Enquanto anoitece

Imagem: Anna Boghiguian
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LETÍCIA NÚÑEZ ALMEIDA*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Luiz Eduardo Soares.

Maria Bethânia disse certa vez que não gostava do pôr do sol, enquanto anoitece é um momento inseguro, cada um o vive como pode. Enquanto anoitece, uns desfrutam do sol se pondo atrás dos Dois Irmãos em Ipanema e no Leblon para depois retornar aos seus apartamentos lindos, limpos e seguros graças aos trabalhadores que enquanto anoitece estão esperando o ônibus, o trem, o metrô, a van, ou todos, para retornar aos seus lares, com apenas uma certeza, o expediente do dia ainda não terminou, longe disso, o terceiro turno está começando.

Dentre as muitas fronteiras que separam a vida de quem mora de um ou do outro lado do Túnel Rebouças, o acesso aos prédios residenciais chama a atenção de quem não é local, os moradores não têm as chaves da portaria do seu prédio, nem o controle do portão da garagem. Os porteiros são os donos da passagem, são os Exus da administração predial, eles é que fazem a gestão de quem pode subir pelo elevador social ou pelo de serviço. Se o morador sai cinqüenta vezes, o porteiro abre a porta e o cumprimento todas elas. Se alguém precisa de ajuda, é ele que resolve.

Se há imóvel para alugar e/ou vender também é ele quem sabe, e não necessariamente passa essa informação adiante, tudo depende da condição que os moradores dão ao pessoal da portaria. Se são gentis e educados, é uma coisa, se são marrentos, abusados, trocam os nomes por gosto, não cumprimentam, andam com cães soltos, entram no edifício com a areia da praia…tudo na vida é troca, ensinam os nossos Exus.

Eles estão nas calçadas nobres conversando com os seus colegas de ofício, sabem tudo que se passa, conhecem os entregadores, domésticas, traficantes, prestadores de serviço de todo tipo, a maioria são do Norte do país e moram longe da Zona Sul carioca, quando ascendem ao que seria a primeira divisão da equipe da portaria, tem a possibilidade de morar em um cômodo no próprio edifício com sua família, algo cada vez mais raro.

Como todo ser humano, cada porteiro tem o seu mundo particular, seus mistérios, sua história de desigualdades e sofrimento. Ninguém tem uma vida sacrificada longe da sua terra porque quer, muito menos sendo chamado de cearense quando é nascido no Pernambuco, passando os dias escaldantes de traje social e sapato lustrado enquanto os demais aproveitam o entardecer de sunga e biquíni na praia.

Enquanto anoitece nos presenteia com o que está por trás da vida aparentemente tranqüila de um desses tantos nordestinos que fazem a “segurança” dos moradores do Leblon. Raimundo Nonato, o protagonista, reúne em si ambigüidades complementares que só um grande personagem tem. Sua existência é política, e nos faz percorrer facilmente pelas mais diversas regiões do Brasil ao mesmo tempo que mobiliza nossos pré-conceitos, desacomoda nossas verdades sobre a história recente do país e revela a glória de seus personagens invisíveis.

Enquanto anoitece fala de lealdade, qualidade rara nos seres humanos, nos apresenta a dor e as perdas como parte da vida, não como algo insuportável e extraordinário. Valoriza o que há de mais cruel e ao mesmo tempo divino na vida dos brasileiros: as crenças, os afetos, a diversidade e os encontros.

Por fim, para não “spoliar” a surpresa, impossível não se apaixonar pelos silêncios de Raimundo Nonato que – depois de ler o livro – permanecem gritando nos nossos ouvidos. Uma obra prima que só o brilhante Luiz Eduardo Soares poderia escrever.

*Letícia Núñez Almeida é professora de sociologia na Universidad de la República do Uruguay. É autora, entre outros livros, de Subsistemas fronteiriços do Brasil: mercados ilegais e violência (Gramma).

Referência

Luiz Eduardo Soares. Enquanto anoitece. São Paulo, Todavia, 2023, 160 págs.

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES