As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Nova ofensiva da OTAN ?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CAIO BUGIATO*

A ofensiva geral da OTAN contra a Rússia acontece há muito tempo, com o avanço da organização militar na Europa em direção às fronteiras do Estado russo

A vitória russa em Bakhmut

O grupo mercenário Wagner e o governo Putin anunciaram a completa tomada da cidade de Bakhmut. A batalha na cidade durou cerca de nove meses, destruiu a cidade, ceifou centenas de milhares de vidas e é considerada a maior da guerra na Ucrânia e em solo europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

A vitória russa tem um duplo significado. Primeiro, abre caminho em direção a cidades mais estratégicas para a tomada da região do Donbass, inclusive em direção ao interior ucraniano e a Kiev. Segundo, é uma vitória política do governo de Vladimir Putin, que não tinha um triunfo significativo na guerra desde o começo de 2023, elevando o moral da tropa e fortalecendo suas posições na política interna russa. Bakhmut era considerada e propagandeada pelo governo Zelensky como a grande resistência ucraniana, que agora não mais se sustenta.

Certamente as operações militares ucranianas em Bakhmut foram patrocinadas pelo Ocidente, cujas armas tornaram possível a defesa da cidade. O apoio da OTAN à Ucrânia escancara que a guerra vai muito além de um confronto entre dois Estados nacionais, como avalia o próprio governo Putin. Tal apoio repercutiu na Rússia em meio às comemorações da vitória na Grande Guerra Patriótica (Segunda Guerra Mundial), quando os soviéticos derrubaram a máquina de guerra nazista e conquistaram Berlim.

O envio de tanques alemães Leopard II pela coalizão dos Estados ocidentais motivou notícias e discursos em jornais russos como “O quarto Reich declarou guerra à Rússia” e “Os tanques alemães estão em solo russo novamente”. Não é possível saber se Bakhmut será um ponto de virada na guerra como foi Stalingrado, mas é provável que os apoiadores de Kiev no Ocidente estejam refletindo sobre o uso de todos os recursos militares e financeiros enviados aos ucranianos.

Nova ofensiva da OTAN?

A ofensiva geral da OTAN contra a Rússia acontece há muito tempo, com o avanço da organização militar na Europa em direção às fronteiras do Estado russo. A ofensiva militar aconteceu quando as forças militares ucranianas patrocinadas pelo ocidente repeliram os avanços russos depois de seis meses de guerra. Assim, a conquista territorial da Rússia se estende atualmente da província de Criméia ao longo de todo o leste do país até a província de Luhansky. Em meio à derrota em Bakhmut e às preocupações ocidentais, a OTAN pretende lançar sua terceira ofensiva, anunciada pelas forças militares ucranianas como a operação para restabelecer suas fronteiras de 2014.

Obviamente os detalhes da operação estão mantidos em segredo. Porém documentos vazados há algumas semanas indicam que a OTAN está treinando as forças armadas de Kiev em solo ucraniano. Em recente comunicado o secretário-geral da organização militar Jens Stoltenberg destacou o provimento de bilhões de euros de apoio à Ucrânia desde o início da guerra em fevereiro de 2022. Ainda reafirmou que os países da OTAN treinaram milhares de soldados ucranianos e estão fornecendo mais jatos, tanques e veículos blindados para os ucranianos, a medida que estes se organizam para uma contraofensiva. Além disso, Jens Stoltenberg enfatizou que o lugar da Ucrânia é na OTAN e que a aliança militar está com a Ucrânia para auxiliá-la a obter os padrões da OTAN e confirmar seu ingresso na organização.

Autoridades da Ucrânia ecoam as afirmações da OTAN, como o secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, Oleksiy Danilov. O secretário disse estar pronto para dar início à operação quando os comandantes calcularem que “podemos ter o melhor resultado naquele ponto da guerra”. Afirmou ainda: “temos que entender que essa oportunidade histórica que nos é dada – por Deus – ao nosso país não podemos perder, para que possamos nos tornar verdadeiramente um grande país europeu independente”. “Pode acontecer amanhã, depois de amanhã ou em uma semana”. Volodymyr Zelensky, inclusive, propôs uma coalização de caças ao Ocidente, similar à coalizão de tanques.

No lado russo, ciente da possível nova ofensiva, já ocorreu mobilização e treinamento de trezentos mil reservistas, além da aceleração da produção de armamentos e organização quantidades significativas de equipamento e munições. Tropas russas estão posicionadas no leste da Ucrânia e começaram a avançar para diversas regiões ao longo de uma frente de 724 quilômetros.

A derrota ucraniana em Bakhmut e a possível ofensiva da OTAN sugerem a intensificação do confronto neste momento e nas próximas semanas, mas avanços e retrocessos de ambos os lados são difíceis de prever. O que parece estar em jogo agora é que governo de Volodymyr Zelensky precisa mostrar aos cidadãos, às forças armadas da Ucrânia e aos aliados ocidentais que é capaz romper as linhas russas e justificar seu papel de fantoche do Ocidente. Logo, o malogro da terceira ofensiva pode sim trazer novos rumos para a guerra.

*Caio Bugiato é professor de ciência política e relações internacionais da UFRRJ e do programa de pós-graduação em relações internacionais da UFABC.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Dênis de Moraes Berenice Bento Henry Burnett Alexandre de Lima Castro Tranjan Annateresa Fabris Michael Roberts Sandra Bitencourt Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo José Dirceu Eleutério F. S. Prado Gerson Almeida Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Vinício Carrilho Martinez Lincoln Secco Tales Ab'Sáber André Singer Luiz Renato Martins Rafael R. Ioris Kátia Gerab Baggio Luiz Bernardo Pericás Bruno Machado Priscila Figueiredo Paulo Martins Ricardo Antunes Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Michael Löwy Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay João Carlos Salles Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin José Machado Moita Neto Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira José Costa Júnior Rodrigo de Faria Manuel Domingos Neto Antonio Martins Tarso Genro Luiz Werneck Vianna Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino Luís Fernando Vitagliano Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Fernando Nogueira da Costa Ronald León Núñez Chico Whitaker Luis Felipe Miguel Celso Favaretto Armando Boito Mário Maestri Daniel Brazil João Sette Whitaker Ferreira Roberto Noritomi Daniel Afonso da Silva Afrânio Catani Bento Prado Jr. Luiz Costa Lima Samuel Kilsztajn Tadeu Valadares Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Thomas Piketty Marcelo Módolo Gabriel Cohn Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Leda Maria Paulani Francisco de Oliveira Barros Júnior Eliziário Andrade Marcelo Guimarães Lima Luiz Roberto Alves Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Henri Acselrad Elias Jabbour Gilberto Maringoni Maria Rita Kehl Daniel Costa Anselm Jappe Luiz Marques Fábio Konder Comparato Roberto Bueno Airton Paschoa Walnice Nogueira Galvão Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz André Márcio Neves Soares Ricardo Fabbrini Heraldo Campos Eugênio Bucci Alexandre Aragão de Albuquerque José Geraldo Couto Milton Pinheiro Atilio A. Boron Denilson Cordeiro Marjorie C. Marona Érico Andrade Luiz Eduardo Soares Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Andrew Korybko Vladimir Safatle Flávio Aguiar Ladislau Dowbor José Raimundo Trindade Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Igor Felippe Santos Marcos Silva Liszt Vieira Ricardo Musse João Carlos Loebens José Luís Fiori Paulo Sérgio Pinheiro Rubens Pinto Lyra Carlos Tautz João Adolfo Hansen Julian Rodrigues Fernão Pessoa Ramos Ronaldo Tadeu de Souza Caio Bugiato Salem Nasser Valério Arcary Marilena Chauí João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Flávio R. Kothe Chico Alencar Remy José Fontana Eleonora Albano Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Boff João Paulo Ayub Fonseca Vanderlei Tenório Carla Teixeira Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro Osvaldo Coggiola Ari Marcelo Solon Everaldo de Oliveira Andrade Antonino Infranca Lorenzo Vitral João Lanari Bo Jean Marc Von Der Weid Manchetômetro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada