Greve como violência divina

Imagem_Stela Maris Grepan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARI MARCELO SOLON*

Ela é revolucionária por ser infinita: quer mais professores, mas pode derrubar a estrutura da força

A greve da USP não é uma questão de direito positivo ou natural. Poderíamos esgrimar artigos, e nada de proveitoso resultaria disso. Afinal, a greve é ética.

Na Universidade, seus mandarins acusam o alunado de violência, como o ocorrido em 8 de janeiro.

O meio da greve é puro empilhamento de cadeiras. O fim é aberto.

Ela é revolucionária por ser infinita: quer mais professores, mas pode derrubar a estrutura da força.

Sim, é uma violência não violenta e seu fim não é claro: “A esta concepção profunda, ética e autenticamente revolucionária não se pode contrapor nenhuma consideração que pretenda estigmatizar como violência uma tal greve geral, tendo em conta as suas possíveis consequências catastróficas”. (Benjamin, 2013, p. 144). Nessa citação, cumpre observar a atenta reflexão feita por Walter Benjamin, tendo em vista a leitura de Georges Sorel (2013), em relação à utilização da violência – e suas relações – com o movimento revolucionário, de modo que as greves são compreendidas como meio de tensionar as denominadas instâncias repressivas do Estado.

Os mandarins invocam 2023, assim como a direita bolsonarista. Não veem que a número um da América Latina não sabe lidar com os pobres negros que recém ingressaram na academia pelo sistema de cotas, esses mesmos que objetam a meritocracia dos mandarins.

Esta greve não tem amparo no direito natural ou positivo, enquanto somente “tomadores de serviços”. É, sobretudo, sagrada à medida que pode se alastrar e causar uma revolução no país em oposição ao Estado de direito opressor, a universidade paulista.

Portanto, não nos abstenhamos da tempestade que fulgura rumo ao futuro, ao mesmo tempo que não devemos ignorar as crescentes ruínas que se amontoam aos céus. (Benjamin, 2012, p. 8).

*Ari Marcelo Solon é professor da Faculdade de Direito da USP. Autor, entre outros, livros, de Caminhos da filosofia e da ciência do direito: conexão alemã no devir da justiça (Prisma). https://amzn.to/3Plq3jT

Referências


BENJAMIN, Walter. Para uma crítica da violência. Tradução: Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34, 2013.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da História. In: BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. p. 7–20.

SOREL, Georges. Réflexions sur la violence. Genève-Paris: Entremonde, 2013.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES