As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Feitiço de amor

Carlos Fajardo (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS EDUARDO JORDÃO MACHADO*

Comentário sobre o livro de Ludwig Tieck, um dos expoentes do Romantismo alemão

Ludwig Tieck (1773–1855) foi figura de proa do primeiro romantismo alemão, amigo dos irmãos Schlegel, Novalis, Schelling e Fichte, tradutor de Cervantes e Shakespeare. Responsável pelo aprimoramento de um gênero literário peculiar, o Märchen (conto de fada), cujo público não é constituído de crianças, mas de adultos. Um tipo de literatura inspirada na tradição popular e que terá nas obras de Tieck e Novalis seus representantes mais significativos.

O “maravilhoso” é, justamente, o que falta na narrativa de Os anos de aprendizagem de Wilhelm Meister de Goethe. Segundo Novalis, o livro de Goethe é demasiadamente prosaico, conforme lembra Lukács em sua Teoria do romance. Como observa Maria Aparecida Barbosa na “Introdução”, “Tieck recorria ao conto popular a fim de atingir seu programa político-literário, que consistia em denunciar a banalidade da literatura de entretenimento […] Coerente, sempre perseguiu o objetivo de conferir traços de romantização ao ordinário”.

Uma passagem ilustrativa dessa “romantização do ordinário” é a fuga delirante da menina Berta, no conto, “O loiro Eckbert” – que abre a coletânea –, por meio da floresta quase que animada, passando através de penhascos assombrosos. Um talento incomum capaz de transformar o natural em sobrenatural e de dar vazão a sentimentos fluidos e inquietantes. Certamente, esse “programa político-literário” vai estar na base da polêmica acirrada que tanto Goethe como, sobretudo, Hegel na sua Estética e também depois Heinrich Heine, entre outros, irão levar a cabo contra o primeiro romantismo alemão.

Polêmica (interminável) de significação crucial para compreender as bases teóricas do que poderíamos chamar de modernidade estética. O modo como Ernst Bloch e Walter Benjamin interpretam os contos de Tieck é um exemplo significativo. Eles detectam neles, por meio do macabro, do medo, do misterioso, o ponto de partida de um tipo de literatura que passou a ter um enorme sucesso de público, o romance policial, e continua sendo o gênero predominante na indústria cinematográfica.

Em um ensaio chamado “Bilder des Déjà vu” (imagens do já visto), Bloch relata uma conversa curiosa que teve com Walter Benjamin noite a dentro que se estendeu até o raiar do dia em um bar à beira-mar, regada a gim na ilha de Capri. Tema da conversa: o conto “O loiro Eckbert”, que tento resumir.

No campo, em algum lugar da Alemanha, viviam em um sítio, Eckbert e sua esposa, Berta. Levavam uma vida pacata, com poucos amigos. Tudo era muito tranqüilo e eram quase felizes embora não tendo filhos. Um vizinho chamado Philipp Walter, que na verdade morava na Francônia e que se encontrava nos últimos meses na região selecionando ervas e seixos, era um dos poucos amigos que ocasionalmente freqüentava o casal. Numa noite de outono, Walter ao visitá-los foi convidado para pernoitar por lá por causa do mau tempo. Era quase meia noite, quando Berta resolveu contar sua história para o hóspede.

Ela morava em uma cidadela e seu pai era um pobre pastor. Levavam uma vida humilde e Berta era muito mal-tratada, diziam-lhe que era incapaz de fazer algo direito e que não aprendia nada; seu pai estava sempre irritado com ela. Um dia resolveu fugir de casa. Tinha apenas oito anos de idade. Vagou por vários dias sem eira nem beira. Finalmente, morta de cansaço, fome, sede e cheia de temores, se viu diante de uma choupana, onde morava uma velha que vivia na companhia de um cãozinho e de um pássaro maravilhoso.

A velha foi hospitaleira e pediu que Berta ficasse por lá para ajudá-la a cuidar do cão e do pássaro na sua ausência, pois viajava periodicamente. O pássaro cantava sempre uma canção, que dizia: “Doce solidão do bosque, que alegria dia após dia”. E, mais do que isto, além de cantar botava diariamente um ovo contendo uma pérola e uma pedra preciosa que a velha armazenava num vaso misterioso. Assim se passaram alguns anos, até que um dia, na longa ausência da velha, Berta resolveu fugir. Prendeu o cãozinho no galpão, pegou o pássaro, o vaso misterioso e deu no pé. No caminho, o pássaro começou a cantar repetidamente: “Doce solidão do bosque… Remorso principia”.

Berta ficou perturbada e resolveu estrangular o pássaro. Depois de muito vagar, estabeleceu-se numa vila onde conheceu seu futuro esposo, Eckbert.

Casaram-se e instalaram-se no sítio onde ainda moram. O hóspede, impassível, ouviu a narrativa de Berta e comentou calmamente: “Nobre senhora, posso imaginar-vos muito bem com o estranho pássaro e cuidando do pequeno cão” – pronunciando o seu nome – “Strohmian!”. Berta ficou muito perturbada, não conseguiu dormir e perguntou para seu esposo, como aquele estranho pôde pronunciar o nome do cão – esquecido. Essa perturbação tornou-se uma enfermidade que lhe foi fatal, deixando Eckbert mais solitário ainda.

Um dia Eckbert saiu para caçar junto com seu amigo Walter. Tomou-lhe de assalto um estranho sentimento de ódio – como se seu amigo fosse responsável pela morte de sua esposa. Resolveu matá-lo. Passou mais um tempo inteiramente isolado até que conheceu outro vizinho, chamado Hugo. Ficou contente com essa nova amizade. Certo dia, os dois saíram para caçar, havia muita névoa. Eckbert, de repente, viu no rosto de Hugo a face de Walter – que conversava com a velha –, ficou desesperado e começou a fugir e, ao mesmo tempo, a ouvir o latir do cão e o canto do pássaro: “Doce solidão do bosque, de novo que alegria, sempre estou são…”

Em meio ao desespero, deparou-se com a velha que lhe perguntou: “Estás trazendo meu pássaro para mim? Minhas pérolas? Meu cão?…” Eckbert percebeu que tanto Walter, como Hugo e a velha eram a mesma pessoa. “Deus do céu!” exclamou, “Em que tenebrosa solidão passei então minha vida?”. A velha lhe retrucou e disse: “Berta era tua irmã!” Eckbert, ao saber que vivia incestuosamente com sua querida Berta, desmaiou. Ao despertar, a velha lhe contou que Berta era filha do primeiro casamento de seu pai e fora criada por outra família. Eckbert enlouqueceu subitamente e começou a ouvir o cão latir e o pássaro a cantar de novo.

Para Bloch o lusco-fusco do conto se encerra com um choque. A frase de Walter ao pronunciar o nome do cachorro, Strohmian!, é o que ele chama de o “Déjà vu des Anderen” (O já visto do outro). O nome do cão soa como uma palavra criminosa. No modo como o conto se desdobra, segundo Bloch, Tieck antecipa as narrativas do que se convencionou chamar posteriormente de romance policial. Há no conto um fundo moral e, mais do que isso, a culpa: o roubo do pássaro e das jóias, o assassinato do amigo e sua vida afetiva incestuosa. A culpa está na base de um esquecimento duradouro de um “eu-não-sei-o-quê”. Um retorno ao passado, pois a história termina como começa, com o cão a latir e o pássaro a cantar, tem o efeito de um choque que se manifesta corporeamente como se fosse um calar-frio, um retorno de algo que já havia sido visto anteriormente – um déjà vu.

*Carlos Eduardo Jordão Machado (1954-2018) foi professor de filosofia na Unesp. Autor, entre outros livros, de As formas e a vida: Estética e ética no jovem Lukács (1910-1918).

Publicado originalmente no Jornal de Resenhas no. 7, novembro de 2009.

Referência

Ludwig Tieck. Feitiço de amor e outros contos. Tradução: Maria Aparecida Barbosa e Karin Volobuef. São Paulo, Hedra, 220 p.

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Sacramento Everaldo de Oliveira Andrade Gerson Almeida Carla Teixeira Luis Felipe Miguel Jorge Luiz Souto Maior Fábio Konder Comparato Salem Nasser Igor Felippe Santos João Paulo Ayub Fonseca Roberto Noritomi Manchetômetro Lincoln Secco Sergio Amadeu da Silveira Thomas Piketty Paulo Martins Tales Ab'Sáber Érico Andrade Ladislau Dowbor Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório Tadeu Valadares Bernardo Ricupero Rafael R. Ioris Slavoj Žižek Eugênio Bucci Flávio R. Kothe Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Boff Ricardo Antunes Luiz Carlos Bresser-Pereira Flávio Aguiar Marcelo Módolo Remy José Fontana Daniel Afonso da Silva José Geraldo Couto Bento Prado Jr. Luiz Marques Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn José Machado Moita Neto Luciano Nascimento João Adolfo Hansen Juarez Guimarães Fernando Nogueira da Costa Julian Rodrigues Manuel Domingos Neto Jean Marc Von Der Weid Marcos Aurélio da Silva Carlos Tautz Gilberto Lopes Anselm Jappe Jean Pierre Chauvin Luiz Costa Lima Airton Paschoa Roberto Bueno Annateresa Fabris Denilson Cordeiro Priscila Figueiredo Paulo Fernandes Silveira Antônio Sales Rios Neto Dênis de Moraes Ronald León Núñez Marjorie C. Marona Marilia Pacheco Fiorillo Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Alysson Leandro Mascaro Gilberto Maringoni Vladimir Safatle Francisco de Oliveira Barros Júnior Rubens Pinto Lyra Michael Roberts José Raimundo Trindade João Carlos Loebens Bruno Machado Lorenzo Vitral Luiz Werneck Vianna Eliziário Andrade Sandra Bitencourt João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori Berenice Bento Leonardo Avritzer Antonino Infranca Antonio Martins Paulo Sérgio Pinheiro Liszt Vieira Marcus Ianoni Marcelo Guimarães Lima Chico Alencar Valério Arcary Ricardo Musse Ricardo Abramovay Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Celso Favaretto Daniel Costa Eduardo Borges Dennis Oliveira Paulo Capel Narvai Luiz Roberto Alves Walnice Nogueira Galvão André Márcio Neves Soares André Singer João Feres Júnior José Costa Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Luiz Renato Martins Andrew Korybko Yuri Martins-Fontes Mariarosaria Fabris Eleonora Albano Tarso Genro Eugênio Trivinho Chico Whitaker Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Marcos Silva Atilio A. Boron Elias Jabbour Heraldo Campos Eleutério F. S. Prado Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino João Carlos Salles Armando Boito Henry Burnett Ronald Rocha Paulo Nogueira Batista Jr Anderson Alves Esteves Luiz Eduardo Soares Ari Marcelo Solon Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Jorge Branco Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Mário Maestri Alexandre de Lima Castro Tranjan Claudio Katz José Dirceu Fernão Pessoa Ramos José Micaelson Lacerda Morais João Lanari Bo Celso Frederico Maria Rita Kehl Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene Leda Maria Paulani Luís Fernando Vitagliano Gabriel Cohn Milton Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada