Em defesa de Breno Altman e do povo palestino

Imagem: Margerretta
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VIRGÍNIA FONTES*

Texto que gerou um abaixo-assinado com mais de três mil assinaturas.

Hoje é o primeiro dia de 2024. Na noite de ano novo, o Estado sionista de Israel continuou o bombardeio sobre a população de Gaza. São mais de dois milhões de pessoas encurraladas, com todos os meios de produção da vida e de subsistência cortados, massacradas e bombardeadas diariamente de maneira indiscriminada, com um saldo de mais de 20 mil mortes civis e a destruição de suas casas, hospitais, escolas, mesquitas, cidades inteiras.

Tal horror é somente equiparável àquele que os próprios judeus sofreram sob o nazi-fascismo. Em ambos, um Estado fortemente armado ataca deliberadamente uma população sob seu domínio.

Vale relembrar que sionismo é uma corrente política entre os judeus; e que o antissemitismo é uma corrente racista cujo ápice foi o extermínio sistemático de judeus na Alemanha nazista. Conhecemos bem o racismo e suas falsificações abertas ou discretas. Lutaremos sempre contra todos os racismos.

Portanto, lutamos contra o antissemitismo. Mas identificar judaísmo e sionismo é falsificar a história. Muitos judeus são contra o sionismo, que é uma vertente política.

Confundir os dois tem um propósito: o sionismo pretende silenciar a todos (judeus e não judeus), impondo uma falsificação histórica grosseira: criminalizar a denúncia dos horrores sionistas igualando-a ao antissemitismo. É uma falsificação deliberada, que vem gerando cenas de horror político, como uma manifestação supostamente em luta contra o antissemitismo realizada na França, na qual participaram defensores históricos do governo de Hitler, como as forças lideradas por Marine Le Pen.

A falsificação ganha escala com a estreita proximidade entre o sionismo, a extrema direita internacional, os governos dos EUA (e ocidentais), e a grande mídia proprietária ocidental. Gastam milhões para borrar a diferença brutal entre antissemitismo e antissionismo e, em especial, a extrema direita israelense. Vão ainda além, e tentam criminalizar as vozes dissidentes. Classes dominantes e governos ocidentais tentam proibir as manifestações contra o horror promovido há meses pelo Estado sionista de extrema direita de Israel contra a população de Gaza.

Fizeram isso na Inglaterra, na Alemanha, na França, mas a população não se deixou enganar e enfrentou tais falsificações com multitudinárias manifestações em defesa do povo palestino. As classes populares do mundo inteiro denunciam incessantemente o massacre em curso, a tal ponto que o governo de Israel se encontra crescentemente isolado, pois seus atos são ainda piores do que os praticados pelo antigo regime do apartheid da África do Sul, pois os brancos racistas segregaram os negros, como Israel segrega os palestinos, mas não os bombardearam.

No Brasil, tentam agora silenciar uma corajosa voz de origem judaica, a de Breno Altman, que se dedicou incansavelmente a explicar – com dados, bibliografia, fontes citadas e fatos – as falsificações e os horrores que o Estado sionista de extrema direita de Israel vem realizando.

É inadmissível e vergonhosa a iniciativa da CONIB (Confederação Israelita do Brasil), uma dentre as muitas entidades sem fins lucrativos patrocinadas pela extrema direita israelita no mundo, ao promover a falsificação histórica e tentar ainda ocultar o óbvio – o massacre indiscriminado e a “limpeza étnica” realizados por Israel – atribuindo a Breno Altman a pecha de antissemita! Logo a ele, judeu. A falsificação é grosseira e sionistas tentam disfarçar o seu próprio racismo anti-palestino sob cortinas de fumaça negacionistas da verdade histórica. Mas a verdade está diante de nossos olhos.

Mais grave ainda é a aceitação pela Polícia Federal de uma denúncia oportunista, falsificadora e em defesa da continuação do massacre, que pretende silenciar uma das mais importantes vozes na defesa do povo palestino no Brasil. Este governo não pode ser cúmplice de tal falsificação, que promove apartheid, genocídio, massacre generalizado e limpeza étnica.

Nenhum silêncio se justifica e a omissão nos condena.

Todo o apoio a Breno Altman e ao povo palestino!

*Virgínia Fontes é professora do programa da pós-graduação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Autora, entre outros livros, de Reflexões im-pertinentes: história e capitalismo contemporâneo (Mauad X).

Para manifestar seu apoio, acesse aqui.

Nomes dos apoiadores em 3/1/2024.

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Nogueira Batista Jr André Márcio Neves Soares Luis Felipe Miguel Daniel Costa Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles José Luís Fiori Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes Francisco de Oliveira Barros Júnior José Dirceu Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Elias Jabbour Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Löwy Igor Felippe Santos Gabriel Cohn Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Luiz Marques Eugênio Bucci Paulo Fernandes Silveira Luiz Renato Martins Mário Maestri Ladislau Dowbor Celso Frederico João Feres Júnior Berenice Bento Antônio Sales Rios Neto João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Antonio Martins Armando Boito Daniel Brazil Matheus Silveira de Souza Airton Paschoa Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin José Geraldo Couto Érico Andrade Vladimir Safatle Luís Fernando Vitagliano José Costa Júnior Ari Marcelo Solon Manchetômetro Slavoj Žižek João Lanari Bo Andrew Korybko Michael Roberts Marjorie C. Marona Gilberto Lopes Atilio A. Boron Otaviano Helene Vinício Carrilho Martinez Leonardo Sacramento Rubens Pinto Lyra Chico Whitaker Sandra Bitencourt Vanderlei Tenório Marcos Silva Paulo Martins Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Paulo Sérgio Pinheiro Lorenzo Vitral Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Capel Narvai Juarez Guimarães Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca Jorge Branco Eleutério F. S. Prado Manuel Domingos Neto Francisco Fernandes Ladeira Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro Eliziário Andrade Leonardo Avritzer Dênis de Moraes Caio Bugiato Fábio Konder Comparato Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Eugênio Trivinho Ricardo Abramovay Anselm Jappe Marilena Chauí Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva Ricardo Antunes Luiz Carlos Bresser-Pereira Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Salem Nasser Michel Goulart da Silva Maria Rita Kehl Liszt Vieira Boaventura de Sousa Santos Samuel Kilsztajn Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Francisco Pereira de Farias Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Rodrigo de Faria Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff Tadeu Valadares Celso Favaretto Mariarosaria Fabris Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Osvaldo Coggiola José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Bruno Machado Carlos Tautz Bernardo Ricupero Luciano Nascimento Henri Acselrad Anderson Alves Esteves Everaldo de Oliveira Andrade Andrés del Río Priscila Figueiredo Milton Pinheiro Antonino Infranca Marcelo Módolo Henry Burnett João Carlos Loebens Lincoln Secco Eleonora Albano Valerio Arcary Valerio Arcary André Singer Fernão Pessoa Ramos Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen Marilia Pacheco Fiorillo Remy José Fontana Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais Ronald León Núñez Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Renato Dagnino Bento Prado Jr. Heraldo Campos Eduardo Borges

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada