Os estranhos posicionamentos do PCO

Imagem: Plato Terentev
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

No caso Daniel Alves, é no mínimo estranho um veículo (teoricamente) de esquerda publicar um texto em que se posiciona em favor do opressor e contra o oprimido

Nos últimos dias, a grande repercussão da prisão preventiva do jogador Daniel Alves, acusado de agressão sexual, trouxe a temática “estupro” para o centro dos debates da esquerda brasileira. Assim, foram levantadas várias questões sobre a vulnerabilidade das mulheres em determinados ambientes e o permanente sentimento de impunidade que alguns homens públicos como o atleta brasileiro ainda insistem em ter.

Em meio às manifestações de setores da esquerda sobre o caso, chamou a atenção o artigo intitulado “Prisão de Daniel Alves vira pretexto para atacar futebol”, publicado no Diário Causa Operária, do Partido da Causa Operária (PCO).

Segundo o (tendencioso) texto, que parece ter sido escrito por um advogado do jogador, a prisão preventiva de Daniel Alves é um “ato medieval” e “uma perseguição ao futebol brasileiro, a serviço de interesses imperialistas, que conta com o apoio da imprensa vira-lata do Brasil”.

Em momento algum do artigo, os argumentos da mulher que teria sido violentada sexualmente por Daniel Alves são levados em consideração. Em contrapartida, há um fervoroso enaltecimento do lateral direito da seleção brasileira, descrito como “um dos maiores jogadores dos últimos 20 anos, que durante sua carreira, passou por dois importantes clubes espanhóis”.

Aparentemente, é no mínimo estranho um veículo (teoricamente) de esquerda publicar um texto em que se posiciona em favor do opressor e contra o oprimido. Porém, quem acompanha o cenário político nacional sabe que não se trata, necessariamente, de uma novidade. Quando Robinho foi condenado por estupro pela justiça italiana, o PCO, mesmo diante de todas as evidências do crime, também saiu em defesa do jogador.

Mas os posicionamentos equivocados do partido não se limitam a defender jogadores acusados de violência sexual. Nos momentos mais críticos da pandemia da Covid-19, o PCO adotou um discurso negacionista, que questionava a eficácia de vacinas e contrário às medidas de distanciamento social para evitar a propagação do novo coronavírus. Uma postura que, no campo político, só teve similares no bolsonarismo.

Não é raro encontramos no Diário Causa Operária artigos que exaltam os “feitos” dos bandeirantes, descrevem o Talibã como “representante dos povos oprimidos” e acusam Guilherme Boulos de ser responsável pela derrota da seleção brasileira por 7 a 1 para a Alemanha, na Copa de 2014.

Também são notórias as defesas de figuras ligadas à extrema direita, como Allan dos Santos, Monark, Roberto Jefferson e Daniel Silveira. Por outro lado, tanto no Diário Causa Operária quanto no canal do PCO no YouTube, são constantes os ataques a figuras públicas e veículos de imprensa do campo progressista, como o Diário do Centro do Mundo, a Revista Fórum e o comentarista esportivo Walter Casagrande.

Para o PCO, os indivíduos que participaram dos atos contra os três poderes, no último dia 8 de janeiro, não são “golpistas”, “vândalos” ou “terroristas”, mas apenas “manifestantes”. Não por acaso, o presidente do partido, Rui Costa Pimenta, em entrevista à Folha de S. Paulo, disse que “a aliança com bolsonaristas é natural em alguns pontos”.

Difícil saber se os discursos do PCO são uma forma de direcionar as atenções para o partido, atrair desavisados, conquistar engajamento digital e/ou testar a fidelidade de seus militantes (por frequentemente terem que “defender o indefensável”, uma espécie de comportamento de seita).

Fato é que os devaneios do PCO dão combustível para aqueles que gostam de citar a (falaciosa) “teoria da ferradura”, atribuída ao escritor francês Jean-Pierre Faye, que parte do pressuposto de que extrema esquerda e extrema direita, ao contrário de serem extremos opostos de um espectro político linear e contínuo, se aproximam da mesma forma que o fim de uma ferradura.

Diante dessa realidade, é de suma importância que as forças progressistas trabalhem para que as lutas reais (e urgentes) da esquerda não sejam confundidas com as ações de um partido cuja única função nos últimos anos parece ser a criação de “polêmicas vazias”.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em Geografia pela Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (CRV).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Abramovay Francisco Pereira de Farias Thomas Piketty Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel José Costa Júnior Afrânio Catani Andrés del Río Walnice Nogueira Galvão Rafael R. Ioris Rodrigo de Faria Carlos Tautz João Carlos Salles Airton Paschoa Ladislau Dowbor Dênis de Moraes Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Manchetômetro Ricardo Musse Sergio Amadeu da Silveira Jean Marc Von Der Weid Andrew Korybko Francisco de Oliveira Barros Júnior Renato Dagnino Igor Felippe Santos Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Boaventura de Sousa Santos Caio Bugiato Leonardo Boff José Machado Moita Neto Lincoln Secco Antônio Sales Rios Neto Lucas Fiaschetti Estevez José Micaelson Lacerda Morais Marcos Silva Berenice Bento Sandra Bitencourt Marilena Chauí Antonio Martins Flávio Aguiar Marcelo Módolo Milton Pinheiro Gabriel Cohn Dennis Oliveira Atilio A. Boron Eliziário Andrade Marcelo Guimarães Lima Carla Teixeira Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro Priscila Figueiredo Ronaldo Tadeu de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Slavoj Žižek Ricardo Antunes Flávio R. Kothe Jorge Luiz Souto Maior Osvaldo Coggiola Eugênio Bucci Michael Roberts Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Lopes Marcus Ianoni José Dirceu José Geraldo Couto Chico Whitaker Michael Löwy Kátia Gerab Baggio Henri Acselrad João Feres Júnior Claudio Katz André Márcio Neves Soares Heraldo Campos Chico Alencar Luiz Bernardo Pericás Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Capel Narvai Vanderlei Tenório Remy José Fontana José Raimundo Trindade Annateresa Fabris Francisco Fernandes Ladeira Armando Boito Maria Rita Kehl Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Eugênio Trivinho Alysson Leandro Mascaro Benicio Viero Schmidt João Sette Whitaker Ferreira Mário Maestri Daniel Afonso da Silva Bruno Machado Antonino Infranca Luiz Eduardo Soares Lorenzo Vitral Otaviano Helene Samuel Kilsztajn Yuri Martins-Fontes Tadeu Valadares Luís Fernando Vitagliano Paulo Martins Jorge Branco Everaldo de Oliveira Andrade Leda Maria Paulani Leonardo Avritzer Paulo Fernandes Silveira Luiz Werneck Vianna Manuel Domingos Neto José Luís Fiori João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Érico Andrade Vinício Carrilho Martinez Leonardo Sacramento Salem Nasser Tarso Genro Ari Marcelo Solon Celso Favaretto Henry Burnett Fernando Nogueira da Costa João Lanari Bo Marjorie C. Marona Valerio Arcary Daniel Brazil Bento Prado Jr. Ricardo Fabbrini Jean Pierre Chauvin Eduardo Borges Anselm Jappe Mariarosaria Fabris Daniel Costa Michel Goulart da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Liszt Vieira Gerson Almeida Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Eleonora Albano André Singer Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Ronald Rocha Celso Frederico Juarez Guimarães Bernardo Ricupero Elias Jabbour Matheus Silveira de Souza Luciano Nascimento Luiz Marques Vladimir Safatle Alexandre Aragão de Albuquerque Tales Ab'Sáber João Adolfo Hansen

NOVAS PUBLICAÇÕES