As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A greve do pelego neoliberal na USP

Imagem: Tom Fisk
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RUBENS RUSSOMANNO RICCIARDI*

Não podemos desprezar a força de grupos que pretendem a privatização da USP, bem como a ação clandestina dos seus representantes

Sabemos, pela leitura dos clássicos, que as intenções dos poderosos, em cada época, são também os pensamentos dominantes de toda a sociedade: a classe, a qual detém o poder material dos meios de produção – ou hoje se encontra no topo da pirâmide da financeirização rentista (e improdutiva) – domina também o âmbito intelectual, determinando a consciência das pessoas.

Desde o último quartel do século XX, com a tríade Augusto Pinochet, Margaret Thatcher e Ronald Reagan, o privatismo neoliberal é o pensamento dominante. Não se pensa mais na luta de classes, na igualdade ou no bem comum, mas sim na diversidade do empreendedorismo individual – resultando numa pseudocidadania redutiva ao trabalho precarizado. Assim, devemos lembrar que um conceito imprescindível enquanto problema na luta política das décadas anteriores ao neoliberalismo, como é o caso do pelego, também anda solenemente esquecido. Será que não há mais pelegos em nossos tempos? Ou a compreensão do seu significado não interessa à doutrina neoliberal?

Pelego, originalmente, era uma peça de lã colocada sobre a sela entre o cavaleiro e o cavalo, a qual garantia uma cavalgada mais confortável. Em meados do século XX, surgiu a metáfora: o termo pelego passou a designar um líder sindical a serviço dos poderosos ou mesmo considerado traidor dos trabalhadores. Vários colegas da USP já demonstraram, com os seus artigos recentes, que essa greve é um tiro no pé.

Eu me permito um passo além: temos que inserir no episódio a condição do pelego – trata-se, aliás, de uma nova aparição: a do pelego neoliberal. Sabemos que há partidos clandestinos no Congresso e no Senado, os quais agregam deputados e senadores das mais diversas siglas partidárias, mas que atendem a interesses de grupos específicos no contexto neoliberal. Não podemos, assim, desprezar a força de grupos que pretendem a privatização da USP, bem como a ação clandestina dos seus representantes – já não estariam também infiltrados nos quadros da USP?

Está claro que a USP precisa resolver a falta de docentes em cursos antigos, bem como rever o processo interrompido de instalação em alguns cursos novos. Ainda assim, na USP, há mecanismos de representação e de participação ampla, os quais podem e devem ser acionados para reivindicações. Verdade seja dita, o diálogo jamais foi impedido pela atual Reitoria. A atitude sectária da paralisação – que deveria ser tomada só no caso extremo, por exemplo, se o diálogo houvesse cessado – de modo algum se justifica: ocorre antes uma reação desproporcional e violenta.

Não é por menos, pertence à postura do pelego essa abstração enganosa da história: faz de conta que é de esquerda, mas de fato é de direita. Já o pelego neoliberal se parece antes com uma espécie de baluarte moral dos bons costumes identitários, mesmo que servindo igualmente à destruição do Estado social. Entretanto, o seu grau de civilidade é um engodo: a sua truculência o aproxima antes do fascismo – sabemos que o neoliberalismo e o fascismo andam juntos como galinhas no terreiro (com todo respeito às galinhas).

A estratégia evidente é prejudicar a imagem da USP – chega a ser mesmo uma sabotagem. Esse pelego neoliberal faz de conta que luta pela USP, mas, por trás, favorece o movimento da sua privatização – estão a serviço dos grandes senhores do mercado de ensino. Por fim, sabemos que o mercado neoliberal prioriza o ensino a distância, sem professores nem pesquisa, sem pensamento crítico nem potencial de transformação. Não é isso que desejamos à USP, ainda mais nessa conjuntura neoliberal hostil às artes, às ciências e à filosofia.

O momento não é de discórdia, mas sim de uma imprescindível união dos uspianos na defesa da universidade pública, gratuita, para todos e atuando em todas as áreas do conhecimento.

*Rubens Russomanno Ricciardi é professor titular do Departamento de Música da FFCLRP-USP.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra Chico Whitaker Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Sergio Amadeu da Silveira Henry Burnett Vinício Carrilho Martinez Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Rodrigo de Faria Maria Rita Kehl Boaventura de Sousa Santos Rafael R. Ioris Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Luiz Renato Martins Luis Felipe Miguel Renato Dagnino Fernão Pessoa Ramos Luiz Bernardo Pericás Marilia Pacheco Fiorillo Gerson Almeida Marilena Chauí Henri Acselrad Anselm Jappe Antonino Infranca Érico Andrade Fábio Konder Comparato Slavoj Žižek Antônio Sales Rios Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Boff Ricardo Abramovay Francisco Fernandes Ladeira Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Eugênio Trivinho Berenice Bento Sandra Bitencourt Roberto Bueno Marcos Silva Carlos Tautz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luís Fernando Vitagliano Gabriel Cohn Bruno Machado Kátia Gerab Baggio Annateresa Fabris Chico Alencar Eugênio Bucci Julian Rodrigues Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Michael Roberts José Raimundo Trindade João Lanari Bo José Costa Júnior Celso Frederico Elias Jabbour Daniel Costa João Feres Júnior Juarez Guimarães Tarso Genro Yuri Martins-Fontes Bento Prado Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Ronald León Núñez Bernardo Ricupero Priscila Figueiredo Leonardo Sacramento Eduardo Borges José Dirceu Paulo Martins Atilio A. Boron Vanderlei Tenório Andrew Korybko Daniel Brazil Vladimir Safatle Marcus Ianoni Francisco Pereira de Farias João Carlos Salles Walnice Nogueira Galvão Luiz Marques Luiz Roberto Alves João Carlos Loebens Igor Felippe Santos José Luís Fiori Jean Marc Von Der Weid Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Gilberto Lopes Marcos Aurélio da Silva Jorge Branco Dênis de Moraes Luiz Werneck Vianna Carla Teixeira Daniel Afonso da Silva Jean Pierre Chauvin Michael Löwy Afrânio Catani Valério Arcary Jorge Luiz Souto Maior Claudio Katz Flávio Aguiar Mário Maestri Flávio R. Kothe Caio Bugiato Lincoln Secco Manuel Domingos Neto Eleutério F. S. Prado Celso Favaretto Liszt Vieira Airton Paschoa João Adolfo Hansen Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Eliziário Andrade Benicio Viero Schmidt Luiz Costa Lima Leonardo Avritzer Eleonora Albano Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Ari Marcelo Solon Ronald Rocha José Micaelson Lacerda Morais João Paulo Ayub Fonseca Salem Nasser Thomas Piketty Valerio Arcary Ladislau Dowbor Roberto Noritomi Mariarosaria Fabris Armando Boito Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto Ricardo Antunes Osvaldo Coggiola André Márcio Neves Soares Ricardo Fabbrini Francisco de Oliveira Barros Júnior Alysson Leandro Mascaro Anderson Alves Esteves Marcelo Guimarães Lima Samuel Kilsztajn Antonio Martins André Singer Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Alexandre de Freitas Barbosa Marjorie C. Marona Ricardo Musse Leda Maria Paulani Milton Pinheiro Marcelo Módolo Heraldo Campos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada