Ensaio sobre a fauna brasileira

Imagem: Marika Mäkelä
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o livro de Agenor Couto de Magalhães

Tenho um exemplar, que herdei de meu avô, do livro Ensaio sobre a fauna brasileira, de Agenor Couto de Magalhães, editado em 1939. O autor, na época, era chefe da seção de caça e pesca da Secretaria de Agricultura, Indústria e Comércio do Estado de São Paulo. A página de rosto informa que o volume era de distribuição gratuita.

Diz o prefácio (chamado de Exórdio): “O presente trabalho, como o título bem o diz, nada mais é que um ligeiro ensaio sobre a fauna brasílica (…). Elaborando-o em linguagem simples e acessível, visei marcar o ponto inicial das futuras observações concernentes à vida desses animais indígenas, até hoje quasi desconhecidos da nossa gente”.

O ponto de vista muitas vezes é de um caçador, não de um conservacionista, e utilizado num curso de biologia dos nossos dias certamente causaria protestos. Chama a atenção o estilo “simples e acessível”, recheado de citações em francês e alemão. Numa passagem, ele descreve um caçador (“um devoto de Santo Humberto”) na beira de uma lagoa esperando a chegada de marrecas.

“O sol já não tinge com o clarão de incêndio imenso o horizonte afogueado. Apenas uma fímbria desbotada de vermelho se destaca no poente arroxeado. Para cá, o céu curva-se numa vasta abóbada de azul, desmaiado, talvez, pelo frio da noite que acordou lá em cima uma linda estrela tremeluzente anunciando o crepúsculo. As jaçanãs alegres cantam nos brejais em períodos repetidos, anunciando também a hora vespertina. Não tardam a surgir bandos de marrecas que, barulhentas, atravessam o espaço humedecido e álgido do vargedo. Os tiros quebram então a harmonia do cenário melancólico (…)”.

Um outro capítulo, dedicado à descrição das araras, tem esse início memorável: “Logo que, arrastadas pelo pesado velame, que a custo se inflava e exibia as insígnias da Cruz de Malta, aportaram ao Brasil as vagarosas caravelas lusitanas, os audazes navegantes, pisando a terra de Santa Cruz e correndo os olhos pela gente bronzeada que, estupefacta, acorria às praias alvas do norte, tiveram duas surpresas dignas de registo: o corpo tostado das índias nuas e as penas vermelhas, amarelas e azuis das lindas araras que pousavam nos ombros roliços das bugras da terra bravia que acabava de ser descoberta.”

O beletrista Agenor Couto de Magalhães também descreve uma caça ao peixe-boi ou o tiro que deu numa lontra, entre outras façanhas. Oscila entre o entusiasmo e o repúdio, como se dentro dele o caçador enfrentasse um futuro ambientalista. Ao lamentar que a anta não seja mais encontrada com frequência, afirma que “não soubemos ter leis para a preservação dessa forma, realmente valiosa, do cenário tropical da terra indígena”.

E prossegue: “Essa incúria que, como certas dermatoses, se alastra pelo Brasil afora, algum dia terá fim, e oxalá a tempo de salvar ao menos uma parte do seu patrimônio (…). Bem sei que vou me tornando demasiadamente sediço nessas constantes digressões. Mas não tenho grande culpa em fazê-las, já que a isso me arrasta o amor que voto a esta terra e a responsabilidade que me cabe como estudioso desses problemas. Hei de pugnar, contudo, com a constância que me caracteriza, pela defesa desse patrimônio inestimável que jaz à míngua de proteção”.

Por outro lado, aponta que a narceja “é uma das espécies mais interessantes para o caçador que deseja exercitar o tiro ao vôo”, ou que o macuco, quando se recolhe para dormir “qualquer animal pode aproximar-se dele que não o espanta. É por isso que certos caçadores costumam surpreendê-lo no sagrado recolhimento, matando-o então friamente, sem emoção, sem gôsto, sem arte”. Gosto? Arte? Em outro trecho, afirma que “Si compararmos as caçadas africanas e asiáticas com as nossas, concluiremos forçosamente pela supremacia das nossas em beleza e emoção”.

De tradicional família quatrocentona, o sobrenome Couto de Magalhães denomina ruas e escolas em vários estados. Agenor certamente frequentou boas escolas, e se esmerava nos adjetivos. Uma perdiz era a “rainha cobiçada das campanhas intérminas”, um macuco, “o príncipe da floresta”. Um quero-quero, o “chanteclair dos potreiros” (ele mesmo coloca entre aspas, deve ter ouvido e achou bonito). A preguiça tem “cômica fisionomia”, o mão-pelada é “um atrevido ladrão de galinhas”, e o jacamim é o “juiz de paz do terreiro”. Para consolo contemporâneo, uma imagem de caçadores exibindo cervos abatidos em Mato Grosso é chamada de “matança bárbara e inútil”. Sim, o livro tem algumas fotos, obviamente em preto e branco.

Contraditório, o autor se divide entre a admiração aos praticantes da “arte cinegética, com espírito de esportistas” e o lamento ao desaparecimento de espécies em várias regiões. Seu pensamento ora é utilitário, enxergando em alguns animais valor econômico e lamentando a destruição de seus habitats como se fosse “um desperdício”, ora é ecológico (palavra-conceito que ele não conheceu), transparecendo admiração pela diversidade da natureza. Chega a afirmar que a destruição ambiental “é crime, é barbaria que deve ser reprimida, com toda a severidade, pelos poderes públicos”.

Ler um livro como Ensaio sobre a fauna brasileira com o olhar do século XXI ajuda a entender a formação do pensamento conservacionista ambiental com todas as contradições culturais, de classe e de época, a que está submetido. E, para os analistas do estilo, é um exemplo da linguagem ora romântica, ora naturalista, dos escritos científicos brasileiros anteriores à Segunda Guerra Mundial. Não deixa de ser uma leitura saborosa, condimentada pelo tempo, embora às vezes deixe um amargo retro gosto de sangue.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência


Agenor Couto de Magalhães. Ensaio sobre a fauna brasileira. São Paulo, Secretaria da Agricultura, 1939 (https://amzn.to/45aZftm).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Ricardo Abramovay João Adolfo Hansen Michael Löwy Gilberto Maringoni Michael Roberts Caio Bugiato João Lanari Bo João Feres Júnior Marcelo Módolo Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marcus Ianoni Gilberto Lopes Heraldo Campos Carla Teixeira Leonardo Boff Rafael R. Ioris Henry Burnett Celso Favaretto Kátia Gerab Baggio André Márcio Neves Soares Leonardo Sacramento Leonardo Avritzer Benicio Viero Schmidt Anselm Jappe Daniel Costa Claudio Katz Paulo Fernandes Silveira Marcos Silva Eugênio Bucci Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour Jean Pierre Chauvin Jorge Luiz Souto Maior Tarso Genro José Costa Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Brazil Valerio Arcary Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Vinício Carrilho Martinez Ronaldo Tadeu de Souza Bento Prado Jr. Ricardo Fabbrini Luís Fernando Vitagliano João Carlos Salles Everaldo de Oliveira Andrade Maria Rita Kehl Francisco de Oliveira Barros Júnior Marjorie C. Marona Vanderlei Tenório Liszt Vieira Atilio A. Boron Chico Alencar Érico Andrade Tadeu Valadares Andrew Korybko Thomas Piketty José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo Andrés del Río Berenice Bento Antonino Infranca Antonio Martins José Geraldo Couto Dênis de Moraes Alysson Leandro Mascaro Marcelo Guimarães Lima Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Afonso da Silva Manuel Domingos Neto Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon Luiz Marques Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Luiz Bernardo Pericás Luciano Nascimento Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Roberto Alves Bernardo Ricupero José Luís Fiori João Paulo Ayub Fonseca Bruno Machado José Machado Moita Neto Marilia Pacheco Fiorillo Antônio Sales Rios Neto Carlos Tautz Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Marilena Chauí Matheus Silveira de Souza André Singer Rubens Pinto Lyra José Dirceu Michel Goulart da Silva Annateresa Fabris Fernão Pessoa Ramos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eliziário Andrade Flávio Aguiar Mário Maestri Remy José Fontana Henri Acselrad Paulo Martins Gabriel Cohn Paulo Sérgio Pinheiro Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens José Raimundo Trindade Manchetômetro Sergio Amadeu da Silveira Eleutério F. S. Prado Denilson Cordeiro Eduardo Borges Milton Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Renato Dagnino Alexandre de Lima Castro Tranjan Mariarosaria Fabris Sandra Bitencourt Luiz Eduardo Soares Ronald León Núñez Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Jorge Branco Ricardo Musse Walnice Nogueira Galvão Leda Maria Paulani Francisco Pereira de Farias João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Trivinho Airton Paschoa Fábio Konder Comparato Slavoj Žižek Lincoln Secco Ladislau Dowbor Julian Rodrigues Lorenzo Vitral Fernando Nogueira da Costa Luis Felipe Miguel Marcos Aurélio da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Igor Felippe Santos Chico Whitaker Vladimir Safatle Dennis Oliveira Paulo Capel Narvai Ricardo Antunes Gerson Almeida Celso Frederico Otaviano Helene Armando Boito Luiz Carlos Bresser-Pereira Rodrigo de Faria

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada