Investimento em direitos

Imagem: Michelle Guimarães
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WAGNER PIRES*

As contradições do governo e a greve dos servidores da educação federal de 2024

A greve atual da Educação Federal não é uma peça espalhafatosa da Lava Jato, onde bastava um power point e uma apresentação para conseguir o que se quisesse. Porque diferente da Lava Jato ela contraria a lógica neoliberal. E aponta para o fortalecimento dos direitos, do serviço público e da universidade.

Neste momento, existe um consenso em torno das políticas de austeridade de viés neoliberal, que tomou de assalto o imaginário à direita e à esquerda. Ora, que a direita apoie uma política que retira dos pobres e direciona aos ricos o fundo público não é novidade. Agora, que se cogite isso pela esquerda é que se prova algo terrível.

A luta contra o Teto de Gastos se fez a cada minuto desde que a estrovenga foi inserida na Constituição. A pandemia retirou dele o pouco de lastro que possuía e por fim, desmoronou por si, às vésperas de Lula 3. Mas tal como o louco da história que não queria receber alta, Fernando Haddad, principal ministro de Lula, resolveu manietar o governo com um “arcabouço fiscal” que, na prática, restaurou o teto de gastos, substituindo uma medida mal elaborada, por um sistema primoroso de arrocho sobre o investimento em direitos.

Dessa forma, quem sofre é o povo. E a pancada mais forte cai sobre parte das servidoras e servidores públicos. Dizemos parte, porque o governo federal, em detrimento da Educação, por exemplo, concedeu, a algumas categorias um pacote de bondades, enquanto distribui safanões aos demais. É notório que dentre essas carreiras algumas tiveram um papel abjeto nas ultimas eleições. E a categoria que desde o primeiro momento se colocou como base de Lula está sendo ignorada e maltratada.

Cansados de ser tratados como nada, as técnicas e técnicos administrativos em educação das Universidades entraram em greve. No que foram seguidos por docentes das universidades e pelas servidoras e servidores dos Institutos Federais. Uma greve que prioriza o debate e a busca por uma efetiva valorização dos profissionais e das Instituições de Educação Superior.

O governo federal segue com sua ópera bufa, onde finge negociar, enquanto se imagina protagonista de uma greve, na qual só lhe cabe o papel de antagonista, ao teimar em agradar o mercado, enquanto rifa os trabalhadores, tanto ativos quanto aposentados.

Não foram poucas as vezes que este governo mostrou desconhecer as universidades e Institutos federais, tampouco foram as vezes que agiu de forma desrespeitosa com os representantes das categorias. Neste momento, a prioridade da educação fica nos discursos, enquanto o orçamento segue nas mãos dos banqueiros e do centrão.

As universidades mudaram. Se antes professores e estudantes eram os principais protagonistas da comunidade acadêmica, a greve de 2024 mostrou que as técnicas e técnicos também merecem seu lugar ao sol. Tanto pela combatividade neste momento, quando dia 11/06 completam 90 de greve, quanto por sua contribuição para o ensino, a pesquisa e a extensão. Os TAE desejam equiparação salarial com outras carreiras do executivo para encerrar o alto índice de evasão das servidoras e servidores da carreira e continuar as atividades de excelência executadas na universidade.

A maior carreira do serviço público e uma das mais preparadas, os TAE seguem sendo solenemente menosprezada por um governo que, reconheçamos, foi objeto de esperança de muitas e muitos de nós, mas que neste momento se recusa a ser o sujeito na realização dessas esperanças, deixando nossas universidades tornarem-se cada vez mais sucateadas e permitindo a evasão de servidoras e servidores que fizeram das nossas universidades e Institutos, os centros de referência em ensino, pesquisa e extensão, no Brasil e no mundo.

*Wagner Pires é servidor técnico administrativo em educação da Universidade Federal do Cariri e doutorando em educação na Universidade Federal de Pelotas.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES