As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Guerra na Ucrânia – fase cinco

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CAIO BUGIATO*

O Ocidente não conseguiu abalar Putin, e a quinta fase da Guerra na Ucrânia traz outro elemento de preocupação para o governo de Zelensky, o massacre israelense em Gaza

A ofensiva de OTAN e da Ucrânia para retomar os territórios conquistados pela Rússia falhou, apesar de toda ajuda ocidental. Os russos ainda controlam cerca de 1/5 do país, da região do Donbass no Leste até a Criméia no Sul, e agora inauguram a quinta fase da guerra.

A primeira foi a contraofensiva russa diante do avanço da OTAN e da pressão ucraniana nas províncias separatistas Donetsk e Luhansk, no Donbass. Nessa fase a Rússia conquistou praticamente toda a extensão territorial que mantém até hoje sob seu controle. A segunda fase foi a reação da OTAN e da Ucrânia, que causou perdas e retrocessos aos russos. A terceira fase foi a longa batalha de Bakhmut, com vitória russa em uma região estratégica para o controle completo de Donetsk. A quarta fase foi a ofensiva ucraniana que não conseguiu penetrar nas linhas de defesa russas.

A quinta fase é uma nova contraofensiva russa, cujas batalhas se concentram nas margens do rio Dnipro, no Sul, perto da cidade de Kherson, e na cidade de Avdiivka, na região de Donestk. O objetivo russo nessa fase é controlar a integridade das quatro províncias, Luhansk, Donetsk, Zaporizhzhia e Kherson, além de manter a Criméia.

Além disso, com a proximidade do inverno a Rússia bombardeou Kiev, que abriga grandes infraestruturas de gás e eletricidade. Um segundo objetivo seria danificar ao máximo tais instalações, de modo a forçar os ucranianos a negociar o fim da guerra em condições desvantajosas.

A quinta fase da Guerra na Ucrânia traz outro elemento de preocupação para o governo de Volodymyr Zelensky, o massacre israelense em Gaza. O Ocidente já dava sinais de descontentamento com o fracasso da ofensiva ucraniana, o qual foi indiretamente admitido pelo comandante-em-chefe da Ucrânia, Valery Zaluzhny. Em entrevista ao The Economist, afirmou que a guerra está em um impasse, isto é, não há avanço de Kiev, o que gerou incômodo nas autoridades ucranianas.

Agora, com os ataques de Israel, a ajuda estadunidense e ocidental tende a migrar para o Oriente Médio. Sinal disso são as declarações novo presidente do Congresso dos EUA, o deputado republicano Mike Johnson, que priorizou o apoio dos EUA a Israel. Para ele, ainda que os EUA não possam permitir que Vladimir Putin vença na Ucrânia, os EUA têm que dar suporte ao importante aliado no Oriente Médio, que é Israel. Ademais, pesquisas mostram que o apoio da sociedade estadunidense à ajuda para Ucrânia vem caindo; assim como vem aumentando o número de parlamentares (maioria republicanos) que se opõe a esse suporte.

Assim, o contexto atual da guerra parece ser o seguinte. Primeiro, para a Ucrânia, como apontado acima, a ajuda ocidental tende a minguar. Outro problema, dados os desgastes gerados pelas baixas, a dificuldade de reunir novos soldados suficientes para as próximas operações. Segundo, as sanções ocidentais além de não funcionarem para derrubar a economia russa encorajaram uma grande reconversão industrial e geopolítica.

O Ocidente tampouco conseguiu minar a popularidade de Vladimir Putin, muito menos incitar rebeliões. Terceiro, como notam analistas, as batalhas da guerra a tornaram uma guerra de desgaste, em que o impasse entre as forças implica em séries de perdas humanas e materiais para ambos os lados. Quem conseguir suportar perdas durante mais tempo vai vencer a guerra.

Desse modo, o tempo joga a favor dos russos, pois sua população é três vezes maior que a da Ucrânia, sua economia é dez vezes maior e seus recursos militares são poderosos para manter o controle dos territórios conquistados por longo período. A força e as operações do aparato militar russo dependem apenas dos russos, na Ucrânia não é esse o caso. A tendência então é quanto maior a duração da guerra, maior a probabilidade de vitória russa.

Essa situação força, de fato, uma negociação entre as partes, pois uma vitória da Ucrânia no campo de batalha parece improvável. Nessa negociação o governo de Volodymyr Zelensky – e o país e o povo ucraniano –, pode pagar um preço alto por ter se metido no projeto de dominação universal dos EUA.

*Caio Bugiato é professor de ciência política e relações internacionais da UFRRJ e do programa de pós-graduação em relações internacionais da UFABC.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Carlos Bresser-Pereira Atilio A. Boron Alexandre de Freitas Barbosa Henry Burnett Marcelo Guimarães Lima Denilson Cordeiro Celso Frederico Celso Favaretto Juarez Guimarães Jean Pierre Chauvin Gilberto Maringoni Luiz Werneck Vianna Paulo Capel Narvai Eduardo Borges Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek Érico Andrade Fábio Konder Comparato Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Paulo Martins Boaventura de Sousa Santos Yuri Martins-Fontes Otaviano Helene Rubens Pinto Lyra Mário Maestri Marcus Ianoni Alysson Leandro Mascaro Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Ricardo Musse Luis Felipe Miguel Milton Pinheiro Lorenzo Vitral Bento Prado Jr. Vladimir Safatle Walnice Nogueira Galvão João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade João Paulo Ayub Fonseca Marcos Aurélio da Silva Mariarosaria Fabris Jorge Branco Leonardo Boff Lincoln Secco Eliziário Andrade Leda Maria Paulani José Luís Fiori Tarso Genro Roberto Noritomi Gilberto Lopes Benicio Viero Schmidt Osvaldo Coggiola Samuel Kilsztajn Eleonora Albano João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Abramovay Dênis de Moraes Luiz Marques Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleutério F. S. Prado Daniel Brazil Fernando Nogueira da Costa Marcelo Módolo Ricardo Fabbrini Julian Rodrigues Ronaldo Tadeu de Souza Gabriel Cohn João Sette Whitaker Ferreira Marjorie C. Marona José Machado Moita Neto Chico Whitaker Ladislau Dowbor Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Ronald León Núñez José Geraldo Couto Vanderlei Tenório Jean Marc Von Der Weid Valério Arcary Paulo Fernandes Silveira Bernardo Ricupero Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Antônio Sales Rios Neto Tales Ab'Sáber Luís Fernando Vitagliano Flávio R. Kothe André Márcio Neves Soares Luiz Eduardo Soares Fernão Pessoa Ramos Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Remy José Fontana Elias Jabbour Renato Dagnino Armando Boito Michael Löwy José Micaelson Lacerda Morais Luiz Bernardo Pericás Liszt Vieira Airton Paschoa José Costa Júnior Heraldo Campos Eugênio Bucci Rodrigo de Faria Salem Nasser Carla Teixeira Valerio Arcary Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manchetômetro Luiz Costa Lima Francisco Pereira de Farias João Carlos Salles Luciano Nascimento José Dirceu Antonio Martins Thomas Piketty Berenice Bento Dennis Oliveira Daniel Costa Leonardo Avritzer Afrânio Catani Caio Bugiato Chico Alencar Luiz Roberto Alves Anselm Jappe Marilena Chauí Michael Roberts Ronald Rocha Vinício Carrilho Martinez Tadeu Valadares Flávio Aguiar Maria Rita Kehl Carlos Tautz Luiz Renato Martins Igor Felippe Santos Bruno Machado Leonardo Sacramento Andrew Korybko Gerson Almeida Paulo Sérgio Pinheiro Kátia Gerab Baggio João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez Ari Marcelo Solon Anderson Alves Esteves João Lanari Bo Henri Acselrad Eugênio Trivinho Roberto Bueno André Singer José Raimundo Trindade Antonino Infranca Daniel Afonso da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada