Entre a fome e o vírus

Foto de Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

A opção entre a morte e a morte é a opção da barbárie e ela está vencendo

Estou bem próximo, numa rua erma, onde dois homens velhos conversam certamente sobre as dificuldades da arte de sobreviver. São dois homens de cabelos brancos, vestidos de maneira simples, defronte a uma casa pequena e antiga. É um bairro de pessoas pobres, onde fruir o escasso vento da manhã – do verão cada vez mais quente – é um privilégio. Um deles, que está sentado com a cabeça erguida, responde algo ao que está em pé.

Ao passar por eles escuto aquele que está em pé dizer ao que está sentado – atento e reverente – como um velho conhecido: “… é que temos que escolher entre morrer de fome ou morrer do vírus”. A sentença revela reverência e fatalidade, não prazer ou adesão. Nem admiração ou respeito. Mas acolhimento de uma ordem mítica, sobre a qual não pende nenhuma possibilidade de resistência ou alternativa.

Na sequência lembro uma fala de Walter Benjamin sobre o nazifascismo e a guerra: “No piloto e chefe de um único avião com bombas de gás, convergem todos os poderes capazes de privar o cidadão de luz, de ar e de vida, e que em tempos de paz estão distribuídos por milhares de chefes de repartição.”  O Fascismo cria sua fatalidade mítica na razão invertida da palavra do líder: a razão iluminista pisa nas trevas medievais e abre espaços de luz; a razão perversa do fascismo, todavia, foge dos espaços de luz e abre o portão das trevas e da morte.

Pela frase que escutei, como se fosse o fragmento de um discurso sobre a desgraça, entendi melhor os efeitos da estratégia de um genocídio alcançando o  inconsciente: ele promove a dominação pela criação da dor consentida. A política de Bolsonaro é precisamente isso: convencer aquela parte indefesa – disponível na sociedade – que é bom ser confinada entre duas ilusões-limites: não entre a vida e a morte, mas entre os dois tipos de mortes no mercado liberal do ódio: morte pela fome ou morte pelo vírus.

Minha querida amiga Clara Ant me remete uma gravação sobre um fato brutal, ocorrido com parte da sua família, num dia longínquo 2a. Guerra, quando os nazistas ocuparam a Polônia. Separados das famílias recolhidas pelos nazis – todos judeus – os homens capturados foram pelos nazis levados a lugar “discreto”, para cavarem uma enorme fossa onde seriam sepultados após o fuzilamento coletivo pelos “valentes” soldados alemães.

Em cada movimento da pá, ao abrirem a fossa na terra generosa, imagino cada um destes homens olhando o céu e a terra, cientes de do roteiro lhes levava ao túmulo comum. Nesta certeza, o ritmo da terra ultrajada certamente lhes falava de uma morte solitária, que viria na tentativa de uma rebelião impossível; ou indicava a morte coletiva, cujo ritual de oferenda coletiva seria recompensado pelas mulheres que seriam poupadas.

Entre as mulheres que conseguiram caminhar depois dos assassinatos em massa, estava a mãe de Clara Ant, que recebeu de uma vizinha não-judia um punhado de batatas cozidas, que salvaram vidas e abriram novos caminhos de resistência. Um gesto de amor, uma forma de autopreservação da dignidade humana, um gérmen de resistência moral plantando a possibilidade de futuro.

Morte pelo vírus ou morte pela fome! Eis o convencimento trabalhado pelos ideólogos do bolsonarismo que especula com o medo, a fragilidade das pessoas perante o infortúnio programado e que faz a gente se perguntar: Onde estavam estas pessoas que fizeram isso? Quem são elas? Como de repente começaram a se apropriar da vida de milhões e lhes levam – como autômatos – a cavar seus próprios túmulos? A opção entre a morte e a morte é a opção da barbárie e ela está vencendo.

Todos os que rejeitam a barbárie, todos os que recusam o fascismo, todos os que não aceitam que a disjuntiva seja “a morte ou a morte”, mas a vida ou a morte – e estejam dispostos a lutar pela vida – deveriam sentar numa larga e generosa Mesa de unidade política contra o fascismo.

Neste ano infernal de 2021, em que o Centrão e centenas de militares no Governo parecem ter ajustado assassinar todos os sonhos de uma República com democracia e justiça, devemos carregar batatas nos bolsos da nossa consciência, para alimentar o desejo coletivo de lutar e de vencer os bandidos instalados no poder.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida André Márcio Neves Soares Eugênio Bucci Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Claudio Katz Gilberto Lopes Elias Jabbour Bruno Machado André Singer Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Jean Pierre Chauvin José Micaelson Lacerda Morais Fernão Pessoa Ramos Marcos Aurélio da Silva Anderson Alves Esteves Celso Favaretto Salem Nasser Leda Maria Paulani Michael Löwy Marjorie C. Marona José Luís Fiori Luciano Nascimento Lorenzo Vitral José Costa Júnior Carla Teixeira Valerio Arcary Luiz Renato Martins Marcelo Guimarães Lima Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira Remy José Fontana Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Dênis de Moraes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valerio Arcary Milton Pinheiro Érico Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Airton Paschoa Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Chico Whitaker Jorge Branco Afrânio Catani Luiz Marques Maria Rita Kehl Jorge Luiz Souto Maior Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Fernando Nogueira da Costa Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Igor Felippe Santos Everaldo de Oliveira Andrade Rubens Pinto Lyra Denilson Cordeiro Juarez Guimarães Matheus Silveira de Souza Andrew Korybko João Feres Júnior José Geraldo Couto Leonardo Boff Francisco Pereira de Farias José Dirceu Alexandre de Freitas Barbosa João Lanari Bo Daniel Afonso da Silva José Raimundo Trindade Anselm Jappe Fábio Konder Comparato Mariarosaria Fabris Vinício Carrilho Martinez Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Roberto Alves Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes Bento Prado Jr. Vanderlei Tenório Ricardo Abramovay Marcos Silva Caio Bugiato Ronald Rocha Eleonora Albano Ari Marcelo Solon Mário Maestri Daniel Brazil Thomas Piketty Daniel Costa Eliziário Andrade Sergio Amadeu da Silveira Antonino Infranca Henri Acselrad Ricardo Musse Celso Frederico Antonio Martins Slavoj Žižek Ricardo Antunes Bernardo Ricupero Tadeu Valadares Henry Burnett Armando Boito Lucas Fiaschetti Estevez Flávio Aguiar João Paulo Ayub Fonseca Tales Ab'Sáber Ronald León Núñez Sandra Bitencourt João Carlos Salles Berenice Bento João Carlos Loebens Eugênio Trivinho João Sette Whitaker Ferreira Antônio Sales Rios Neto Priscila Figueiredo Lincoln Secco Alysson Leandro Mascaro Andrés del Río Kátia Gerab Baggio Paulo Martins Luís Fernando Vitagliano Liszt Vieira Dennis Oliveira Carlos Tautz Luiz Bernardo Pericás Michel Goulart da Silva Vladimir Safatle Gabriel Cohn Renato Dagnino Michael Roberts Marcelo Módolo Manuel Domingos Neto Leonardo Avritzer Rafael R. Ioris Eduardo Borges Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Osvaldo Coggiola Atilio A. Boron Samuel Kilsztajn José Machado Moita Neto Marilena Chauí Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Sacramento Gilberto Maringoni Tarso Genro Jean Marc Von Der Weid Ladislau Dowbor Rodrigo de Faria Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Alencar

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada