As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Indígena

Victor Pasmore, A Terra Verde, 1979–80
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EDUARDO VIVEIROS DE CASTRO*

Dar-se conta de que somos todos indígenas – exceto aqueles que não o são – é juntar-se à luta por uma retomada da Terra pela terra

“Indígena” designa uma pessoa ou uma comunidade originária de um lugar determinado, que ali vive ou a ele está ligada por um laço imanente; que se sente uma “propriedade” da terra antes que proprietária dela. No francês corrente, “indigène” é uma dessas palavras cujo sentido foi algo corrompido pelo colonialismo. Os povos ditos indígenas são antes de tudo aqueles que foram invadidos pelos indígenas da Europa em sua expansão imperial a partir do século XVI. (Assim, estes últimos, acreditando terem sido colonizados – civilizados – por eles mesmos há tempos atrás, acham que deixaram de ser indígenas).

Os “indígenas” são também esses povos que não aderiram, seja à força ou voluntariamente, à marcha unilinear do “progresso”, e que teriam ficado aprisionados no passado remoto da espécie. Por conseguinte, a extramodernidade desses povos só pode ser vista como uma pré-modernidade pelos “ex-indígenas” da Europa e seus descendentes culturais, cujas crenças revelam uma obsessão com a temporalidade, erigida em diferença ontológica da Humanidade no interior da natureza.

A dimensão espacial do mundo não conta muito para eles, a não ser como pura extensão da qual podem extrair “recursos” materiais para a acumulação do capital. Como sabemos, o tempo é a medida do valor – em vários sentidos, para além do unicamente econômico.

Vejamos, porém, o que diz Vine Deloria Jr, o pensador e ativista sioux: “Quando a ideologia doméstica [estadounidense] se divide entre os índios da América e os imigrantes da Europa ocidental, a diferença fundamental é de grande importância filosófica. Os índios da América consideram suas terras – seus lugares – como tendo a mais alta significação possível, e todas suas declarações são feitas tendo em mente este ponto de referência. Os imigrantes consideram o movimento de seus ancestrais através do continente como uma progressão constante de acontecimentos e de experiências fundamentalmente bons, situando assim a história – o tempo – sob a mais favorável das luzes. Na medida em que um grupo se preocupa com o problema filosófico do espaço e o outro com o problema filosófico do tempo, as declarações de um e outro grupo não têm muito sentido quando transferidos de um contexto a outro, sem levar em conta o que ocorre. Os povos da Europa ocidental jamais aprenderam a considerar a natureza do mundo desde um ponto de vista espacial”.[1]

Mas eis que face à degradação das condições de habitabilidade do planeta e à impotência calculada das potências em reagir à catástrofe geohistórica que recebeu o nome de Antropoceno, vários povos da Europa estão se redescobrindo indígenas, isto é, estão se situando no espaço e experimentando suas intensidades, embora nem sempre no mesmo sentido. Alguns vivem sua indigeneidade sob o modo da xenofobia, e pensam sua relação à terra a partir do modelo da soberania estatal, como se fosse possível escapar ao mundo fechando-se nas fronteiras de um “país”, este belo nome usurpado pelos Estados territoriais modernos.

Outros, como os que fazem parte dos Levantes da Terra, tomam consciência de que todo avanço da causa da Terra passa por uma luta pela terra – a terra enquanto solo natal, lugar de vida e espaço de co-engendramento envolvendo inúmeras outras formas de vida. Esta luta deve incluir, ou até mesmo começar pela defesa dos territórios dos povos oficialmente qualificados de indígenas.

Esses povos estão espalhados por 20% da superfície terrestre, presentes em praticamente todos os biomas habitados pela espécie. Seu número é estimado em 476 milhões de pessoas, ou seja, 6% do conjunto dos humanos (mais gente, portanto, que a população de toda a América do Norte). Hoje estão todos englobados na população dos Estados-nação modernos, enquanto “minorias étnicas”. Seus territórios estão submetidos a violentos processos de extração mineral e de açambarcamento pela agroindústria.

As florestas, savanas ou outros tipos de habitats que compõem seus territórios abrigam 80% da biodiversidade restante do planeta. Esse último número deveria, por si só, nos convencer do papel central desempenhado pelos povos indígenas do ponto de vista do futuro da espécie humana, se o simples – por assim dizer – respeito a seu direito à existência não bastasse para nos comover. Eles são uma das últimas barreiras à transformação do mundo inteiro numa imensa plantation biopolítica, uma monocultura planetária tanto no sentido antropológico quanto agroindustrial.

Dar-se conta de que somos todos indígenas – exceto aqueles que não o são – é juntar-se à luta por uma retomada da Terra pela terra, parcela por parcela, lugar por lugar, zona por zona. Uma retomada que arranque a causa da terra das mãos dos fascismos e dos nacionalismos, e que libere a dimensão do espaço de sua apropriação pelo imaginário político do Estado.

*Eduardo Viveiros de Castro é professor titular de antropologia no Museu Nacional da UFRJ. Autor, entre outros livros, de Inconstâncias da alma selvagem (Ubu).

Publicado originalmente no site da Editora n-1.

Nota


[1] Vine Deloria Jr. God Is Red: A Native View of Religion. Golden, CO: North American Press, 1992.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Antonio Martins João Carlos Loebens Francisco de Oliveira Barros Júnior Érico Andrade Benicio Viero Schmidt Igor Felippe Santos José Raimundo Trindade João Carlos Salles Ronald León Núñez Fernando Nogueira da Costa Alysson Leandro Mascaro Annateresa Fabris Celso Favaretto José Micaelson Lacerda Morais Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sergio Amadeu da Silveira Paulo Fernandes Silveira Gerson Almeida Andrew Korybko Juarez Guimarães Marcelo Guimarães Lima Renato Dagnino Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Everaldo de Oliveira Andrade Celso Frederico Flávio Aguiar Afrânio Catani Daniel Afonso da Silva Rubens Pinto Lyra Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Eduardo Borges Rafael R. Ioris Marcos Silva André Márcio Neves Soares João Lanari Bo Mariarosaria Fabris Leonardo Boff Vanderlei Tenório Alexandre de Lima Castro Tranjan Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria Bruno Machado Marcos Aurélio da Silva Samuel Kilsztajn Chico Alencar Anderson Alves Esteves Lorenzo Vitral Yuri Martins-Fontes Carlos Tautz Armando Boito Luiz Eduardo Soares Gilberto Maringoni Fernão Pessoa Ramos José Luís Fiori Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Paulo Nogueira Batista Jr Airton Paschoa Flávio R. Kothe Atilio A. Boron Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Eleutério F. S. Prado Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Vinício Carrilho Martinez João Sette Whitaker Ferreira Priscila Figueiredo Maria Rita Kehl Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira José Machado Moita Neto Ronald Rocha Ricardo Musse Eleonora Albano Julian Rodrigues Eliziário Andrade Paulo Martins Jorge Branco Heraldo Campos Ricardo Antunes Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca Ari Marcelo Solon Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Liszt Vieira Ronaldo Tadeu de Souza Lincoln Secco Ricardo Fabbrini Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Bento Prado Jr. Antônio Sales Rios Neto Ricardo Abramovay Luiz Carlos Bresser-Pereira Boaventura de Sousa Santos Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro Elias Jabbour Daniel Brazil José Dirceu João Adolfo Hansen Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vladimir Safatle Salem Nasser Luiz Bernardo Pericás Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Henry Burnett Ladislau Dowbor Daniel Costa Luciano Nascimento Tales Ab'Sáber Tarso Genro Chico Whitaker Mário Maestri Gilberto Lopes Roberto Noritomi Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer Marcus Ianoni Michael Löwy Roberto Bueno Walnice Nogueira Galvão Marcelo Módolo José Costa Júnior Gabriel Cohn Luiz Costa Lima Dênis de Moraes Marilena Chauí Antonino Infranca Valério Arcary Slavoj Žižek Dennis Oliveira Eugênio Trivinho André Singer Bernardo Ricupero Osvaldo Coggiola Jean Pierre Chauvin João Feres Júnior Sandra Bitencourt Luiz Marques Milton Pinheiro Denilson Cordeiro Remy José Fontana Otaviano Helene Eugênio Bucci Michael Roberts Berenice Bento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada