As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Introdução à história da União Soviética

Clara Figueiredo, Izmailovsky Market, Lênin_ 2067,60 rublos, Moscou, 2016
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Lincoln Secco

“o mundo foi melhor para a classe trabalhadora mundial enquanto a União Soviética existiu” (Lincoln Secco)

Lyotard decretou o fim das métarécit[1] no fim dos anos 1970, e de lá para cá, todo tipo de fragmentação e particularização das teorias e análises (não marxistas) se fizeram canônicas. Grandes interpretações e sínteses viraram objeto de bullying. Mais vale um paper em inglês do que um livro, né. Mas, deixemos de lado a crítica ao produtivismo neoliberal majoritário na universidade. Aqui vamos falar de um livro que vai na contramão desse zeitgeist.

Poder ler um livro de 160 páginas, intitulado História da União Soviética (o epíteto “uma introdução” aparece nas páginas internas) não é acontecimento corriqueiro. Afinal, a essa altura do campeonato, o que mais haveria a dizer de novo? O título soa como se tivéssemos diante de nós um tratado de centenas de páginas.

Não é nada disso. Lincoln Secco, como já havia feito em obras anteriores (A Revolução dos Cravos, de 2004; História do PT, de 2011), mescla rigor historiográfico, argúcia argumentativa, linguagem acessível e gosto pela condensação. Misto de crônica, reportagem, ensaio. Escrito visando um público mais amplo, o livro dialoga com quem já conhece o enredo básico da trama. É como um apanhado geral papeando com a militância de esquerda e com as diversas tradições interpretativas.

Um panorama geral, com estilo saboroso, riqueza de dados – e detalhes do tipo registrar que Lenin tinha “a sola do sapato furado” ao discursar na instauração do governo revolucionário. Apesar de alicerçado em ampla bibliografia, o autor opta por não fazer grandes digressões teóricas, embora polvilhe o texto todo com seu ponto de vista sobre os acontecimentos relatados.

Lincoln, sempre que possível, trata do tema das mulheres, das artes, da cultura, dos direitos civis, os avanços e retrocessos da revolução entre 1917 a 1991. Chama atenção também o esforço do autor em sempre cravar a classe/origem social familiar, profissão e formação das e dos principais dirigentes bolcheviques.

Stálin era “neto de servos”, Trotsky “filho de um fazendeiro”; Alexandra Kolontai, “filha de um general czarista”. Leitores apressados, talvez engajados, talvez entusiasmados, ou enredados no looping da “nova” polêmica sobre stalinismo x trotskismo, podem ser tentados a rotular rápido.

Secco incorpora o conceito de stalinismo. Não só usa termos como “terror em massa”. Dá amplo espaço para autores que desqualificam pessoalmente o georgiano, reverbera a imagem de Stalin como o mais tosco dos bolcheviques. Valida a ideia de que o período de “terror stalinista” foi o que mais assassinou comunistas historicamente.

Todavia, muita calma nessa hora. Antes de carimbar o livro como mais um esforço militante trotskista é preciso destacar que Lev Bronstein não é o herói da trama. O historiador considera o relatório Kruschov um “erro geopolítico” (do ponto de vista soviético) e dá espaço também para opiniões como as de Althusser e Togliatti, que discordam da responsabilização individual de Stalin e do “culto à personalidade” como explicação universal.

O livro avança, aborda a Guerra Fria, o contexto internacional e chega à dissolução do país. “O fracasso da economia socialista foi um mito. O desempenho econômico da União Soviética não era inferior aos da OCDE nos anos 1980”, crava o professor da USP.

Em uma das partes talvez mais controversas do livro, Secco caracteriza ora como “revoluções” ora como “revoltas” as movimentações acontecidas nos países do leste europeu em 1989. A chave interpretativa adotada é evidentemente vinculada à tradição “trosca” (que sempre defendeu como positivas a derrubada das “burocracias” naqueles países). Ocorre que depois disso só vieram regimes neoliberais capitalistas.

Didática e generosamente, o livro traz também, ao final, glossário e mapas.

*Julian Rodrigues é professor, jornalista e ativista LGBTI e de Direitos Humanos.

Referência


Lincoln Secco. História da União Soviética. São Paulo, Editora Maria Antonia, 2020.

Nota


[1] LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna (José Olympio)

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcos Silva Chico Whitaker Manuel Domingos Neto Sandra Bitencourt Rubens Pinto Lyra Carla Teixeira Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano José Micaelson Lacerda Morais Luiz Roberto Alves Mário Maestri Antonino Infranca Bernardo Ricupero Leonardo Avritzer Luis Felipe Miguel Andrew Korybko João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Michael Löwy Tadeu Valadares João Lanari Bo Eleonora Albano Igor Felippe Santos Marjorie C. Marona Antonio Martins Luiz Bernardo Pericás Roberto Bueno Anderson Alves Esteves Eugênio Trivinho Denilson Cordeiro Boaventura de Sousa Santos Afrânio Catani Benicio Viero Schmidt Marcelo Guimarães Lima Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior João Adolfo Hansen Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Kátia Gerab Baggio João Carlos Loebens Walnice Nogueira Galvão Ricardo Musse Paulo Martins João Paulo Ayub Fonseca Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Mariarosaria Fabris Tarso Genro Ricardo Abramovay André Singer Fernando Nogueira da Costa Berenice Bento Manchetômetro Luiz Eduardo Soares Alysson Leandro Mascaro Érico Andrade Ricardo Fabbrini Yuri Martins-Fontes Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Marques Valerio Arcary Armando Boito Ari Marcelo Solon Jean Pierre Chauvin Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Eugênio Bucci Samuel Kilsztajn Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Sacramento Salem Nasser Ladislau Dowbor Bento Prado Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Gilberto Lopes Milton Pinheiro Caio Bugiato José Machado Moita Neto Everaldo de Oliveira Andrade Flávio R. Kothe Slavoj Žižek Henry Burnett Paulo Sérgio Pinheiro Ronald Rocha Daniel Brazil Fernão Pessoa Ramos Priscila Figueiredo Thomas Piketty Leda Maria Paulani Heraldo Campos Celso Frederico Luiz Werneck Vianna Daniel Costa Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Michael Roberts Marcelo Módolo Gabriel Cohn José Luís Fiori Remy José Fontana Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida Jorge Branco Luiz Costa Lima Jorge Luiz Souto Maior Juarez Guimarães Marcus Ianoni Vinício Carrilho Martinez Atilio A. Boron Airton Paschoa Ricardo Antunes Paulo Capel Narvai Julian Rodrigues Claudio Katz Elias Jabbour André Márcio Neves Soares Valério Arcary Renato Dagnino Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Chico Alencar Rafael R. Ioris Roberto Noritomi Henri Acselrad Ronald León Núñez Luiz Renato Martins Eliziário Andrade Leonardo Boff Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Fernandes Silveira Liszt Vieira Dennis Oliveira João Feres Júnior Carlos Tautz Tales Ab'Sáber Paulo Nogueira Batista Jr Vladimir Safatle Lincoln Secco Marilena Chauí Gilberto Maringoni Vanderlei Tenório Osvaldo Coggiola Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Luciano Nascimento Lorenzo Vitral Plínio de Arruda Sampaio Jr. Maria Rita Kehl Eduardo Borges

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada