As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O Brasil fraturado

Imagem: Mohamed Abdelsadig
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VALERIO ARCARY*

Ainda há muita incerteza sobre o desfecho das eleições

“Em tempo de guerra não se limpam armas” (Sabedoria popular portuguesa).

Lula obteve uma média de 44.5% de menções positivas ao longo do debate de domingo à noite, Jair Bolsonaro obteve 36.5%. Esta é a régua que importa: a repercussão do debate. Numa análise técnica, Lula ganhou o primeiro “round” por larga vantagem, ao ser arrasador na denúncia da irresponsabilidade do governo durante a pandemia. Empatou no segundo bloco de perguntas dos jornalistas. Perdeu no terceiro, em função do descontrole do tempo.

Lula, corretamente, decidiu não baixar o nível, mas não conseguiu encaixar uma resposta sobre a corrupção. Jair Bolsonaro, como era previsível, desceu até o fundo do poço do “vale tudo”: usou o corpo para tentar intimidar Lula, repetiu à exaustão que o PT roubou na Petrobrás, abusou dos bordões demagógicos contra o aborto, ideologia de gênero e legalização de drogas, e tentou aterrorizar com a ameaça do fechamento de igrejas e prisão de religiosos.

Lula, visivelmente, cansado, teve um grande momento quando defendeu a dignidade dos trabalhadores que vivem em favelas. Faltam treze dias, e o mais importante é que Lula mantém a dianteira. Mas ainda há muita incerteza sobre o desfecho das eleições.

A segunda semana do segundo turno terminou com as pesquisas indicando que Lula mantém uma vantagem de 5% sobre Bolsonaro, o mesmo patamar da semana anterior no DataFolha. Mas na pesquisa mais recente do IPEC, dia 17 de outubro, nos votos totais, Lula com 50%, menos um, e Bolsonaro 43%, mais um, teria ocorrido uma pequena oscilação favorável a Jair Bolsonaro, também, nos votos válidos, 54% a 46%.

Os dados são que 95% dos eleitores de Lula estão decididos, contra 93% de Bolsonaro, e só há 1% de indecisos. A vantagem de Lula se sustenta numa ampla maioria entre os que têm renda de até dois salários mínimos mensais. Tudo sugere que a taxa de abstenção terá importância decisiva. Historicamente, ela é maior nos segundos turnos. A luta para que haja transporte público gratuito ganhou máxima importância. É possível vencer.

Mas Jair Bolsonaro está na frente no Sul (59% a 41% sobre Lula) e no Centro-oeste (os mesmos 59% a 41%), um empate técnico no Sudeste, com vantagem quantitativa para Bolsonaro (52% a 48%) e, também, no Norte (51% a 49%) e vitória esmagadora de Lula no nordeste (72% a 28%). O país está, portanto, além de dividido, socialmente, fraturado, regionalmente.

Lula ganhou 41% dos eleitores de Simone Tebet, Jair Bolsonaro 29%. De Ciro Gomes, Lula ganhou 40% e Jair Bolsonaro 31%. Se não desconsiderarmos que a margem de erro das pesquisas é de 2% para mais ou para menos, na pior hipótese, a vantagem de Lula é de apenas 1%. Existe, portanto, incerteza.

Os votos em disputa são uma minoria ínfima. A campanha se desenvolve em cinco frentes. Nas escolhas da tática política, na articulação de apoios, na mobilização nas ruas, na agitação das redes sociais e nos horários de propaganda nas rádios e televisões. O decisivo será a tática política, não a “lacração”.

Jair Bolsonaro teve as previsíveis adesões de Romeu Zema, Rodrigo Garcia e Sergio Moro. Lula ganhou o apoio de Simone Tebet, de lideranças históricas do PSDB como Fernando Henrique e José Serra, além do PDT, e um suspiro de Ciro Gomes. Nesse terreno se fortaleceu. A superioridade de Lula nas ruas é, também, imensa, neste momento. As caminhadas em Campinas e Belo Horizonte, no Complexo do Alemão e em Salvador, além de Aracaju e Recife foram avassaladoras.

Mas é verdade que ainda estamos aprendendo como se faz a luta contra a extrema direita. Qual deve ser a linha? Uma maioria do ativismo está apoiando a tática sensacionalista de usar declarações absurdas e abjetas, estúpidas e estapafúrdias de Jair Bolsonaro contra ele mesmo. Mas a guerra suja nas redes sociais não diminui a centralidade da política. Ela deve estar centrada na defesa de propostas que possam inspirar esperança política, ou na reivindicação do passado? A proposta, por exemplo, de isenção de imposto de renda para os assalariados que ganham até cinco mil reais foi uma inflexão muito importante, infelizmente, não explorada no debate. Associada à defesa de imposto sobre as grandes fortunas, e outras, sinalizam um caminho.

Os governos do PT geraram o lulismo nas camadas populares. Essa é a chave para compreender a gigantesca liderança de Lula no Nordeste que pode decidir a vitória sobre Jair Bolsonaro. No Brasil a classe trabalhadora se divide em duas grandes partes. De um lado, são um pouco mais de trinta milhões de assalariados com carteira assinada no setor privado, mais concentrados no Sudeste e no Sul, e treze milhões de funcionários públicos.

De outro lado, estão dez milhões de assalariados com patrão, mas sem contrato e 25 milhões que trabalham por conta própria, nas mais variadas atividades. O peso deste semiproletariado é imenso em todo o país, maior no Norte e no Nordeste. O PT se transformou em partido com influência de massas, nos anos 1980, a partir da mobilização da classe trabalhadora, sindicalmente, organizada. Sempre foi mais forte no Sudeste antes de 2002.

O lulismo passou a ser de massas a partir da experiência prática de melhoria das condições de vida com os governos Lula e Dilma Rousseff. Mas nos últimos dez anos o país mudou. Enquanto, na escala nacional, sobretudo nas regiões mais industrializadas, a economia estagnava, num eixo que recorta o Brasil do interior de norte a sul, vinha um forte crescimento impulsionado pela valorização da exportação de grãos e proteínas.

Os polos, historicamente, mais dinâmicos do litoral, entraram em decadência. Do sul da Amazônia, passando pelo centro-oeste de Mato Grosso e Goiás, do oeste paulista e paranaense, até Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o agronegócio arrasta a massa da burguesia em função da recente prosperidade. O surgimento de uma extrema direita neofascista de massas se apoia, além do giro à direita das camadas médias, também, nesta fratura regional.

*Valério Arcary é professor aposentado do IFSP. Autor, entre outros livros, de Ninguém disse que seria fácil (Boitempo).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleutério F. S. Prado Juarez Guimarães Tarso Genro Eugênio Trivinho Liszt Vieira Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Henry Burnett Mário Maestri Luiz Carlos Bresser-Pereira Carlos Tautz Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin João Adolfo Hansen Marjorie C. Marona Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Eugênio Bucci Marilena Chauí José Machado Moita Neto Celso Favaretto Gilberto Lopes Lincoln Secco Rodrigo de Faria Osvaldo Coggiola Claudio Katz Henri Acselrad Marcelo Guimarães Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Branco Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Gilberto Maringoni Otaviano Helene Igor Felippe Santos Tadeu Valadares Michael Roberts Annateresa Fabris Antonio Martins Lorenzo Vitral José Costa Júnior Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Luciano Nascimento Luiz Bernardo Pericás Leonardo Boff Maria Rita Kehl Fábio Konder Comparato Antônio Sales Rios Neto Valério Arcary Sandra Bitencourt Andrew Korybko Daniel Brazil André Singer Eliziário Andrade João Feres Júnior Eduardo Borges Roberto Noritomi Dênis de Moraes Manuel Domingos Neto João Paulo Ayub Fonseca Francisco Fernandes Ladeira Denilson Cordeiro Roberto Bueno Fernão Pessoa Ramos Chico Alencar José Raimundo Trindade Luiz Renato Martins Vinício Carrilho Martinez Afrânio Catani Leda Maria Paulani José Luís Fiori Alexandre de Freitas Barbosa Salem Nasser Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Michael Löwy Luiz Eduardo Soares Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber José Dirceu Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carla Teixeira Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Costa Bento Prado Jr. Flávio R. Kothe Milton Pinheiro Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira Thomas Piketty Luis Felipe Miguel Atilio A. Boron Francisco de Oliveira Barros Júnior Anselm Jappe Lucas Fiaschetti Estevez João Lanari Bo Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon Jorge Luiz Souto Maior João Carlos Salles Ronaldo Tadeu de Souza Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra Daniel Afonso da Silva Ricardo Musse Leonardo Avritzer Luiz Marques Ricardo Abramovay Valerio Arcary Luiz Roberto Alves Ronald León Núñez Ladislau Dowbor Berenice Bento Remy José Fontana Manchetômetro José Geraldo Couto Priscila Figueiredo Armando Boito Vanderlei Tenório Ricardo Antunes Caio Bugiato Dennis Oliveira Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Luiz Werneck Vianna Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Gabriel Cohn Renato Dagnino Benicio Viero Schmidt Luís Fernando Vitagliano Paulo Martins Luiz Costa Lima Marcus Ianoni Rafael R. Ioris Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Marilia Pacheco Fiorillo Antonino Infranca Bruno Machado Chico Whitaker Celso Frederico André Márcio Neves Soares Paulo Capel Narvai Slavoj Žižek Érico Andrade Gerson Almeida Airton Paschoa Elias Jabbour Marcos Silva Eleonora Albano Francisco Pereira de Farias Jean Marc Von Der Weid Paulo Nogueira Batista Jr

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada