fontana Chico Alencar Dênis de Moraes Celso Favaretto Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Valerio Arcary Antônio Sales Rios Neto Osvaldo Coggiola Marcos Silva Luis Felipe Miguel Andrew Korybko João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Mariarosaria Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Renato Dagnino Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Claudio Katz Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Lorenzo Vitral Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Priscila Figueiredo João Carlos Salles Julian Rodrigues Henry Burnett Alexandre de Freitas Barbosa Denilson Cordeiro Marcus Ianoni André Singer Henri Acselrad Eleutério F. S. Prado José Luís Fiori Francisco Pereira de Farias Bruno Machado João Carlos Loebens Luciano Nascimento Tarso Genro Carlos Tautz Kátia Gerab Baggio Bernardo Ricupero Marcelo Módolo Leonardo Sacramento Manuel Domingos Neto Roberto Noritomi Sandra Bitencourt Elias Jabbour Luiz Bernardo Pericás Flávio R. Kothe Manchetômetro Vanderlei Tenório Gabriel Cohn Lincoln Secco Eleonora Albano Luiz Eduardo Soares Ronald León Núñez Luiz Renato Martins Armando Boito Liszt Vieira Daniel Brazil André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Ricardo Abramovay José Costa Júnior Vinício Carrilho Martinez João Feres Júnior Michael Roberts Valério Arcary Jorge Branco Gilberto Lopes Celso Frederico Ricardo Musse Paulo Martins Bento Prado Jr. Anselm Jappe Eliziário Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Anderson Alves Esteves Leonardo Boff Afrânio Catani Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Heraldo Campos Jean Marc Von Der Weid Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira Otaviano Helene Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Eugênio Bucci Ronald Rocha Atilio A. Boron Paulo Sérgio Pinheiro Michael Löwy Maria Rita Kehl Ricardo Antunes Alysson Leandro Mascaro José Dirceu João Paulo Ayub Fonseca Rubens Pinto Lyra Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Marilena Chauí Ladislau Dowbor Sergio Amadeu da Silveira Tadeu Valadares Everaldo de Oliveira Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Berenice Bento Jean Pierre Chauvin Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Jorge Luiz Souto Maior Walnice Nogueira Galvão Airton Paschoa José Machado Moita Neto Thomas Piketty Carla Teixeira Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Aurélio da Silva Juarez Guimarães Mário Maestri Salem Nasser Milton Pinheiro Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Daniel Costa José Raimundo Trindade Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Costa Lima Fernão Pessoa Ramos Leda Maria Paulani Antonio Martins Rodrigo de Faria Caio Bugiato Bruno Fabricio Alcebino da Silva Dennis Oliveira Eugênio Trivinho João Lanari Bo Boaventura de Sousa Santos Fábio Konder Comparato Luiz Werneck Vianna Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes José Micaelson Lacerda Morais Vladimir Safatle

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada