As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Ciência e Tecnologia na pandemia

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Eduardo Bicudo*

Os países que investem acima de 2% do PIB em pesquisa científica e desenvolvimento (tecnologia), com exceção dos EUA, têm lidado melhor com a pandemia.

Uma análise que busca relacionar enfrentamento da pandemia do coronavírus e o investimento de cada nação em Ciência e Tecnologia está sujeita a limitações e por esta razão deve ser vista com a devida cautela. Estabelecer correlações é útil para se observar fenômenos naturais. Todavia, nem sempre podemos estabelecer relações de causa e efeito a partir de tais correlações.

Para esta análise específica foi feito um recorte. Ou seja, foram nela incluídos os países que lideram o número de casos de infecção pelo Covid-19, acrescida do Brasil e da Estônia. O Brasil foi incluído para efeitos de comparação, levando-se em consideração que o Covid-19 se instalou no país mais tardiamente que nos outros países incluídos nesta análise. É importante enfatizar que não foram consideradas as diferenças de políticas de contenção adotadas pelos diferentes países incluídos nesta análise.

No entanto, não se pode ignorar o fato de que tais políticas de contenção possam ter sido determinantes para impedir a transmissão e expansão do Covid-19, ao menos nos estágios iniciais do contágio do vírus. A Estônia foi incluída na análise por ser um país, talvez único, onde a economia está praticamente toda voltada para a tecnologia digital e onde os serviços são ou podem ser fornecidos por via eletrônica. Noventa e nove porcento dos lares na Estônia dispõem de banda larga e o sistema educacional do país é líder mundial na utilização e desenvolvimento de tecnologias eletrônicas.

Posto isto, ao observarmos os dados da tabela, verificamos de pronto que em relação ao Covid-19, países que investem acima de 2% do PIB em pesquisa científica e desenvolvimento (tecnologia), com exceção dos EUA, têm lidado melhor com a pandemia. Com destaque, temos a Coréia do Sul e Alemanha, onde há uma forte correlação entre o percentual aplicado em ciência e tecnologia e o número reduzido de mortes devido ao Covid-19, 4,55% e 3,02%, e 158 e 560 mortes (até 30 de março de 2020), respectivamente. No caso específico da pandemia, isso se deve ao volume de testes efetuados. A Alemanha se aproxima da política adotada pela Coréia do Sul, que testa a população até nas ruas. Tal medida tem feito com que esses dois países alcançassem um índice de mortalidade da ordem de 1%. Na Itália, o índice é da ordem de 10%.

Por outro lado, Espanha e Itália, dentre os países considerados desenvolvidos, são aqueles que menos investem em ciência e tecnologia, 1,20% e 1,35% do PIB, respectivamente, e coincidentemente estão enfrentando maiores dificuldades para lidar com a pandemia. A Estônia, apesar de investir 1,32% do seu PIB em ciência e tecnologia, pelas razões já apontadas anteriormente, vem lidando muito melhor com a pandemia que Espanha e Itália.

O Brasil, em 2018, investiu em saúde 9,2% do PIB, percentual apenas abaixo de França (11,2%), Alemanha (11,2%) e EUA, com este último investindo o percentual mais elevado, 16,9%, dentre os países analisados. Dentre esses 4 países, França e Alemanha vêm até o momento lidando melhor com a pandemia que os EUA. O Brasil, talvez tenha ainda certo fôlego para lidar com a pandemia em razão da existência do SUS, o maior sistema de saúde público do mundo, o qual ainda não foi completamente desmantelado pelas políticas neoliberais que vêm sendo aplicadas desde 2016.

É interessante notar que apesar de Espanha, Itália e Coréia do Sul investirem praticamente o mesmo percentual do PIB em saúde, entre 8 e 9%, Coréia do Sul tem sido muito mais bem sucedida que Espanha e Itália no combate ao Covid-19. Irã e China, cujos percentuais do PIB aplicados em saúde são da ordem de 6,9% e 5,0%, respectivamente, também têm lidado melhor com a pandemia que Espanha e Itália. Chama a atenção os EUA, que apesar de investirem um percentual do PIB significativamente elevado, quase o dobro ou mais em relação aos demais países aqui analisados, está enfrentando muitas dificuldades para lidar com a pandemia.

Nesse sentido, é importante ressaltar que nos EUA o sistema de saúde predominante é o privado, ao passo que nos outros países aqui analisados o sistema de saúde predominante é o público. Outro dado relevante é o fato de que dentre os países aqui analisados, a China é o país que menos investe em saúde, apenas 5% do seu PIB e o sistema de primeiros socorros no país é ainda precário. No entanto, tem lidado melhor com a pandemia que outros países incluídos nesta análise.

Uma possível explicação residiria talvez no fato de que, assim que a gravidade da transmissão do Covid-19 foi detectada pelas autoridades sanitárias chinesas, o país adotou medidas severas de contenção, não deixando a transmissão do vírus se alastrar para outras províncias, restringindo-se principalmente à cidade de Wuhan, na província de Hubei. O Irã, apesar de todas as dificuldades provocadas pelo embargo comercial imposto pelos EUA, tem conseguido lidar muito melhor com a pandemia em relação a alguns países europeus, como Itália e Espanha, por exemplo.

Como conclusão principal desta análise, ressalvadas todas as suas limitações mencionadas anteriormente, temos que um investimento significativo de parte do PIB em ciência e tecnologia é um dos fatores determinantes para se lidar com uma pandemia da grandeza do Covid-19.

*Eduardo Bicudo é Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo e Professor Honorário da Universidade de Wollongong (Austrália).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eliziário Andrade Priscila Figueiredo Marcus Ianoni Fábio Konder Comparato Flávio Aguiar Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí Sandra Bitencourt Luiz Renato Martins Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Daniel Afonso da Silva Samuel Kilsztajn Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto Antônio Sales Rios Neto Airton Paschoa Michael Löwy Leonardo Avritzer Claudio Katz Caio Bugiato Bernardo Ricupero Luiz Bernardo Pericás Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Milton Pinheiro Marcos Silva João Carlos Loebens Luís Fernando Vitagliano Luiz Werneck Vianna Roberto Bueno Alexandre Aragão de Albuquerque Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro Mariarosaria Fabris Jean Marc Von Der Weid Michael Roberts Valério Arcary Tarso Genro João Feres Júnior Luciano Nascimento Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Atilio A. Boron José Raimundo Trindade Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira Manuel Domingos Neto Ronald León Núñez Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Armando Boito José Dirceu Luis Felipe Miguel Tales Ab'Sáber João Carlos Salles Boaventura de Sousa Santos Lucas Fiaschetti Estevez João Lanari Bo Marcelo Guimarães Lima Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Leonardo Boff Rodrigo de Faria Antonino Infranca Walnice Nogueira Galvão Alysson Leandro Mascaro Gabriel Cohn Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Antonio Martins Marjorie C. Marona Eugênio Bucci Fernando Nogueira da Costa Elias Jabbour Thomas Piketty Ricardo Musse Eleutério F. S. Prado Marcelo Módolo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lincoln Secco Vladimir Safatle Salem Nasser Afrânio Catani Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Sacramento Liszt Vieira Carlos Tautz Bruno Machado Luiz Costa Lima Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Trivinho Anselm Jappe Henry Burnett Dênis de Moraes José Machado Moita Neto Maria Rita Kehl Luiz Roberto Alves Henri Acselrad Celso Frederico Carla Teixeira Bento Prado Jr. Francisco Fernandes Ladeira Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes André Singer Slavoj Žižek Celso Favaretto Jorge Branco Daniel Brazil Luiz Carlos Bresser-Pereira Ari Marcelo Solon Luiz Marques João Adolfo Hansen José Micaelson Lacerda Morais Berenice Bento Remy José Fontana Osvaldo Coggiola Chico Whitaker Eduardo Borges José Luís Fiori Paulo Capel Narvai Luiz Eduardo Soares Leda Maria Paulani Ricardo Fabbrini Otaviano Helene Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Lopes Annateresa Fabris André Márcio Neves Soares Francisco Pereira de Farias Vinício Carrilho Martinez Manchetômetro Everaldo de Oliveira Andrade Ladislau Dowbor Valerio Arcary Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Gerson Almeida Chico Alencar Juarez Guimarães Roberto Noritomi Ronald Rocha José Costa Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Andrew Korybko Dennis Oliveira Igor Felippe Santos Paulo Martins João Sette Whitaker Ferreira Eleonora Albano Mário Maestri Anderson Alves Esteves Fernão Pessoa Ramos Denilson Cordeiro Gilberto Maringoni Vanderlei Tenório

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada