Os estranhos posicionamentos do PCO

Imagem: Plato Terentev
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

No caso Daniel Alves, é no mínimo estranho um veículo (teoricamente) de esquerda publicar um texto em que se posiciona em favor do opressor e contra o oprimido

Nos últimos dias, a grande repercussão da prisão preventiva do jogador Daniel Alves, acusado de agressão sexual, trouxe a temática “estupro” para o centro dos debates da esquerda brasileira. Assim, foram levantadas várias questões sobre a vulnerabilidade das mulheres em determinados ambientes e o permanente sentimento de impunidade que alguns homens públicos como o atleta brasileiro ainda insistem em ter.

Em meio às manifestações de setores da esquerda sobre o caso, chamou a atenção o artigo intitulado “Prisão de Daniel Alves vira pretexto para atacar futebol”, publicado no Diário Causa Operária, do Partido da Causa Operária (PCO).

Segundo o (tendencioso) texto, que parece ter sido escrito por um advogado do jogador, a prisão preventiva de Daniel Alves é um “ato medieval” e “uma perseguição ao futebol brasileiro, a serviço de interesses imperialistas, que conta com o apoio da imprensa vira-lata do Brasil”.

Em momento algum do artigo, os argumentos da mulher que teria sido violentada sexualmente por Daniel Alves são levados em consideração. Em contrapartida, há um fervoroso enaltecimento do lateral direito da seleção brasileira, descrito como “um dos maiores jogadores dos últimos 20 anos, que durante sua carreira, passou por dois importantes clubes espanhóis”.

Aparentemente, é no mínimo estranho um veículo (teoricamente) de esquerda publicar um texto em que se posiciona em favor do opressor e contra o oprimido. Porém, quem acompanha o cenário político nacional sabe que não se trata, necessariamente, de uma novidade. Quando Robinho foi condenado por estupro pela justiça italiana, o PCO, mesmo diante de todas as evidências do crime, também saiu em defesa do jogador.

Mas os posicionamentos equivocados do partido não se limitam a defender jogadores acusados de violência sexual. Nos momentos mais críticos da pandemia da Covid-19, o PCO adotou um discurso negacionista, que questionava a eficácia de vacinas e contrário às medidas de distanciamento social para evitar a propagação do novo coronavírus. Uma postura que, no campo político, só teve similares no bolsonarismo.

Não é raro encontramos no Diário Causa Operária artigos que exaltam os “feitos” dos bandeirantes, descrevem o Talibã como “representante dos povos oprimidos” e acusam Guilherme Boulos de ser responsável pela derrota da seleção brasileira por 7 a 1 para a Alemanha, na Copa de 2014.

Também são notórias as defesas de figuras ligadas à extrema direita, como Allan dos Santos, Monark, Roberto Jefferson e Daniel Silveira. Por outro lado, tanto no Diário Causa Operária quanto no canal do PCO no YouTube, são constantes os ataques a figuras públicas e veículos de imprensa do campo progressista, como o Diário do Centro do Mundo, a Revista Fórum e o comentarista esportivo Walter Casagrande.

Para o PCO, os indivíduos que participaram dos atos contra os três poderes, no último dia 8 de janeiro, não são “golpistas”, “vândalos” ou “terroristas”, mas apenas “manifestantes”. Não por acaso, o presidente do partido, Rui Costa Pimenta, em entrevista à Folha de S. Paulo, disse que “a aliança com bolsonaristas é natural em alguns pontos”.

Difícil saber se os discursos do PCO são uma forma de direcionar as atenções para o partido, atrair desavisados, conquistar engajamento digital e/ou testar a fidelidade de seus militantes (por frequentemente terem que “defender o indefensável”, uma espécie de comportamento de seita).

Fato é que os devaneios do PCO dão combustível para aqueles que gostam de citar a (falaciosa) “teoria da ferradura”, atribuída ao escritor francês Jean-Pierre Faye, que parte do pressuposto de que extrema esquerda e extrema direita, ao contrário de serem extremos opostos de um espectro político linear e contínuo, se aproximam da mesma forma que o fim de uma ferradura.

Diante dessa realidade, é de suma importância que as forças progressistas trabalhem para que as lutas reais (e urgentes) da esquerda não sejam confundidas com as ações de um partido cuja única função nos últimos anos parece ser a criação de “polêmicas vazias”.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em Geografia pela Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (CRV).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES