Florestan Fernandes e Celso Furtado

Carlos Zilio, ESTRELA GUIA, 1971, caneta hidrográfica sobre papel, 50x35
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO PEDRO STEDILE*

Comentário sobre o centenário dos dois pensadores

Neste mês de julho, celebramos o centenário de dois dos maiores pensadores do povo brasileiro, Florestan Fernandes (22/07/1920) e Celso Furtado (26/07/1920). Certamente, haverão de se repetir homenagens nas escolas, universidades e nos movimentos populares.

Ambos analisaram com profundidade a realidade brasileira, cada um na sua área. Furtado foi o principal pesquisador da questão da formação econômica do Brasil. Florestan analisou como ninguém o as classes sociais, os problemas da desigualdade, das mazelas do racismo em uma sociedade de origens escravocratas. Furtado olhou o Brasil pelo viés da economia política. Florestan pela ótica da educação e da sociedade de classes. São análises complementares que tornaram suas obras imprescindíveis na formação dos educadores e militantes do povo e na compreensão do Brasil. Pesquisadores e analistas criteriosos, foram mais que cientistas sociais, foram indivíduos comprometidos com nosso povo, atuando nas mais diferentes trincheiras da luta social para mudar a sociedade brasileira, uma estrutura injusta que se caracteriza como uma das mais desiguais do planeta.

Furtado conhecia como poucos as mazelas da região Nordeste, desde sua Paraíba. Foi expedicionário da FEB e, além de atuar na vida universitária, ajudou a organizar a Sudene, foi ministro do Planejamento do presidente João Goulart, e posteriormente da Cultura, na redemocratização pós-ditadura militar.

Como ministro de Jango, foi o autor intelectual da principal proposta de reforma agrária que tivemos até hoje. Partindo das experiências históricas clássicas dos países que se industrializaram, propôs que a reforma agrária constituísse também um instrumento para o desenvolvimento da indústria nacional. Para tanto, propôs a desapropriação de todos os latifúndios com mais de 500 hectares, priorizando os localizados próximo às cidades e ao longo de 10 quilômetros de cada lado das rodovias federais, ferrovias, lagos e açudes. Na sua visão, seria necessário transformar o camponês num partícipe da economia de mercado para produzir alimentos para a cidade e consumir os bens produzidos pela indústria.

Para isso, precisava estar próximo às cidades, com transporte rápido e acesso à luz elétrica. Somente assim sairíamos da crise econômica da época, podendo desenvolver a indústria, com mercado interno e distribuição de renda, melhorando as condições de vida de todo o povo. O projeto foi apresentado ao Congresso em 16 de março de 1964. A resposta da burguesia brasileira, subordinada aos interesses dos Estados Unidos, foi o golpe empresarial-militar.

Florestan nunca esqueceu suas origens de garoto pobre, filho de empregada doméstica migrante de Portugal, que lutou durante toda a sua vida para poder estudar. Ele acreditava que pela via da democratização da educação poderíamos redimir nosso povo, democratizar a sociedade e obter mudanças estruturais. Tampouco conseguiu. Passou por todos os bancos das escolas públicas até ser professor da elitizada USP, de onde foi expurgado pela ditadura militar.

Ambos amargaram o exílio, mas seguiram na luta, até o final dos seus dias. Furtado, ministro da Cultura do governo Sarney, manteve a defesa da necessidade de um projeto para o Brasil, registrando suas propostas em diversos livros. Florestan fez militância partidária na esquerda e se elegeu deputado constituinte, defendendo como ninguém o direito à escola pública e gratuita, em todos os níveis, para todos os brasileiros. Educação, não só como conhecimento, mas como direito universal e instrumento de libertação das pessoas.

Tive o privilégio de cultivar uma amizade de discípulo com ambos, em seus últimos anos de vida. Apreendi muito. Procuramos compartilhar seus ensinamentos, livros, palestras e conselhos com toda a militância do movimento popular e do MST. Seremos sempre gratos.

Procuramos perenizar esse legado, homenageando-os batizando nossas escolas e nossos assentamentos com seus nomes, além de divulgar suas obras e seus exemplos de vida coerente. Todo militante social e todo brasileiro comprometido com o país deve ter acesso ao conhecimento de suas trajetórias de vida e de suas obras. Estudá-los, apreender com eles. Certamente, se a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) adotasse estes autores em seus cursos, não teríamos um governo tão despreparado e irresponsável, no momento em que já contabilizamos mais de 78 mil brasileiros mortos.

Salve salve Celso Furtado e Florestan Fernandes, patrimônios cívicos, culturais e intelectuais do nosso povo!

*João Pedro Stedile é membro da equipe de coordenação do MST

Publicado originalmente no site Poder 360

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Renato Dagnino Priscila Figueiredo Gilberto Lopes Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos João Carlos Salles Chico Alencar Eugênio Bucci Anderson Alves Esteves Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Fernando Nogueira da Costa Ronald León Núñez José Costa Júnior Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez Tadeu Valadares Thomas Piketty Érico Andrade André Singer Salem Nasser Atilio A. Boron Manuel Domingos Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Samuel Kilsztajn Leda Maria Paulani Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro José Machado Moita Neto Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Henri Acselrad Ricardo Fabbrini Gilberto Maringoni Eugênio Trivinho Valerio Arcary Tarso Genro Chico Whitaker Ari Marcelo Solon Armando Boito Antônio Sales Rios Neto Matheus Silveira de Souza Liszt Vieira Eduardo Borges Flávio R. Kothe José Luís Fiori Sandra Bitencourt Caio Bugiato Daniel Costa Eleutério F. S. Prado Luciano Nascimento Ronaldo Tadeu de Souza Walnice Nogueira Galvão Marcos Silva Dênis de Moraes Annateresa Fabris Luís Fernando Vitagliano José Raimundo Trindade Fábio Konder Comparato Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Abramovay Daniel Brazil Luiz Werneck Vianna André Márcio Neves Soares Luiz Renato Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira José Dirceu Gerson Almeida Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias Luis Felipe Miguel João Carlos Loebens Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Leonardo Boff Carla Teixeira Eliziário Andrade Ronald Rocha João Adolfo Hansen Rafael R. Ioris Otaviano Helene Marcelo Módolo Claudio Katz Marilena Chauí Luiz Bernardo Pericás Osvaldo Coggiola Kátia Gerab Baggio Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Leonardo Sacramento Paulo Nogueira Batista Jr Mariarosaria Fabris Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Milton Pinheiro Anselm Jappe Antonio Martins Manchetômetro Benicio Viero Schmidt Paulo Sérgio Pinheiro Lincoln Secco Paulo Capel Narvai Bernardo Ricupero Jorge Branco Bento Prado Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Marques Denilson Cordeiro Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Paulo Martins Slavoj Žižek Afrânio Catani Michael Roberts Carlos Tautz Paulo Fernandes Silveira Antonino Infranca Juarez Guimarães Michel Goulart da Silva Marjorie C. Marona Gabriel Cohn Rodrigo de Faria João Sette Whitaker Ferreira Dennis Oliveira Maria Rita Kehl Bruno Machado Michael Löwy Berenice Bento Heraldo Campos José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira João Feres Júnior Vanderlei Tenório Henry Burnett Andrew Korybko José Geraldo Couto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares João Lanari Bo Celso Frederico Leonardo Avritzer Marcelo Guimarães Lima Mário Maestri Elias Jabbour Celso Favaretto Andrés del Río Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Aurélio da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jean Pierre Chauvin

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada