As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sobre a contratação de transportes públicos

Imagem: Kseniya Kopna
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LÚCIO GREGORI*

O sistema é erradamente remunerado como se passageiro fosse um custo

A questão dos transportes coletivos urbanos é assunto que apresenta vários aspectos interessantes. Por vivermos num país capitalista, pelo menos em tese e princípios, muitos pensam que o transporte coletivo também deveria ser submetido à livre concorrência. Margareth Thatcher e Pinochet fizeram isso a seu tempo e o resultado foi que nas áreas com grande número de usuários havia disputa feroz pelos passageiros e nas áreas suburbanas de baixa demanda, não havia prestadores do serviço.

Claro, tudo voltou a ser com as áreas onde só um prestador faz o serviço. A isso se chama um mercado monopsônio, digamos o inverso do monopólio. A quantidade de passageiros não aumenta e nem as tarifas ficam menores em geral, pela concorrência. Simplesmente desaparece o serviço onde existem poucos passageiros relativamente a outras com grande número destes.

Resumindo, o mercado monopsônio permite apenas a operação de uma só empresa concessionária por área em que é dividida a cidade. Cada área deverá ter linhas com baixo rendimento inclusive. Daí é que surgiu um indicador muito difundido que é o IPK, índice de passageiros por quilômetro, a forma de se classificar as linhas ditas mais eficientes sob o ponto de vista de passageiros transportados. Então a concessionária monta sua garagem na área de operação e busca ter o maior número de linha de alto IPK e o mínimo possível das com baixo IPK. E por essa razão existem áreas da cidade mais cobiçadas do que outras, que são as que têm maior densidade de usuários.

E mais, como o sistema é erradamente remunerado como se passageiro fosse um custo, quando é receita, além de áreas com maior IPK, ônibus mais lotados significam maiores ganhos e menores gastos. Incrível, mas até o vírus da Covid sabia que passageiro é receita, tanto que com a pandemia, desabou a receita das empresas prestadoras e não, seus custos.

Não é por nada que, com a questão da garagem aí incluída, empresas dominam certas áreas por anos a fio, havendo casos de quase cem anos e assim por diante.

Tudo parece estar estabelecido dessa forma, com as concessões clássicas com remuneração por passageiro transportado desde 1817, quando D. João VI fez a primeira concessão ao sargento-mór do palácio imperial.

Mesmo com o sistema de contratação por fretamento, ou seja, pagando-se os custos operacionais e deixando a tarifa desligada da remuneração do contratado, se manteve e se mantém no geral, o sistema por áreas exclusivas e garagens das operadoras.

Eis que de repente, não mais que de repente, se evidencia que as garagens desempenham papel estratégico facilitando muito os operadores que já as têm daqueles que precisarão montá-las. Não por outra razão as concorrências exigem a existência de garagem pelo concorrente. Mais um obstáculo para a entrada de novos concorrentes.

Assim sendo, se as garagens fossem do município e alugadas aos vencedores, poder-se-ia aumentar bastante os números de empresas concorrentes, pois é na licitação que ela se pode dar, uma vez dado o mercado monopsônio.

Podemos ir mais longe. Com as garagens municipais e fazendo-se concorrência apenas de fretamento, acaba-se com as áreas exclusivas, podendo-se contratar vários fretadores, independentemente de área de operação, claro que mantendo-se um bom nível de eficiência do sistema.

Assim é que se acaba com as empresas “especializadas” em transportes de passageiros e pode-se ter um enorme mercado concorrencial de fretadores de veículos.

No Rio de Janeiro, recentemente em concorrência de BRT, foram estabelecidas as garagens municipais, ficando a concorrência em termos do custo de fretamento e adicionalmente se separou o projetista do sistema e contratante do fretamento, do controlador da prestação de serviço e claro, dos fretados.

Fica aí colocada a verdadeira forma de se aumentar a concorrência na contratação de prestadores do serviço dentro de um sistema de mercado monopsônio.

E me perdoem os leitores, com a tarifa zero na outra extremidade se terá, de fato, as condições para um sistema de transportes públicos como direito social, tal com está escrito no artigo sexto da Constituição Federal. Simples assim.

*Lucio Gregori, engenheiro pela USP, foi secretário municipal de transportes no governo de Luiza Erundina.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Everaldo de Oliveira Andrade Gilberto Lopes Ricardo Fabbrini João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Luiz Renato Martins Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Yuri Martins-Fontes Alysson Leandro Mascaro Jorge Branco Luiz Costa Lima Carlos Tautz Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez Bento Prado Jr. Slavoj Žižek Maria Rita Kehl José Luís Fiori Dênis de Moraes Bernardo Ricupero Jorge Luiz Souto Maior Paulo Capel Narvai José Costa Júnior Luís Fernando Vitagliano Rodrigo de Faria Roberto Bueno Marcos Aurélio da Silva Chico Alencar André Márcio Neves Soares Denilson Cordeiro Gilberto Maringoni Annateresa Fabris Priscila Figueiredo João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Tales Ab'Sáber Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marjorie C. Marona Marcelo Guimarães Lima Érico Andrade Afrânio Catani Leonardo Sacramento Benicio Viero Schmidt Jean Marc Von Der Weid Andrew Korybko Francisco Fernandes Ladeira Anderson Alves Esteves Carla Teixeira Marcelo Módolo José Dirceu Luiz Eduardo Soares Lorenzo Vitral Airton Paschoa Marcos Silva Daniel Costa José Raimundo Trindade João Carlos Salles Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Avritzer Luiz Marques Atilio A. Boron Paulo Sérgio Pinheiro Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Marcus Ianoni Juarez Guimarães Luis Felipe Miguel Remy José Fontana Eugênio Trivinho Armando Boito Leonardo Boff Ladislau Dowbor Elias Jabbour Anselm Jappe Francisco Pereira de Farias Gerson Almeida Claudio Katz Ricardo Abramovay Samuel Kilsztajn Michael Roberts João Lanari Bo Boaventura de Sousa Santos Paulo Nogueira Batista Jr João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira Rubens Pinto Lyra Ari Marcelo Solon Roberto Noritomi Daniel Brazil Dennis Oliveira Antônio Sales Rios Neto Henry Burnett Eduardo Borges Renato Dagnino Fernando Nogueira da Costa João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Michael Löwy Tarso Genro Fábio Konder Comparato Fernão Pessoa Ramos Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonino Infranca Salem Nasser Celso Favaretto Antonio Martins José Machado Moita Neto Bruno Machado Milton Pinheiro Lincoln Secco Luiz Bernardo Pericás Igor Felippe Santos Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Musse André Singer Tadeu Valadares Manchetômetro João Feres Júnior Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto Celso Frederico Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento Mariarosaria Fabris Henri Acselrad Sandra Bitencourt Paulo Martins Ronald León Núñez Daniel Afonso da Silva José Geraldo Couto Eleonora Albano Valério Arcary Gabriel Cohn Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Caio Bugiato Ronald Rocha Chico Whitaker Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene Heraldo Campos Walnice Nogueira Galvão Ricardo Antunes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada